MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Vista adia análise de voto de qualidade no Tribunal de Impostos de SP
Voto de qualidade

Vista adia análise de voto de qualidade no Tribunal de Impostos de SP

Antes disso, o relator Ferreira Rodrigues votou para derrubar o voto de qualidade. O magistrado entendeu que o mecanismo que confere voto duplo a um julgador é inconstitucional.

Da Redação

segunda-feira, 20 de junho de 2022

Atualizado às 09:40

Na última quarta-feira, 15, o desembargador Moacir Peres, do Órgão Especial do TJ/SP, pediu vista e suspendeu a análise do processo sobre a utilização do voto de qualidade pelo TIT/SP - Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de SP. Antes disso, o relator Ferreira Rodrigues votou para derrubar o voto de qualidade. O magistrado entendeu que o mecanismo que confere voto duplo a um julgador é inconstitucional.

No julgamento, o relator pontuou que, em caso de empate, o processo deve ser decidido de forma pró-contribuinte.

"[o voto de qualidade] implica violação da isonomia em relação aos demais integrantes que votam apenas uma vez. Além disso, afeta a imparcialidade do julgamento e representa afronta ao devido processo legal ao fazer prevalecer posicionamento de um juiz que já se manifestou."

 (Imagem: Pixabay)

Vista adia análise de voto de qualidade no Tribunal de Impostos de SP.(Imagem: Pixabay)

Atualmente, a lei 16.498/17, em seu art. 61, estipula que prevalecerá o voto do presidente da Câmara, representante dos interesses da Fazenda, quando houver empate.

A matéria chegou ao TJ/SP depois que a Câmara Superior do TIT/SP manteve, através do voto de qualidade, auto de infração que exigia recolhimento de ICMS. Depois disso, o contribuinte impetrou mandado de segurança alegando que o método de desempate seria inconstitucional.

Voto de qualidade no Carf

O voto de qualidade em caso de empate também era adotado pelo Carf - Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, até ser suspenso pela criação da lei 13.988/20. O caso foi parar no STF em quatro ADIns. Já há maioria formada contra o voto de qualidade. Os processos, entretanto, estão parados com o ministro Nunes Marques, que pediu vista.