terça-feira, 15 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF julga testes de cosméticos e abate de animais apreendidos

Publicidade

Crimes contra o Meio Ambiente

STF julga testes de cosméticos e abate de animais apreendidos

O tema que está no STF - teste de cosméticos em animais - recentemente circulou nas redes sociais com o curta-metragem "Salve O Ralph", no qual um coelho é entrevistado para contar sua rotina como "cobaia" em um laboratório.

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Estão marcados na agenda do plenário do STF desta quarta-feira, 26, os julgamentos de duas ações que envolvem a pauta animal.

Uma das ações questiona lei do RJ que proíbe o uso de animais para testes de cosméticos e a comercialização de produtos derivados da realização de testes em animais. A outra ataca a lei de crimes ambientais e o decreto 6.514/08, relativos à destinação de animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos apreendidos em decorrência de abuso e maus tratos. 

(Imagem: Reprodução/YouTube)

(Imagem: Reprodução/YouTube)

Testes em animais

A ação foi ajuizada em 2018 pela ABIHPEC - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos contra a lei 7814/17, do Estado do RJ.

A lei "proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimentos e testes de produtos cosméticos, higiene pessoal, perfumes, limpeza e seus componentes, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, sem prejuízo de proibições e sanções previstas em outros dispositivos legais: municipal, estadual ou Federal"

O artigo 1º da lei dispõe o seguinte:

"Art. 1º - Fica proibida, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos, higiene pessoal, perfumes, limpeza e seus componentes.

Parágrafo único - Fica também proibida a comercialização dos produtos indicados no caput deste artigo, quando derivados da realização de testes em animais."

Para a Associação, a Assembleia Legislativa do RJ, ao editar a norma, usurpou a competência conferida à União para (i) estabelecer normas gerais sobre fauna, conservação da natureza e proteção do meio ambiente (ii) estabelecer normais gerais sobre produção e consumo (iii) legislar privativamente sobre direito civil e comercial.

Leia petição inicial.

O relator da matéria é o ministro Gilmar Mendes.

Abate de animais apreendidos

A ação foi protocolada em 2019 pelo PROS - Partido Republicano da Ordem Social, que é contra o abate dos animais apreendidos.

A legislação sobre o tema (lei de crimes ambientais e pelo decreto 6.514/08) determina que os animais apreendidos em práticas ilegais de maus-tratos devem ser prioritariamente libertados em seu habitat ou entregues a jardins zoológicos, fundações ou entidades assemelhadas. "Porém, não é isto que vem ocorrendo", diz a legenda.

A agremiação sustenta que em diversas situações há determinação judicial autorizando o sacrifício dos animais apreendidos, "em interpretação da legislação contrária à Constituição Federal", afirma.

"É que, não bastasse os maus-tratos sofridos pelos animais, com a possibilidade de interpretação da norma determinando seu sacrifício, ao fim, são privados de seu único bem, a vida."

O partido pretende, então, a declaração de constitucionalidade de vários dispositivos da lei de crimes ambientais, com a determinação de interpretação conforme aos preceitos fundamentais contidos na CF, de modo a excluir a interpretação dos referidos dispositivos que possibilita o sacrifício de animais.

Veja a íntegra da inicial. 

O relator é o ministro Gilmar Mendes, que, em 2020, determinou a suspensão, em âmbito nacional, de todas as decisões administrativas ou judiciais que autorizem o sacrifício de animais silvestres ou domésticos apreendidos em situação de maus tratos.

A decisão liminar de Gilmar Mendes surtiu efeitos em outro caso, de relatoria do ministro Alexandre de Moraes. O ministro suspendeu os efeitos de ato administrativo do Estado de Santa Catarina em que foi determinado o abate sanitário de 86 galos apreendidos em situação de maus tratos num galpão às margens de uma rodovia no município de Massaranduba/SC, utilizado para a prática de "rinhas".

  • Processo: ADPF 640

Salve O Ralph

Recentemente, circulou nas redes sociais um curta-metragem de animação no qual o coelho "Ralph" aparece sendo entrevistado para um documentário em sua rotina diária como "cobaia" em um laboratório. No Brasil, o coelhinho ganha vida pela dublagem de Rodrigo Santoro. A produção é uma animação stop-motion produzido pela Humane Society International. Assista:

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 24/5/2021 17:29

LEIA MAIS