Sexta-feira, 29 de agosto de 2014 Cadastre-se

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Concertar ou consertar?

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

dúvida do leitor

Inúmeros leitores manifestaram-se a respeito de matéria recentemente publicada neste informativo virtual, como se verifica a seguir:

"Olá a todos os colegas desse excelente informativo! Penso que deve ter havido algum erro de digitação no texto '...Ou seja, concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos.' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")!... Certamente foi digitação, mas vale a pena 'consertar'! Abraços." Lucia Roscio  

"No Boletim 'Migalhas' de hoje (1.828 – 29/1/08 – "EUA"), matéria sobre o discurso de Bush, o termo 'concerto' não deveria ser 'conserto'?" Jose Roberto Teixeira  

"'Ou seja, concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos'. Concertando o que deve ser concertado! Eis como se encontra grafado in EUA 'Migalhas 1.828' (29/1/08)." Luiz Antonio de Camargo

"Estou recebendo há poucos dias o seu informativo e não sei se é comum o que estou fazendo, mas lá vai... Na notícia publicada 'EUA' (Migalhas 1.828 – 29/1/08), vocês escreveram 'concertando'? Consertando é com 's'..." Zilda Hercules – escritório Loeser e Portela Advogados  

"'Concertando o que deve ser concertado' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")? Socorro! Cadê os esses?" Otavio Pinto e Silva – escritório Siqueira Castro Advogados  

"Ilustres redatores: O emprego do termo 'concerto' na edição de hoje lançou a semente da dúvida... 'Ou seja, concertando o que deve ser concertado' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Não seria mais apropriada a grafia 'Conserto' para o caso?" Marcos Martins  

"Saiu no Migalhas (1.828 – 29/1/08 – "EUA"): Ou seja, concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos...  Haja orquestra pra tanto CONCERTO, hein?" José Maciel da Silva  

"Sr. Diretor: Cem chibatadas ao redator, e mais cem no revisor, que abrem o Migalhas de hoje grafando a palavra 'concertando' e 'concertado' com c, ao invés de s (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Eles Não estão dispostos a trabalhar, e sim a fazer música..." Silvia Dias  

"EUA: Ao tratar do discurso do presidente americano no Congresso, este prestigioso informativo trouxe uma frase ímpar: 'Ou seja, concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos' (Migalhas 1.828 – 29/1/08). Soou como música." Sérgio Guillen  

"Olá! Apenas uma observação: a grafia correta de 'consertar' no sentido de reparação é com 'S' e não com 'C' (concertando), como está na primeira migalha (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Atenciosamente," Maíra Tosetti Fragoso - Unibanco  

"Amigos deste poderoso rotativo, Espanta-me ver na primeira das migalhas lançadas (denominada 'EUA'), o uso errado da grafia do verbo 'consertar' - não apenas uma, mas duas vezes (Migalhas 1.828 – 29/1/08). Afinal, é usual a elegância e fineza dispensada na redação destas migalhas. Desta vez, contudo, faltou atenção. Um abraço," Lucas Braun – escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados  

"Villa-Lobos diria que a 'nota' EUA é uma sinfonia (Migalhas 1.828 – 29/1/08)!" Emerson Matioli – escritório Biazzo Simon Advogados  

"Prezados, Adoro ler o Migalhas, sou super fã do informativo desde seu início (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Mas não pude deixar de observar um erro terrível no editorial de hoje: 'concertando o que deve ser concertado'. O correto é 'consertar', com 's'! Um abraço," Daniela Camara Maurer - departamento jurídico, Grupo Schahin  

"A edição de hoje (29/1), de número 1.828 ("EUA"), começa com um texto sobre o discurso do presidente norte-americano George W. Bush. Gostaria de questionar se realmente está escrito correta a frase 'concertando o que deve ser concertado', tudo com 'c' ou se o mais correto não seria com 's'? Afinal, como se costuma dizer, concerto com 'c' se trata de uma apresentação musical. Busquei em meu dicionário e não localizei uma definição em que se aplicasse essa forma de grafia para este contexto. Obrigado." José Maria de C. Ferreira Jr.  

"'Concertando o que deve ser concertado' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")?" Ricardo Morais Tonin – escritório Lobo & De Rizzo Advogados  

"(Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA") 'Concertando o que deve ser concertado' (clique aqui)?" Marcio Jose Galli

 

"Prezados, Acredito que a palavra 'conserto' no sentido de reparar/emendar/corrigir alguma coisa não poderia ser grafada como foi no primeiro comentário do Migalhas de hoje, 29/1 (1.828 –"EUA"): 'Ou seja, concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos...' Entendo que a palavra 'concerto' refere-se a apresentação musical; consonância de instrumento ou de vozes no canto. Por favor, me 'consertem' se eu estiver errada!" Angela Guedes - Banco Standard de Investimentos S.A.  

