terça-feira, 21 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Promotores aposentados pedem prisão de nove ministros do STF
Ministros x Bolsonaro

Promotores aposentados pedem prisão de nove ministros do STF

Os autores, que também são advogados, acusam ministros de tortura e genocídio, e pedem o fim das medidas sanitárias anti-covid.

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Em peça direcionada ao Ministério Público Militar, dois advogados e promotores de Justiça aposentados do DF apresentaram notícia-crime pleiteando a prisão em flagrante ou afastamento dos cargos de nove ministros do STF, Toffoli, Fux, Gilmar Mendes, Lewandowski, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Barroso, Fachin e Alexandre de Moraes, "por estarem incursos nas penas de crimes permanentes e inafiançáveis contra a ordem constitucional e o Estado Democrático de Direito".

No documento, os apoiadores de Bolsonaro dizem que os ministros, objetivando se opor ao presidente da República, cometeram crimes de genocídio, tortura e outros previstos na já revogada lei de segurança nacional, "praticados pela organização criminosa promovida, constituída e integrada por todos os representantes". Na peça, pedem ainda a suspensão das medidas sanitárias contra a disseminação do coronavírus.

O único ministro que não está na lista é Nunes Marques, ministro indicado pelo atual presidente.

(Imagem: Carlos Moura/SCO/STF)

Promotores aposentados pedem prisão de ministros do STF.(Imagem: Carlos Moura/SCO/STF)

De acordo com o documento, os 9 ministros, cada um em seu cargo e com apoio da TV Globo, teriam divulgado notícias inverídicas, alarmantes e causadoras de pânico relativamente aos casos de infecções e mortes pelo coronavírus.

Afirmam que os ministros, "cada um abusando do poder em razão do exercício dos cargos que ocupam, dando continuidade ao pacto criminoso" e objetivando se opor ao presidente Bolsonaro, levaram à morte de diversas formas pessoas humildes, trabalhadoras, honestas, pequenos comerciantes e outros, "com finalidade nitidamente político-ideológica".

Além disso, diz a peça que os ministros vêm contribuindo para impedir o fornecimento de medicamentos enviados pelo Executivo para a cura do coronavírus, e que foram inconstitucionais prisões de bolsonaristas autorizadas pelo Supremo (de Daniel Silveira, Oswaldo Eustáquio e Roberto Jeferson).

Segundo o texto, o STF "criminalizou o conservadorismo e o cristianismo, opondo-se à esmagadora maioria do povo brasileiro".

Os autores dedicam-se também a criticar vacinas, dizendo que em todos os imunizantes há substâncias que podem causar alergias, e cita artigo dizendo que as máscaras são "o grande engodo. Viraram estereótipo universal, com sua ausência sendo punida como invocação do diabo na Idade Média, verdade única inapelável".

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/9/2021 11:20