Terça-feira, 22 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Cada

quarta-feira, 4 de junho de 2014

dúvida do leitor

O leitor Lorenzo Guimarães envia a seguinte dúvida ao Gramatigalhas:

"Professor, sempre tenho dúvida sobre o uso da palavra cada. Qual expressão está certa: 'Os livros custam dez reais cada um' ou 'Os livros custam dez reais cada’? Agradeço a atenção!"

envie sua dúvida

1) Cada é pronome que só se deve usar acompanhado de substantivo, vale dizer que só deve ser empregado como pronome adjetivo: cada homem, cada mulher.

2) Na lição de Eduardo Carlos Pereira, configura "um distributivo invariável, que se une com qual, para formar o pronome cada qual, e com um na forma composta cada um, que raramente vem acompanhada de substantivo claro".

3) Evanildo Bechara, por seu lado, reforça que "é condenado o emprego de cada em lugar de cada um nas referências a nomes expressos anteriormente".

4) Essa lição, de igual modo, é seguida por Luiz Antônio Sacconi. Exs.: a) "Os livros custam dez reais cada" (errado); b) "Os livros custam dez reais cada um" (correto).

5) Também Cândido de Oliveira – lembrando que sempre se deve dizer cada um, cada uma – exemplifica que o correto é: "Vendo frango a cem cruzeiros cada um"; e não: "Vendo frango a cem cruzeiros cada".

6) De acordo com o ensinamento de Júlio Nogueira, dois aspectos são de significativo relevo para o emprego do vocábulo aqui considerado: por primeiro, "cada é sempre anteposto ao nome – cada cousa em seu lugar"; ao depois, "não é correto o emprego de cada em fim de frase – vendo a dez mil réis cada. Diga-se: cada um, cada par, cada jogo, cada peça etc".

7) Lembrando que "cada um é pronome e não se confunde com o adjetivo cada", reitera Edmundo Dantès Nascimento que o emprego de cada em expressões como "Vendeu animais a Cr$ 1.000,00 cada" é erro, devendo-se dizer cada um, ou usar um nome: "Vendeu a Cr$ 1.000,00 cada animal".

8) Nessa mesma esteira se dá a lição de José de Nicola e Ernani Terra: "O pronome indefinido cada não deve ser utilizado desacompanhado do substantivo ou numeral, portanto é incorreto dizer: Os livros custaram vinte reais cada; Vendia frangos a dois reais cada".

9) Para Júlio Nogueira, seu uso é galicismo "no fim da frase, com elipse de outra palavra: a Cr$ 5,00 cada (par, unidade, metro etc.). É a tradução do chaque, já errôneo em francês, nessa construção. Diga-se: a Cr$ 5,00 cada um (par, dúzia, jogo etc.)".

10) Édison de Oliveira resume a questão em dois aspectos: por um lado, "o normal é empregar a palavra cada seguida de substantivo"; por outro, a locução cada um ou cada uma "não deve ser seguida de substantivo". Exs.: a) "Haverá um defensor para cada réu"; b) "Haverá um defensor para cada um".

11) "Pode referir-se a substantivo no plural, precedido de um numeral, indicando nesse caso um conjunto, um grupo: cada dez pacotes, cada cem pessoas".

12) Também observando que o pronome indefinido cada pode não apenas referir-se à unidade num grupo de seres, mas também "a um conjunto deles", anota Domingos Paschoal Cegalla que, em tal caso, o verbo concorda no plural. Ex.: "Cada três livros custavam 60 reais".

13) Com Sousa e Silva, pode-se fazer o seguinte resumo: a) nunca se usa essa palavra como pronome ("Custa dez cruzeiros cada um", e não "Custa dez cruzeiros cada"); b) com o mesmo sentido de cada um, emprega-se às vezes cada qual; c) é lícito dizer cada dois, cada três; d) quando o substantivo está no singular, dispensa-se o numeral, no português moderno (cada livro, cada pena, e não cada um livro, cada uma pena; porém se diz cada dois livros, cada duas penas).

14) Em termos gramaticais, a cominação cada um ou cada qual vale como substantivo. Exs: a) "Cada um é senhor de seus atos"; b) "Cada qual tem o ar que Deus lhe deu" (Machado de Assis).

15) Quanto a concordância verbal, o verbo fica no singular, quando os núcleos do sujeito vem determinados pelo distributivo cada, até porque os substantivos assim designados normalmente indicam gradação. Ex.: "Cada era, cada geração, cada povo exprime o sentimento" (Rui Barbosa)

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.