terça-feira, 19 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Vista de Moraes interrompe julgamento sobre afastamento de servidores indiciados por lavagem de dinheiro
Plenário virtual

Vista de Moraes interrompe julgamento sobre afastamento de servidores indiciados por lavagem de dinheiro

Relator Edson Fachin negou provimento à ação que pede o reconhecimento de inconstitucionalidade de dispositivo com a medida de afastamento.

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

O ministro Alexandre de Moraes pediu vista em julgamento, no plenário virtual, que questiona dispositivo da lei de lavagem de dinheiro que determina o afastamento de servidores públicos de suas funções em caso de indiciamento por crime de lavagem ou ocultação de bens.

Antes do pedido, o relator do processo, ministro Edson Fachin, havia negado provimento à ação que pede o reconhecimento de inconstitucionalidade do dispositivo. O ministro observou que a norma determina que o servidor indiciado será afastado até que o juiz competente autorize seu retorno, que o afastamento visa a preservação das investigações e que não acarreta qualquer consequência permanente no vínculo do servidor com a Administração Pública.

t

A ação foi ajuizada em 2013 pela ANPR - Associação Nacional dos Procuradores da República contra o artigo 17-D, inserido em 2012 na lei de lavagem de dinheiro (lei 9.613/18). O dispositivo determina o afastamento de servidores públicos de suas funções em caso de indiciamento o que, segundo a associação, usurpa funções privativas do Ministério Público e do Judiciário além de violar garantias fundamentais do cidadão estabelecidas na Constituição Federal.

O artigo 17-D estabelece que servidores indiciados devam ser afastados de seus cargos "sem prejuízo de remuneração e demais direitos previstos em lei, até que o juiz competente autorize, em decisão fundamentada, o seu retorno". Para a ANPR, a determinação fere regras constitucionais que determinam que ninguém será privado dos seus bens sem o devido processo legal.

"Para que alguém possa ser afastado de seus bens - o exercício do cargo público é um bem jurídico do servidor que o titulariza -, é necessário que tenha existido um processo administrativo ou judicial no qual se lhe tenha assegurado um mínimo de contraditório e ampla defesa."

Na ação, a entidade sustentou, ainda, que o artigo impugnado viola o estabelecido no inciso I do artigo 129 da CF, que atribui função exclusiva ao Ministério Público para "promover, privativamente, a ação penal pública, na forma da lei".

Constitucional

Ao analisar o caso, o relator Edson Fachin entendeu que, no mérito, não procede a alegação de que, ao prever o afastamento do servidor público indiciado por crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, o art. 17- D da lei 9.613/98 teria alterado a estrutura da persecução penal prevista ao usurpar competências do Ministério Público e do Poder Judiciário.

O ministro asseverou que o MP não tem exclusividade na investigação preliminar. "A atribuição pelo legislador de específico poder cautelar à autoridade policial coaduna-se com as funções que lhe foram atribuídas pelo texto constitucional, na linha da jurisprudência desta Corte que reconhece a necessidade de instrumentos para o exercício de um dever constitucional a órgãos que não exercem natureza estritamente jurisdicional".

Na análise do relator, a previsão legal de possibilidade de afastamento de servidor público indiciado, a fim de assegurar a investigação desses crimes, configura-se exercício legítimo do poder de cautela, o qual não está sob o domínio da cláusula de reserva de jurisdição.

O ministro também afastou a argumentação da inicial de que o afastamento implicaria um juízo de culpa antecipada sobre o indiciado, em contrariedade ao artigo 5°, inciso LVII, da CF.

"Portanto, rejeito os argumentos lançados pela requerente, pois compreendo restar justificada e amparada pelo texto constitucional, a competência da autoridade policial para decretar medida cautelar de afastamento de servidor público, em caso de indiciamento por crime de 'lavagem' ou ocultação de bens."

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 25/9/2020 10:37