quarta-feira, 17 de agosto de 2022

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. PEC 39/21

PEC 39/21

Segundo a Senadora, a PEC deveria ter sido aprovada há muito tempo para desafogar o STJ e garantir mais agilidade no julgamento de processos.

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Atualizado às 07:44

A PEC 39/21 acrescenta os §§ 1º e 2º ao art. 105 da Constituição Federal e renumera o parágrafo único para instituir, no Recurso Especial, o requisito da relevância das questões de direito federal infraconstitucional.

Os novos §§ 1º e 2º ao art. 105 da Constituição Federal, previstos na EC:

§ 1º No recurso especial, o recorrente deve demonstrar a relevância das questões de direito federal infraconstitucional discutidas no caso, nos termos da lei, a fim de que o Tribunal examine a admissão do recurso, somente podendo não o conhecer por esse motivo pela manifestação de 2/3 (dois terços) dos membros do órgão competente para o julgamento.

§ 2º Haverá a relevância de que trata o § 1º nos seguintes casos:

I  - ações penais;

II  - ações de improbidade administrativa;

III  - ações cujo valor de causa ultrapasse 500 (quinhentos) salários mínimos;

IV  - ações que possam gerar inelegibilidade;

V  - hipóteses em que o acórdão recorrido contrariar jurisprudência dominante do STJ;

VI - outras hipóteses previstas em lei.

O artigo 2º.  Indica como se dá a exigência da relevância:

Art. 2º A relevância será exigida nos recursos especiais interpostos após a entrada em vigor da presente EC, oportunidade em que a parte poderá atualizar o valor da causa para os fins de que trata o art. 105, § 2º, inciso III, da Constituição Federal.

A EC entrará em vigor na data de sua publicação.

O deputado Paulo Teixeira (PT/SP) requereu, em 24/5/22, a realização de audiência pública para debater a PEC 39 de 2021 que acrescenta os §§ 1º e 2º ao art. 105 da Constituição Federal e renumera o parágrafo único para instituir, no recurso especial, o requisito da relevância das questões de direito federal infraconstitucional, indicando sejam convidadas as seguintes referências do tema, quais sejam: 1. Dra. Teresa Arruda Alvim, professora da PUC/SP; 2. Dr. Fredie Didier Jr, professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA); 3. Dr. Luiz Guilherme Marinoni, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR); 4. Dr. Alexandre Câmara, desembargador e professor da FGV Rio; 5. Dr. Lenio Streck, jurista, professor de Direito Constitucional e pós-doutor em Direito.

Em 26/5/22, por ato da presidência da Câmara dos Deputados, deputado Arthur Lira, foi criada a Comissão Especial, nos termos do § 2º do art. 202 do regimento interno, que será composta por 34 membros titulares e de igual número de suplementes designados de acordo com os §§ 1º. e 2º. do artigo 33 do Regimento Interno da Câmara, onde precisará ser aprovada por maioria simples para seguir para o plenário da Câmara.

A autora da PEC é a atual Senadora Rose de Freitas (MDB-ES). A PEC foi aprovada pela Câmara em 2017 (sob o número 209/12), e enviada ao Senado, havendo modificações e com isso retornou para nova análise dos deputados. Qualquer alteração de mérito no texto força o retorno da PEC ao Senado, para nova votação.

Segundo a Senadora, a PEC deveria ter sido aprovada há muito tempo para desafogar o STJ e garantir mais agilidade no julgamento de processos. "A expectativa que se cria é de que esse filtro de relevância diminua em pelo menos 50% o volume dos recursos que chegam ao tribunal". (Fonte: Agência Câmara de Notícias).

Recomendo que advogadas e advogados fiquem atentos!

Stanley Martins Frasão

VIP Stanley Martins Frasão

Advogado do escritório Homero Costa Advogados.

Homero Costa Advogados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca