Quinta-feira, 25 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Política & Economia NA REAL n° 66

 

A vitória e os escombros

O simpósio que reuniu os presidentes dos bancos centrais dos principais países desenvolvidos e emergentes em Jackson Hole, Wyoming - EUA, foi um cenário que misturou contido otimismo com o andamento da economia mundial com alertas justificados sobre as pendências resultantes da política de estímulo fiscal adotado por todos os países. Há, de fato, razões que justificam o otimismo. Na semana passada alguns destes sinais foram emitidos nos EUA (aumento das aquisições de casas), França e Alemanha (ambas apresentaram três meses seguidos de aumento da produção industrial). Vale notar, de nossa parte nesta coluna, que daqui pra frente os números de desempenho "na margem" hão de melhorar por duas razões básicas : (i) em função da melhoria factual das expectativas e (ii) em função da base de comparação com o ano passado : a queda foi veloz e forte e isto favorece a comparação entre os indicadores (de produção e consumo) atuais e os passados. As "altas" em relação ao ano passado são apenas "estáveis" em relação há dois anos.

Ainda o sistema financeiro

Na reunião de Wyoming na última sexta-feira, o presidente do Fed Ben Bernanke disse que a "manutenção da taxa de juros próxima a zero é uma necessidade e assim deve permanecer por um período extenso." Estas palavras revelam insegurança em relação ao ritmo de recuperação da economia americana e mundial, mas, sobretudo, revela as inquietações com o sistema financeiro norte-americano que ainda está muito dependente dos empréstimos da autoridade monetária, bem como das expectativas favoráveis dos investidores. Bernanke fala para um Congresso, desconfiado com os banqueiros, e muito vigilante em relação ao lobby de Wall Street.

Reformas, por enquanto, mínimas

Obama é bom marqueteiro de si mesmo. Não resta dúvida. Faz as vezes de bom governante. E vende ideias com alguma facilidade. Basta postá-lo perante um microfone e uma câmera e ele começa a mover o mundo. Um Arquimedes da política. Todavia, sejamos práticos, analíticos e pragmáticos : ele não está conseguindo fazer nenhuma reforma radical no sistema financeiro norte-americano. Os interesses instalados em Manhattan são enormes e a sua atuação tem sido feroz na defesa destes. A conclusão é simples e vale anotar : o sistema financeiro mundial continua calcado nos mesmos padrões que levaram a ondas progressivas de especulação nos últimos anos e o governo democrata parece disposto "a mudar tudo para que tudo continue do mesmo jeito." Ora, Barack pode ser marqueteiro de boa cepa, mas não parece não ser herói.

Meirelles no Wyoming

Henrique Meirelles na reunião dos presidentes dos bancos centrais estava bem comportado. Ao que sabe esta coluna somente um presidente de uma organização multilateral presente ao encontro cumprimentou-o pela entrada na vida política. Não houve espaço para proselitismo político por aqueles lados dos EUA...

Meirelles, os juros e a política

Semana próxima poderemos ter uma ideia, ainda que inicialmente precária, de como os agentes econômicos, especialmente o mercado financeiro, no jargão do meio, está "precificando" a entrada de Henrique Meirelles na corrida sucessória em Goiás. É semana de reunião do COPOM e os diretores do BC, na última ata, indicaram que, por algum tempo, a taxa Selic não seria reduzida. De lá para cá, algumas circunstâncias mudaram : (1) a inflação se mostra cada vez mais comportada e em queda; (2) a atividade econômica dá sinais de aquecimento; (3) Lula e Mantega avisaram explicitamente que há espaço para juros menores e (4) Meirelles caiu definitivamente na vida eleitoral. Como o COPOM lidará com essas variáveis ? Se segurar os juros, dir-se-á que foi duro para mostrar que a política de Meirelles não influencia suas decisões. Se aprovar uma nova redução, outros dirão que Meirelles e companheiros cederam aos gorjeios eleitoreiros. Serão dúvidas que acompanharão cada passo do BC e de Meirelles até ele se desligar da função. Dúvidas costumam influenciar as decisões de negócio.

Juros sobem. Em Israel.

O primeiro país a aumentar a taxa básica de juros após o colapso financeiro mundial de setembro do ano passado foi Israel. A taxa básica subiu de 0,50% para 0,75% ao ano. Note-se que o BC lá é comandado por Stanley Fisher, ex-todo-poderoso do FMI. Outros países que analisam a possibilidade de subir os juros nos próximos meses : Austrália, Noruega, Coreia do Sul, Índia e República Checa.