"Boa tarde. Em primeiro lugar, quero deixar bem claro que não sou professora da língua portuguesa e estou adorando ler o Migalhas, mas me 'doeu' os olhos, sobre o texto 'EUA', sobre a fala do presidente norte-americano, onde diz (concertando o que deve ser concertado) – o correto seria com s, ou seja, consertando o que deve ser consertado (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Só um alerta. Como milhares de pessoas lêem, mais cuidado com os erros. Mesmo assim, estão de parabéns! Atenciosamente" Sueli Gonçalves - Recursos Humanos, Modelação Sorocabana Ltda.

"(Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA") Então temos uma boa questão para Gramatigalhas: 'consertar' ou 'concertar'? Quando usar cada verbo?" Otavio Pinto e Silva – escritório Siqueira Castro Advogados  

"Migalhas, Os EUA serão apenas uma sinfônica? Ou o que Bush prende é 'consertar' a situação? Neste texto sim: há que o aprender (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")." Rogerio Mondin Pissinati – escritório Salgado Setubal, Ruschmann, Soriano de Oliveira & Woiler Advogados  

"Prezados, na matéria EUA (Migalhas 1.828 – 29/1/08): no texto em vez de concertando, não seria 'consertando'?" Selma Aparecida Antonio  

"Dúvida: o concertando seria o mesmo de ajuste (Migalhas 1.828 – 29/1/08)?" Selma Aparecida Antonio  

"Em 2007 quando o mundo conheceu a palavra ‘subprime’ para designar as hipotecas de alto risco, o grande jornal Migalhas deveria ter deixado de aplicar nas bolsas americanas e colocar seu santo dinheirinho no etanol brasileiro. Pois é, não fez isso e ainda veio ontem elogiar o sistema político norte-americano quando todo mundo está de olho é em quem está descolado da crise, ou seja, países como o Brasil (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Assim, melhor ouvir o Sivuca 'concertando o que deve ser concertado' (que é o frevo 'Come e Dorme' do inesquecível maestro Nelson Ferreira) do que tentar consertar o que parece não ter mais conserto. Que o redator da migalha seja punido executando passos do frevo: 500 'dobradiças' ao som do 'Come e Dorme'; 300 'capoeiras' ao som do 'Luzia no Frevo' e mais 200 'tesouras' ao som do 'Vassourinhas', tudo isso subindo a Ladeira da Misericórdia em Olinda. Abraços" Abílio Neto  

"Concertando com 'c' é brabo! Num site jurídico, pior ainda (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")!" Lúcia Tostes Mottin  

"Prezado Editor. A propósito do texto do Migalhas (1.828 – 29/1/08 – "EUA"): Concertando? No sentido de reparando ou entrando em acordo? A frase contém duas negativas em seqüência, fica em dúvida, inicialmente qual a interpretação a ser dada ao texto. Atenciosamente." Ednardo Souza Melo  

"Caros colegas, As palavras concertando e concertado são grafadas com 's' e não com 'c' como estão escritas na nota (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Creio ter sido lapso desse formidável canal de informações. Um abraço" Ronaldo Pereira Dias

"Prezado redator, para que o Sr. Bush possa ver efetivadas as idéias orquestradas em seu discurso, não deveria, pois, ir 'consertando o que deve ser consertado' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")?" Andrea Bitencourt Gomes Ribeiro

"Desculpem a dúvida, mas o contexto da nota ‘EUA’ não ficou muito claro (Migalhas 1.828 – 29/1/08). Bush vai fazer uma grande harmonização, uma espécie de corrente pra frente em relação ao crédito imobiliário (concertando, assim, forças em volta disso) ou vai fazer ajustes, adequações (consertando, assim, a questão do crédito imobiliário)? Logicamente, na dúvida, dei a interpretação mais favorável. Mas o que a matéria quis efetivamente dizer? Porque a frase 'concertando o que deve ser concertado, mas sem aumentar impostos' remete muito mais à idéia de fazer ajustes, adequações, o que seria um sério equívoco de português." Jorge Luiz Ribeiro de Medeiros  

"Prezado sr. Redator. Na nota 'EUA' (Migalhas 1.828 – 29/1/08), destaco o 'concerto' (sinfônico?) de Bush, que reclama um conserto, de concerto com a correta ortografia. Saudações." Álvaro Lorencini

