sábado, 25 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Advocacia no metaverso: operadores do Direito já devem se preparar?
Metaverso | Advocacia

Advocacia no metaverso: operadores do Direito já devem se preparar?

Metaverso é o que vem depois da internet móvel. É um universo virtual no qual vamos interagir com avatares e desempenhar tarefas cotidianas como se estivéssemos no mundo físico. Já existem escritórios de advocacia no metaverso.

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Nas últimas semanas, Larissa tem estudado, trabalhado, ido à shows, comprado presentes de natal para a família. Lhe parece bem familiar essa rotina, caro migalheiro? Talvez até seja, mas a peculiaridade no dia a dia de Larissa é que todas essas atividades são desenvolvidas no metaverso. Nesse universo virtual, Larissa é um avatar, que interage com outros, como se no mundo físico estivesse. 

Meta o quê? Metaverso - aquilo que vem depois da internet móvel. Larissa é nossa personagem fictícia, mas garantimos que esse novo universo está longe de ser uma ficção. Isso porque, o metaverso já é uma realidade até mesmo no mundo jurídico.

Se você, migalheiro, acha que esse papo é "modismo", leia a reportagem para entender que o assunto é sério e veio para ficar.

 (Imagem: Tenor.com)

(Imagem: Tenor.com)


Explicando melhor o metaverso

De acordo com o especialista em marketing de conteúdo Paulo Cuenca, metaverso é um "espaço virtual que vai misturar internet com realidade aumentada para que a gente tenha experiências reais sem estar fisicamente em algum lugar". Isso será possível por meio da tecnologia (com óculos 3D, luvas e mais adereços tecnológicos), que cria um avatar da pessoa dentro do universo paralelo.

O advogado Ronan Wielewski Botelho, autor do artigo "Metaverso: Ensaio Jurídico", explica que o metaverso é a reunião de vários universos juntos, "mas não é nada futurístico, como o Matrix, como a gente pensa".

"É muito simples [o metaverso] acontecer."

Um exemplo recente foi o show de Justin Bieber, que não aconteceu em um estádio ou em uma arena. Aconteceu no metaverso. Fãs do artista assistiram ao avatar de Bieber cantar seus sucessos de suas casas (no mundo real), mas do próprio local do show (no metaverso).


Advocacia e metaverso: oi?

Para quem acha que o metaverso está distante do mundo jurídico, se enganou.

Neste ano, em Nova Jersey (EUA), o escritório Grungo Colarulo inaugurou sua sede no universo virtual. O escritório metaverso de Grungo Colarulo está localizado em Decentraland, uma plataforma de realidade virtual 3D.

De acordo com um dos sócios do escritório, a iniciativa veio com a própria demanda dos clientes - eles não querem apenas mais uma reunião por Zoom (muito utilizado na pandemia); querem algo a mais.

"Sentimos que esta é mais uma oportunidade de realmente solidificar a conexão com o cliente e tornar mais fácil o atendimento de suas necessidades legais e se eles quiserem aparecer como um avatar em uma reunião, podemos fazer isso", disse um dos sócios.

 (Imagem: Reprodução | Facebook )

(Imagem: Reprodução | Facebook )

O advogado Ronan Botelho destaca que, além dos Estados Unidos, outros países (como Japão e integrantes do Reino Unido) estão investindo pesado em tecnologia. Os advogados destas regiões, enfatizou o advogado, já estão estudando para estarem presentes nesse outro universo.


No Brasil

No Brasil, advogados não podem abrir escritórios no metaverso. É o que afirma Renato Opice Blum, especialista em Direito Digital. O advogado relembrou decisão do TED da OAB/SP, de 2007, que impediu a criação de um escritório jurídico no "Second Life", sobrenome desse universo digital.

Contudo, Renato Opice Blum esclarece que isso não impede que o advogado tenha uma presença no metaverso: "a presença nesse novo ambiente deve ser de forma moderada, respeitosa, técnica, dentro dos limites do provimento 205 (...) por ser uma plataforma nova, toda cautela é bem-vinda".

O especialista destaca que a tendência é que cada vez mais a tecnologia se aprimore e esteja presente no Judiciário. Renato vislumbra que, mais cedo ou mais tarde, os Tribunais não só estarão aptos a compreender questões relacionadas ao metaverso, como também lá estarão.

Aguardaremos.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 30/12/2021 08:39

Patrocínio