FMI e o chefão socialista

Pesquisa feita para o noticioso Ouest-France dentre 959 franceses, o chefão do FMI Dominique Strauss-Kahn é o preferido do partido socialista para a corrida presidencial francesa com 33% da preferência, mais que o dobro da charmosa Ségòlene Royal (14%) derrotada por Sarkozy na última eleição presidencial francesa. O FMI não tem credibilidade há muito tempo. Seu chefe pode ter. Na França, diga-se. Enquanto isto o mundo espera uma reforma do sistema financeiro internacional.

Radar "NA REAL"

Já enfatizamos em colunas passadas o caráter benigno do atual desempenho dos mercados mundiais. Seja na renda fixa, seja na renda variável - ações, sobretudo. Ora, este caráter "benigno" dos mercados não retira os enormes riscos que o cercam. Referimo-nos, sobretudo, às largas incertezas relacionadas com a sustentação do crescimento do consumo e do investimento, especialmente nos países desenvolvidos dos quais a demanda global depende decisivamente. Os sinais são de evidente recuperação, mas isto não quer dizer de forma alguma que o cenário terá sustentação suficiente para prosseguir benigno. Esta afirmação não é uma previsão, seja positiva, seja negativa. O que queremos alertar aos nossos leitores é que, depois de uma melhoria substantiva no mercado financeiro desde o final do primeiro trimestre do ano, a hora é de realizar lucro, reduzir posições e esperar maiores confirmações de que o cenário de fato prosseguirá sendo continuamente promissor. O que foi dito no parágrafo anterior vale para todos os segmentos de mercado. Aqui no Brasil, os preços do mercado acionário estão elevados e a relação risco versus retorno recomenda cautela. No segmento de renda fixa, a hora é de ficar com os pós-fixados e o dólar é uma boa proteção, mesmo que não tenha retornos positivos muito expressivos no curto prazo. Sejamos otimistas, mas não fiquemos eufóricos.

21/8/9

 

TENDÊNCIA

SEGMENTO

Cotação

Curto prazo

Médio Prazo

Juros ¹

 

 

 

 - Pré-fixados

NA

estável

alta

 - Pós-Fixados

NA

estável

estável/alta

Câmbio ²

 

 

 

 - EURO

1,4326

estável/alta

alta

 - REAL

1,8250

estável/baixa

alta

Mercado Acionário

 

 

 

 - Ibovespa

57.728,59

estável/queda

estável/alta

 - S&P 500

1.026,13

estável/queda

alta

 - NASDAQ

2.020,90

estável/queda

alta

(1) – Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais)
(2) – Em relação ao dólar norte-americano
NA – Não aplicável

Petróleo volátil

Quem quiser especular no mundo e quer suscitar grandes emoções, basta participar do mercado futuro de petróleo. Na semana encerrada no último dia 14, os operadores lamentavam a forte baixa do ouro preto para o nível de US$ 66/barril. Na semana passada os indicadores do setor imobiliário mostraram melhoras no último mês. Algo modesto frente às desgraças que caíram sobre o segmento. Pois bem : o petróleo subiu 11% em três dias. Nada mal, hein ? Os especuladores encontram razões onde a própria razão não consegue alcançar... Por aqui, mesmo com a alta, o preço base do barril que a Petrobras utiliza para calcular os preços internos da gasolina e do óleo diesel ainda está muito acima da cotação internacional, o que engorda os cofres da empresa em detrimento do consumidor. No trimestre passado, segundo especialistas, os combustíveis nacionais custaram, em média, de 25% a 30% mais do que seus preços internacionais.

Por falar em petróleo...

Nesta semana deveremos ter algumas novas (boas ?) sobre o pré-sal. A regulamentação está definida em quase tudo, mas há decisões pendentes sobre a forma de licitar e apurar os resultados. A luta entre os mais liberais e os mais intervencionistas continua firme e sanguinária e passa por negociações de bastidores no Congresso. Vale notar que Dilma, tida como "esquerdista" há não muito tempo, ocupa a cadeira de "mais liberal" nestas discussões. Também é o tal do pré-sal que tem acalmado os ânimos da CPI da Petrobras, mesmo tendo uma chama acesa chamada Lina Vieira... Muitos senadores pescam em águas mais profundas que aquelas que serão penetradas pelos equipamentos de extração. A fresta de arromba do pré-sal, uma das bandeiras da candidatura Dilma Roussef, está marcada para o dia 31, segunda-feira. Será um comício como nunca se viu antes no país. Apenas para anunciar que o governo está enviando ao Congresso três projetos com alterações da Lei do Petróleo.

O negócio é o dinheiro

As discussões sobre o pré-sal ainda estão pegando fogo a uma semana do anúncio da proposta governamental. Até o submisso governador Sérgio Cabral está dando de "bravinho". A razão é simples : calcula-se que irão sobrar dólares a rodo, em participações e royalties e o governo federal quer administrar os recursos, controlar e direcionar a utilização do dinheiro. Amplia-se extraordinariamente o poder de Brasília e a submissão de Estados e municípios. Nem os ministérios das áreas sociais a serem atendidas pelo Fundo do Pré-Sal opinarão sobre eles. Haverá um grupo especial responsável por isso. A ideia é não esperar o óleo jorrar e ser vendido para capitalizar o fundo. Nos estudos há a sugestão de antecipar o pagamento de contribuições de royalties e participações. É briga pelo poder real.

PT saudações

Vejam só a ironia : o PT perde espaço no Congresso e ganha espaço nas colunas políticas que tratam de Sarney, Renan e Collor. Neste cenário não devemos condenar o senador Aloizio Mercadante que maneia suas palavras entre uma "irrevogável renúncia" e um "não resisti ao pedido do presidente Lula". Mercadante é vítima do "mercado político" (sem trocadilhos) frequentado sem escrúpulos pelo PT, cuja bancada lidera no Senado. As urnas o absolverão ? Esta deve ser a sua maior dúvida.

O estilo Lula...

...de transferência de responsabilidade. Trecho da carta do presidente que fez o senador Aloizio Mercadante "revogar o irrevogável" :

"Você me expressou novamente, como tem feito publicamente, sua indignação com a situação do Senado federal e suas duras críticas ao posicionamento da direção do PT nos processos no Conselho de Ética."

O presidente esquece, propositadamente, que o "posicionamento do PT nos processos de Conselho de Ética" foi determinado exclusivamente por ele, Lula. Apenas o vexame e a humilhação pública ficaram para os companheiros. Se havia razões políticas para tal "posicionamento" – e quem julga essas razões é o partido e seus líderes, não observadores e oposicionistas – elas deveriam ser assumidas por todos, abertamente.


PT histórico

Vejamos o trecho a seguir :

"[...] não nos impede de apontar as limitações que o MDB partido de exclusiva atuação parlamentar – impõe às lutas populares por melhores condições de vida e por um regime democrático de verdadeira participação popular. O MDB, por sua origem, por sua ineficácia histórica, pelo caráter de sua direção, por seu programa pró-capitalista, mas, sobretudo, por sua composição social essencialmente contraditória, em que se congregam industriais e operários, fazendeiros e peões, comerciantes e comerciários, enfim, classes sociais cujos interesses são incompatíveis e nas quais, logicamente, prevalecem em toda a linha os interesses dos patrões, jamais poderá ser reformado. A proposta que levantam algumas lideranças populares de “tomar de assalto” o MDB é muito mais que insensata: é fruto de uma velha e trágica ilusão quanto ao caráter democrático de setores de nossas classes dominantes."

Eis a "Carta de Princípios" assinada pelos fundadores do PT, entre eles Luiz Inácio da Silva, o Lula, em 1º/5/1979. Depois de trinta anos, o que será que pensa o PT do sucessor do MDB ? Notem o "jamais poderá ser reformado" do trecho da referida carta. É auto-explicativo.

Uma boa história

Agora que Lula move mundos e fundos – obviamente mais fundos do que mundos – para ter o PMDB na aliança governista no Congresso e nos palanques de Dilma Roussef, o ex-deputado José Dirceu poderia contar como foram as negociações com o PMDB no final de 2002 para que ele entrasse formalmente no governo de Lula e as razões que levaram os presidente a desautorizar o acordo depois de ele ter sido anunciado na imprensa pelo seu então futuro chefe da Casa Civil.

Uma boa história - 2

Que "mercadantes" razões teriam levado o ex-ministro José Dirceu, em menos de dez dias, a ter mudado de opinião sobre a saída da senadora e ex-ministra Marina Silva do Partido dos Trabalhadores ? Tão logo surgiu a notícia de que Marina estaria de mudança para o PV, Dirceu defendeu que o PT cobrasse dela o mandato, pois ela foi eleita pelo partido e, portanto, o lugar no Senado pertence à legenda e não à senadora. Agora, limita-se a defender – com razão – a fidelidade partidária. Em tese, Marina tornou-se figura oculta.

Sem intermediários

Dificuldades de relacionamento e negócios emperrados na República ? Passe primeiro no Senado e procure Renan Calheiros, ele resolve. Vá direto a quem manda e é obedecido.

"Precificação" em alta

Se as grandes redes brasileiras de televisão conseguissem vender quase seis minutos de sua programação num único dia pelo preço que está sendo pago e ainda será pago ao PMDB pelo seu tempo no horário eleitoral obrigatório em 2010, elas poderiam ficar pelo menos um ano sem precisar vender um único anúncio.

Falta de decoro e omissão

Na sessão do Conselho de Ética do Senado que arquivou os processos de quebra de decoro parlamentar contra os senadores José Sarney e Arthur Virgílio, o PMDB cometeu uma falta gravíssima em qualquer parlamento sério. Algo punível com um processo por falta de decoro contra quem assinou a representação. O PMDB votou em peso pelo arquivamento da representação que ele mesmo havia apresentado contra Arthur Vírgílio. Pode-se deduzir que o ataque ao senador tucano foi uma leviandade, apenas uma represália contra quem mais atacava Sarney, ou o PMDB estava no "acórdão" para salvar a face do Senado. O curioso é que a oposição deveria ter denunciado a manobra e aberto um processo contra quem assinou o documento do PMDB. No entanto, fingiu-se de morta, interessada também em encerrar logo a história. A pantomima foi bem cumprida.

Ferve a Fazenda

Ao contrário do que imaginava o ministro Guido Mantega, quando nomeou o segundo de Lina Vieira, Otacílio Cartaxo, para substituí-la, a paz ainda não voltou à Receita. A fervura por lá ainda é alta. Palavras como perseguição, vingança e traição vazam as paredes do órgão. A demissão "irrevogável" de 12 funcionários da alta cúpula do órgão vai gerar graves desdobramentos. Com o risco de desestruturar de vez um dos organismos mais importante de qualquer governo : o Fisco. Como a suspeita (acusação dos funcionários demissionários) é de interferência política numa repartição que deveria ser pautada pela impessoalidade, o perigo adicional é criar temores nos cidadãos e contribuintes.

Assim quem não quer - I

Para pôr o trem bala na linha, o projeto mais visível do PAC, de mais de R$ 34 bilhões, o governo está disposto a fazer diversos sacrifícios. Para atrair concorrentes, está disposto a pagar pelas desapropriações e ainda a bancar boa parte dos investimentos com os cofres do BNDES. Com tanta generosidade, até o mais ingênuo vai querer entrar nesse negócio.

Assim quem não quer - II

No meio da reportagem sobre dois dos apartamentos usados pela família Sarney em SP, que está no nome de uma pequena empreiteira de obras pública, a Holdden, ex-Aracati, passou meio despercebida uma informação estarrecedora. E que naturalmente não diz respeito apenas ao setor elétrico, onde a empresa atua mais e nem apenas à Holdden. Trata-se existência de um esquema de "terceirização" das concorrências. Por este processo de concorrência, uma empresa com pistolões influentes na República entra na disputa, prepara todo o processo e depois repassa o negócio com grande lucro porque não tem expertise real para tocar o projeto. Ganha para mover papel. É óbvio que a empresa que comprou a execução do projeto precisará encontrar a fórmula para lucrar depois de ter gasto dinheiro no "repasse". Na maioria dos casos (e talvez em função dos "repasses") surgem os aditamentos, serviços e tarifas mais caras... Há uma próspera "indústria sem risco" instalada no setor público - não apenas em Brasília. Pelo menos enquanto os padrinhos estiverem nos lugares certos…

Busca verbete por título

A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z

* José Marcio Mendonça jornalista e comentarista político; editou o Caderno de Sábado, o suplemento de Cultura do Jornal da Tarde e foi chefe de redação da sucursal de Brasília dos jornais: O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde. Apresenta: A Palavra de Quem Decide na Rádio Eldorado e escreve para o Portal Estadão e no Blog: A Política como Ela é.

* Francisco Petros é economista, graduando em Direito, pós-graduado em Finanças. Trabalha há vinte e cinco anos no mercado de capitais, em instituições brasileiras e estrangeiras. Foi presidente da APIMEC - Associacao Brasileira dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. Atualmente é membro do CSA - Conselho de Supervisão dos Analistas do Mercado de Capitais, órgão supervisionado pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.