domingo, 3 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STJ manda colher provas em ação dos pais de Ayrton Senna contra banco
Direito privado

STJ manda colher provas em ação dos pais de Ayrton Senna contra banco

Os autores alegam que o banco deve quantia superior a R$ 36 milhões oriundos de investimento no exterior.

terça-feira, 24 de maio de 2022

A 4ª turma do STJ negou provimento a agravo de banco e determinou que tribunal autorize a produção de provas em ação movida pelos pais do piloto Ayrton Senna.

Eles alegam que o banco deve quantia superior a R$ 36 milhões oriundos de investimento no exterior promovidos por empresa supostamente ligada à instituição financeira. O banco, por sua vez, ressalta não ter relação com a empresa estrangeira e que toda a história narrada é falsa.

O recurso no STJ, do banco BCV (nova razão social do banco Schahin), buscou reformar decisão monocrática do relator que declarou nula sentença por considerar que o julgamento antecipado da lide teria configurado cerceamento de defesa.

Os pais do piloto buscavam, através da oitiva do gerente, demonstrar o modus operandi do banco, a relação de confiança, e comprovar a incidência da Teoria da Aparência.

 (Imagem: Jorge Araújo/Folhapress)

Pais do piloto Ayrton Senna ajuizam ação contra banco.(Imagem: Jorge Araújo/Folhapress)

Na decisão monocrática, o ministro Antonio Carlos Ferreira, decretou a nulidade da sentença e de todos os atos processuais posteriores ao momento de especificação das provas, e determinou que o magistrado de primeiro grau prosseguisse com a fase de saneamento e organização do processo.

O ministro ressaltou que a decisão de origem foi controversa de acordo com a jurisprudência do STJ, de que há cerceamento de defesa quando o juiz indefere a realização de provas requerida oportuna e justificadamente pela parte autora, com o fito de comprovar suas alegações, e o pedido é julgado improcedente por falta de provas.

"A corte de origem manteve a sentença de improcedência da pretensão dos autores de cobrar a parte agravante a importância de R$ 36 milhões a título de investimento no exterior promovidos por empresa supostamente ligada ao banco agravante. Por sua vez, o tribunal a quo assentou inexistir provas de que os investimentos teriam sidos realizados em benefício da instituição financeira."

O relator salientou que o tribunal de origem rejeitou o alegado cerceamento de defesa mesmo existindo julgamento antecipado da lide e o tempestivo requerimento dos agravados para produção de prova oral.

"Portanto, era de rigor acolher a preliminar de cercamento de defesa para anular a sentença e determinar o retorno dos autos à origem."

Diante disso, negou provimento ao agravo interno. A decisão da turma foi unânime.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 24/5/2022 19:14

Patrocínio