sexta-feira, 28 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. CNJ cria grupo para diagnosticar problemas nos litígios tributários
Tributário

CNJ cria grupo para diagnosticar problemas nos litígios tributários

O objetivo é identificar e analisar os principais fatores que impactam no tempo, na eficácia e, sobretudo, nos resultados da resolução de conflitos tributários.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

O CNJ - Conselho Nacional de Justiça e a Receita Federal criaram um grupo técnico que irá elaborar um diagnóstico do contencioso tributário no país, tanto no âmbito administrativo, quanto no judicial. O objetivo é identificar e analisar os principais fatores que impactam no tempo, na eficácia e, sobretudo, nos resultados da resolução de conflitos tributários.

(Imagem: Freepik)

(Imagem: Freepik)

O comitê de apoio técnico terá como objetivo contribuir para a elaboração dos seguintes diagnósticos, estudos e pareceres técnicos:

I - diagnóstico do tempo médio de um processo tributário no âmbito do contencioso administrativo e do contencioso judicial, sugerindo alternativas para diminuir esse tempo;

II - diagnóstico das principais razões pelas quais as questões que não foram favoráveis às partes no contencioso administrativo são levadas ao contencioso judicial;

III - identificação dos principais gargalos no sistema processual tributário administrativo e judicial e sugestões para melhora desses sistemas;

IV - identificação das principais consequências do não aproveitamento dos atos praticados no contencioso administrativo pelo contencioso judicial, para maior eficácia e efetividade da Justiça Tributária do País;

V - indicação de possibilidades de melhorias do contencioso administrativo e judicial a fim de garantir uniformidade e celeridade na resolução dos litígios de natureza tributária e aduaneira, reduzir o volume de processos em tramitação, extirpar a litigância frívola na seara fiscal e conferir maior eficiência ao sistema de justiça tributária;

VI - indicação de possibilidades de melhorias na eficiência da cobrança dos valores inscritos em dívida ativa e consequentes execuções fiscais, com base em critérios de economicidade e racionalidade;

VII - apresentação de propostas de atos legais e normativos para o aperfeiçoamento do Processo Tributário Nacional e do Contencioso Tributário Administrativo e Judicial, a serem encaminhadas ao CNJ, à RFB e à PGFN, se o Comitê entender cabível.

O grupo inclui membros da Receita Federal, da PGFN e do próprio Judiciário. Além disso, também fazem parte tributaristas e advogados, como Luiz Gustavo Bichara, Mattheus Reis e Montenegro, Eduardo Maneira e Fabio Artigas Grillo, representantes da OAB.

  • Leia a portaria 1/21 na íntegra.

(Imagem: Montagem Migalhas)

(Imagem: Montagem Migalhas)

Publicidade

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 29/1/2021 14:13