sábado, 20 de agosto de 2022

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. STF define constitucionalidade do FAP e da majoração das alíquotas do SAT/RAT por regulamento

STF define constitucionalidade do FAP e da majoração das alíquotas do SAT/RAT por regulamento

Embora o STF, de fato, tenha dirimido as questões constitucionais em torno da regulamentação do FAP e da possibilidade de alteração das alíquotas da contribuição ao SAT/RAT, os contribuintes que estão sujeitos ao recolhimento da contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho ainda possuem outras alternativas para recuperar o crédito dos último 5 anos.

sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Atualizado às 14:53

(Imagem: Arte Migalhas)

Na última quarta-feira, 10/11/21, o Plenário do Supremo Tribunal Federal finalizou dois importantes julgamentos que envolvem a contribuição previdenciária destinada ao custeio do Seguro Acidente de Trabalho ("SAT") e o Fator Acidentário de Prevenção ("FAP"). 

A Ação Direta de Inconstitucionalidade 4397 foi proposta pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) para discutir a possibilidade de majoração da alíquota da contribuição ao SAT através de Decreto, em razão da ofensa do princípio da legalidade e da razoabilidade, à luz do artigo 10 da lei 10.666/03. 

O Relator do caso, Ministro Dias Toffoli, manifestou voto negando provimento à ADIn, por entender que não haveria delegação do poder de tributar ao Decreto. No entender do Ministro, a delegação determinada pelo ente político não alcançaria a regulamentação do tributo em toda sua extensão e profundidade.

No mesmo sentido, o Plenário ressaltou que não ofenderia o princípio da legalidade o fato do artigo 22, II, da lei 8.212/91 ter outorgado ao regulamento, para fins de cobrança da contribuição ao SAT, a complementação dos conceitos de "atividade preponderante" e "grau de risco leve, médio e grave". O entendimento manifestado, à unanimidade, pelos Ministros do STF, é de que essa perspectiva já teria sido pacificada no julgamento do RE 343.446/SC. 

O julgamento da ADIn 4397 ocorreu em conjunto com a análise do RE 677.725 (Tema 554 da Repercussão Geral), o qual, por sua vez, foi afetado para delimitar a possibilidade da fixação de alíquotas da contribuição ao SAT a partir de parâmetros estabelecidos por regulamentação do Conselho Nacional da Previdência Social.

O Plenário, à unanimidade, acompanhou o voto manifestado pelo relator, Ministro Luiz Fux, que consignou que o Fator Acidentário de Prevenção ("FAP"), previsto no art. 10 da lei 10.666/03, nos moldes do regulamento promovido pelo Decreto 3.048/99 (RPS) atenderia integralmente ao princípio da legalidade tributária, inscrito no art. 150, I, CRFB/88.

Embora o STF, de fato, tenha dirimido as questões constitucionais em torno da regulamentação do FAP e da possibilidade de alteração das alíquotas da contribuição ao SAT/RAT, os contribuintes que estão sujeitos ao recolhimento da contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho ainda possuem outras alternativas para recuperar o crédito dos último 5 anos, discutindo seu enquadramento nos correspondentes graus de risco, levando em consideração a aplicação do FAP por estabelecimento inscrito em CNPJ próprio ou mesmo questionando a metodologia de cálculo do FAP.
____________

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2021. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS.

Cristiane Ianagui Matsumoto

Cristiane Ianagui Matsumoto

Sócia do escritório Pinheiro Neto Advogados.

Pinheiro Neto Advogados
Nayanni Enelly Vieira Jorge

VIP Nayanni Enelly Vieira Jorge

Associada de Pinheiro Neto Advogados.

Pinheiro Neto Advogados
Luiza Canatelli Rodrigues

Luiza Canatelli Rodrigues

Colaboradora de Pinheiro Neto Advogados.

Pinheiro Neto Advogados