Quinta-feira, 20 de junho de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 134

quinta-feira, 13 de março de 2008

LULA FRACO

O presidente Lula conseguiu formar a maior base governista da história da República. Mas essa base está dividida. Não vota as matérias de interesse do Executivo. Faz barganha, pressiona o Executivo, pede espaços. O culpado da politicalha é o próprio Luiz Inácio, que preza a política de varejo. A confusão em torno do Orçamento se deu por conta do "contrabando" do Anexo de Metas à LDO, no valor de R$ 532 milhões, para beneficiar apenas 90 parlamentares. Portanto, o mercado de compra e venda de voto é patrocinado pelo próprio Executivo.

LULA FORTE

Mas a confusão parlamentar apenas realça o perfil de Lula. Por quê ? Porque a inação do Parlamento sopra a favor do Executivo. Temos um presidente que fala todos os dias para as massas. Que puxa a orelha do Legislativo, ao dizer que apenas ele trabalha. Que cobra votações. Ao final de muito barulho, sobra a imagem do Lula correndo o país e abraçando o povo, sob o fundo de um Congresso Nacional perdido na veemência discursiva.

SOMBRAS SOBRE O AMANHÃ

O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia, ameaça fechar as portas para o PSDB em 2010. E diz que o partido pode entrar no patrocínio da candidatura de Ciro Gomes à presidência da República. A causa ? A candidatura de Geraldo Alckmin à prefeitura de São Paulo. Gilberto Kassab, o prefeito do DEM, esperava contar com os tucanos. Mas o governador José Serra, que prometeu tal apoio, não tem força para resgatar o compromisso. A essa altura, a decisão está tomada. Tanto Alckmin como Kassab serão candidatos e, no segundo turno, poderão eventualmente voltar ao ninho da coligação.

SERRA ESTÁTICO

José Serra, o governador do Estado mais forte do país, permanece estático diante da intensa mobilização política. Enquanto Aécio Neves conversa a torto e a direito, fazendo articulação junto aos partidos, com vistas ao posicionamento que terá em 2010, Serra parece avaliar a situação : de dia, observa; nas noites, como noctívago, pensa. E muito. Pode levar a melhor na floresta tucana e ganhar a candidatura. Aécio, porém, não vai desistir fácil. Tem outros rumos à mão.

TERCEIRIZAÇÃO AVANÇA

O PMDB, por meio do deputado Michel Temer, apóia o PL 4.302/98, de autoria do Executivo, sobre Terceirização. O deputado Armando Monteiro Neto, presidente da CNI, elegeu a Terceirização como um dos 13 projetos prioritários da entidade. Anunciará a seleção dos projetos, dia 25 de março, em evento para o qual convidou o presidente do Sindeprestem, Jan Wiegerinck, o vice-presidente deste Sindicato e diretor da Cebrasse, Erminio Alves de Lima Neto, e Genival Beserra Leite, presidente do Sindeepres, o sindicato laboral de serviços terceirizados.

EXECUTIVO ENGAJADO

O Ministério do Trabalho e do Emprego também está alinhado à nova ordem : produzir a legislação sobre a Terceirização. Mas o Ministro Carlos Lupi e o secretário das Relações do Trabalho, Luiz Antonio Medeiros, ouvem ponderações de que o projeto 4.302 é o que tem melhores condições de ser aprovado, por já haver tramitado na Câmara e no Senado. Voltou à Câmara, onde aguarda parecer final do deputado Sandro Mabel.

GESTÃO DO JUDICIÁRIO

O presidente da OAB/SP, Luiz Flávio Borges D'Urso, cria a Comissão de Gestão do Judiciário, a ser presidida pelo ex-presidente do Conselho Federal da OAB e da Seccional Paulista, Rubens Approbato Machado. Rubens, em artigo na Folha de S.Paulo, defendeu um choque de gestão na estrutura do Judiciário.

DUDA VOLTA

Duda Mendonça voltará à arena do marketing político pelas mãos de alguns candidatos a prefeitos. Duda sabe vestir os candidatos com enfeites e babados. Mas o eleitor, este ano, estará mais atento. Quer mais conteúdo e menos forma. O baiano é competente e certamente faz programas de TV bem atraentes.

