sexta-feira, 25 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STJ julga mudança de tese sobre ônus de devedor em depósito judicial

Publicidade

Tema 677

STJ julga mudança de tese sobre ônus de devedor em depósito judicial

Para Nancy, tese fixada pela 2ª seção não está cumprindo adequadamente sua finalidade e deve ser reformada.

quarta-feira, 2 de junho de 2021

A Corte Especial do STJ começou a julgar nesta quarta-feira, 2, se tese fixada pela 2ª seção de que na fase de execução, o depósito judicial da condenação extingue a obrigação do devedor, deve passar por modificação. Na opinião da ministra Nancy Andrighi, relatora, a tese não está cumprindo adequadamente sua finalidade e deve ser reformada. A redação encontra-se sob o Tema 677 do STJ.

(Imagem: Gustavo Lima/STJ)

Ministro Humberto Martins em sessão por videoconferência da Corte Especial do STJ.(Imagem: Gustavo Lima/STJ)

A 2ª seção firmou entendimento em 2014 fixando a tese: "Na fase de execução, o depósito judicial do montante (integral ou parcial) da condenação extingue a obrigação do devedor, nos limites da quantia depositada."

Questão de ordem suscitada em um recurso na 3ª turma foi acolhida para afetar a questão à Corte Especial, enquanto órgão julgador do Tema 677. O relator do acórdão que fixou a tese em 2014, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, propôs os recursos representativos da controvérsia de sua relatoria - REsps 1.866.971 e 1.868.124 - para complementar a revisitação do tema.

A controvérsia está em definir se, na execução, o depósito judicial do valor da obrigação, com a consequente incidência de juros e correção monetária a cargo da instituição financeira depositária, isenta o devedor do pagamento dos encargos decorrentes da mora, previstos no título executivo judicial ou extrajudicial, independentemente da liberação da quantia ao credor.

A Febraban requereu o ingresso como amicus curiae no processo. Segundo a Federação, a discussão dos autos tem impacto sobre grande número de processos executórios de que são partes as instituições financeiras em atuação no país.

Modificação da tese

A ministra Nancy, em extenso voto, concluiu que a tese não está cumprindo adequadamente sua finalidade de servir como paradigma à solução de processos semelhantes com uniformização na aplicação da lei Federal.

Assim, propôs a modificação para que passe a ter a seguinte redação;

"Na execução, o depósito efetuado a título de garantia do juízo ou decorrente de penhora de ativos financeiros não isenta o devedor do pagamento dos consectários da sua mora, conforme previstos no título executivo. Devendo-se, quando da efetiva entrega do dinheiro ao credor, deduzir do montante final devido, o saldo da conta judicial."

No caso concreto, a ministra conheceu do recurso e deu provimento para determinar a incidência dos juros moratórios previstos no título judicial até a data efetiva da liberação do crédito em favor da recorrente, momento em que deverá ser deduzido do quanto devido o saldo do depósito judicial e seus acréscimos pagos pela instituição financeira depositária.

Após o voto, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino pediu vista dos autos.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 2/6/2021 17:02

LEIA MAIS