sábado, 28 de maio de 2022

COLUNAS

  1. Home >
  2. Colunas

Política, Direito & Economia NA REAL

Enfoque político, jurídico e econômico.

Francisco Petros
terça-feira, 17 de setembro de 2013

Política e Economia NA REAL n° 262

Atenção ao Federal Reserve Estamos cada vez mais próximos de uma mudança efetiva da política monetária expansionista do BC dos EUA. A linguagem já mudou : os policy makers estadunidenses já avisaram ao mundo de que a maior economia mundial ainda convalesce, mas está ficando sadia no que tange à recuperação do consumo e do investimento. Todos os indicadores mostram isso com clareza. Por ora o que se discute é o grau de sustentação do crescimento e o grau de estímulo necessário para que haja segurança para que a economia real ande por pernas próprias. Ou seja, a expansão das emissões em dólares vai se reduzir, mas a intensidade e o momento de adotá-la está sob escrutínio. As taxas de juros dos títulos de prazo mais longo já se alteraram e o dinheiro mundial começa a fluir intensamente de volta à metrópole. Os países emergentes, dentre os quais o Brasil, já se ressentem dessa virada de política monetária americana. Não há espanto, apenas a concretização de uma expectativa. Nesta quarta-feira é bem provável que o Fed informe mais claramente suas pretensões. O mundo escutará. O BC brasileiro terá de acionar mais intensamente as suas armas na defesa do Real. Será uma batalha perdida no médio prazo por duas razões básicas : o Real tem de se desvalorizar frente ao movimento do dólar ; a conjuntura doméstica, seja política, seja econômica está se deteriorando. Sobretudo por culpa do governo pífio que faz a presidente Dilma. A falta de prudência da jurisprudência e os efeitos políticos Diz o ministro do STF Marco Aurélio Mello que 'direito é bom senso'. Bem, nem sempre é assim. É certo que a maior infringência que pode ocorrer num sistema judicial, em particular, ou no sistema estatal, em geral, é o distanciamento entre a sociedade e o Poder Estatal. Também é certo que o julgamento dos embargos infringentes pelo STF é baseado em tortuosas análises entre um Regimento Interno revogado (ou não ?) e a lei Processual Penal. O ministro Celso de Mello sabe disso, mas deve optar por uma longa análise jurídica que desembocará na validação dos tais embargos para o caso do mensalão. O estrago será feito do ponto de vista político : a percepção do povo de que poderosos e ricos no Brasil não pagam por seus desfeitos públicos e privados se comprovará. Além disso, aumenta a desconfiança de que a escolha política de ministros do STF atende a interesses inconfessáveis das plataformas políticas e dos ocupantes das cadeiras do poder. Se é verdade ou não, a esta coluna só cabe dizer que haverá mais um fato a colorir o imaginário popular que acredita cada vez mais no chamado "interesse público" das autoridades estatais. Por fim, fica claro que as matérias jurídicas nas mãos de políticos, magistrados, governantes e funcionários públicos vão adquirindo uma elasticidade tal de interpretação que, ao final, a impunidade prevalecerá tardia e, talvez, soberanamente. Victor Nunes Leal Citação do ex-ministro do STF na sua monumental obra "Coronelismo, enxada e voto" : "Aos amigos, Justiça ; aos inimigos, lei". As cinzas das horas ministerial - 1 Na semana passada voltou a crepitar a fogueira no Palácio do Planalto para transformar em cinzas alguns cargos ministeriais. Irritada com o governador de PE, Eduardo Campos, por sua desenvoltura como candidato a presidente, com direito a críticas cada vez mais acerbas à política econômica de Brasília e troca de amabilidades em público com o senador Aécio Neves, a presidente Dilma começou a ensaiar expulsão do governo dos companheiros do neto de Arraes. Não propriamente dos companheiros de PSB, mas dois ligados diretamente a Campos, como o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra. A turma dos irmãos Gomes, entre eles o secretário dos Portos (status de ministro) Leônidas Cristino, naturalmente seria preservada. As cinzas das horas ministerial - 2 A rifa dos amigos de Campos contava com o incentivo entusiasmado dos outros partidos da base aliada (lembrar que o PDB ainda é oficialmente um parceiro), especialmente do PT, e do PMDB, de olho nos lugares que vagariam. O partido de Michel Temer, José Sarney, Renan Calheiros e Henrique Eduardo Alves já estava até lustrando sua melhor beca para ocupar o ministério da Integração Nacional. Assim, o partido ganharia o que mais almeja hoje, um ministério que dá votos. Os peemedebistas se queixam que as pastas que têm "não elegem nem governador". Pelas informações colhidas no fim de semana, o fogo foi apagado. De passagem por Brasília, onde foi conferir se tudo vai bem no governo e deixar suas opiniões e instruções, o ex-presidente Lula teria aconselhado a "conter seus radicais" e não mexer agora com a turma do governador de PE. As cinzas das horas ministerial - 3 Não estaria ainda na hora, segundo a visão política acuradíssima do ex-presidente, de queimar as caravelas com o presidente do PSB e o seu grupo. Não que Lula também não esteja irritado com o governador pernambucano, um pupilo que cultivou muito. Pragmático, porém, vê que o rompimento com ele pode criar mais problemas para Dilma no Congresso, ela que já os têm demais na Câmara e no Senado. Além disso, no fundo, Lula, que voltou a conversar com Campos depois dos movimentos juninos, após meses de afastamento, parece ainda alimentar a esperança de trazer o neto de Arraes para o redil governista, fazendo-o desistir da corrida presidencial. Em troca de quê, pode-se perguntar. Houve um tempo em que a vice-presidência na chapa reeleitoral de Dilma foi vista com o figurino perfeito para vestir Eduardo Campos e afastá-lo da corrida presidencial em 2014. O PMDB e Michel Temer seriam impiedosamente rifados. As cinzas das horas ministerial - 4 Ainda há um discurso petista nesta linha. Semana passada também o governador do RS, Tarso Genro, em entrevista à Folha de S.Paulo, voltou a dizer que não considera fechada a repetição, ano que vem, da dobradinha PT/PMDB para o Palácio do Planalto. O que Tasso, que tem dissidências com o comando petista, diz de público, muitos petistas pensam no privado. Porém, com a perda da popularidade de Dilma - ainda em lenta recuperação, com poucas chances de voltar a ser como antes - e os laivos de rebeldia e independência de boa parte dos aliados, a presidente precisou se apoiar mais e mais em seu vice-presidente e na parte do PMDB que ele comanda. O panorama, olhado de hoje, torna impossível rifar o PMDB. Ao contrário, é o PMDB que está com as melhores cartas do baralho - e com o jogo na mão está cobrando - e vai cobrar - muita fidelidade petista nas composições regionais. E Lula fará o PT pagar o pedágio. As cinzas das horas ministerial - 5 Sobrará oferecer o que já foi insinuado a Campos anteriormente e ele não se comoveu : uma posição de destaque num mandato Dilma 2 (até o ministério da Fazenda já foi jogada nesta especulação) e o apoio do PT à candidatura dele em 2018. Campos não se comoveu porque, como todo mundo que acompanha um pouquinho que seja da política brasileira, não acredita que o PT seja capaz de fazer qualquer concessão nesse campo. Para os petistas, o projeto de "governo popular do PT" é eterno. Num momento, portanto, a ruptura Campos/PT ocorrerá. Esta adiada, possivelmente para janeiro, quando Dilma então deve tirar a maioria dos ministros que vão disputar algum tipo de mandato em 2014. Mas se Campos não ficar mais quietinho, a irritação, um estado que a presidente alcança mais rápido do que ebulição da água quando submetida a fogo alto, pode ficar mais forte que as ponderações de Lula e o desenlace ocorrer antes.  No Trabalho, fogo alto - 1 As mesmas razões que estão levando a presidente, apesar de toda a sua decepção, a não "punir" o possível adversário Eduardo Campos com a retirada do Ministério da Integração e outros postos relevantes das mãos do PSB, estão salvando da degola o ministro do Trabalho, Manoel Dias, um digno representante do PDT na equipe presidencial. As denúncias envolvendo negócios nada "simpáticos" do ministério com ONGs ligadas a pessoas do partido ou próximas de pedetistas, que já levaram a prisões de algumas dessas figuras e ao afastamento de servidores graduados da pasta, inclusive do secretário Executivo, Paulo Roberto Pinto, pode ainda render muitas histórias desagradáveis e tornar a situação do ministro insustentável. No desespero, Dias mandou suspender 408 convênios com ONGs, para reavaliação. Será que vai adiantar. O ministro do Trabalho preferido do PDT, seu presidente nacional, Carlos Lupi, perdeu o ministério pouco mais de um ano atrás também por negócios escusos de ONG. No Trabalho, fogo alto - 2 A situação voltou à estaca zero por - em boa parte - responsabilidade da presidente Dilma. Quando ela tirou Lupi, foi mais uma vez saudada como a "faxineira" que não perdoava "malfeitos" (a expressão vai entre aspas porque foi assim que ela classificou as histórias do início de seu governo que levou uma penca de ministros para a rua). O ânimo, porém, não durou um ano. Com o PDT praticamente nas mãos, Lupi passou a boicotar o ministro escolhido por Dilma, Brizola Neto, também do partido, e a levar o PDT a ensaiar no Congresso alguns minuetos oposicionistas, em votações importantes para a presidente. Sem saída, Dilma mandou Brizola Neto para casa e trouxe para o lugar o deputado Manoel Dias, preposto de Lupi. Voltou todo o esquema antigo, até o secretário Executivo Paulo Pinto, que tinha sido mandado passear por causas das histórias antigas. Deu no que deu - e não foi por falta de aviso. No Trabalho, fogo alto - 3 Agora, a presidente, já esquecida da sua vassoura e do aspirador de pó, faz um esforço incomum para não entrar em colisão com Lupi. O custo pode ser novamente o PDT criando problemas no Congresso e ameaçando levar seu tempo no horário eleitoral obrigatório no rádio e na televisão para os braços de um dos três prováveis adversários da presidente no ano que vem. É possível que o preço fique alto demais, tal é a vida das ONGs no Ministério do Trabalho. Talvez Dilma tenha ao menos de se livrar de Manoel Dias, para manter as aparências. A semana dirá. Não mexer em vespeiro Há uma outra razão para a presidente tentar não fazer trocas pontuais no ministério : cada vez que uma vaga se abre, é um briga dos aliados para ocupá-la e ocupar o que de melhor em cargos e segundo escalão oferece o ministério. É agradar um e desagradar 200, o que Dilma, com sua base "desalinhada" não pode se dar ao luxo de fazer. Já basta a confusão que vai ser a mexida da desincompatibilização. Não faltava mais nada ? Quando a Câmara decidiu não cassar o mandato do deputado-presidiário Natan Donadon, muitos acreditaram que finalmente o fundo do poço tinha sido atingido pelo Congresso. Não falta mais nada para acrescentar ao descrédito do parlamento. Engano puro. Descobriu-se agora que o voto do deputado Zoinho/PR foi fraudado na sessão que derrubou o veto da presidente Dilma ao projeto de redistribuição dosroyalties do petróleo. Ele não estava em Brasília no dia mas seu voto apareceu. Já inadmissível. O mais grave, porém, é que o presidente do Congresso, Renan Calheiros, anunciou que não vai anular a votação. Alega que o voto não influiu no resultado. Este poço parece não ter mesmo fundo. Tirem os meninos da sala Pelo que se conta em Brasília da conversa para os parlamentares trocarem de partido antes de 4/10, aproveitando o espaço criado pelo nascimento de pelo menos mais duas legendas do tipo aluguel - Solidariedade e PROS - e também pela oportunidade criada ainda pelo PSD de Gilberto Kassab, é melhor que os pais tirem as crianças da sala. Aliás, os adultos também devem sair. São histórias proibidas para pessoas menores de 100 anos. A oposição em banho-maria ainda Apesar da irritação da presidente Dilma e do PT, com Eduardo Campos, não apenas a "campanha" dele para a sucessão presidencial, assim como a de Aécio Neves, se desenrolam mais nos bastidores, na busca de apoios políticos e nos formadores de opinião e menos nas ruas, nos palanques. Até as críticas às políticas oficias não estão sendo gritadas. Tanto Aécio quanto Campos precisam ainda aparar arestas com futuros parceiros e nas suas próprias legendas. E Marina Silva, hoje a que mais persegue Dilma nas pesquisas, está totalmente envolvida na criação do seu partido, o Sustentabilidade, sem o que suas chances de fazer bonito em 2014 ficam complicadas. Ainda perturba os adversários da presidente a falta de uma ideia-força para a campanha. Assim, mesmo com os desenganos com sua base aliada, as restrições da economia e os desarranjos do governo, tipo Manoel Dias, a presidente é a única que está em firme campanha nos palanques. Sai bem na frente, e em vantagem, não resta dúvida. E o mote presidencial do momento é "Mais Médicos" e nada mais. Só motivos políticos ? - 1 Para o governo, o fato de nenhum interessado ter aparecido para disputar o leilão da BR 262 (ligação Minas Gerais/Espírito Santos) foi por razões políticas. Ele se firma nesta tese, defendida pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, e pelo ministro dos Transportes, César Borges, lembrando que a outra rodovia a entrar no leilão de amanhã - a BR 050, Goiás/Minas Gerais - teve nada menor de oito concorrentes se habilitando na bolsa de valores. Segundo a interpretação oficial, a ameaça dos parlamentares (e o governo) do ES de entrar na Justiça para anular o leilão, por causa do elevado preço do pedágio, com prejuízo para os pequenos agricultores. Além disso, teria pesado a rodovia cortar dois Estados tidos como "oposicionista" : ES (PSB) e MG (PSDB) dos presidenciáveis Eduardo Campos e Aécio Neves. Pode ser, talvez se saiba esta semana. As razões, porém, mais duras parecem outras. Segundo analistas que não vestem a camisa oficial, da forma como estava, mesmo com todo o dinheiro barato posto à disposição dos concorrentes, a rodovia rejeitada não era o "filé" que o governo apregoou. Só motivos políticos ? - 2 No seu inicio, o PIL (o Programa de Investimentos em Logística) envolvendo os setores rodoviário, ferroviário, aeroportuário e portuário, lançado em agosto no ano passado por um simples razão : era uma privatização (o governo até recusou este nome) "envergonhada", com o governo tentando manter tudo sob controle, o dono da bola a escalar quem quisesse e mantendo tudo sobre controle. Quando falhou a primeira privatização (concessão, na voz oficial) de rodovias, em fevereiro, o Palácio do Planalto passou a fazer concessões acertos de todos os lados. O que atrasou o processo, a primeira concessão vem mais de um ano e um mês depois do PIL ser anunciado. A pergunta é : o governo resolveu abrir para valer ou deixou pegadinhas aqui e ali para não fugir a seu vezo ideológico. A falha na BR 262 pode ter sido provocada ainda por este viés. O temor ainda existe entre os investidores. Assim, em lugar de procurar bodes expiatórios políticos para esse fracasso, o governo deveria analisar com lupa todo o PIL e seus modelos. Para não ter outras derrotas. Radar NA REAL 13/9/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3348 estável baixa - REAL 2,2727 estável baixa Mercado Acionário - Ibovespa 53.797,51 estável baixa - S&P 500 1.687,99 estável/alta alta - NASDAQ 3.722,19 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 10 de setembro de 2013

