terça-feira, 22 de junho de 2021

AUTOR MIGALHAS

  1. Home >
  2. Autor >
  3. Augusto Francisco Mota Ferraz de Arruda
result.title

Augusto Francisco Mota Ferraz de Arruda

https://www.migalhas.com.br/autor/augusto-francisco-mota-ferraz-de-arruda
Migalheiro desde outubro/2007.

Migalhas de peso Um novo tribunal de justiça desponta no horizonte: tribunal de exceção?
segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Um novo tribunal de justiça desponta no horizonte: tribunal de exceção?

"A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou no dia 18 de setembro, Proposta de Emenda Constitucional que cria o Tribunal Superior da Probidade Administrativa, que terá atribuição para julgar ações penais de corrupção contra a administração pública, envolvendo autoridades públicas, bem como réus que não possuam cargos públicos.
Migalhas de peso A ditadura de 64, os Órgãos Especiais dos tribunais de justiça e o CNJ
sexta-feira, 17 de novembro de 2006

A ditadura de 64, os Órgãos Especiais dos tribunais de justiça e o CNJ

Um dos exemplos de como o Direito no País está se tornando a cada dia que passa instrumento de ideologias ou simplesmente de interesses pessoais é a recente decisão do CNJ de conceder liminar parcial para suspender os efeitos de uma decisão administrativa tomada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, dia 31 de agosto, p.p., por meio de seu órgão máximo, o Tribunal Pleno.
Migalhas de peso O CNJ e a Resolução 16
terça-feira, 13 de junho de 2006

O CNJ e a Resolução 16

Ainda que se possa concordar que possa haver tribunais estaduais que pratiquem abusos administrativos, a rigor de um ordenamento político constitucional que pretenda ser reconhecido como democrático, esses abusos jamais poderiam ser objeto de resoluções administrativas genéricas como as expedidas pelo CNJ. Deveria o CNJ se quisesse conquistar alguma simpatia dos tribunais estaduais agir por meio do devido procedimento administrativo correcional disciplinar legalmente instaurado contra os agentes públicos desertores da legalidade e moralidade administrativa permitindo, primeiro, que o acusado se defenda e segundo lugar evitando o desgaste injusto e indevido da função jurisdicional de segundo grau perante a opinião pública.