quarta-feira, 18 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. TJ/SP afasta multa da Artesp por não notificar concessionária
Multa

TJ/SP afasta multa da Artesp por não notificar concessionária

A agência alegou que a concessionária descumpriu contrato, mas colegiado constatou que não houve prévia notificação e que a regularização foi feita no prazo.

quinta-feira, 12 de maio de 2022

A 6ª câmara de Direito Público do TJ/SP afastou multa aplicada pela Artesp a concessionária por suposto descumprimento contratual ao não limpar pichações feitas por terceiro. O colegiado observou que a empresa fez a regularização no prazo estipulado em contrato.

(Imagem: Freepik)

TJ/SP afasta multa aplicada pela Artesp sem notificação da concessionária.(Imagem: Freepik)

A concessionária alegou que firmou contrato de concessão referente ao sistema rodoviários Anchieta-Imigrantes, assumindo as obrigações de zelar pela continuidade, eficácia, atualidade e segurança dos serviços, bem como de prestar serviço adequado a todos os cidadãos que utilizam as rodovias.

Todavia, foi multada em R$ 15.162,92, em razão de suposto descumprimento contratual, por "não executar limpeza ou pintura das superfícies expostas ao tráfego nas rodovias".

Segundo a concessionária, a sanção foi ilícita, visto que não houve a sua notificação prévia indispensável para regularização da suposta irregularidade. Aduz, ainda, que executou a limpeza dentro do prazo contratual de 48 horas, mas em horário posterior à fiscalização da ARTESP.

A relatora Silvia Meirelles, ao analisar o caso, constatou que os danos nas paredes do acostamento e passarela decorreram de pichações praticadas por terceiros. Sob este prisma, a magistrada ressaltou que a obrigação que teria sido descumprida corresponderia apenas ao serviço relativo à conservação.

"A própria disposição contratual supracitada concede à concessionária o prazo de quarenta e oito horas para sanar os casos de pichações e vandalismos similares. E tal previsão se mostra legítima justamente porque o dano decorre de conduta de terceiro, a qual não é controlável pela concessionária."

A magistrada observou que documento demonstra que os serviços foram executados no prazo estipulado, mas em momento e horário posterior à análise da ARTESP.

"E, ainda que assim não fosse, é cabível cogitar-se pela necessidade de prévia notificação da concessionária para sanear a irregularidade decorrente da prática de atos de terceiros."

Diante disso, deu provimento ao recurso, reformando a sentença e considerando a multa indevida.

Os advogados Jorge Henrique de Oliveira Souza, Aline Carvalho Rego e Murillo Cezar Corradi, do escritório Tojal | Renault Advogados atuam no caso.

Veja o acórdão.

____________

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/5/2022 17:38