segunda-feira, 21 de junho de 2021

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Nova Lei de Falências entra em vigor dando mais fôlego para empresas em recuperação judicial

Publicidade

Nova Lei de Falências entra em vigor dando mais fôlego para empresas em recuperação judicial

Agora, o Plenário do Congresso terá até o dia 3/3 para analisar e acatar, ou não, os vetos sugeridos pela presidência.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

(Imagem: Arte Migalhas.)

(Imagem: Arte Migalhas.)

 

Entrou em vigor em 23/1, com vetos do presidente da República, a lei 14.112/20, conhecida como Nova Lei de Falências. O novo normativo tem a intenção de dar maior celeridade aos processos de recuperação judicial que tramitam no país, já que no ano de 2020, em razão da pandemia do Covid-19, aumentaram substancialmente os pedidos de recuperação.

A norma visa, também, dar maior fôlego para as empresas com dificuldades financeiras, mantendo a geração de empregos e renda. Como principais alterações, a lei ampliou o acesso do devedor a novos financiamentos, sendo uma maneira de garantir seu fluxo de caixa, bem como facilitou a negociação de dívidas com a União. Além disso, a regra determinou a extensão do prazo de parcelamento dos débitos com a União, passando de sete para dez anos.

Numa via de mão dupla, a norma beneficiou os credores que agora podem apresentar um novo plano de recuperação judicial, caso a proposta feita pelo devedor tenha sido rejeitada ou se esgote o prazo para votação do plano inicial. Com isso a nova lei afasta a unilateralidade da lei anterior, que só previa alteração do plano de recuperação pelo devedor, cabendo ao credor apenas aceitar ou não o plano, e, neste último caso, com a possibilidade da falência ser decretada.


Entre os vetos feitos pelo presidente da República, merecem destaque a exclusão do artigo que previa a possibilidade de suspensão das execuções trabalhistas até a homologação do plano de recuperação judicial e, ainda, aqueles que tinham por objetivo excluir artigos que, segundo seu entendimento, violavam regras orçamentárias, como o que retirava a trava de 30% para compensação de prejuízo fiscal e base negativa de CSLL. 

 
Agora, o Plenário do Congresso terá até o dia 3/3 para analisar e acatar, ou não, os vetos sugeridos pela presidência. Assim, mesmo com a lei em vigor, aguarda-se o posicionamento final do Congresso quanto aos referidos vetos, já que estes, entre outros pontos a serem analisados, poderão beneficiar, ainda mais, as empresas com dificuldades financeiras, visando à sua preservação. 

Atualizado em: 8/2/2021 08:28

Enrique Tello Hadad

Enrique Tello Hadad

Sócio do escritório Loeser e Hadad Advogados.

Loeser e Hadad Advogados
Juliana Marteli

Juliana Marteli

Advogada do escritório Loeser e Hadad Advogados.

Loeser e Hadad Advogados
Bibianna Peres

Bibianna Peres

Bacharel em Direito pelo Centro Universitário de Brasília - UniCEUB. MBA em Direito e Relações Internacionais pela FGV. Associada do escritório Loeser e Hadad Advogados.

Loeser e Hadad Advogados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade