segunda-feira, 27 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Juiz interrompe audiência ao saber que parte estava no parto da esposa
Minas Gerais

Juiz interrompe audiência ao saber que parte estava no parto da esposa

Magistrado pediu licença para eternizar o momento por meio de um print da tela da videoconferência.

segunda-feira, 26 de abril de 2021

A tecnologia tem permitido encurtar distâncias, ganhar tempo, agilizar procedimentos. No mundo contemporâneo e em especial no Judiciário, é uma realidade irreversível. Mas acontecimentos raros e incomuns continuam lembrando que, por detrás de cada feito, existem vidas marcadas por tristezas e alegrias.

O juiz Paulo Barone Rosa, acostumado a conduzir audiências presenciais e virtuais, se tornou, no sentido lato da palavra, testemunha de um momento único na trajetória de uma família.

Um vendedor autônomo de colchões foi protagonista de um fato inusitado. Ele acompanhava, de forma simultânea, o parto da esposa e, enquanto discutia uma demanda de consumo com uma concessionária, assistiu ao nascimento de sua filha.

Ao saber da novidade, informada pelo próprio pai da criança, o magistrado pediu licença para eternizar o momento por meio de um print da tela da videoconferência. Autorização dada, os trabalhos não se estenderam.

(Imagem: Divulgação)

(Imagem: Divulgação)

O magistrado afirma que o episódio inusitado, em que um dos participantes de uma videoconferência de teor judicial está numa sala de parto, o surpreendeu.

"Na situação em que ele se encontrava, o Huan poderia ter solicitado o adiamento e a marcação de nova data. No entanto, ele preferiu acompanhar a audiência de conciliação e com isso até contribuiu para a agilidade na tramitação do processo."

A ação, que foi iniciada em março de 2020 e segue tramitando, trata de um acidente felizmente sem consequências graves para o motorista. O profissional se dirigia a Piracicaba quando colidiu com o para-choque de um caminhão, solto na pista.

Na batida, o eixo traseiro do carro do vendedor quebrou, e ele não pôde entregar o produto. Além do prejuízo na venda não concluída e no reparo do veículo, ele precisou pagar um hotel e alugar um automóvel.

Informações: TJ/MG.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/4/2021 19:01