Política e Economia NA REAL n° 261

O pior já passou ? - 1 Diz em alto tom a presidente Dilma Rousseff que "falharam mais uma vez os que apostavam em aumento do desemprego, inflação alta e crescimento negativo". O governo acerta, diz a primeira mandatária do país porque "nosso (do governo) tripé de sustentação continua sendo a garantia do emprego, a inflação contida e a retomada gradual do crescimento". Trata-se evidentemente de uma perspectiva bastante eleitoral pelo qual a presidente procura distinguir "nós" (o governo) "deles" (qualquer um que discorda do governo). Como se vê, não é esta a questão de fato, especialmente quando se trata a crítica como mera aposta, quem sabe daquelas que se faz em mesas de botequins. O que fica evidente é a face autoritária do discurso e da presidente, pessoa conhecida por ser temperamental e pouca afeita ao diálogo. De nossa parte, não cremos que homens de negócio, trabalhadores, servidores públicos, estudantes, etc., não cremos que exista uma "aposta" contra o país. O pior já passou ? - 2 O que de fato se vê é um país sem reformas estruturais, baseado na improvisação nas relações (tensas) com o setor privado, marcado pela profunda incompetência na concepção e estruturação das políticas públicas e sem avanços substantivos nas relações econômicas e sociais. Neste último item é clara a cooptação de segmentos sociais desprotegidos por meio de políticas que cristalizam as condições das classes sem educação, saúde, sem acesso à tecnologia e moradoras de lugares tristemente coroados pela miséria. Os resultados são evidentes, queira a presidente desejar vê-los ou se esconder por detrás de um discurso escrito por seu "marqueteiro". O que se comemora é um PIB bem abaixo das possibilidades do país. O que se vê na política é o compasso "fisiológico" das negociações com os agentes políticos, cujos fins são unicamente as eleições. As finanças públicas são maquiadas por artimanhas que realçam a pouca transparência e aguçam o desejo da Fazenda em fingir-se de "correta" para o tal do mercado e "social-desenvolvimentista" para quem quer ver o país andar. O pior já passou ? - 3 Este é um governo sem rumo claro, sem afinação com os princípios mais consagrados da democracia, sobretudo a transparência e a disciplina em buscar o bem comum. A presidente vocifera contra os que "apostam" contra, como se o dia da Pátria fosse palanque eleitoral. É grosseira quando se pronuncia sobre as críticas que sofre. Nada tem da imagem de "gerente" que pretendeu lançar nos tempos de sua eleição. Parece ter aprendido pouco quando se vê a mediocridade de seus resultados. É certo que o governo retomou a liderança do processo político. Afinal de contas, a oposição não propicia nenhuma alternativa crível às ansiedades mais profundas das sociedades. Estas temem pregar e se aliar aos segmentos sociais, pois carecem de legitimidade política. Neste contexto, não será surpresa a reeleição da tutelada do ex-presidente Lula. No passado também se viu FHC reeleito para quatro anos em que o país pagou o preço de sua política econômica desastrada no que diz respeito ao câmbio e à taxa de crescimento. A arrogância poderá aumentar Provavelmente, as próximas semanas podem instigar os instintos mais otimistas dos que leem o funcionamento do poder. Muito provavelmente, a taxa de câmbio estará mais calma, a inflação ficará comportada no atual (incômodo) patamar e os juros podem parar de subir (ata do Copom foi um poço de otimismo). São aparentemente bons sinais. Mas, esta conjuntura não é sinal de alterações estruturais nas carências do país. Um país que é capaz de ganhar a autoridade de fazer uma Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos com um gerenciamento de tão baixa qualidade quanto o que é feito, também é capaz de ter a sua economia administrada em altas doses de improvisação e sem visão estratégica que possibilite a remoção do atraso e do subdesenvolvimento social, econômico e político. Lula trafegou nas ondas favoráveis dos países emergentes durante os seus anos de presidência. Dilma Rousseff pode ter ventos favoráveis por uns tempos. Todavia, tristemente os problemas estruturais estão sendo jogados "para debaixo do tapete", dentre os quais : (i) inflação elevada; (ii) déficit externo recorde; (iii) contas públicas deterioradas; (iv) indústria em processo de obsolescência; (v) reformas estruturais eternamente adiadas. Vamos ter uma paz conjuntural enquanto as estruturas sofrem a deterioração continuada dos últimos anos. Há o que comemorar ? - 1 Sábado havia civicamente e oficialmente o que comemorar : o 7 de Setembro, o Dia da Pátria, desde sempre a mais importante festa cívica nacional. No entanto, pelos lados oficiais ela acabou um tanto quanto esvaziada pelo temor das manifestações de rua. A segurança e as precauções foram tantas, mormente em Brasília, que a festa acabou vazia, um tanto chocha, mais parecendo a dos tempos mais duros da ditadura militar e não os melhores momentos dos tempos da democracia pós-85. Sinal de que, tanto numa ponta como na outra, o povo na rua só é mesmo bem visto quando a favor - no mais, assusta. Porém, o que assustava e se temia não ocorreu. O povo não foi para as ruas como se imaginava, ficou em casa curtindo o feriado. Aliviadas, as autoridades e os políticos até já ensaiam comemorações : o pior já passou, a agenda positiva dos executivos Federal, estaduais e municipais e do Legislativo já começou a funcionar. Há o que comemorar ? - 2 Aconselha-se que se olhe o quadro com um pouco de cautela antes que de pensar que estão todos absolvidos dos seus pecados gritados pelas ruas juninas. Devagar com o santo, ensina o popular dito, porque o andor ainda é de barro. Objetivamente, o povo não foi para as ruas por duas razões : 1. O temor da violência, que voltou a tomar conta dos movimentos. 2. Porque se estava num sábado, feriado. A "agenda positiva" não tem nada a ver com os fatos. Até porque ela é mais - ou quase somente - marketing do que ações de verdade. O clima ainda está no ar. Basta haver uma nova conjugação de fatores para a rua voltar a urrar. Se não foi agora, certamente será nas eleições. O triângulo das bermudas Aparentemente revigorada pelo esvaziamento das manifestações programada para 7 de Setembro, que o Palácio do Planalto tanto temia a ponto de montar um vigoroso esquema de segurança em Brasília e esvaziar os desfiles em todo o Brasil, a presidente Dilma Rousseff vai retomar, mais aliviada seu périplo eleitoral pelo Brasil. E, mais aliviada, deve ensaiar novamente aparições "públicas" menos controladas que as suas últimas aparições fora da capital Federal, nas quais arriscou pouco em contatos diretos com os eleitores. Nesta fase da campanha, o fogo maior vai continuar concentrado em dois estados - SP e MG. Foram sete visitas às duas regiões para mostrar a importância que o governo dá a mineiros e paulistas. A razão é simples : juntamente com o RJ, SP e MG formam o que se pode chamar de "triângulo das bermudas" eleitoral do Brasil. Sozinhos, eles concentram mais de 40% do eleitorado do país e quem não tiver um desempenho pelo menos razoável nos três vai ter de suar muito nas outras regiões para compensar. Conta eleitoral SP foi sempre o "calcanhar de Aquiles" do petismo. Nunca venceu por aqui. Mas sempre compensou essa diferença em MG e, principalmente, no RJ. Desta vez, há um senão nesse caminho : com Aécio Neves candidato, a votação mineira certamente não será a mesma que Lula (duas vezes) e Dilma tiveram por lá. (Há até uma intriga na política nacional que diz que José Serra complica agora a vida de Aécio como uma espécie de vingança contra a falta de empenho do mineiro a favor de sua candidatura.) O RJ, por sua vez, tornou-se uma incógnita. O governador Sérgio Cabral, aliado fiel nas duas vezes, deu empenho nas alianças com os petistas. Hoje Cabral é um fantasma eleitoral e sua companhia não é aconselhável na proximidade das urnas. Tanto que o Estado tem sido evitado por Dilma. Mas ele deverá começar a merecer também mais atenção. Especialmente se Marina Silva confirmar a criação de seu partido, o Rede. O eleitor fluminense já demonstrou que tem uma quedinha por ela. Falta ainda encontrar uma fórmula de entrar mais fundo no Rio contornando a companhia de Sérgio Cabral. O PMDB na conta eleitoral - 1 Há que não irritar o PMDB, considerado essencial na operação SP, MG e em alguns outros Estados. Em Minas, por exemplo, todo o esforço está sendo feito para que o partido, meio partido ao meio, não vá para os braços de Aécio Neves, atire-se mesmo ao regaço de Fernando Pimentel. Nesta equação um nome desponta : o senador Clésio Andrade, poderoso presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e que um dia foi aliado de Aécio. É carta para vice. Outra carga ainda são alguns cargos no governo ainda vagos, como uma diretoria da Petrobras, a Internacional, ocupada interinamente pela presidente Graça Foster. É o preço a pagar para o PMDB não ficar com o tucano. Em SP, a equação ainda não está montada. Está dependendo de um cálculo : qual o real potencial eleitoral do possível (já em franca campanha) candidato do PMDB, Paulo Skaf, e da estrutura da Fiesp. De quem Skaf tiraria mais votos : do tucano Geraldo Alckmin ou do petista Alexandre Padilha. Respondida esta questão, a montagem será feita. Skaf, em ascensão nas pesquisas, sonha naturalmente com o apoio do PT à sua pretensão de chegar ao Palácio dos Bandeirantes. Quase impossível. Só terá esse apoio se a operação Alexandre Padilha, engendrada por Lula e não contestada nem em SP nem em Brasília, se revelar um fracasso. O mais provável é que o presidente da Fiesp venha a ser "convidado" a compor, como vice, a chapa encabeçada pelo petista. O PMDB na conta eleitoral - 2 Como o PMDB será convocado a se "sacrificar" em SP e Minas, é possível que tenha a compensação no RJ. Embora o petismo local esteja entusiasmado com o desempenho pré-eleitoral do senador Lindbergh Farias, mesmo com algum risco o mais provável é que o PT fluminense seja aconselhado a ficar com o Pezão, candidato de Sérgio Cabral. Mas o PMDB poderá ser levado a fazer outros sacrifícios : ele será sempre lembrado que já tem assegurado a vice-presidência para Michel Temer e, portanto, deve colaborar mais nos Estados para o bom andamento da aliança governista. Dois outros pepinos Preocupam também a cúpula petista dois Estados : a BA, o quarto eleitorado brasileiro, e PE. Foram dois locais nos quais Lula e Dilma colheram algumas de suas mais avantajadas vitórias sobre os tucanos que os confrontaram. Agora, a situação, pelo menos no momento, não parece tão promissora assim. Na BA, Jaques Vagner já não está com um prestígio nas alturas, o PMDB com Geddel Vieira Lima rebelde ameaça complicar a aliança e com o governo de Salvador nas mãos do DEM, de ACM Neto, os votos da capital podem ser mais divididos. É um desafio para o poder de persuasão de Lula. Em PE, não tem mistério : com Eduardo Campos no grid de largada vai ser impossível repetir a votação de Lula e Dilma nas eleições anteriores. Quadro formado Não há mais dúvidas de que a corrida eleitoral de 2014 terá quatro grandes personalidades na largada; Dilma Rousseff, Aécio Neves, Eduardo Campos e Marina Silva. Não há mais volta para nenhum deles. As dúvidas sobre se Campos vai ou não vai já não existem, Aécio assegurou o seu lugar no ninho tucano, e Marina muito provavelmente nos minutos finais terá o seu Rede. A corrida agora é para fazer composições com outros partidos, em busca de mais tempo no horário eleitoral, e composições regionais para assegurar palanques fortes nos Estados. É quando partidos como PMDB, PP e outros se tornam mais exigentes. A crise com os EUA Tendo o governo descoberto o que até o mundo mineral sabe - que os EUA espionam por todos os lados - há dois caminhos que poderão ser seguidos. O primeiro é a presidente-candidata Dilma "capitalizar" a crise com um discurso nacionalista muito útil para o público interno, inclusos os países latino-americanos. O segundo é se aproveitar da crise e realinhar a relação com os EUA, de sorte a agenda se aprofunde a partir de uma maior percepção dos EUA de não ter mais um problema entre os aliados, muito embora o Brasil não seja um player importante para a política norte-americana. No caso da Europa, que também flagrou os EUA em plena delinquência espiã, preferiu-se fazer o jogo de cena e persistir negociando acordos econômicos. Com o Brasil, o jogo de cena precisa ser iniciado pois que não há contencioso, mas também não há grandes acordos. Deve-se seguir o patamar atual, pouco intenso e sem interesses muito elevados de ambas as partes. Eike e a Res Publica Além dos questionamentos sobre a rela situação econômica e financeiro das empresas "X" do empresário Eike Batista, ainda falta outro debate mais importante : quanto foi o investimento de dinheiro público nas empresas do arrojado empresário carioca ? Interessante ver que nenhuma corrente política se esforça para saber a resposta desta incômoda questão. Na cadeia Os tais mensaleiros estão preparados para passar algum período (entre dias e apenas noites) na prisão. Especialmente José Dirceu parece certificado de que o seu destino está traçado pelo STF. Ver-se-á as consequências políticas desta inédita cena na política brasileira. A presidente Dilma já guarda providencial distância de seus parceiros de PT há bons tempos. Logo é muito improvável que o governo seja abalado pela turma que ajudou a financiar a campanha de Lula à presidência em 2003. No que diz respeito ao STF, os embargos infringentes parecem que serão engavetados. Mas com cerimônia. No caso, no salão do pleno do STF. Radar NA REAL 6/9/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3267 estável baixa - REAL 2,2782 estável baixa Mercado Acionário - Ibovespa 53.749,42 estável baixa - S&P 500 1.655,17 estável/alta alta - NASDAQ 3.660,01 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 3 de setembro de 2013

Política e Economia NA REAL n° 260

PIB e pibinho - 1 Não deixa de ser significativo o que é comemorado no Brasil nestes estranhos tempos. Começou-se o ano se especulando que o crescimento do PIB gravitaria ao redor de 4%. Já em meados do ano, o próprio governo admitia que este crescimento não seria maior que 2,5%. Agora o PIB do terceiro trimestre, cujas previsões giravam entre 0,8% e 1,3% no segundo trimestre, "surpreendeu" (+1,5%). Os setores que surpreenderam foram a agricultura (+3,9% registrado contra 1,5% esperado) e a construção civil (+3,8%). Os outros indicadores foram razoavelmente dentro das expectativas o que pode ser considerado como bom no atual contexto de desânimo. A questão é sabermos se houve uma mudança estrutural que justificasse tal desempenho superior. A resposta é não. A economia brasileira deve cair um pouco em relação ao segundo trimestre e, ao final do ano, subir um pouco. Na contabilidade do ano vamos crescer algo como 2,3%-2,4%, o patamar que os EUA apresentam e que é insatisfatório. Mas, por aqui, a surpresa faz com que o ministro da Fazenda saia de sua rotina e manifeste a glória de sua política econômica. O Brasil continua um país de crescimento medíocre e não há nenhum vetor estrutural sendo alterado para que este 'voo de galinha' se afaste de nós. PIB e pibinho - 2 O principal item que acalenta a tendência medíocre do crescimento brasileiro é a ausência de uma visão estratégica para as políticas econômicas. A combinação confiável entre o capital privado e o estatal persiste opaca pelo arranjo entre uma visão ideológica vencida da presidente-ministra da Fazenda Dilma Rousseff. Além disso, o governo flerta com a falta de disciplina fiscal e com a inflação mais alta, controlada, em parte, pela compressão de preços públicos e pela alta (hesitante) da taxa de juros básica. Não há nenhuma relação de causa e efeito que indique que o crescimento no Brasil será mais robusto nos próximos dois anos. É essencial que se supere (i) a inoperância/ineficiência governamental em relação às reformas e ao investimento, (ii) a política cambial desindustrializante, (iii) o custo elevado do crédito local e (iv) a baixa produtividade do setor público. Isso requererá reformas estruturais que vão da educação à tributação e que o governo e a sociedade gostam de jogar para debaixo do tapete. Resultado : PIB que cresce 2,5% é razão de euforia. Sucesso eleitoral ? - 1 Há dúvidas - ver notas acima - a respeito da continuidade da recuperação da economia brasileira no ritmo flagrado pelo IBGE no segundo trimestre. O próprio ministro Guido Mantega, o "dr. Pangloss" nacional de plantão, preferiu ser comedido e ficar com sua previsão anterior, de crescimento de 2,5% até dezembro, melhor que no ano passado, mas inferior da 2011. A presidente Dilma, sempre, agora com a direta orientação de seus marqueteiros, sempre disposta a trombetear qualquer sucesso de seu governo, mesmo quando é apenas uma pedra fundamental, preferiu também ser comedida nas suas comemorações. As razões nos parecem mais políticas que econômicas. Um dado do PIB do primeiro trimestre não é para comemorar, pelo menos sob a ótica político-eleitoral mais imediata do Palácio do Planalto. Enquanto economistas apontavam como um dos sinais o fato de a economia nacional estar invertendo sua lógica de crescimento dos últimos anos, saindo da força no consumo e recuperando ainda que em bases baixas, o investimento, o mundo do marketing político vê essa inversão como um ponto negativo. Sucesso eleitoral ? - 2  Afinal, a popularidade da presidente até a eclosão das ruas juninas, assim com a de Lula antes e sempre, se sustentou exatamente neste ponto : a satisfação da sociedade, especialmente a impropriamente chamada classe C, por estar consumindo mais. O sinal de que o consumo está estagnado - cresceu apenas 0,3% no trimestre abril/maio/junho, depois de ter caído 0,8% no período anterior - foi um soco na boca do estômago dos marqueteiros. Ainda mais se somarmos a isto os dados de que o crescimento da oferta de empregos com carteira assinada está desacelerado, que a renda média do trabalhador cai desde o início do ano, que o crédito ao consumo está mais seletivo. As manifestações juninas tiveram como estopim o aumento nos transportes coletivos em SP, RJ e em algumas outras cidades, porém só tiveram o alcance de público e de crítica que tiveram porque havia um caldo de cultura para o movimento prosperar. Sucesso eleitoral ? - 3 Centenas e milhares de pessoas foram se manifestar e mais de 80% dos brasileiros (dados de mais de uma pesquisa) aplaudiram as ruas em movimento não apenas pela insatisfação com a qualidade dos serviços públicos em geral e com a capacidade dos políticos fazerem as coisas certas, mas também por uma difusa sensação de insegurança, medo de perder o que foi conquistado nos últimos anos. Enquanto os economistas de Dilma não encontram uma fórmula para recuperar o poder de consumo da população e afastar o temor do desemprego, o desafio de Dilma e seus marqueteiros será encontrar outro mote para manter o discurso de gosto popular que a presidente abraçou nos últimos meses. Daí a ênfase no programa "Mais Médicos", um ideia positiva, porém cheia de aventuras e improvisações que tanto pode ser bem sucedida como virar um fracasso do qual Dilma e menos ainda o ministro Alexandre Padilha dificilmente se recuperarão. Mais médicos A reação inconsequente por parte de alguns profissionais brasileiros de medicina, como os que vaiaram indecentemente médicos cubanos em Recife, ou do CRM de MG, estão ajudando Dilma e Padilha a empurrar o programa "Mais Médicos" porque desviam a discussão de questões gravíssimas da saúde brasileira. Parece que tudo se resume a ter ou não ter mais médicos formados em Cuba no Brasil. Ajuda também a presidente o fato de seus oposicionistas não saberem o que dizer sobre o assunto. Bom ou mal para ajudar a minorar os problemas do atendimento às populações mais carentes do país em matéria de saúde, não há dúvidas de que o projeto tem claramente um cunho eleitoreiro. Basta ver que o acerto com os cubanos já estava feito há mais de seis meses, inclusive com instrutores brasileiros tendo ido a Cuba treinar seus profissionais, muito antes de a presidente Dilma, com uma espécie de resposta ao clamor das ruas, ter anunciado o "Mais Médicos". Perca-se a ilusão. Ou : uma homenagem a Tiririca Quase tudo o que se escreveu e o que ainda se escreverá sobre o escárnio, a cusparada na cara dos brasileiros como pode ser denominada a recusa da Câmara em cassar o mandato do deputado Natan Donadon, terá sido pouco para espelhar a indignação nacional contra a indignidade cometida pelos parlamentares e seus partidos. A imagem já está ficando batida, mas vale dizer mais uma que o deputado (e palhaço, no bom sentido) estava errado ao dizer que 'pior que está não fica'. Fica sim. Perca-se a ilusão de que alguma coisa possa mudar por lá : a verdadeira reforma política não sai. Um dia, se sair, sai apenas na parte que interessa políticos e partidos. Nem o fim do voto secreto no Parlamento, apontado como principal responsável pela manutenção do mandato do deputado Donadon, será aprovado com rapidez, embora o presidente da Câmara, Eduardo Alves, tenha prometido botar o projeto imediatamente em votação. Pode até passar na Câmara, mas para "inglês ver" : será modificado, como quer o deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), uma espécie de quase dono da casa dos deputados, sem o qual nada de bom ou de mau por lá acontece. Ademais, terá então de voltar ao Senado. Também é coisa para algum tempo longínquo a aprovação no Senado da PEC, que torna automática a perda de mandato dos parlamentares condenados por corrupção ao crime comum. Tiririca vai ter de mudar seu slogan se quiser se reeleger. Contas a pagar 1. Estão sendo crucificados os deputados que assinaram a folha de presença na sessão de cassação do mandato do deputado Donadon e não votaram. Mesmo com o voto secreto eles foram identificados. São identificados e execrados também os que se ausentaram totalmente da Câmara naquela hora. Porém, os 513 deputados, exceção para aqueles (por doença ou viagem oficial) com justificativas plenas, são responsáveis por aquelas cenas de desrespeito aos brasileiros. O voto secreto também tem isto : todos são suspeitos igualmente, porque não dá para saber quem votou de tal ou qual forma. 