segunda-feira, 17 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Golpe

Banco terá de arcar com prejuízo de empresa vítima de fraude

Empresa foi procurada por suposto funcionário da instituição para atualização de certificado digital e aplicativo.

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Instituição bancária terá de restituir prejuízos a empresa vítima de fraude. Decisão é da 13ª câmara de Direito Privado do TJ/SP, que considerou que houve falha no sistema de segurança do banco, visto que o fraudador que se passou por preposto do banco conhecia os dados pessoais da autora.

t

A ação foi movida pela empresa contra o banco pleiteando o reconhecimento da responsabilidade objetiva da instituição diante da fraude suportada pela empresa, que ocasionou prejuízos na monta de R$ 99.960,00.

A autora alega que foi contatada por pessoa que se dizia funcionária da instituição financeira para atualização do certificado digital e aplicativo, e que possuía seus dados pessoais e sigilosos. Em seguida, sofreu golpe com transferências em sua conta corrente.

O banco, por sua vez, alegou excludente de responsabilidade por culpa exclusiva da autora.

Em 1º grau, o juízo entendeu pela culpa concorrente do banco, condenando a instituição à devolução de metade do prejuízo.

Mas, ao analisar a apelação, o colegiado do TJ/SP considerou que não ficou caracterizada a culpa exclusiva ou concorrente da vítima. O relator, desembargador Francisco Giaquinto, entendeu, ainda, que houve falha no sistema de segurança da instituição financeira.

"Incumbia à instituição financeira o dever de checar a regularidade das operações efetivadas, sobretudo por fugirem ao padrão e perfil da autora, possuindo o banco toda a documentação e o aparelhamento tecnológico necessários para checar a idoneidade das operações financeiras."

Assim, reformou a sentença para impor o acolhimento integral do pedido de danos morais, devendo o banco realizar a devolução integral do prejuízo da empresa autora.

Decisão se deu com base na responsabilidade objetiva do banco e na súmula 479 do STJ, segundo a qual "as instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias".

Posteriormente à decisão, o colegiado ainda julgou embargos de declaração da empresa, no qual foram majorados os honorários advocatícios no caso.

O escritório Ratc & Gueogjian Advogados atuou pela empresa.

Leia o acórdão.

_________________

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 2/10/2020 11:41

LEIA MAIS