quarta-feira, 21 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Credenciamento

Centro médico pode retomar prestação de serviços ao município de Bady Bassitt

Liminar de 1º grau impedia os serviços por possíveis irregularidades no credenciamento.

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Centro médico de especialidades pode retornar prestação de serviços ao município de Bady Bassitt. O presidente do TJ/SP, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, suspendeu liminar de 1º grau que impedia os serviços por possíveis irregularidades no credenciamento.

t

O município de Bady Bassitt alegou que publicou edital para credenciamento público e possível contratação de pessoas jurídicas para prestação de serviços médicos. A primeira interessada a se inscrever foi declarada habilitada e na mesma data foi firmado termo de credenciamento e contrato entre o município e a empresa.

De acordo com a decisão, outras duas interessadas apresentaram inscrição em datas posteriores e foram declaradas habilitadas, mas não foram convocadas. Assim, uma das empresas pediu a suspensão do contrato, porque apenas uma das inscritas obteve credenciamento e foi contratada.

Ao apreciar o pedido, o juízo de 1º grau suspendeu a prestação de serviços pela contratada por vislumbrar possivel improbidade administrativa.

Ao analisar o caso, o desembargados considerou que o credenciamento é método de contratação direta, sem licitação, no qual o municípios não seleciona apenas um dos inscritos, mas sim pré-qualifica todos os interessados que cumprirem os requisitos previamente determinados no edital.

"No sistema de credenciamento se objetiva a celebração de vários contratos, sendo que todos os habilitados e depois credenciados podem atender ao objeto pretendido pelo Poder Público. Por ter essa extensão, não há data específica para o encerramento do credenciamento, de forma que, durante o prazo de vigência, qualquer interessado pode se apresentar e entregar documentos para se credenciar."

O presidente consignou que a concessão da liminar neste período "crítico e de calamidade" da crise do coronavírus, poderia acarretar sensíveis prejuízos à população.

"A liminar deferida não resolve o problema da impetrante, não soluciona eventual opção indevida da municipalidade pelo credenciamento e, o que é ainda mais grave, compromete a prestação de serviços médicos municipais em momento de crise e pandemia, esta a mais prejudicial consequência para os munícipes."

Sendo assim, o desembargador suspendeu a liminar concedida em juízo de 1º grau.

Confira a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 15/4/2020 15:24

LEIA MAIS