sexta-feira, 19 de agosto de 2022

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Teletrabalho e trabalho remoto com a MP 1.108/22

Teletrabalho e trabalho remoto com a MP 1.108/22

Medida provisória traz alterações na CLT e regulamenta o trabalho remoto e telepresencial no Brasil, alterando regras de controle de jornada, previsão em contrato, local da prestação de serviços, despesas, alteração de regime de contrato e outras mudanças.

quinta-feira, 7 de abril de 2022

Atualizado em 8 de abril de 2022 09:28

 (Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A CLT, após a reforma trabalhista, passou a ter o teletrabalho regulamentado, o que representou grande avanço nas relações de trabalho modernas, que já demandavam uma legislação mais atualizada.

No entanto, com as dificuldades trazidas pela pandemia de covid-19, as relações de trabalho sofreram ainda mais impacto do ponto de vista do teletrabalho.

Para muitos, o teletrabalho tornou-se uma forma possível de manter as atividades empresariais e, até mesmo, de redução de custos.

Com essa nova realidade no radar, foi editada a medida provisória 1.108/22.

A medida provisória 1.108/22 terá validade somente até o dia 25/7/22, caso não seja convertida em lei.

A medida provisória 1.108/22 traz regulamentação sobre duas questões principais, quais sejam o trabalho remoto e a concessão de auxílio-alimentação.

Até o momento, a legislação brasileira regulamentava apenas o teletrabalho, o qual era definido como o trabalho com uso de tecnologias de informação e comunicação fora do estabelecimento empresarial e isentava os trabalhadores sujeitos a este regime do controle de jornada de trabalho.

A medida provisória 1.108/22 tratou de igualar o teletrabalho ao trabalho remoto, passando a dar a estas duas formas de trabalho o mesmo tratamento.

Com isso, foi alterado o art. 75-B, da CLT, que passou a ter a seguinte redação:

"Art. 75-B. Considera-se teletrabalho ou trabalho remoto a prestação de serviços fora das dependências do empregador, de maneira preponderante ou não, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação, que, por sua natureza, não se configure como trabalho externo."

Além disso, a medida provisória 1.108/22 prevê a isenção do controle de jornada aos trabalhadores em teletrabalho ou trabalho remoto.

Agora, a isenção de controle de horário somente é autorizada aos empregados que trabalhem por produção ou tarefa.

No entanto, o comparecimento, ainda que de modo habitual, às dependências do empregador para a realização de atividades específicas, que exijam a presença do empregado no estabelecimento, não descaracteriza o regime de teletrabalho ou trabalho remoto, o que protege o que tiver sido combinado em contrato de trabalho entre as partes.

Isso efetivamente altera as regras do jogo, pois restringe a isenção de controle de jornada apenas a um grupo de trabalhadores.

Deste modo, enquanto estiver válida a medida provisória 1.108/22, e também se ela for convertida em lei, será obrigatório o controle de jornada de trabalho dos empregados que estejam em teletrabalho ou home office e não sejam trabalhadores que trabalhem por produção ou tarefa.

Com isso, o empregado submetido ao regime de teletrabalho ou trabalho remoto poderá prestar serviços por jornada ou por produção ou tarefa, ficando estabelecido pela medida provisória 1.108/22 que são regimes distintos.

Considerando que agora o art. 75-B da CLT dispõe expressamente que o trabalho remoto fora das dependências do empregador pode ou não ser preponderante, torna-se obrigatória a previsão no contrato de trabalho desta condição.

O próprio art. 75-C, da CLT, com redação alterada pela medida provisória 1.108/22, prevê que a prestação de serviços na modalidade de teletrabalho ou trabalho remoto deverá constar expressamente do contrato individual de trabalho. 

Um ponto bastante importante na nossa visão é sobre a alteração do regime de trabalho remoto para presencial e vice-versa.

Para alterar o regime de trabalho de presencial para teletrabalho, a medida provisória 1.108/22 alterou o art. 75-C, §1º, da CLT para exigir mútuo acordo entre as partes, com necessidade de aditivo ao contrato de trabalho.

No entanto, para se fazer o caminho inverso, ou seja, alterar o regime de teletrabalho para presencial, conforme o art. 75-C, §2º, da CLT, com redação dada pela medida provisória 1.108/22, basta a determinação emanada pelo empregador, desde que respeitado um prazo mínimo de 15 dias, sem prejuízo do devido aditivo ao contrato de trabalho.

Nessa hipótese, de acordo com a medida provisória 1.108/22, nos casos em que o trabalhador em teletrabalho ou trabalho remoto optar por trabalhar em local diferente de onde o contrato tiver sido celebrado, o empregador não será responsável pelas despesas resultantes do retorno ao trabalho presencial, salvo disposição em contrário estipulada entre as partes.

Ou seja, se um trabalhador for admitido no Brasil e quiser, ele poderá trabalhar no exterior com a aplicação da lei brasileira, salvo estipulação em contrário pelo empregado e empregador, sendo que se a empresa demandar o retorno à atividade presencial, caberá a ela o custeio das despesas necessárias a este retorno.

Quanto à lei aplicável, a medida provisória 1.108/22 estabelece aos empregados em regime de teletrabalho aplicam-se as disposições previstas na legislação local e nas convenções e acordos coletivos de trabalho relativas à base territorial do estabelecimento de lotação do empregado.

A medida provisória 1.108/22 também trouxe previsão quanto aos empregados com deficiência ou que possuam filhos de até quatro anos sob sua guarda.

Segundo a medida provisória 1.108/22, o teletrabalho ou trabalho híbrido deverá ser a forma de trabalho preferencial para as pessoas com deficiência e para aquelas que tenham filhos até quatro anos sob sua guarda.

A medida provisória 1.108/22 também autorizou a adoção de trabalho remoto para aprendizes e estagiários, o que não tinha previsão legal antes da edição da medida provisória 1.108/22.

Com isso, é possível concluir que a medida provisória 1.108/22 trouxe alterações significativas na CLT quanto ao trabalho remoto e telepresencial, os quais deverão ser observados pelas empresas durante sua vigência.

Resta saber se a medida provisória 1.108/22 será convertida em lei e passarão a integrar definitivamente o sistema jurídico ou se terá validade somente até 25/7/22.

Lucas Grisolia Fratari

VIP Lucas Grisolia Fratari

Advogado especialista em Direito Empresarial pelo Insper, Processo Civil e Direito e Processo do Trabalho pela PUC Campinas, Direito Previdenciário pela EBRADI. Mestrando em Resolução de Conflitos.

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca