sábado, 2 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Expedia não deve verificar se anúncio contraria convenção condominial
Agência de viagem online

Expedia não deve verificar se anúncio contraria convenção condominial

Ação foi movida pelo complexo turístico Beach Park.

sexta-feira, 25 de março de 2022

A 4ª câmara de Direito Privado do TJ/SP negou provimento ao recurso de apelação interposto pelo complexo turístico Beach Park em ação ajuizada contra a agência de viagens online Expedia.

Beach Park pretendia coibir anúncios de acomodações alegadamente em desconformidade com as disposições da convenção condominial de seu complexo, além de obrigar a Expedia a realizar controle prévio de conteúdo em relação aos anúncios que eventualmente apresentassem supostas violações de direito de marca e das referidas disposições da convenção de condomínio.

Para a câmara julgadora, a Expedia se qualifica como uma provedora de aplicações de internet, de modo que o caso deve ser julgado à luz do Marco Civil da Internet, que, em seu artigo 19, veda a realização de censura prévia, conforme entendimento que prevalece perante o STJ. De acordo com o voto do relator, desembargador Alcides Leopoldo, foram evidenciados os seguintes aspectos:

"Ainda que tecnicamente a ré possa exercer o controle do conteúdo, não tem o dever de verificar se a oferta pode eventualmente estar contrariando algum dispositivo da Convenção Condominial da autora, como a disponibilização de locação direta de unidade por período inferior a 30 dias (art. 15, § 2º, Convenção), ou os demais critérios "objetivos" que relaciona, porque isso não está diretamente afrontando norma legal de aplicação geral; não se insere dentre os deveres obrigatórios dos provedores [...]."

 (Imagem: Freepik)

Expedia não deve verificar se anúncio contraria convenção condominial.(Imagem: Freepik)

No que toca à questão da observância, pela Expedia, das disposições da convenção condominial do Beach Park, o acórdão também deixou claro que terceiros não estão obrigados a avaliar referidas disposições:

"[...] eventualmente, pode afrontar o direito de propriedade do anunciante, contra quem cabe a apelante discutir diretamente a irregularidade do anúncio ou puni-lo administrativamente, desde que previsto em sua convenção e observadas as garantias constitucionais do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa."

Quanto à tutela inibitória, o Tribunal paulista referendou sua jurisprudência anterior, que é prevalente também no STJ, no sentido de que "não se aplica ao caso específico o disposto no parágrafo único do art. 497 do CPC/2015, relativo a tutela inibitória, para que a provedora atue graciosamente a serviço da requerente, para 'resguardar' seus direitos, e suporte ela eventuais procedimentos judiciais, exercendo verdadeira censura prévia de conteúdos futuros, e muito menos para que, "com a finalidade de privilegiar a economia processual e a segurança jurídica [...]".

Atuaram no caso, em defesa de Expedia, os advogados Fábio Floriano Melo Martins, Guilherme Montebugnoli Zilio e Henrique Ceolin Bortolo, sócios do escritório Huck Otranto Camargo.

Veja o acórdão.

______

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 25/3/2022 14:01

Patrocínio