quarta-feira, 25 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Juíza nega suspender sessões presenciais do Carf
Avanço da ômicron

Juíza nega suspender sessões presenciais do Carf

Entidade autora da ação argumentou que há riscos de contaminação dos envolvidos nas referidas sessões presenciais pela covid-19.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

A juíza Federal em auxílio na 21ª vara Federal Cível da SJ/DF, Flávia de Macêdo Nolasco, negou pedido do MDA - Movimento de Defesa da Advocacia para suspender as sessões presenciais do Carf de janeiro e fevereiro.

(Imagem: André Corrêa/Agência Senado)

Juíza nega suspender sessões presenciais do Carf.(Imagem: André Corrêa/Agência Senado)

Trata-se de mandado de segurança impetrado pelo MDA em face da União e do presidente do Carf, objetivando suspender as sessões presenciais do órgão de janeiro e fevereiro de 2022, facultando-se a realização de sessões virtuais com o quórum completo.

A entidade argumenta que há riscos de contaminação dos envolvidos nas referidas sessões presenciais pela covid-19.

Ao analisar liminarmente o caso, a juíza considerou que inexiste qualquer ilegalidade na portaria Carf/ME 14.548/21, que traçou diretrizes para a realização das sessões presenciais, inclusive com a observância das "regras e diretrizes de segurança sanitária estabelecidas pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Economia, vigentes a partir de janeiro de 2022".

Ponderou, também, que o caso é de competência da administração pública, não devendo o Judiciário se imiscuir.

"Os riscos aventados pelo impetrante se demonstram sobremaneira genéricos, sem a devida comprovação, por meio de documento oficial, emitido pelas autoridades públicas, de eventual agravamento da situação epidemiológica da COVID-19 neste Distrito Federal."

Por esses motivos, indeferiu o pedido.

Leia a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/1/2022 08:32