quarta-feira, 18 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Lei proíbe penhora de bens de hospitais filantrópicos e santas casas
Sancionada

Lei proíbe penhora de bens de hospitais filantrópicos e santas casas

O texto define como bens os imóveis sobre os quais se assentam construções, benfeitorias e todos os equipamentos, entre eles os de saúde, desde que quitados.

quinta-feira, 12 de maio de 2022

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei 14.334/22, que proíbe a penhora de bens de hospitais filantrópicos e santas casas mantidos por entidades certificadas como beneficentes de assistência social.

(Imagem: Alf Ribeiro/Folhapress)

Lei proíbe penhora de bens de hospitais filantrópicos e santas casas.(Imagem: Alf Ribeiro/Folhapress)

O texto define como bens os imóveis sobre os quais se assentam construções, benfeitorias e todos os equipamentos, entre eles os de saúde, desde que quitados. Com a mudança, fica permitida apenas a penhora de itens de decoração, como obras de arte e adornos - que são bens considerados supérfluos pela Justiça.

A proibição de penhora passa a valer para processos de natureza civil, fiscal ou previdenciária. As exceções são os casos de processos movidos para cobrança de dívida relativa ao próprio bem (inclusive dívida contraída para aquisição desse bem), para execução de garantia ou em razão de créditos trabalhistas (e suas respectivas contribuições previdenciárias).

Tramitação

O texto que passou no Senado foi o mesmo que havia sido aprovado na Câmara dos Deputados, onde teve origem. O senador Luis Carlos Heinze foi o relator do PLC 115/17.

Rose de Freitas foi a autora da única emenda apresentada ao projeto. Ela afirmou que alguns dispositivos "mostram-se contaminados pelo vício da injuridicidade". Devido a isso, a senadora sugeriu um rearranjo de artigos e previsões sobre as exceções dos casos de impenhorabilidade. 

Heinze reconheceu o aprimoramento previsto na sugestão, mas rejeitou a emenda de Rose de Freitas. Ele alegou que a mudança no texto faria o projeto retornar à Câmara dos Deputados para nova análise, atrasando sua aprovação pelo Congresso Nacional e ocasionando "enorme prejuízo" às entidades beneficiadas. O relator fez apenas um ajuste de redação, para acertar uma referência legal.

Informações: Agência Senado

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/5/2022 07:37