"Caros amigos do Migalhas. Consertando com 'c' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")? Acho que os revisores levarão chibatadas, muitas chibatadas! A não ser que os EUA vão conSertar sua economia à base de música. Abraços." Edir de Almeida

"(Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA") Demitam este Músico! Claro que o mesmo ficará desconsertado!" Giseldo Carlos  

"Prezado chefe de redação, Por favor, coloque o açoite em atividade contra um de seus infelizes redatores deste solerte informativo. No Migalhas 1.828 (29/1/08 – "EUA"), temos um dos erros mais grosseiros no seguinte trecho: 'Ou seja, concertando o que deve ser concertado...' Senhor, não seria '... consertando o que deve ser consertado...'? Caso esteja eu equivocado, peço desculpas prontamente. Obrigado" Caio Vinicius Cesar Rodrigues de Araújo

"Senhores, Boa Tarde! Pelo o que entendi do contexto da primeira migalha, 'concertando o que deve ser concertado' não deveria ser escrito com 's' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")? Concerto = harmonia, acordo, espetáculo. Conserto = ato de consertar, remendar. Obrigada!" Sandra Alves Bispo  

"(Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA") Senhores, atenção para a correta grafia das palavras. Concertando o que deve ser concertado = consertando e consertado. Um abraço." Paulo Marcio Carneiro  

"Polêmica do concerto/conserto (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Vendo a discussão sobre o 'concertando' ou 'consertando', percebi que diversos dos comentários trazem a idéia de que concerto com C refere-se apenas à música e que o escrito com S refere-se a 'arrumar'. Entretanto, o termo escrito com C também pode ser usado no sentido de Harmonizar, Conciliar (verificar verbete no Houaiss e informação da Gramática), ou seja, se a intenção fosse de dar harmonia ao mercado, não estaria equivocado o uso (apesar de concordar que o termo deveria vir com S, já que parece trazer em si o conceito de arrumar o mercado). É importante este detalhe, pois se o próximo revisor de Migalhas permitir o conCerto de uma porta (adornar, enfeitar a porta - corretamente), não será demitido por crer que porta, agora, é instrumento musical. Fica também o assunto para eventual análise do Dr. José Maria da Costa. Atenciosamente." Felipe Teixeira de Azevedo - Unibanco  

"As caras e bocas verbais com que alguns migalheiros comentaram o 'concerto', desafinado e fora do compasso, orquestrado pela redação, leva-me a imaginá-los horrorizados, escondendo o rosto com as mãos, soltando ui! uis! escandalizados. Calma pessoal! 'A última flor do Lácio, inculta e bela' não foi ferida de morte. Está resistindo, bem, ao Lula e a seus 'cumpinchas' língua presa. Atire a primeira pedra quem, batucando o teclado - mais atento ao fluxo das idéias que a qualquer outra coisa - já não cometeu derrapagens maionésicas-léxicas idênticas. E que, maligna e traiçoeiramente, se esconderam e escaparam à revisão do texto. Sugiro ao Migalhas que entre com um recurso a ser apreciado por um trio de notáveis pelo seu saber lingüístico: mestre Lula da Silva, professor Sabá e o orador sacro-natatório Pedro Simon. Se não 'consertaram' a coisa pelo menos brindar-nos-ão com um 'concerto sem conserto'." Alexandre de Macedo Marques

"Ontem me deparei com a orquestra sinfônica do Migalhas (1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Contive-me e não escrevi para a redação, pois já imaginava que isso seria feito por milhares de outros migalheiros. E assim foi... Porém, ao me deparar com a grande celeuma, verifiquei que todos os comentários além de pertinentes, são de uma criatividade inigualável. Faço questão de parabenizar os migalheiros José Maciel da Silva e Emerson Matioli pela sua criatividade na correção do erro." Magda Conceição de Oliveira  

"Senhor diretor, no caso do concerto consertado (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"), imploro que nenhuma atrocidade seja cometida com o pobre redator. Isso acontece nas melhores famílias." Armando Silva do Prado  

"Senhor Diretor. Espanta-me a 'confissão' e, o que é pior, a geração de um 'bode expiatório' na pessoa do Redator Chefe, ou do Diretor de Redação e, o que é pior dos Revisores. Eu acho que dá para entender que está certo o 'concerto' (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA")! Veja bem: 1) o Bush concertou (orquestrou) as mudanças na economia: 2) o Bush concertou com o Senado a aprovação do concertado (orquestrado); 3) portanto, o Bush concertou (orquestrou) o concerto de sua economia, que o Mundo está assistindo, com o crescimento do número de empregos nos USA, por exemplo. Acho que não havia 'conserto' a fazer, mas efetivamente bastava guerrear com menos tiros e viajar também um pouco menos, para concertar (orquestrar) pessoalmente os vetores da recuperação. Senhor Diretor Geral, estou vendo-o como o Presidente do S.G., da França, que aparentemente 'pegou' o primeiro 'Trade' que encontrou, para culpar pelas precipitações que aparentemente cometeu!" Pedro José F. Alves  

