sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Google não terá de desativar 72 links pedidos por Letícia Spiller
Liminar

Google não terá de desativar 72 links pedidos por Letícia Spiller

Os links veiculam trecho de entrevista em que a atriz comenta o caso de assédio sexual do qual Marcius Melhem é acusado.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

O juiz de Direito Luiz Felipe Negrão, da 3ª vara Cível do Fórum Regional da Barra da Tijuca/RJ, negou o pedido de liminar apresentado pela atriz Letícia Spiller para que o Google desative o acesso de 72 links veiculados em seu site de busca.

Esses links, no entendimento da atriz, atingem sua imagem, pois veiculam trecho de uma entrevista que concedeu a um programa de rádio, passando a impressão de que ela estaria apoiando o humorista Marcius Melhem, acusado de assédio sexual contra a também humorista Dani Calabresa.

Na decisão negando o pedido, o magistrado destacou que o Google é apenas "o proprietário e operador de um motor de busca, não um provedor internet de hospedagem ou um provedor internet de conteúdo".

(Imagem: Reprodução/Instagram)

Justiça nega pedido de Letícia Spiller para desativar acessos a 72 links da Google.(Imagem: Reprodução/Instagram)

"Fica evidente que a ré não tem obrigação de remover qualquer conteúdo, e que, certamente, sequer meios tem de o fazer, porque o conteúdo para o qual os links remetem (são setenta e duas páginas da Internet) estão - todos eles - hospedados em domínios de terceiros, que não o Google e, ademais, os direitos sobre os conteúdos indicados são de propriedade de terceiros que nada têm a ver com a ré."

Na decisão o magistrado designou a realização de audiência de conciliação para o dia 31 de janeiro de 2022, às 16h20min. Ele considerou não haver riscos à imagem da atriz, "à primeira vista", no material divulgado nos 72 links relacionados por ela.

"Com efeito, embora obrigação de fazer dessa natureza pudesse, em tese, ser imputada à ré, como operadora do motor de busca - sendo certo, inclusive, que o próprio motor tem uma política de remoção de conteúdo - fato é que não se vê nas matérias jornalísticas às quais os links se direcionam, nada que, à primeira vista, deva ser eliminado para proteção da imagem da autora e em detrimento da Liberdade Constitucional de Expressão e Opinião dos 72 autores dos comentários às declarações precedentes da notável atriz em entrevista a uma rádio."

Veja a decisão.

Informações: TJ/RJ.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/12/2021 12:36