Terça-feira, 23 de julho de 2019

ISSN 1983-392X

terça-feira, 22 de junho de 2004

A palavra dos “gringos”

Francisco Petros*


A Palavra dos “Gringos”

“O ministro da Fazenda está vivendo seu melhor momento em virtude de um evento raro na Presidência de Lula, a produção de resultados positivos ao mesmo tempo para o governo e para o país”. (Revista Veja, 9/6/04)

Neste último domingo (20/6/04), o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve a oportunidade de ler opiniões bastante interessantes de quatro economistas norte-americanos sobre o andamento da economia brasileira e sobre a atual política econômica liderada pelo Ministro Antonio Palocci. O jornal Folha de S. Paulo reproduziu, numa matéria intitulada “Brasil decepciona ‘notáveis’ da economia” da jornalista Érica Fraga, opiniões de quatro economistas de diferentes tendências. Como se tratam de eminentes economistas estrangeiros, talvez o Presidente da República preste mais atenção nas suas opiniões e, assim sendo, possa refletir com mais convicção sobre o andamento de seu governo.

O Nobel de economia de 2001, Joseph Stiglitz, ex-economista-chefe do Banco Mundial e atual professor da Universidade de Columbia, um “neo- Keynesiano”, afirmou que "depois de apresentar altas taxas de crescimento durante várias décadas, o Brasil deverá crescer algo mais que 2% neste ano. O pior é que esse crescimento é motivo de comemoração. Parece que o nível de aspiração da população está mudando, o que é ruim". Foi mais longe quando afirmou que “se o governo Lula não mudar de estratégia logo, corre o risco de terminar seu mandato sem ter o que mostrar".

Robert Rubin, atual presidente do Comitê Executivo do Citigroup e ex-secretário do Tesouro dos EUA do Governo Clinton foi mais diplomático, mas sentenciou categoricamente: "Se você olhar para o Brasil e o México, que são as duas maiores economias da região (latino-americana), muito foi atingido, o que é muito impressionante. Mas, as taxas de crescimento têm sido decepcionantes. Por outro lado, se você olhar o que ocorreu na Ásia, onde também ocorreram reformas, e depois olhar para o Brasil e o México, há, obviamente, uma diferença enorme em termos de taxas de crescimento”.

Outro professor da Universidade de Columbia Jeffrey Sachs também não mostrou grande entusiasmo com a política econômica brasileira e defendeu um Estado mais intervencionista para que haja desenvolvimento sustentado. “Há uma sensação de que o governo Lula não possui uma estratégia de longo prazo. Espero que essa sensação seja falsa, mas a verdade é que as perspectivas pioraram bastante nos últimos dois meses", afirmou o economista.

Por fim, Stanley Fisher, ex-diretor executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) e atual Presidente do Citigroup International, afirmou que “Lula teve de caminhar rumo a uma posição mais conservadora para sua própria sobrevivência. Apesar disso, diz que o governo não está desenvolvendo medidas estruturais necessárias, o que limita as chances de crescimento sustentado”.

Os leitores podem constatar que não há dentre os acima citados nenhum economista que possa ser acusado de “conspirar” contra a política econômica brasileira ou de estar propondo um “Plano B” para que o Brasil possa crescer e se desenvolver. Também acredito que estes economistas não serão tratados na imprensa local e pelos analistas do “mercado” como “pessimistas”, “derrotistas”, “alternativos” e outros adjetivos mais agressivos com os quais costumeiramente os defensores do status quo da política econômica atual descrevem os economistas que têm espírito crítico diante da realidade deste país. Nas linhas acima há apenas uma objetiva constatação de que as coisas não estão funcionando no Brasil. Possivelmente as avaliações dos economistas norte-americanos também pudessem servir para avaliar a política econômica do Governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de vez que a política atual é a exata cópia daquela que foi implementada sob a liderança do ex-ministro Pedro Malan.

Será lamentável se o Presidente Lula, na solidão do Palácio da Alvorada, não refletir sobre os depoimentos relatados pela Folha neste domingo passado. Sua Excelência tem sido fiel às idéias e às práticas adotadas pela atual equipe econômica. Talvez ele possa questionar neste momento se os resultados da atual política econômica serão fiéis às promessas que lhes fazem e que são pregadas no país e no exterior. Vale relembrar ao Presidente que a autoridade para a gestão da política econômica pode ser transferida aos Ministros da área, mas a responsabilidade pelos seus efeitos e o alcance de suas metas é exclusiva de Sua Excelência. O país como um todo saberá se teremos o prometido crescimento sustentado, especialmente as camadas mais pobres e sofridas da sociedade.

Talvez seja um ótimo momento para o Presidente também escutar o conteúdo de “políticas alternativas” sem se sentir ameaçado pelos preconceitos que normalmente cercam as “novas idéias”. Numa situação difícil como a que o Brasil está, as políticas têm de ser responsáveis, mas ao mesmo tempo ousadas, ambiciosas e verdadeiramente reformistas. Palavra dos “gringos”, sempre tão escutados no Planalto Central.
__________


petros@migalhas.com.br

* Francisco Petros é economista formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-graduado em finanças (MBA) pelo Instituto Brasileiro do Mercado de Capitais (1ª Turma-1987). Em 1988, ingressou na Brasilpar onde atuou por dez anos nas áreas de corporate finance e administração de recursos (esta foi a primeira empresa independente de gestão de recursos). Em seguida, foi diretor-executivo do Grupo Sul América na área de investimentos. Em 1998, fundou a NIX ASSET MANAGEMENT da qual é sócio-diretor. É membro do Conselho Consultivo do Ethical Fund, fundo de investimento administrado pelo ABN-AMRO. Foi diretor (1992), Vice-Presidente e Presidente (1999-2002) e membro do Conselho Consultivo e do Comitê de Ética (atual) da APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais - São Paulo). É Certified Financial Planner (CFP®) pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) e Analista de Investimento com CNPI (Certificação Nacional de Profissional de Investimento). É colunista da Revista Carta Capital, do Jornal Valor Econômico e consultor da Rede Bandeirantes de Rádio (BAND), além de contribuir esporadicamente para diversas publicações especializadas em mercado de capitais, economia e finanças. Em 2004 foi escolhido o “Profissional de Investimentos do Ano” pelo voto direto dos associados da APIMEC em função da sua contribuição para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.

_______

Busca verbete por título

A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z

* José Marcio Mendonça jornalista e comentarista político; editou o Caderno de Sábado, o suplemento de Cultura do Jornal da Tarde e foi chefe de redação da sucursal de Brasília dos jornais: O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde. Apresenta: A Palavra de Quem Decide na Rádio Eldorado e escreve para o Portal Estadão e no Blog: A Política como Ela é.

* Francisco Petros é economista, graduando em Direito, pós-graduado em Finanças. Trabalha há vinte e cinco anos no mercado de capitais, em instituições brasileiras e estrangeiras. Foi presidente da APIMEC - Associacao Brasileira dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. Atualmente é membro do CSA - Conselho de Supervisão dos Analistas do Mercado de Capitais, órgão supervisionado pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.