"Das 5h às 6h12 (Migalhas 1.829 – 30/1/08 – "Precisa-se")? Precisa-se de redatores ou de padeiros? A propósito, desde que não sejam aumentados os impostos, não precisa consertar nada (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"), assim está ótimo, vamos dar uma colher de chá para o redator." Antônio Augusto de Almeida

"O coitado do distraído redator até que não tem tanta culpa assim (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). O Bush filho pensa que é mesmo o grande maestro da sinfonia mundial. Até que alguém fure o bumbo dele... Continuem na berlinda dos acontecimentos. Parabéns e abraços." João Batista Ribeiro  

"Sr. Diretor. Lendo as inúmeras mensagens sobre consertando e concertando, analisando-as como professor de língua portuguesa, concordei mais com a dúvida de José Maria de C. Ferreira Jr. De fato, concerto é aludido como apresentação musical; mas não se poderia empregá-lo como figura lingüística, por exemplo: acerto, ajustamento, harmonização, conciliação, arranjo, composição, como bem o diz o Dicionário Escolar das Dificuldades da Língua Portuguesa? Desculpem-me, mas não vejo erro na grafia, pois depende de interpretação. Estou acostumado a analisar textos, não somente como professor que fui; mas como advogado, principalmente quanto a erros na interpretação de textos jurídicos, onde defendo 'in claris cessat intepretatio' (se claro o texto cessa a interpretação) até em face de Ulpiano, que dizia 'Quanvis sit manifestissimum edictum praetoris, attamen non est nigligenda interpretatio ejus' (embora claríssimo o dito do pretor, contudo não se deve descuidar da interpretação respectiva), defendido por Carlos Maximiniano. Bem! Não vi no texto de Bush qual a intenção: consertar ou acertar, ajustar, harmonizar, conciliar etc. Logo o texto não é claro e pode-se empregar concertar S.M.J. 'data vênia'. Atenciosamente." Olavo Príncipe Credidio  

"O sujeito que escreveu a nota "EUA" (Migalhas 1.828 – 29/1/08) deve ser petista, não é? Só pode ser, considerando que escreveu 'concertar o que deve ser concertado'. Refere-se ele a algum concerto de câmara, de piano, de cordas?" Cristiano Carvalho

"Concertando o que deve ser concertado (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Eu também tive ímpeto de pedir a correção da frase acima mas dei-me ao trabalho de verificar no dicionário se, realmente, seus diligentes revisores estavam errados, pois não podia acreditar no que lia. Pois é, como ouvi muitas vezes, quanto mais se vive mais se aprende: vocês não estavam errados, conforme aprendi no 'Novo Dicionário' de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira que nos ensina:

Concertar (do latim concertare.)

1. Pôr em boa ordem; dar melhor disposição a; compor, ajustar, endireitar:

2. Harmonizar, conciliar.

Pelo exposto parece que fiz a melhor escolha, calando-me." Yllen Fábio Blanes de Araújo  

"Depois do que escreveram os senhores Olavo Príncipe e Yllen Blanes, agora felizmente posso dizer que vou levar meu sapato pra concerto. E quando estiver endireitado, irei com ele ao concerto. Mas que achei esquisito, achei!" Abílio Neto  

"Apesar do auê todo, essa frase com o 'concertando' não deixa de, semântica e logicamente, fazer sentido... " Conrado de Paulo

"(Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA") Consertar o que deve ser consertado escreve-se com 's' do verbo consertar. Abraços." Orlando Klein

"Pra começo de conversa, não sou advogado. Portanto, não posso defender o indigitado revisor a quem, suponho, cabe recurso, ainda na esfera administrativa. Atrevo-me, porém, a apresentar alguns argumentos em seu favor, quando mais não seja, por dever de solidariedade a um hipossuficiente. Curiosamente, tanto consertar (com 'esse') como concertar (com 'cê') têm significados semelhantes, tais como: endireitar, reparar, por em ordem etc (Migalhas 1.828 – 29/1/08 – "EUA"). Pelo menos assim entende o mestre Aurélio Buarque de Holanda, em seu afamado dicionário. Já o não menos respeitado dicionário Houaiss reconhece a mesma origem etimológica, mas faz a separação dos significados. Portanto peço clemência para o humilde revisor para quem a notícia da demissão soará mal, fazendo com que tenha que suar a camisa para consertar o erro que, por descuido perdoável, cometeu. Data vênia do Augusto, Divino e Majestático Diretor." Laurence Nóbrega  

