Sábado, 17 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

ABC do CDC

por Rizzatto Nunes

Globalização, Direito do Consumidor e a necessidade de preservação do planeta

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Em tempos de Copa do mundo, retomo um assunto que envolve todo o globo e que se tornou evidente: o capitalismo global insiste em não mudar seus modos de exploração e, por isso, o planeta continua em grande risco. O modo de exploração não só das reservas naturais existentes, como de muitas das conquistas sociais nos vários países que compõem o mundo, vão se alterando nem sempre na melhor direção.

Já passou muito da hora de uma efetiva mudança nos hábitos de consumo, não só aqui como em outros lugares. Para se ter uma ideia do que quero dizer, veja na sequência esses dados (que variam um pouco de acordo com a fonte, mas de todo modo indicam o problema).

A produção e o consumo dos Estados Unidos da América (apesar da crise vivida por lá, com alguma recuperação nos últimos meses), com um número de consumidores que corresponde a aproximadamente 5% da população do planeta, contribuem com 36% das emissões de gases de efeito estufa e consomem 25% da energia mundial. No que se refere aos países desenvolvidos, estes congregam um quinto da população mundial. Esta minoria, porém, consome 80% de todos os recursos naturais existentes.

Logo, ao contrário do que se propaga, a globalização é uma ilusão, pois não dá para "globalizar" o padrão de consumo dos EUA e dos demais países desenvolvidos. Precisaríamos de vários planetas para tanto.

Esses dados mostram que é preciso mudar o foco, posto que, caso se perpetue o modelo de consumo dos dias que correm, não haverá salvação. Ao invés de se produzir mais e se consumir mais, a diminuição do consumo é que talvez pudesse ajudar a sustentar o planeta.

Além disso e atrelado a isso, um outro elemento que talvez pudesse colaborar para que o planeta não viesse a ser destruído seria o da educação para o consumo, de tal modo que os consumidores pudessem tomar consciência de seu efetivo papel como protagonistas da sociedade capitalista e também percebessem que o regime consumista no qual estão inseridos não faz bem nem a seu bolso nem a sua saúde nem a seu bem-estar e, claro, nem ao planeta.

Para concluir, relembro as máximas do comediante americano George Carlin e também algumas que eu mesmo fiz, que dizem respeito ao modo de vida da sociedade em que vivemos.

De George Carlin:

Se um homem sorri o tempo todo, ele provavelmente está vendendo algo que não funciona.

Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente estamos com Deus.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informações, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos.

Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'.

Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.

Acrescento:

Estamos na era das fusões de empresas e dos desempregados em profusões.

Do acúmulo de cartões de crédito fácil e abundante e das dívidas impagáveis.

Das dezenas de pares de sapatos nos armários de casa e das crianças andando descalças nas ruas.

Nunca tivemos tanto acesso à informação, mas nosso conhecimento é paupérrimo.

As pessoas sabem muito sobre automóveis, mas pouco sobre arte.

Muitos consumidores têm noção dos preços das cervejas, mas desconhecem o valor da solidariedade.

Tira-se foto de tudo mas, realmente, não se aprecia quase nada.

Era do Consumo
Rizzatto Nunes

Rizzatto Nunes é desembargador aposentado do TJ/SP, escritor e professor de Direito do Consumidor.