sexta-feira, 28 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Anamatra questiona no STF novos dispositivos da lei de introdução às normas do Direito brasileiro
ADIn 6.146

Anamatra questiona no STF novos dispositivos da lei de introdução às normas do Direito brasileiro

Artigos foram inseridos pela lei 13.655/18; relatoria da ADIn foi distribuída ao ministro Celso de Mello.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

A Anamatra - Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho ajuizou a ADIn 6.146 no STF para questionar dispositivos da lei 13.655/18 que incluíram novas regras na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (decreto-lei 4.657/42). A relatoria da ação foi distribuída ao ministro Celso de Mello.

Na ação, a Anamatra questiona os artigos 20, 21, 22 e 23 incluídos na LINDB pela nova norma.

t

O artigo 20 do decreto-lei estabelece que, "nas esferas administrativa, controladora e judicial, não se decidirá com base em valores jurídicos abstratos sem que sejam consideradas as consequências práticas da decisão". Às expressões contidas neste dispositivo, a Anamatra pede que seja conferida interpretação conforme a Constituição. A entidade também requer que seja dada interpretação de acordo com a CF/88 ao texto dos demais artigos questionados.

Para a associação, os novos dispositivos impõem aos magistrados que atuem sem provocação das partes e em substituição tanto ao Executivo, para atuar em nítido caráter consultivo, quanto ao Legislativo, o que exorbita da atividade jurisdicional e das competências do Judiciário.

"Tais normas não podem ser consideradas constitucionalmente válidas, diante dos princípios da inércia de jurisdição, do devido processo legal, da separação de poderes e da independência do Judiciário", sustenta a entidade.

A Anamatra avalia que o Judiciário não pode proferir decisão sem a devida provocação das partes, nem exercer "juízo de futurologia" sobre as consequências das decisões, sobre as alternativas existentes ou sobre os obstáculos e dificuldades para lhes dar cumprimento sem a indicação das partes nesse sentido.

A entidade alega ainda que o Judiciário não pode substituir a Administração Pública para o cumprimento da lei, por meio de ordem judicial. Dessa forma, entendendo que os dispositivos violam o princípio da separação dos Poderes, a Anamatra questiona as regras introduzidas na LINDB pela lei 13.655/18.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 19/6/2019 09:02