quinta-feira, 15 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Pandemia

São Caetano Esporte Clube pagará apenas por uso efetivo de energia elétrica na pandemia

Clube esportivo teve de suspender as atividades desde março de 2020.

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

O juiz Sérgio Noboru Sakagawa, da 3ª vara Cível da Comarca de São Caetano do Sul atendeu pedido do São Caetano Esporte Clube para revisar o contrato de energia com uma concessionária para que o clube pague apenas pela energia que efetivamente foi utilizada durante a pandemia.

(Imagem: Pixabay)

(Imagem: Pixabay)

O São Caetano Esporte Clube apresentou ação explicando que realizou a contratação da empresa para o fornecimento de energia elétrica por demanda contratada, no total de 125,0 KW, relativos a toda área ocupada pelo clube.

No entanto, por conta da pandemia, o Governo do Estado de São Paulo editou decretos, mediante o qual foi instalado estado de emergência na capital e foi determinada a suspensão de todos os estabelecimentos referente às atividades esportivas na cidade de São Paulo.

Assim, ficaram suspensas as atividades do clube desde março de 2020, fazendo com que a receita ficasse comprometida, sem qualquer previsão de retorno à sua normalidade.

Publicidade

Diante disso, o Clube requereu a concessão à tutela provisória de urgência, a fim de determinar à fornecedora de energia que realize a suspensão das obrigações quanto a demanda contratada de energia, a partir e incluindo o mês de março/2020, até que a pandemia da covid-19 e seus efeitos sejam cessados, de modo que seja realizada a cobrança do montante da demanda contratada com base somente na demanda efetivamente utilizada.

Ao analisar os pedidos, o magistrado determinou que o clube esportivo pague as faturas de energia elétrica pelo consumo efetivo, a partir de março de 2020.

O juiz pontuou ser necessário compreender a dificuldade enfrentada pelo clube para o exercício de suas atividades "uma vez que ela é comum e geral em virtude da excepcionalidade do momento e do inusitado da situação jamais enfrentada até então no país".

"Inegável o momento excepcional por que passa o mundo com a proliferação do novo coronavírus-Covid 19, o que tem exigido das autoridades constituídas de todos os níveis a tomada de medidas para enfrentamento da pandemia.  E essa é a situação aqui enfrentada, porquanto, se em circunstâncias normais cabia o acerto efetivado, esse interesse deixou de existir, pretendendo o Requerente a cobrança da energia elétrica pelo seu efetivo consumo, o que também é razoável, considerando-se a situação excepcional que todos enfrentam."

Defesa 

Para o estudante de Direito Daniel Watanabe, que atuou conjuntamente com o advogado Gabriel Salles Vaccari, ambos do escritório Vieira Tavares Advogados, "é fato que em uma relação contratual, em regra o 'pacta sunt servanda' deve ser observado e respeitado. Ocorre que, decorrente da situação de excepcionalidade que estamos vivenciando (pandemia da covid-19), o que comprovadamente impactou nas atividades do Clube requerente, é possível relativizarmos o 'pacta sunt servanda', e assim, rever os termos contratuais que se tornaram excessivamente oneroso neste período excepcional.

Veja a decisão

________

t

 

________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 5/11/2020 09:35

LEIA MAIS