Quarta-feira, 23 de julho de 2014 Cadastre-se

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Pontuação

quarta-feira, 25 de junho de 2008

dúvida do leitor

O migalheiro Adauto Suannes envia-nos a seguinte mensagem:

"Meus caros. Há o caso célebre que ilustra a importância da pontuação das frases: ‘Jesus está aí não ressuscitou’ pode significar tanto uma coisa como outra:

a) Jesus está aí? Não. Ressuscitou.

b) Jesus está aí! Não ressuscitou.

Enviam-me uma dessas frases aparentemente sem sentido. Faltam nela, para que tenha sentido, um ponto, uma exclamação e duas vírgulas. Submeto-a aos migalheiros: Maria toma banho porque sua mãe disse ela pegue a toalha."

envie sua dúvida

Pontuação

1) Indaga-se qual a pontuação a ser feita no seguinte texto: "Maria toma banho porque sua mãe disse ela pegue a toalha". E se esclarece que faltam nela, para que tenha sentido, um ponto, uma exclamação e duas vírgulas.

2) De evidente utilidade, a pontuação é conhecida há séculos e já presenciou aparição e o desaparecimento de muitos sinais.

3) A partir da década de cinqüenta do século XX, tomou significativo impulso e passou a orientar-se – além das razões sintáticas tradicionais e dos impulsos subjetivos – pelas recomendações e exigências mais apuradas da redação técnica.

4) De um modo geral, é empregada para representar, na escrita, a dinâmica da fala, marcando a entonação, as pausas respiratórias e enfáticas.

5) Oportuno é anotar que os chamados clássicos de nossa literatura nem sempre lhe atribuíram posição de relevo, motivo pelo qual não é incomum encontrar, mesmo em abalizados escritores, erros de pontuação, tais como os cometidos por qualquer usuário da escrita.

6) As gramáticas, por seu lado, pouco trazem a seu respeito, sobretudo no que concerne ao uso da vírgula.

7) Deve-se conferir, todavia, adequado valor à pontuação, até porque, em certos casos, errar ou acertar é questão de vida ou morte.

8) Para ilustrar a necessidade de observância dos princípios de pontuação, lembre-se que a lenda conta que Alexandre Magno, não querendo prosseguir em suas conquistas, antes de voltar à Babilônia, mandou, como era de praxe à época, fosse consultada uma pitonisa acerca do futuro. A resposta veio em cinco palavras soltas, sem qualquer sinal de separação; e sua leitura foi feita por Alexandre e seus generais do modo como mais lhes convinha: "Vais. Voltas. Não morrerás lá." Em campanha, porém, febre aguda acometeu o grande conquistador, que acabou morrendo aos trinta e três anos, em 323 a. C. Seus generais, lembrando-se da pitonisa, mandaram buscá-la, para que fosse punida pela errônea previsão. Qual não foi o espanto deles, contudo, quando ouviram dela a adequada leitura do vaticínio: "Vais. Voltas? Não! Morrerás lá."

9) Da lenda, de igual modo, vem a história de que, na antiga Rússia, em apelo extremo, um czar rejeitara as alegações de um condenado, encimando o recurso com o lacônico veredicto: "Manter condenação. Impossível absolver." Tendo profundo e pessoal interesse no caso, mas sem querer ostensivamente desafiar o czar, a czarina, durante a madrugada, teria revertido a situação, valendo-se de pequenas alterações: "Manter condenação impossível: absolver."1

10) De mesma natureza é a história que tem circulado pelos computadores de todo país. Conta ela que um homem rico estava muito mal. Pediu papel e pena e assim escreveu: "Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres". Morreu antes de fazer a pontuação. Sendo quatro os concorrentes, o sobrinho fez a seguinte pontuação: "Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres." A irmã chegou em seguida e assim pontuou o escrito: "Deixo meus bens à minha irmã. Não ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". O alfaiate pediu cópia do original. Não teve dúvidas em assim pontuar: "Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". Então chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta leitura: "Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres!"

11) Quanto ao período da indagação (não sei se há outros sentidos), pode ele ser pontuado ao menos dos seguintes modos, todos corretos:

I) Maria toma banho porque sua. Mãe! disse ela, pegue a toalha!

II) Maria toma banho, porque sua. Mãe! disse ela, pegue a toalha!

III) Maria toma banho porque sua. Mãe! – disse ela – pegue a toalha!

IV) Maria toma banho, porque sua. Mãe! – disse ela – pegue a toalha!

V) Maria toma banho porque sua. Mãe! (disse ela) pegue a toalha!

VI) Maria toma banho, porque sua. Mãe! (disse ela) pegue a toalha!

VII) Maria toma banho porque sua. "Mãe!" disse ela. "Pegue a toalha!"

VIII) Maria toma banho, porque sua. "Mãe!" disse ela. "Pegue a toalha!"

IX) Maria toma banho porque sua. "Mãe!" – disse ela – "Pegue a toalha!"

X) Maria toma banho, porque sua. "Mãe!" – disse ela – "Pegue a toalha!"

XI) Maria toma banho porque sua. "Mãe!" (disse ela) "Pegue a toalha!"

XII) Maria toma banho, porque sua. "Mãe!" (disse ela) "Pegue a toalha!"

XIII) Maria toma banho porque sua. – Mãe! disse ela, pegue a toalha!

XIV) Maria toma banho, porque sua. – Mãe! disse ela, pegue a toalha!

XV) Maria toma banho porque sua. – Mãe! – disse ela – pegue a toalha!

XVI) Maria toma banho, porque sua. – Mãe! – disse ela – pegue a toalha!

XVII) Maria toma banho porque sua. – Mãe! (disse ela) pegue a toalha!

XVIII) Maria toma banho, porque sua. – Mãe! (disse ela) pegue a toalha!

_______

1Cf. COSTA, José Maria da. Revisão de Português. 2. Ed. Campinas: Millennium Editora Ltda., 2005. p. 348.

______

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas.