Migalhas Quentes

Twitter deve fornecer dados de usuário que xingou ex-BBB Sarah Andrade

O magistrado deu prazo de cinco dias para que a decisão seja cumprida, sob pena de multa diária de R$ 500, até o limite inicial de R$ 5 mil.

5/8/2021

O Twitter deve fornecer os registros de conexão ou registros de acesso a aplicações de internet que permitam identificar usuário de perfil fake que ofendeu a ex-BBB, influenciadora digital e consultora de marketing Sarah Andrade. A quebra de sigilo telemático foi deferida pelo desembargador Alcides Leopoldo, da 4ª câmara de Direito Privado do TJ/SP.

Ex-BBB Sarah Andrade foi vítima de ofensas no Twitter.(Imagem: Reprodução/Instagram)

A tutela de urgência foi negada pelo juízo de origem, sob o fundamento de que o conteúdo exposto na inicial, embora de mau gosto, “parece não ultrapassar os limites da livre expressão e manifestação do pensamento”.

O magistrado de 1ª instância aduziu, ainda, que as publicações, ao mesmo tempo que ofensivas, trazem contornos nitidamente cômicos e fantasiosos, circunstâncias que deixam claro aos demais usuários sua natureza pouco séria.

Sarah Andrade recorreu da decisão e disse que a liberdade de expressão e de pensamento não permite imputar ou comparar qualquer ser humano como: “ratazana, vaca, doente, sem caráter, vadia ordinária, cretina, suja dissimulada, imunda, leitada”.

Afirmou, também, que está sendo vítima de ataques desonrosos consistentes na divulgação de postagens com ofensas pessoais, agressões e imputações ilícitas, em tese, criminosas, por parte de usuário desconhecido.

O pedido da ex-BBB foi acolhido pelo desembargador Alcides Leopoldo.

“Assiste direito à agravante em obter do provedor de hospedagem, o fornecimento de registros de conexão ou de registros de acesso a aplicações de internet, necessários à identificação do usuário, cuja identidade nega ter ciência.”

O magistrado deu prazo de cinco dias para que a decisão seja cumprida, sob pena de multa diária de R$ 500, até o limite inicial de R$ 5 mil.

A ex-BBB é representada pelo escritório Belarmino Sociedade de Advogados. Segundo o advogado da modelo, Guilherme Belarmino, “internet não é terra sem lei e seus usuários têm que saber que existem limites a serem observados. Não podemos concordar com o ‘tribunal de cancelamento’ estabelecido nas redes sociais, onde destroem a vida e a reputação de uma pessoa em segundos. Ofensa é crime e pode ensejar condenação tanto na esfera penal como cível e a justiça está apta para localizar e condenar os ofensores”.

Veja a decisão.

Veja mais no portal
cadastre-se, comente, saiba mais

Leia mais

Migalhas Quentes

STJ mantém interceptação de dados de terceiros no caso Marielle Franco

3/8/2021
Migalhas Quentes

Provedor deve informar quem publicou vídeos íntimos de Raissa Barbosa

20/7/2021
Migalhas Quentes

Facebook não terá de fornecer dados de pessoas envolvidas em fake news

10/3/2021

Notícias Mais Lidas

STJ: Ministra Daniela Teixeira anula Júri em que réu foi colocado de costas para jurados

12/4/2024

Primeira juíza promovida por paridade de gênero é empossada no TJ/SP

12/4/2024

Corregedor suspende norma do STJ que proíbe regata e cropped na Corte

12/4/2024

TST: Recreio deve ser computado na jornada de professor

15/4/2024

TJ/SP nega exclusão de post com críticas à prefeita de Praia Grande

14/4/2024

Artigos Mais Lidos

Paciente com câncer tem direito à isenção do imposto de renda?

13/4/2024

Verbas salariais e indenizatórias na folha de pagamento: Uma análise das jurisprudências dos tribunais superiores pós-reforma trabalhista

13/4/2024

Remanescente das comunidades de quilombos: Novo tipo de relação jurídica imobiliária

13/4/2024

A dificuldade de citação de empresas de capital estrangeiro com endereço fiscal em escritórios compartilhados (Coworking)

14/4/2024

ICMS-Difal e desdobramentos à luz do STF

13/4/2024