terça-feira, 25 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Homem será indenizado após ter CNH divulgada por emissora de televisão
Imagem

Homem será indenizado após ter CNH divulgada por emissora de televisão

Para magistrado, ficou provado que emissora praticou abuso do direito de informação, desrespeitando o homem.

terça-feira, 6 de julho de 2021

Emissora de televisão foi condenada a indenizar em R$ 9 mil por danos morais homem que teve sua CNH divulgada em um programa jornalístico. A decisão é do juiz de Direito Eduardo Walmory Sanches, do 2º JEC de Aparecida de Goiânia/GO, que entendeu pela prática abusiva do exercício da liberdade de informação. 

(Imagem: Arte Migalhas)

O magistrado condenou a empresa uma vez que ficou devidamente provado que empresa praticou abuso do direito de informação, desrespeitando o autor. (Imagem: Arte Migalhas)

Consta nos autos que um programa de televisão divulgou a CNH de um homem por supostamente ter sido preso por receptação de veículo. Ao procurar o Poder Judiciário, o homem alegou que sofreu diversas consequências da divulgação - como cadastro de seu CPF em aplicativo de transporte - e vários outros danos e transtornos pela exposição de seus dados.

O magistrado verificou que os documentos - CNH e foto colorida do CRLV -, foram exibidos sem nenhuma tarja sobre os dados pessoais na reportagem. Segundo ele, a exibição não era necessária para informar ao público sobre o fato ocorrido, havendo abuso do direito de informação.

Viola o direito de personalidade

De acordo com o magistrado, aquele que dispõe da liberdade de imprensa, por meio da divulgação de informativos, deve ter maior cuidado, considerando que pode, devido sua atuação, provocar dano à honra e imagem de um cidadão.

"Revela-se que não era necessário para segurança pública, segurança da coletividade, e para cumprir o direito de informar o público, a exibição de fotos, ou da imagem do acusado, ou das fotos constantes em seus documentos pessoais. No caso dos autos, a exposição da carteira de habilitação do autor em jornal (televisão) de grande alcance de público, sem qualquer restrição à imagem e dados ali contidos, viola o direito de personalidade e, por isso, merece reparação. Embora a ré diga que nada a vincula à reportagem, é de conhecimento público e notório que o programa "Chumbo Grosso" fazia parte da empresa, razão pela qual o sinal distintivo do programa, o apresentador e repórter, são provas cabais associadas a pessoa da ré."

No caso em análise, conforme salientou, "a conduta da ré foi ilícita na medida em que extrapolou o limite dos fatos e divulgou os dados pessoais da parte autora sem qualquer restrição, possibilitando que qualquer cidadão utilizasse de seus dados pessoais para eventuais crimes e expondo a imagem do autor sem a menor necessidade para cumprir seu papel constitucional de informar".

Dano moral

Para o juiz, ficou claro e devidamente provados a conduta ilícita da rede de televisão. Para o juiz, ficou igualmente comprovado o dano, pois o homem teve sua imagem e foto divulgadas e seus dados expostos e, provado o fato, provado está o dano moral.

"A reparação pelo dano moral tem natureza de pena privada, pois é a justa punição contra aquele que atenta contra a honra o nome ou a imagem de outrem, devendo tal pena ser revertida em favor da vítima. Assim, o dano moral tem caráter coercitivo-punitivo, bem como intimidatório e levando-se em conta a situação financeira e social das partes."

Violação da intimidade

O magistrado ressaltou que a CF consagra a liberdade de expressão na atividade de comunicação, independentemente de censura ou licença (artigo 5º, IX), vedando qualquer embaraço à plena liberdade de informação mediante censura de natureza política, ideológica e artística. Entretanto, ele destacou que a Carta Magna contrapõe à liberdade de imprensa a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, assegurando direito de indenização pelos danos material e moral decorrentes de suas violações.

"Tem-se que a veiculação de informações ao público em geral, deve se prender ao relato fiel dos fatos, sem excesso que possa causar dano à honra e à imagem de pessoa, física ou natural."

O tribunal não divulgou o número do processo. 

Informações: TJ/GO.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/7/2021 11:55