sábado, 2 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Barroso derruba decisão que permitiu desconto sindical sem aval
Trabalho

Barroso derruba decisão que permitiu desconto sindical sem aval

Ministro considerou que a decisão do TRT-2 afrontou a autoridade da Suprema Corte.

sexta-feira, 8 de abril de 2022

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, deferiu liminar e suspendeu os efeitos de decisão do TRT da 2ª região que manteve cláusulas de acordo coletivo possibilitando o desconto de contribuição assistencial sem autorização expressa e individual dos empregados. A decisão atendeu ao pedido de concessionárias de rodovias.

 (Imagem: Carlos Moura/STF)

Barroso derruba decisão que permitiu desconto sindical sem aval.(Imagem: Carlos Moura/STF)

Entenda o caso

Em setembro do ano passado, o ministro já havia cassado sentença do Tribunal por permitir cláusulas de acordo coletivo prevendo desconto de contribuição sindical sem autorização expressa e individual do trabalhador (Rcl 47.102).

Em novo julgamento, o TRT da 2ª região interpretou restritivamente a decisão da Rcl 47.102, no sentido de que a ADIn 5.794, que declarou a constitucionalidade do fim da contribuição sindical obrigatória, somente tratou de contribuição sindical e não das demais contribuições em favor do sindicato.

Com base nisso, admitiu contribuição assistencial criada por assembleia sindical e direcionada a todos os membros da categoria, sem necessidade de autorização individual e expressa do empregado.

As empresas noticiaram o descumprimento da decisão do STF nos autos da Rcl 47.102, mas o ministro Barroso (também relator da primeira reclamação) entendeu que com a concessão da liminar e julgamento definitivo do mérito a reclamação já havia se exaurido, sendo necessária outra medida contra nova decisão do TRT-2.

Liminar

Na nova liminar, proferida nesta semana, o relator considerou que a decisão do Tribunal Regional afrontou a autoridade da Suprema Corte.

Diante do exposto, suspendeu os efeitos da decisão reclamada.

Atuaram no caso os advogados Camila Caldorin Vetorazzo e Antonio Galvão Peres, do escritório Robortella e Peres Advogados.

  • Processo: Rcl 51.987

Leia a decisão.

_______

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/4/2022 09:31

Patrocínio