quarta-feira, 17 de agosto de 2022

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Bolsonaro não terá de seguir ordem de lista tríplice em universidades Federais
Nomeação

Bolsonaro não terá de seguir ordem de lista tríplice em universidades Federais

Entendimento majoritário do STF foi na contramão do relator, ministro Fachin, para quem o presidente da República deve, sim, obedecer a ordem da lista tríplice.

Da Redação

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Atualizado em 10 de fevereiro de 2021 11:08

Por 8x3, o plenário do STF decidiu que o presidente Bolsonaro não precisa obedecer a ordem de lista tríplice para nomear reitores e dos vice-reitores das universidades Federais. A maioria dos ministros seguiu entendimento divergente do ministro Alexandre de Moraes, que ressaltou:

"Se o Chefe do Poder Executivo não pode escolher entre os integrantes da lista tríplice, não há lógica para sua própria formação, cabendo à lei apenas indicar a nomeação como ato vinculado a partir da remessa do nome mais votado."

 (Imagem: Carolina Antunes-PR)

(Imagem: Carolina Antunes-PR)

A decisão liminar foi tomada no âmbito de ação ajuizada pelo Conselho Federal da OAB, que apontava que as "nomeações discricionárias" pelo presidente da República, em desacordo com as consultas e escolhas majoritárias das comunidades universitárias", caracterizava desrespeito aos princípios constitucionais da gestão democrática, do republicanismo, do pluralismo político e da autonomia universitária. 

Relator

Em três oportunidades distintas, o ministro Edson Fachin, relator, votou no sentido de que o presidente da República deve, sim, obedecer a ordem da lista tríplice elaborada pelos dirigentes das instituições Federais de ensino a fim de assegurar a autonomia universitária. Para o ministro, a nomeação deve atender aos seguintes requisitos:

  • Se ater aos nomes que figurem na respectiva lista tríplice;
  • Respeitar integralmente o procedimento e a forma da organização da lista pela instituição universitária; e
  • Recair sobre o docente indicado em primeiro lugar na lista. 

Veja a íntegra do voto de Fachin.

Em plenário virtual, o ministro foi seguido pela ministra Cármen Lúcia e Marco Aurélio.

Divergência

Em sentido oposto, entendeu o ministro Alexandre de Moraes. Para o ministro, não fere a autonomia universitária o poder discricionário do presidente da República em escolher o nome que julgar melhor, dentre aqueles selecionados da lista tríplice.

"A escolha de seu dirigente máximo pelo Chefe do Poder Executivo, a partir de lista tríplice, com atribuições eminentemente executivas, não prejudica ou perturba o exercício da autonomia universitária, não significando ato de fiscalização ou interferência na escolha ou execução de políticas próprias da instituição, escolhidas por decisão colegiada e participativa de seus integrantes."

Para o ministro, sendo a escolha determinada a partir de lista tríplice, não se justifica a imposição de escolha no nome mais votado, "sob pena de total inutilidade da votação e de restrição absoluta à discricionariedade mitigada concedida ao Chefe do Poder Executivo".

Veja a íntegra do voto de Alexandre de Moraes.

Seguiram este entendimento os ministros Nunes Marques, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes e Rosa Weber.

  • Processo: ADPF 759

Patrocínio