LAVAREDA EM RR

Lavareda, especialista em pesquisa, por sua vez, tentará arrumar os modos do desconhecido governador Anchieta Junior, que, como vice-governador, ganhou o legado do falecido governador Ottomar Pinto, em Roraima. O novo governador nem bem esquentou a cadeira e já passa a se defender na Justiça Eleitoral. A fogueira foi acesa pelo poderoso senador Romero Jucá. Há dias, Junior tentou falar com Lula e não conseguiu. Jejuno em política, desconhece as curvas do Planalto.

MARQUETAGEM EM SÃO PAULO

Augusto Fonseca é o indicado para coordenar o marketing de Marta Suplicy. Mas o sonho da petista é ter ao seu lado João Santana. Geraldo Alckmin, mais recatado, avalia alguns nomes. Maluf poderá contar com Marcelo Teixeira. Gilberto Kassab pensa em contratar José Maria Braga.

A CAMPANHA DESTE ANO

A campanha deste ano será estruturada em alguns eixos : o conteúdo suplantará a forma; as ações de micro-política serão privilegiadas; a articulação social deverá ser privilegiada; os micro eventos terão preferência sobre os grandes comícios; a simplicidade marcará os perfis; a mídia estará mais atenta às denuncias; a justiça eleitoral terá a máquina mais azeitada; o aparato comunicativo será mais simples. Teremos campanhas limpas e objetivas.

MOBILIZAÇÃO SOCIAL

Os movimentos sociais multiplicam suas ações neste ano eleitoral. A Via Campesina invade fazendas e depreda plantações. O MST arma fogueiras por toda a parte. As ONGs ambientais ampliam espaços e ações. E o governo federal abre os cofres para oxigenar o universo organizativo com uma avalanche de recursos.

OBAMA OU HILLARY ?

Barack Obama passou a receber uma saraivada de críticas da mídia norte-americana. Tem ainda o maior número de delegados, mas o tom da mídia é mais favorável a Hillary Clinton.

DÓLAR DERRETENDO

Com o dólar derretendo, as exportações brasileiras crescem a taxas inferiores ao aumento das importações. No primeiro bimestre, as exportações aumentaram 20%, enquanto as importações foram 50% maiores na comparação com igual período do ano passado.

ESTREITO BLOQUEADO

A usina hidrelétrica de Estreito, a maior obra de energia em andamento no país, foi paralisada por 200 manifestantes do MST. O governo tem sido leniente em relação às invasões.

PIB BRASILEIRO

O PIB brasileiro é, hoje, de R$ 2,6 trilhões. Ajudado pela agropecuária, que teve o melhor desempenho da economia.

A MÃE DO PAC

Dilma Rousseff foi chamada por Lula de "mãe do PAC". Não quis aceitar a designação e se auto-denominou de "coordenadora". Lula puxou-lhe carinhosamente a orelha: o povo não sabe o que é isso. Dilma reconsiderou a opção e, agora, se diz "mãe do maior programa de obras do Brasil". É a candidata favorita de Lula à presidência. Emplacará ?

ESQUERDA E DIREITA

Fernando Gabeira, candidato do PV, PSDB e PPS à prefeitura do Rio de Janeiro, é enfático: "A questão entre esquerda e direita não é mais central. Vamos desenvolver o Rio de maneira capitalista para crescer". Gabeira seria o exemplo da política com P maiúsculo na prefeitura da mais charmosa capital brasileira.

TEMER NO COMANDO DA CÂMARA

Se o PT não cair em tentação e trair o acordo firmado, Michel Temer será o futuro presidente da Câmara. A vez era do PMDB, mas Michel cedeu o lugar ao PT. Que ficou de retribuir. Em 2009, será a vez do PMDB. Presidente da Câmara, o paulista de Tietê poderá comandar a Câmara por ocasião da eleição presidencial de 2010.

ZÉ DO CAIXÃO

Há uma Operação Zé do Caixão em curso. Para flagrar os abutres que rondam os cemitérios. Muito cuidado.

CONSELHO AOS OPOSICIONISTAS

Esta Coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos aos políticos, governantes e líderes nacionais. Na edição anterior, o espaço foi destinado aos ministros do Supremo Tribunal Federal. Hoje, volta sua atenção aos oposicionistas do DEM e do PSDB :

1. Inspirem-se em idéias e programas alternativos para o país, não apenas na contestação.

2. Cuidado com as obstruções. O Executivo usa e abusa de Medidas Provisórias para prover seus interesses.

3. A sociedade quer ver o Parlamento agindo, votando, trabalhando. Não apenas fazendo enxurrada de discursos.

_______________

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.