domingo, 24 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Justiça Federal limita anuidade de advogado na OAB/RJ a R$ 500
Anuidade

Justiça Federal limita anuidade de advogado na OAB/RJ a R$ 500

Turma recursal limitou cobrança nos termos do art. 6º da lei 12.514/11.

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Um advogado do Rio de Janeiro conseguiu na Justiça Federal a limitação da anuidade da OAB/RJ ao valor de R$ 500. Decisão é da 8ª turma Recursal da JF/RJ, ao reformar sentença e limitar a cobrança, nos termos do art. 6º da lei 12.514/11.

O autor também deverá ser restituído pelos valores indevidamente recolhidos a maior.

(Imagem: PxHere)

Advogado consegue limitação de anuidade da OAB/RJ a R$ 500.(Imagem: PxHere)

O advogado interpôs recurso após sentença julgar improcedente o pedido de limitação do valor da anuidade. Em suas razões, sustenta que o STJ reconheceu a aplicabilidade da lei 12.514/11 à OAB, independentemente de sua natureza sui generis, sobretudo porque a anuidade de advogado diz respeito tão somente a função corporativa também exercida pela entidade enquanto conselho profissional.

O dispositivo dispõe que:

Art. 6º As anuidades cobradas pelo conselho serão no valor de:

I - para profissionais de nível superior: até R$ 500,00 (quinhentos reais);

A relatora do caso, juíza Federal Cynthia Leite Marques, observou que a natureza jurídica das anuidades da OAB permanece em debate, indefinida, visto que para alguns é típica cobrança de tributo como condição parafiscal profissional, enquanto para outros se trata de receita de natureza civil, não cobrada por atividade administrativa plenamente vinculada e nem por entidade pública, e, portanto, não submetida à cobrança fiscal.

Ressaltou que não há nenhum entendimento vinculante do STF, STJ ou mesmo entendimento totalmente pacificado dos Tribunais Regionais pela aplicação do art.6º da Lei 12.514/11 à OAB.

Pontua a magistrada que o STF, ao julgar RE com repercussão geral em 2016 (RE 704.292), definiu que é inconstitucional a delegação legal aos conselhos de fiscalização profissional, da atribuição de majorar anuidades sem limitação, e que portanto a lei 12.514/11 seria constitucional no tocante às anuidades, para a fixação de teto de cobrança para anuidades profissionais. A tese, por sua vez, não abarcou a hipótese da OAB. Seria, então, a lei aplicável à Ordem dos Advogados?

Em outro julgado do STF (RE 647.885 - Tema 732), este de 2020, a Corte julgou inconstitucional a suspensão realizada por conselho de fiscalização profissional do exercício laboral de seus inscritos por inadimplência de anuidades, pois a medida consiste em sanção política em matéria tributária.

Para ela, com a mais recente decisão, "o STF muda seu entendimento para considerar que a anuidade da OAB seria um tributo".

"Desse modo, considerando a nova e inegável posição do STF pela natureza tributária da anuidade corporativa da OAB, não há como afastá-la das disposições da Lei 12.514/11, especialmente da limitação trazida pelo seu artigo 6º."

Assim, votou por conhecer do recurso e dar provimento ao mesmo, limitando a cobrança de anuidade à parte autora ao valor de R$ 500, com a devida atualização anual pelo INPC nos termos do art. 6º da lei 12.514/11, no que foi acompanhada pelos demais membros do colegiado.

Também foi determinado que o autor seja restituído com os valores recolhidos indevidamente a maior.

Confira o voto e o acórdão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/9/2021 10:53