É bem certo que a Redação deste informativo eletrônico assim se pronunciou:

"A alta Direção de Migalhas foi ontem obrigada a tomar medida drástica. Demitiu, ad nutum, todo o quadro de revisão. Não sobrou nem o faxineiro do setor. Antes, porém, o chefe do departamento foi levado à presença de nosso amado Diretor. Teria, já com seu destino selado, de explicar o que fazia aquele "cê" no lugar do "esse" (clique aqui e veja algumas - as mais elegantes - cartas dos leitores). O revisor, gaguejando, disse primeiro que havia, propositadamente, trocado as consoantes para ver se os migalheiros estavam atentos no período pré-carnavalesco. Como nosso amantíssimo líder não esboçou reação alguma, permanecendo com sua frieza austera diante do famigerado, veio a verdadeira explicação. Ao meter as mãos na nota, ele estava apreciando a paisagem, fato que o dispersou, já que na ocasião imaginava uma ópera, daí o conserto parecer mais um concerto. Nosso intimorato líder, amantíssimo Diretor, ainda impassível, lembrou ao indigitado funcionário que apreciar a paisagem é algo bem relativo, e depende do ponto de vista. Por exemplo, disse ele num atípico didatismo, o melhor modo de apreciar o chicote é ter-lhe o cabo na mão : 150 chibatadas, e rua."

envie sua dúvida

1) Indaga-se se existe equívoco na frase: "... concertando o que deve ser concertado (p. ex. crédito imobiliário), mas sem aumentar impostos". Ou seja: seria concertando e concertado, ou consertando e consertado? Em resumo:

I) existem as formas concertar e consertar?;

II) em caso positivo, qual a diferença entre ambas?

2) Em termos históricos, lembra-se que concertar vem do latim concertare, ou certare, que originalmente tinha a idéia de lutar, mas com vistas a pôr em alguma ordem, enquanto em consertar residia com clareza a idéia de restaurar, de reparar.

3) Apesar dessa clara diferença de significado na origem, passou a não haver, no evolver de nosso idioma, distinção entre tais vocábulos, e essa situação perdurou até 1913, quando se publicou a segunda edição do dicionário de Cândido de Figueiredo.1

4) Na atualidade, entretanto, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, editado pela Academia Brasileira de Letras ordena que se escreva concertar, quando se quer o significado de harmonizar, e se use consertar, quando se pretende o conteúdo semântico de restaurar, de reparar.2 Essa distinção se espraia para todos os vocábulos pertencentes às respectivas famílias etimológicas: concertabilidade e consertabilidade, concertado e consertado, concertador e consertador, concertamento e consertamento, concertante e consertante, concertável e consertável, concerto e conserto.

5) Ora, a Academia Brasileira de Letras é o órgão que detém a incumbência da lei para determinar oficialmente a grafia das palavras em nosso léxico, de modo que sua maneira de entender é a palavra oficial no idioma. Por isso descabe toda e qualquer discussão acerca de outras propostas de uso dos mencionados vocábulos na atualidade.

6) Com essas considerações, vejam-se as grafias corretas em exemplos práticos:

I) – "Ouvi um esplêndido concerto de violões";

II) – "O conserto desse sapato é simplesmente inviável, ante seu estado de deterioração".

7) Anote-se, adicionalmente, que, em determinadas situações, um mesmo exemplo pode admitir as duas grafias, conforme o significado que se queira atribuir ao vocábulo. Exs.:

I) – "O presidente precisa concertar o discurso de seus ministros" (se se quer dizer que ele precisa harmonizar a fala dos ministros);

II) – "O presidente precisa consertar o discurso de seus ministros" (se se quer dizer que ele deve retificar ou reparar-lhes a fala).

8) Também se acrescente que palavras como concertar e consertar – que têm a mesma pronúncia, mas grafias diversas – são denominadas homófonas (homo = igual + fonas = som).

9) Não confundir com homógrafas, que são palavras de mesma grafia, mas de pronúncia diferente. Exs:

I) pôde (pretérito perfeito) e pode (presente do indicativo);

II) colher (verbo) e colher (substantivo).

10) De igual modo, também não confundir com as parônimas, que são palavras de grafia e pronúncia apenas parecidas, mas de sentido integralmente diverso, como arrear e arriar, deferir e diferir, eminência e iminência.

_________

1-Cf. HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, p. 785.

2-Cf. Academia Brasileira de Letras, Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 4. ed., 2004. Rio de Janeiro: Imprinta, p. 200 e 204.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas.