Migalhas Quentes

IVAR: Após disparada do IGP-M, FGV lança novo índice para aluguéis

Índice de Variação de Aluguéis Residenciais será divulgado mensalmente, utilizando informações dos contratos assinados entre locadores e locatários.

12/1/2022

O Instituto Brasileiro de Economia da FGV lançou nesta terça-feira, 11, um novo indicador para medir a variação de preço dos aluguéis residenciais. O IVAR, Índice de Variação de Aluguéis Residenciais, será divulgado mensalmente, utilizando informações dos contratos assinados entre locadores e locatários, intermediados por empresas administradoras de imóveis em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

O objetivo é medir a evolução dos preços e preencher uma lacuna nas estatísticas nacionais do setor. O índice utiliza valores negociados dos aluguéis em vez de dados de anúncios como base de cálculo. Fazem parte dados como os valores dos contratos novos e dos reajustes de contratos existentes, além das características de cada imóvel.

FGV cria IVAR, novo índice para reajuste de aluguéis.(Imagem: Freepik)

A metodologia estatística empregada permite a mensuração robusta da variação média dos aluguéis ao longo do tempo, refletindo melhor o cenário – oferta e demanda – do mercado de locação de imóveis residenciais.

O IVAR/FGV passa a integrar em janeiro de 2022 o calendário fixo de divulgação dos índices, indicadores e sondagens do FGV IBRE.

Desaceleração

Pelos cálculos anunciados pela FGV, em dezembro o Ivar subiu 0,66%, uma desaceleração com relação ao 0,79% registrado em novembro. O acumulado de 12 meses ficou em -0,61% em dezembro.

De acordo com a Fundação, a diferença na metodologia gera variação entre o IVAR e a evolução dos aluguéis medida pelos índices tradicionais. O aluguel residencial medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística subiu 6,98% no acumulado de 12 meses em dezembro, enquanto no Índice de Preços ao Consumidor Semanal, da FGV, o aumento ficou em 4,45%.

As quatro cidades componentes do IVAR apresentaram desaceleração no acumulado de 12 meses, com São Paulo caindo mais do que a média nacional, com -1,83%. A queda em Porto Alegre foi -0,35% e Belo Horizonte e Rio de Janeiro tiveram alta de 1,46% e 0,46%, respectivamente.

Para a FGV, as negociações entre inquilinos e proprietários refletem a queda na renda familiar, afetada pela alta da inflação e outros fatores econômicos, inclusive a crise econômica gerada pela pandemia de covid.

Veja a versão completa
cadastre-se, comente, saiba mais

Leia mais

Migalhas Quentes

Loja em supermercado consegue substituir IGP-M por IPCA em aluguel

11/1/2022
Migalhas Quentes

IGP-M ou IPCA? Ações sobre correção de aluguel aguardam análise do STF

10/1/2022
Migalhas Quentes

Inflação do aluguel: IGP-M encerra 2021 com alta de 17,78%

6/1/2022

Notícias Mais Lidas

STF decidirá validade de piso salarial de profissionais de enfermagem

15/8/2022

Confira memes da posse de Alexandre de Moraes na presidência do TSE

17/8/2022

Mulheres acusam juiz do TRT-2 de assédio sexual no gabinete

15/8/2022

"Mundo está chato", diz advogado advertido por machismo em audiência

16/8/2022

Empresa pagará R$ 150 mil a funcionários obrigados a imitar a Gretchen

15/8/2022

Artigos Mais Lidos

Decisão do TST põe em xeque diversas terceirizações

15/8/2022

Controvérsia - Aplicação do tema 677/STJ quando o depósito judicial é realizado para fins de impugnação

15/8/2022

JUCESP publica novas regras para balanços contábeis

15/8/2022

A função do advogado na desjudicialização a partir das técnicas de compliance, governança e ESG

15/8/2022

Recuperação judicial: um socorro ao produtor rural em cenário de incertezas

15/8/2022