2. Com O episódio, ficou ainda mais difícil de entender a mudança de entendimento do STF em casos de condenados como o de Donadon e do mensalão. No caso dos mensaleiros, os ministros entenderam que a cassação do mandato dos que são ainda parlamentares é automática. O que até ameaçou abrir uma crise entre o Judiciário e o Legislativo. No do deputado presidiário, já com o voto dos novos ministros Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso, entendeu-se que a questão do mandato era privativa da Câmara. O STF também precisa se explicar. 3. Se alguns dos ausentes na fatídica sessão de terça-feira na Câmara e os que, beneficiados pelo covarde manto secreto contribuíram com a "absolvição" de Donadon, acreditavam estar abrindo caminho para dar boa vida aos mensaleiros-parlamentares, estão enganados. Como se diz popularmente, o tiro saiu pela culatra. Um dos temas que as manifestações programadas para este sábado, 7/9, em todo o país, vão levar para as ruas é exatamente o da impunidade política de parlamentares e dos mensaleiros. Veio a calhar O vexame da Câmara veio em boa hora para o Palácio do Planalto. Não que a presidente Dilma esteja comemorando qualquer coisa do caso Donadon. É inegável, porém, que este assunto deve desviar um pouco a atenção de outras palavras de ordem popular das manifestações de sábado. De todo modo, a segurança oficial está tomando todas as precauções possíveis - e muito mais - para proteger a presidente de cenas desagradáveis no palanque do desfile militar em Brasília. No ano passado, com um clima bem melhor, a presidente já foi alvo de vaias. Cadê ? Nada mais se fala sobre o plebiscito, sobre referendo, sobre nenhum plano arquitetado por Aloizio Mercadante? Trinta dias decisivos Em pouco mais de um mês (exatamente no dia 5/10) parte do jogo eleitoral de 2014 estará definido : é quando termina o prazo para inscrições partidárias. Daí para frente ninguém mais muda de partido ou poderá se inscrever numa legenda para disputar as eleições ano que vem. Apenas a presidente Dilma Rousseff, do grid de sucessão presidencial, passará o mês sem muitas tensões nesta área. Aécio Neves vai ficar na expectativa do que vai fazer José Serra. Para o senador mineiro o ideal é que o ex-governador paulista ficasse no PSDB e se engajasse de fato em sua campanha. Isto, porém, parece impossível - e, aconteça o que acontecer, terá um custo para os tucanos. Eduardo Campos vê algumas reações às suas pretensões presidenciais, cada vez mais evidentes, contestadas por alguns governadores e prefeitos que não querem se indispor com os cofres do governo Federal. E pode perder aliados. O governador do CE, Cid Gomes, um empedernido governista Federal, anda caçando um novo partido abertamente. Seu mais recente sinal foi para o Solidariedade, partido que o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, promete colocar de pé no tempo devido. Marina Silva está às voltas com a criação de um partido para chamar de seu ou na busca de uma legenda que aceite abrigá-la e tenha uma imagem mais aceitável para a população. Enquanto isso Dilma terá tempo de cuidar dos seus renitentes parceiros que prometem para ela grandes emoções quando de fato os palanques regionais começaram a se formar. Não preocupa agora A presidente Dilma e sua turma da política não deram sinais de ter sentido o golpe do acordo de cooperação e não beligerância celebrado entre dois de seus prováveis adversários ano que vem : Aécio Neves e Eduardo Cunha. Pelo menos aparentemente. No momento, embora não confesse, a preocupação do staff reeleitoral é cortar as asas de Marina Silva. Uma leitura atenta das diversas pesquisas de opinião pública mostra que a ex-ministra é a que tem o maior potencial de surrupiar votos de Dilma. Com Marina está a chave do segundo turno, mesmo que ela não seja a escolhida para disputar o turno derradeiro. É tudo ou nada nas concessões - 1 Exatamente em 15 dias, com o leilão de dois trechos de rodovias, o governo terá exatamente os sinais definitivos se o seu PIL (Programa de Investimentos Logísticos), lançado há mais de um ano e andando até agora a passos de cágado, vai deslanchar ou não. Para exorcizar o risco de um fracasso - em janeiro falho o primeiro leilão rodoviário -, que poderia contaminar em seguida as concessões também previstas para este ano de ferrovias, portos e aeroportos, além da primeira venda do pré-sal, o governo abriu o cofre de concessões. É tudo ou nada nas concessões - 2 Colocado diante da ameaça de possíveis concorrentes de ficar em casa, o governo alterou várias regras inicialmente previstas. Poderá alterar outras até o dia 18/9. Semana passada, por exemplo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chamou dirigentes de bancos a Brasília para induzi-los a criar consórcios para financiar empresas interessadas em participar dos leilões. E ofereceu a eles risco zero nessas operações. O sucesso dos leilões é essencial por pelo menos quatro razões para Dilma : 1. A óbvia : sem a participação do capital privado nacional e estrangeiro será impossível melhorar, em prazo razoável, as condições da economia nacional para que ela possa crescer sem constrangimentos. Certamente o início efetivo de obras, no ano que vem, ajuda a turbinar o PIB de 2014. 2. Acertar bons negócios, ainda com a boa notícia relativa do PIB do segundo trimestre, pode quebrar a desconfiança e a resistência dos investidores na economia brasileira. 3. Vai melhorar também o astral da população e, naturalmente, dar a Dilma mais um bom argumento de palanque. 4. O dinheiro que deve entrar ainda este ano, com a assinatura dos contratos, o bônus de concessão, é essencial para fechar as contas públicas de 2013, especialmente os R$ 15 bilhões esperados para a primeira concessão do pré-sal. Por isso, depois de muitas resistências e incensos de todos os lados ao estatismo velho de guerra, o Palácio do Planalto agora está erguendo todas as velas à Santa Concessão. Espia que eu gosto Usualmente quando a área de inteligência de um governo proporciona inquietações ao governo, os assessores se mexem muito antes dos atores principais para "mapear o problema". Em matéria tão sensível, não deve um presidente se expor primevamente antes de um tratamento inicial da questão pelas instâncias menores. Até o mundo mineral sabe que os EUA espionam mundo afora numa velocidade e quantidade jamais vistas. O Brasil não é exceção, muito embora esteja distante daquilo que seria o interesse central dos americanos. Ora, a presidente Dilma tem especial predileção em fazer do tema "espionagem" matéria de ampla divulgação social. Não faltam expressões de indignação patriótica na boca dos ministros do governo. Enquanto isso, as relações Brasil/EUA vão se deteriorando no momento em que a ocupante do Planalto prepara-se para tomar seu avião e ir tratar com o chefe do Império, Mr. Obama. Se a espionagem é tão certa, esta indignação pública ainda precisa ser explicada. Será que a presidente quer ganhar pontos junto à opinião pública às custas de um assunto tão obscuro? O sonho de Obama Se os EUA irão ou não atacar a debilitada Síria não é possível saber. São muitos os fatores a serem analisados em torno deste sensível assunto. Uma coisa é certa : sabia-se que Obama não passa de um conservador suficientemente provido de atributos de produto de marketing; o que não se sabia é que Obama era quase igual a Bush Jr. Se Barack fizesse o discurso I have a dream de Martin Luther King talvez ele dissesse que o sonho se realizou : Obama é igual a Bush, the little one. Radar NA REAL 30/8/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3189 estável baixa - REAL 2,3628 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 50.008,38 estável/baixa baixa - S&P 500 1.632,97 estável/alta alta - NASDAQ 3.589,87 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 27 de agosto de 2013

Política e Economia NA REAL n° 259

O estado da política econômica - 1 Há que se concordar que qualquer que seja o governo este tem de dar respostas razoáveis e proporcionais às variações relevantes da conjuntura, seja política, social ou econômica. Da mesma forma, tais respostas (políticas, estratégias, planos) têm de ser guiadas por uma visão vetorial e estratégica. Este aspecto é particularmente importante quando há intervenções sobre o andamento de mercados ou de qualquer processo endogenamente formado naquela determinada sociedade, como no caso de manifestações e protestos. Isso porque o imperium não pode prevalecer a toda hora e para qualquer solução. A soberania estatal deve simbolizar a reunião de esforços em sentido específico e em prol do interesse comum (ou da res publica). A banalização da intervenção estatal sempre resulta em distorções que já não serão conjunturais, mas estruturais. Cria-se um perigoso viés, cujo custo é inexoravelmente incorrido, seja logo após a intervenção, seja à frente - lembremo-nos, neste item, do congelamento do câmbio no primeiro governo FHC. Além disso, intervenções conjunturais sem visões estratégicas acabam por se tornar um fim em si mesmo. Vira um jogo entre o Estado e a sociedade (ou parte dela). Forma-se um par antagônico, nós versus eles. Isso é quase tudo. O estado da política econômica - 2 Reportamo-nos a entrevista do ministro Guido Mantega ao jornalista Valdo Cruz da Folha de S.Paulo no último sábado, 24/8. Vejamos alguns trechos em itálico e nossos comentários a seguir : a) Sobre a dívida interna : "O que posso dizer é que a nossa dívida vai continuar caindo e com mais transparência em operações que poderiam suscitar dúvidas". Nosso comentário : o ministro poderia começar explicando o que persiste sem explicação, tais como as manobras fiscais envolvendo bancos oficiais e a definição arbitrária do que é e do que não é investimento na apuração do superávit fiscal. b) Sobre reajuste dos combustíveis : "A Petrobras sempre pede. Ela tem uma política de mais de um reajuste por ano, mas sem olhar a questão cambial, de momento". Nosso comentário : primeiro seria necessário que o ministro se definisse sobre o seu próprio papel. Isso porque ele é o presidente do Conselho de Administração da Petrobras e desta função amealha alguns bons reais no bolso. Ora, quando diz o ministro que a "Petrobras sempre pede..." quer dizer o que ? Que ele pede para si mesmo ? Ademais, não sabe o ministro, ops !, o presidente do Conselho de Administração da Petrobras que existe uma enorme defasagem de preços dos combustíveis mantida pelo Ministério da Fazenda, cujo titular é o mesmo Guido Mantega ? c) Sobre os especuladores : "Você pode ganhar, mas pode perder. Porque o nosso câmbio é flutuante. Então é preciso tomar cuidado. Houve época em que nosso câmbio flutuava apenas só para um lado. Se você apostar demais numa direção, pode quebrar a cara". Nosso comentário : Isso mesmo ministro. Concordamos que "você" pode perder ou ganhar. Parece um axioma razoável. Quanto ao câmbio este nunca flutuou apenas para um lado, ele subiu e caiu muitas vezes desde a adoção do regime flutuante, logo após a inauguração do segundo governo FHC. Este fraseado ministerial serve para explicar exatamente o que ? d) Sobre a inflação : "A inflação tem uma trajetória sazonal. Começa alta no início do ano, vem caindo, atinge seu menor patamar em julho, depois volta a subir. O importante é a velocidade de crescimento, para que ela esteja dentro de parâmetros normais. Por exemplo, que a inflação de agosto fique em torno de 0,30". Nosso comentário : A inflação, conforme enorme literatura econômica internacional, não é aumento episódico de preços. Trata-se de aumento constante de preços. Este, no Brasil, gravita bem próximo à meta de inflação. Além disso, há uma considerável inflação acumulada nos últimos anos no Brasil, fruto de inúmeros fatores, mas um deles é constante : a falta de seriedade com que o governo trata o combate à inflação. Sobre isso nada fala o ministro. A única coisa que transparece das palavras de Guido Mantega é que a queda do câmbio é vital para o controle da inflação. Logo, é bom ter um limite para ele, mesmo que isso não dependa do ministro, mas do mercado. No caso, o mercado mundial. O estado da política econômica - 3 Na semana passada, quando o tal do mercado mostrou que o dólar poderia subir bem mais, o governo anunciou que intervirá com US$ 50 bilhões no mercado cambial, via leilões de swaps cambiais. Tanto a elevação do dólar quanto a intervenção governamental são fatos importantes. Do lado do dólar as razões para a alta são bem claras : deve-se (i) a valorização da moeda americana no mercado internacional e também (ii) aos temores de que a economia brasileira não caminha bem por força da política da presidente Dilma Rousseff e que é executada pelo ministro Mantega. Mas e a intervenção no dólar ? Atende a algum objetivo estratégico ? Ou é algo meramente de controle conjuntural ? Há preocupação do governo com a competitividade da indústria nacional ? Além da intervenção do governo, o BC vai elevar a taxa de juros além daquilo que está previsto pelo mercado ? Não existe uma inflação "represada" nos combustíveis ? Não contou o governo com a queda das tarifas de transporte, pós-manifestações de junho/julho, para a queda da inflação ? O governo tem algum plano fiscal novo ? Bem, o governo Dilma Rousseff carece de uma visão estratégica e opera o dia a dia da política e economia. E ainda culpa o setor privado por ter dúvidas sobre o destino ao qual o país está sendo levado. Neste caso, o país pode "quebrar a cara" ? Em prol da transparência Dada a nova vocação do ministro Mantega para a "transparência em operações que poderiam suscitar dúvidas" por que não se estimula o presidente do BNDES Luciano Coutinho, colega de Conselho de Administração de Mantega na Petrobras, a divulgar com clareza os resultados das operações de empréstimos do banco para as empresas de Eike Batista e para outros setores econômicos, tais como os frigoríficos, nossos "campeões mundiais" ? Recordar é viver : "Carta aos Brasileiros", Lula, PT 2002 "Quero agora reafirmar esse compromisso histórico com o combate à inflação, mas acompanhado do crescimento, da geração de empregos e da distribuição de renda, construindo um Brasil mais solidário e fraterno, um Brasil de todos. A volta do crescimento é o único remédio para impedir que se perpetue um círculo vicioso entre metas de inflação baixas, juro alto, oscilação cambial brusca e aumento da dívida pública. O atual governo estabeleceu um equilíbrio fiscal precário no país, criando dificuldades para a retomada do crescimento. Com a política de sobrevalorização artificial de nossa moeda no primeiro mandato e com a ausência de políticas industriais de estímulo à capacidade produtiva, o governo não trabalhou como podia para aumentar a competitividade da economia. Exemplo maior foi o fracasso na construção e aprovação de uma reforma tributária que banisse o caráter regressivo e cumulativo dos impostos, fardo insuportável para o setor produtivo e para a exportação brasileira. A questão de fundo é que, para nós, o equilíbrio fiscal não é um fim, mas um meio. Queremos equilíbrio fiscal para crescer e não apenas para prestar contas aos nossos credores." Seria cômico, não fosse trágico. Tucanos, uma nau sem rumo - 1 Não se pode dizer que os tucanos ganhariam as eleições em 2002, 2006 e 2010. Na sucessão de Fernando Henrique Cardoso havia um ambiente de "fadiga de material" a prejudicar qualquer que fosse o candidato governista. Na reeleição de Lula, o presidente já havia se recuperado da crise do mensalão e ainda começava a colher os frutos de uma boa fase da economia internacional e nacional. Na hora da substituição de Lula, o clima econômico era mais favorável ainda a um candidato governamental, o que facilitou a eleição do então "poste político" que Lula escolheu para substituí-lo. Mesmo assim, os tucanos que concorreram com os petistas - José Serra duas vezes e Geraldo Alckmin uma - embora tenham ido para o segundo turno, coisa que Lula não conseguiu nas duas vezes em que se bateu com Fernando Henrique Cardoso, poderiam ter tido um melhor desempenho. Não ganhariam, provavelmente, mas teriam se saído melhor na segunda rodada das urnas. Matou-os a incrível fogueira de vaidades que os consome. Tucanos, uma nau sem rumo - 2 Do modo que as coisas vão entre eles, os tucanos caminham novamente para perder a eleição presidencial, com um ano de antecedência, ante à sua incapacidade, primeiro, de se entenderem minimamente, e segundo, por sua incapacidade de apresentar uma alternativa de governo ao que está em prática. Tanto quanto o governo eles parecem não ter entendido bem o que a dita "voz rouca das ruas" está pedindo. Pelo andar da carruagem, depois de outubro de 2014, Serra vai passar a gozar de definitiva aposentadoria da política, e Aécio Neves, mais jovem e ainda com mandato, vai ter de recomeçar do zero sua corrida para quem sabe um dia chegar ao Palácio do Planalto. Naturalmente, num outro partido, pois os tucanos não resistirão intocados a um novo vexame eleitoral nacional. De intrigar Apesar da quase desintegração dos tucanos, são eles que ainda assombram mais o Palácio do Planalto e o PT. Basta ver a insistência com que os informantes informais palacianos insistem em dizer ora que o grande adversário da Dilma é a Marina Silva, ora que é Eduardo Campos. Sempre acrescentando que Aécio é figura descartada. Há nessa conversa uma clara intenção de inflar Marina e Campos, dois candidatos com estrutura bem menor e menos sólida do que o possível candidato tucano. O fato real é que embora os tucanos estejam meio perdidos nesta sucessão, em princípio, são eles que ainda preocupam os governistas. Por pouco tempo, pelo que estamos vendo da "pax tucana". Só ele salva ? O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso engajou-se de fato na campanha de Aécio Neves. Aliás, como não o fez nas outras três campanhas em que o PSDB foi derrotado pelo PT. Conseguirá manter o partido mais ou menos unido e entusiasmado para o embate ? Só ele é a esperança dos tucanos. Também é somente ele A presidente Dilma, como sempre ocorre quando o mundo econômico e/ou político ameaça desabar sobre um governo, passou quatro horas na semana passada no confessionário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em SP. Tempo suficiente para discutir a escalação do Corinthians e passar em resumo toda a Bíblia. Também serviu para Lula dar instruções eleitorais e administrativas à pupila. Dilma aproveitou a vinda à SP para se aconselhar a respeito do que fazer sobre a maré de insatisfações políticas e econômicas que ronda o Palácio do Planalto. Os oráculos de Brasília esperam que a presidente se torne um pouco mais cordata com o mundo político depois desta conversa. Também se espera mais ações na economia para atrair de novo a atenção dos empresários. Há expectativas de novas mudanças nas regras de concessões. É tudo com ele Para sentir cada vez maior a influência do ex-presidente nas coisas que Brasília faz, veja o que escreveu sábado em seu artigo semanal da "Folha de S.Paulo", o jornalista e professor da USP, André Singer, porta-voz do Palácio do Planalto, na primeira fase do governo Lula : "Seja como for, o bloco reunificado [de empresários] foi se queixar a Lula, como se tornou costume à esquerda e à direita, obtendo uma espécie de recuo do desenvolvimentismo em quase todas as frentes no último semestre : aumento de juros, privatizações generalizadas na área de transportes, maiores taxas de retorno nas concessões, expansão das desonerações, suspensão das restrições ao capital especulativo e corte de dispêndio público". Leia-se : é Lula quem faz. E leia-se em certos amuos petistas : esta mudança de rumo não está agradando. Entenda quem quiser Muito se incensou - e justamente - a fala do ministro Celso de Mello, do STF, na primeira sessão de julgamento do mensalão, após a altercação entre os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski. Foi de forma elegante, um desagravo a Lewandowski, mas foi principalmente uma reafirmação da autonomia e independência do Supremo, acima de algumas paixões, quase um Fla-Flu (ou um Corinthians-Palmeiras) com que determinados grupos estão tratando o julgamento da AP 470. O recado foi muito claro, em uma substancial sentença, curiosamente ignorada por uma parte das arquibancadas : "Não nos olvidemos, jamais, senhor presidente e senhores ministros, das sábias palavras do saudoso ministro Luiz Gallotti, que lançou grave advertência sobre as consequências do processo decisório nesta Corte, ao enfatizar que o Supremo Tribunal Federal quando profere os seus julgamentos, também poderá, ele próprio, ser 'julgado pela Nação' (RTJ 63/299, 312) e pelos cidadãos desta República". Ou seja : o STF não é um ser anódino, apartado da sociedade. Para quem quiser entender, isto basta. Aos embargos aquilo que é, de fato, infrigente A questão "técnica" sobre a validade ou não do regimento interno do STF no que toca aos embargos infringentes é questão muito polêmica e passível de legítima dissecação dos excelsos jurisconsultos. Todavia, em sendo a Ação Penal 470 uma espécie de proxy sócio-política do Estado da Nação, a possibilidade de desvios jurisprudenciais é elevada. E mais : servirá de perigoso paradigma para esta questão "técnica". Todos os juízes ao redor daquelas mesas do plenário sabem disso e já revelaram a interlocutores suas preocupações. O problema é que, caso o andamento do julgamento caminhe para uma revisão das sentenças, poderemos ver coisas surpreendentes nas manifestações dos ministros. Os ácidos recados do presidente do STF poderão ir além do que já foi registrado. Nem parecido com Ulpiano, aquele jurisconsulto que firmou a máxima de que "tais são os preceitos do direito : viver honestamente, não ofender ninguém, dar a cada um o que lhe pertence". Tão simples explicar O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, cada vez menos ministro e cada vez mais candidato ao governo de SP, sempre uma figura muito afável em suas entrevistas, está exibindo clara irritação com as críticas e contestações à importação de quatro mil médicos cubanos que o governo pôs em prática esta semana. Boa parte delas, as de ordem legal, envolvendo inclusive questões trabalhistas, poderia ser facilmente rechaçada com a divulgação completa das datas e tudo mais do convênio que o governo brasileiro assinou com a Organização Panamericana da Saúde (OPAS) para tornar viável a importação. Simples assim. Também quero o meu Entusiasmado com o que no governo é visto como um grande sucesso de "público" do ministro da Saúde, o programa "Mais Médicos", seu colega da Educação, Aloizio Mercadante, que lá no fundo ainda não "revogou" sua pretensão de concorrer ao governo de SP, anunciou que poderá também lançar em sua pasta um sucedâneo do programa de Padilha, o novo programa "Mais Professores". A questão é saber de onde virão esses profissionais se, como no caso dos médicos, não houver brasileiros suficientes para suprir as vagas a serem oferecidas pelo MEC : preferencialmente de Cuba também ? Dos países lusófonos ? Do Vietnã, Japão ou China ? E mais serão dispensados, como os médicos de um exame de validação do diploma e de um teste de eficiência em Língua Portuguesa ? Eleição, o que não se faz em seu nome ! Frase da semana Do escritor e jornalista Gilberto de Mello Kujawiski em artigo no Migalhas : "Por fim, permito-me reparar ainda que a denúncia da 'corrupção' gritada e escrita nas manifestações de junho não se limita a receber ou dar propina, não envolve forçosamente dinheiro. Refere-se à outra corrupção mais profunda e danosa : a deterioração das relações dos governantes com o Estado, apropriando-se do público em seu proveito, como se privado fosse, e pior ainda, provocando a degeneração do projeto de país em projeto de poder, sem limites." (clique aqui) Comissões da verdade Consta que os Estados já criaram nove "Comissões da Verdade" para apurar violações aos direitos humanos no período 1946-1988. Somadas tais comissões estaduais à sua "mãe" Federal o Brasil parece viver um verdadeiro período de apuração histórica sobre o papel da repressão (estatal ou não) sobre as pessoas e entidades. Observados os resultados de tais apurações verificamos que pouco ou quase nada se acresceu aquilo que já se sabia. O trabalho de tais comissões deve ser até sério, mas convenhamos : será que dá para ter algo "novo" sem uma abertura geral e irrestrita dos arquivos estatais, sobretudo aqueles nas mãos dos militares ? Com resultados tão pífios não seria o caso destas comissões se debruçarem sobre os 50 mil homicídios que o Brasil tem todos os anos ? Este indicador é sim uma violação monumental aos direitos humanos, um recorde mundial que nos envergonha. Radar NA REAL 23/8/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3365 estável baixa - REAL 2,3484 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 52.197,06 estável/baixa baixa - S&P 500 1.663,50 estável/alta alta - NASDAQ 3.657,79 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 20 de agosto de 2013

Política e Economia NA REAL n° 258

A República rebelde - 1 Sem a conotação de uma rebelião aberta ou uma insubordinação burocrática, mas também não muito subterrânea e disfarçada, já é possível visualizar na capital da República, segundo os melhores observadores dos costumes locais, uma certa rebeldia de setores governamentais contra determinadas políticas, orientações e discursos oficiais. É a reação da burocracia estatal formada pelo funcionalismo com carreira de Estado, incomodados com as ordens superiores que recebem, contrárias ao que eles consideram a melhor forma de gestão pública. São os servidores, concursados, de alto nível, que sabem que a caravana passa e eles ficam para pagar muitas vezes por políticas e ações com as quais, tecnicamente, não concordam. A República rebelde - 2 Eles não pensam como agentes do governo, de um governo, de qualquer governo, mas como servidores públicos estatais, sem vinculações políticas e partidárias. A preocupação desses grupos é preservar a imagem da instituição a que servem, sem deixar que elas sirvam a interesses que não os do Estado. O mais visivelmente incomodado é o BC. Depois de passar dois anos e pouco interpretando todos os desejos da presidente Dilma e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, subordinando a política monetária à política de desenvolvimento da dupla que comanda a economia, o BC mudou sua posição em quase noventa graus. Seus últimos comunicados contrariam de maneira frontal o otimismo que Dilma e Mantega continuam a cultivar. Agora, enquanto a presidente e seu ministro comemoravam em seu melhor estilo a queda a quase zero da inflação de julho (meros 0,03% de alta), o diretor de política econômica do BC, Carlos Hamilton, ao avesso, disse a quem quisesse ouvir, que o resultado foi um ponto "fora da curva", indicando que a instituição não vai afrouxar no ritmo da eleição da taxa básica de juros, mesmo com sinais de que o PIB não anda lá essas coisas. A República rebelde - 3 Semana passada, ao mesmo tempo em que o ministro da Fazenda dizia que a nova escalada do dólar é positiva para a indústria brasileira, o BC realizava uma série de intervenções no mercado para conter a rebeldia da moeda americana. Na quinta-feira, o bem informado, em matéria de BC, repórter Vicente Nunes, do "Correio Braziliense", publicou uma nota em seu blog dizendo que a instituição presidida por Alexandre Tombini estava se considerando traída pelo restante do governo, pois enquanto ela cumpriu o que tinha sido acordado entre as partes, e derrubou a Selic, não teve a contrapartida de uma política fiscal mais austera. Sem outra saída, o BC emitiu uma nota lacônica, obviamente negando a idiossincrasia. Porém, quem frequenta os ares do BC sabe que o funcionalismo de lá, altamente qualificado e comprometido com a instituição, não gosta do que está se passando. E passa seu desconforto para a diretoria, toda ela formada por funcionários de carreira. E esse ambiente de insatisfação não está somente no BC. Há tempos a burocracia da Receita Federal se preocupa com a forma atabalhoada e seletiva com que o governo adota para distribuir incentivos fiscais e desonerações de impostos. No Tesouro Nacional, outro setor de funcionários concursados e de elevado nível, a "contabilidade criativa" do secretário Arno Augustin é vista com profundo desgosto. Uma hora o caldo pode entornar. A República insubordinada Continua muito forte no Congresso Nacional a insatisfação dos partidos aliados, inclusive em muitos casos no próprio PT, a insatisfação com a presidente Dilma e a maior parte de seus ministros. Apesar do novo estilo "Dilminha, simpatia, quase amor" que a presidente vem exibindo nos últimos para seus parceiros políticos, com sessões de agrado no Palácio do Planalto, e a franquia dos cofres do Tesouro Nacional para as verbas das emendas parlamentares, a relação entre o Executivo e o Legislativo não melhorou. Haja vista as duas derrotas do governo em votações na Câmara, na semana passada - na divisão dos royalties do petróleo e no caso do Orçamento impositivo - e nas ameaças de derrubada hoje de alguns vetos presidenciais. A máxima franciscana (nada a ver com o papa Francisco e nem com o sentido verdadeiro da expressão de São Francisco) do "é dando que se recebe" até hoje não está funcionando, talvez porque Dilma tenha começado muito tarde nesta prática, numa hora em que seu prestígio está baixo. O ambiente no Congresso é de insubordinação. Não dá, porém, para comparar esta com a insatisfação de setores da burocracia estatal, conforme a nota acima : com os primeiros, a insatisfação é de fundo e técnica, tem a ver com as políticas que têm sido adotadas ultimamente. A insubordinação dos congressistas é mais chã, tem a ver com o interesse deles e de seus partidos apenas. Dilma, Guido, Tombini e o câmbio Quem acompanha as coisas de Brasília sabe que quem manda na Fazenda é a presidente Dilma. Os graus de liberdade do ministro Mantega são limitados à vontade da chefe. Ele, por sua vez, parece muito bem acomodado à missão dada de fazer específica e detalhadamente o que vem do Planalto. No BC assim já foi. Hoje, como mostram as primeiras notas desta coluna, a autoridade monetária está ocupando espaços, inclusos os do Planalto. Dilma em matéria monetária parece ter apetência para mandar, mas é mais limitada política e tecnicamente que em outras governanças avançadas que desempenha. Pois bem : sabe-se que a presidente está particularmente preocupada com a alta do dólar e, sabedora dos efeitos perniciosos deste processo, parece inclinada a tomar partido "operacional" das soluções. O certo é que não há muito que fazer para estancar este estrutural processo. O que dá para fazer é cuidar das rebarbas (hedge, intervir pontualmente, etc.) e, atenção!, subir a taxa de juros básica para tentar valorizar o real e reduzir a inflação que nasce do câmbio desvalorizado. Isso o Planalto não quer escutar nem de longe. Todavia, será o que ouvirá de perto do BC. COPOM sob tensão Os diretores podem passar o tempo que quiserem olhando para os débeis indicadores da economia brasileira. O que se vê explicitamente e não apenas nas entrelinhas é que o país não tem vetor de crescimento. Trafega entre a perda de competitividade da indústria brasileira e a indiferença cada vez maior do setor privado (daqui e alhures) em investir (produzir riqueza nova). No meio do caminho tem um petardo estrutural (e não apenas conjuntural) : a alta cambial. O certo neste momento é o BC se fechar em torno do controle de uma variável, a inflação. Em relação ao câmbio cabe agir com moderação, sabedoria e inteligência, não necessariamente nesta ordem. Veremos o que sairá das tortuosas linhas dos comunicados do BC. M o leitor pode anotar : se o BC errar como o governo erra, o restante de 2013 será muito fraco e volátil e 2014 somente Deus sabe como será. O Brasil acumula boas reservas para operar o que torna um "colapso" improvável. Deve prevalecer o agravamento do atual grau de letargia. Bovespa e dólar Uma frase metafórica de um bem posicionado investidor brasileiro deve ser levada a sério : "Dólar a R$ 3,00 e Índice Bovespa a 30 mil pontos". Como se sabe, não é possível atribuir valores tão precisos às previsões, mas há que se respeitar a análise de tendências. Neste sentido, parece razoável imaginar que o tal do mercado caminha nesse sentido. Os fundamentos conspiram contra as cotações das ações das melhores empresas brasileiras cotadas na bolsa. Os preços são elevados em função do desempenho da economia brasileira e comparativamente ao que se vê lá fora. De outro lado, o dólar não capenga, tem força justificada. No curto prazo até que pode o cenário melhorar, mas isso torna uma venda mais segura que uma compra de ações. Uma Marina incomoda muita gente - 1 A candidatura da ex-ministra e ex-senadora Marina Silva, ainda sem partido, à presidência da República, já não é vista, nem pelos partidários da reeleição da presidente Dilma, nem pelos possíveis candidatos de oposição, Aécio Neves e Eduardo Campos, como, para usarmos uma expressão da moda, "um ponto fora da curva". É, até mesmo, uma candidatura bem recebida, bem-vinda pela oposição, porque tucanos e socialistas acreditavam que ela poderia tirar votos preferencialmente de Dilma e garantir a realização do segundo turno no ano que vem. Era igualmente bem-vinda pelo petismo e aliados porque se acreditava que ela consumiria votos preciosos de Aécio e Campos, dividindo e enfraquecendo a oposição. A leitura das últimas pesquisas de opinião divulgada para o público e as que os partidos mandam realizar para consumo interno, indicam que os estragos que Marina Silva está causando atingem a todos. A ex-ministra está pegando votos (mais especificamente, intenções de votos) em todas as searas, do governo e da oposição. Uma Marina incomoda muita gente - 2 A vantagem que Marina carrega hoje é que, embora tenha sido petista, tenha servido ao governo Lula e tenha tido intensa atividade parlamentar, ela não é vista pela maioria da população como alguém que representa o que mais foi condenado nas ruas de junho : "tudo que está aí", o modo de ser da política brasileira. Marina não é classificada como uma "política tradicional" no sentido brasileiro e pejorativo do termo. O maior sinal de que a ex-ministra começou a incomodar de fato foi o apelo - esta é a expressão correta que o ex-presidente Lula fez ao senador Eduardo Campos, para que ele se recomponha com as forças governistas e passe a apoiar a reeleição da presidente Dilma. Até semanas atrás, Lula, publicamente, dizia que não faria tal apelo por respeito ao direito de cada um escolher sua opção política. Uma Marina incomoda muita gente - 3 Governistas e oposicionistas estão um pouco sem saber como agir. Torcem para que ela não consiga montar seu partido e, se conseguir, não consiga adesões e alianças suficientes para garantir um tempo razoável no horário eleitoral obrigatório no rádio e na televisão. Mas esta é uma aposta temerária, porque ela pode conseguir outra legenda. Além do mais, se a sociedade desconfiar que eles estão agindo por debaixo do pano para dificultar o nascimento do Rede Sustentabilidade, o partido que Marina tenta criar, a arma pode se voltar contra eles. A própria Justiça eleitoral parece ter se dado conta de que precisa ser mais ágil na análise do pedido de registro da legenda de Marina para não se comprometer com a opinião pública. Uma Marina incomoda muita gente - 4 Resta tentar desconstruir a imagem da ex-ministra, o que parece já estar em andamento, haja vista algumas matérias que começam a surtir aqui e acolá, apontando falhas e contradições dela. Também deste lado não será tão fácil. A ex-ministra está mais experiente, bem mais "escolada" e bem melhor assessorada. A entrevista que ela deu ao jornal Folha de S.Paulo neste domingo é um primor e deve ser lida com muita atenção. Aparece ao lado da Marina conservadora em matéria de costumes, uma Marina mais conservadora (e liberal) em outros temas, um pouco diferente da figura quase religiosa da ambientalista radical. O discurso de Marina já não pressupõe um confronto com certos segmentos do mundo empresarial e em certos aspectos parece mais palatável para eles do que os conceitos que eles têm da presidente Dilma. É por essas e outras que Marina está incomodando muita gente. É cedo para dizer se ela vai chegar lá, mas já não é mais uma principiante como já tentou-se sugerir. Por isso, está incomodando tanta gente. Está escrito nas estrelas - I Lula não será candidato à presidência da República no ano que vem, se Dilma recuperar parte de prestígio perdido nos últimos meses. O PT não arriscará seu projeto de poder eterno se a presidente não chegar, lá por março, com mais de 50% de aceitação - pessoal e de seu governo. Caso não consiga, mesmo contra a sua vontade e contra qualquer risco, Lula terá de voltar aos palanques com toda a força, e não apenas como simples animador. Está escrito nas estrelas - II José Serra está movendo céus e terra para ser candidato novamente ao Palácio do Planalto. Poderá ser, mas não será pelo PSDB. A não ser que as chances do partido diminuam muito e Aécio prefira esperar outra oportunidade melhor para tentar a presidência, o que é muito improvável. O homem forte A Câmara e o Senado têm presidentes eleitos por seus pares. Todos os partidos têm direções escolhidas pelos seus filiados, os partidos indicaram de comum acordo seus líderes na Câmara, no Senado e no Congresso, assim como o governo escolheu seus representantes no Legislativo sem nenhuma pressão, por livre e espontânea vontade. Com tudo isso, porém, uma única pessoa dá as cartas para valer no momento no Congresso Nacional - o líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha/RJ. Sem a boa vontade dele nada acontece hoje no Congresso. Se Cunha não quer, não passa ; se ele avaliza, anda. É o caso de perguntar : que talentos têm este homem ? Ou o que ele sabe que outros não sabem que o torna tão poderoso e tão temido ? Barbosa versus Lewandowski - 1 Certo é que o palavreado exacerbado - para usar um termo mais suave - do presidente do STF Joaquim Barbosa não é desmedido como parece. Barbosa não pretende ser um homem ilustre. Quer ser muito mais neste tema do mensalão : quer ser herói. Assim sendo, é preciso entender que ser herói lato sensu significa ultrapassar a percepção de um grande homem e adentrar no imaginário extramuros do STF. O distinto público está com fome de Justiça, deseja ver atrás das grades os poderosos que sempre "escapam pelo ladrão" (sem trocadilhos). Deste imaginário popular é que nasce os trejeitos pessoais do excelentíssimo presidente do STF. Não se tenha ilusão disso. Os que desejam algo mais, digamos, "jurídico" nas decisões da Corte, não devem esperar isso de alguém que almeja o heroísmo. O heroísmo combina com combate, bravura e coragem. Barbosa sabe disso e irá desempenhar seu papel. Barbosa versus Lewandowski - 2 Lewandowski, de sua tribuna, sabe que Barbosa está mais frágil nos intestinos corredores da Suprema Corte. A astúcia política do presidente está mitigada por dois detalhes importantes. O primeiro é que parte aparentemente majoritária do plenário quer decidir por força da hermenêutica jurídica e, mesmo sabendo-se que isso não é algo absoluto, está pondo na mesa os seus argumentos legais. Este é o jogo "político" que foi traçado. O segundo é que Barbosa já sofre certos revezes de imagem, especialmente quando fala e parece desequilibrado e em eventos como o da compra de um apartamento em Miami por meio de um artifício tributário incomum aos magistrados. Neste item, Lewandowski e sua turma (se esta existe) está a conseguir o intento de neutralizar a demanda popular por um herói e que Joaquim Barbosa sabe operar. Este é o cenário por detrás das cortinas, mas que será incorrido na frente de todos. Não se espere calma nessa hora. Barbosa versus Lewandowski - 3 Convenhamos que a questão dos embargos infringentes é pra lá de polêmica. Não é matéria certeira a ponto de se falar de jurisprudência pacificada. Ocorre que este questionável recurso não esconde que é nele que repousa a esperança de José Dirceu e outros de ficar livre da cadeia. Esta é a cena ideal e final que Barbosa espera propiciar para o distinto povo faminto de Justiça. Pena mesmo é que o tema dos embargos infringentes fique obscurecido por tão notório caso concreto. Afinal, é um assunto de ordem mais do que pública e cujas repercussões vão do Oiapoque ao Chuí. Todavia, até se chegar ao final desta intrigante peça teatral sobre o poder, não se espera calma naquele plenário. Radar NA REAL 16/8/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3342 estável baixa - REAL 2,4191 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 51.538,78 estável/baixa baixa - S&P 500 1.655,85 estável/alta alta - NASDAQ 3.602,78 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 13 de agosto de 2013

Política e Economia NA REAL n° 257

Números providenciais - 1 O sábado, com a divulgação da pesquisa DataFolha indicando que o prestígio da presidente Dilma não só deixou de cair como apresentou uma recuperação de relação ao levantamento anterior do mesmo instituto, passando de 30% para 36% de avaliação ótima/boa, coroou uma semana de boas notícias para o Palácio do Planalto, depois de dois meses nada consagradores. Os seis pontos de bônus na pesquisa vieram a se somar com certa trégua - sempre um tanto quando incerta, é verdade - celebrada com os partidos aliados no Congresso Nacional para evitar a batelada de contestações e derrotas que o PMDB & Cia. estavam prometendo aplicar na presidente, aprovando algumas medidas que contrariam as posições do Planalto e derrubando alguns dos vetos considerados cruciais pela equipe presidencial. Números providenciais - 2 Há ameaças, ainda, como a possibilidade de aprovação, esta semana pela Câmara, por insistência do aliado Henrique Eduardo Alves (PMDB), da obrigação de o governo liberar sem cortes e sem contingenciamentos as emendas parlamentares ao Orçamento da União. Porém, já se criou um ambiente mais cordial, de ambas as partes. A outra boa notícia foi a da trégua dos preços, com a inflação de julho ficando praticamente no zero (exatos 0,03%) e a acumulada de 12 meses abaixo do teto da meta de 6,5%, número que hoje é a obsessão do governo. Quando Dilma diz que a inflação vai ficar dentro da meta, ela está se referindo a esse limite máximo, não exatamente aos 4,5%. É certo que, como admite a maioria dos analistas e o BC, os números de julho não se repetirão tão cedo. A inflação voltará a subir nos próximos meses. Nem mesmo em 2014 acredita-se que a alta dos preços baterá nos tais 4,5%. Números providenciais - 3 É certo também que o Congresso é imprevisível, os partidos aliados estão com o apetite aguçado, além do normal. Ou seja, o humor pode mudar tanto no mundo político quanto entre os agentes econômicos. Mas foi crucial para a presidente os bons ventos que sopraram para ela esta semana - veja-se a alegria muito genuína que ela exibiu em Porto Alegre onde esteve em dois eventos político-administrativos. Foi importante para ela exorcizar os fantasmas que estavam se formando cada vez mais em seu entorno. De um lado, segura os partidos aliados, em parte "rebelados" porque já começavam a ver outras possibilidades eleitorais em 2014. De outro, joga um pouco mais para longe as nostalgias petistas de Lula. Por mais que o ex-presidente insista em dizer que é Dilma e nada mais, que os petistas de mais fôlego também entoem esta ladainha, no coração petista, com Dilma rateando como estava, o "volta Lula" ainda está guardadinho no seu melhor lugar. Números providenciais - 4 Uma prova de que há "fidelidade condicionada" foi o que disse o presidente do partido, Rui Falcão, em reportagem da jornalista Daniela Pinheiro, na revista "Piauí" de agosto. Mesmo com as ressalvas do cauteloso Falcão, está lá toda a nostalgia do ex-presidente : "Não tem isso de 'Volta Lula'" - disse grave. "Mas é evidente que, se no ano que vem a presidenta não estiver bem nas pesquisas, é natural que ele se apresente. Temos um projeto longe de mudar o país", afirmou, fixando o olhar pelo vidro lateral do carro. "Mas isso não vai acontecer. Ela vai se recuperar nas pesquisas." Assim, foi providencial este número do DataFolha agora. Ainda mais que a pesquisa indica também que ela ganharia de qualquer um de seus adversários em um hipotético segundo turno em 2014. Um lado da pesquisa tem para ela, porém, um senão : Lula, candidato, ganharia de qualquer um no segundo turno. Há quem esteja temendo que, com esses ventos favoráveis, Dilma e seus conselheiros acreditem de fato que está tudo bem e voltem ao seu mundo anterior aos sustos provocados pelos movimentos juninos. Poderá ser sua perdição. Foi a economia A leitura atenta dos dados da pesquisa do DataFolha indicam claramente que os seis pontos recuperados pela presidente Dilma na avaliação de seu governo se devem basicamente ao alívio da inflação e a persistência do baixo índice de desemprego. Há uma correlação direta entre esta recuperação e o aumento também da confiança dos entrevistados nas suas condições econômicas. A economia vai andar ? A presidente recuperou parte de sua popularidade, como se vê. Do ponto de vista da economia a maior probabilidade é que as coisas persistam na marcha lenta. Não há nenhum fator estrutural mudando no Brasil que possa indicar aumento do consumo ou uma "arrancada" do investimento. Até mesmo a inflação não deu propriamente "uma trégua". Observados os fatores de queda temos a exaustão momentânea de alguns fatores sazonais (no segmento de alimentos) e a queda das tarifas de transporte (fruto das movimentações nas ruas). Do ponto de vista "técnico", ou seja, das previsões possíveis de serem feitas, pode-se afirmar que o governo Dilma já acabou. Mesmo que a presidente fosse uma boa gestora, coisa que não é, e movimentasse o governo para executar grandes mudanças estruturais, os seus resultados viriam no médio prazo. Isso depois de riscos conjunturais substantivos, a saber : alta do dólar (e da inflação), fortíssimo déficit nas contas externas, alta dos juros no mercado internacional e debilidade do consumo no mercado doméstico. A antecipação da corrida eleitoral é um desastre do ponto de vista econômico : os investidores que já capengavam em função da incompetência governamental estão preferindo esperar. O capital é covarde, como se sabe ou se devia saber. Emprego estável numa economia instável A FGV-IBRE divulgou na última sexta-feira, 9/8, o Indicador Antecedente de Emprego e o Indicador Coincidente de Desemprego. Ambos tentam projetar o comportamento do emprego nos próximos meses. O que se pode observar é que o emprego está estável, mas dificilmente continuará assim se o consumo e o investimento não crescerem nos próximos meses. O empresariado está esperando a consolidação do cenário de médio prazo para tomar decisões na área laboral. Note-se que demitir é caro (custos de demissão e os incorridos na formação do funcionário) e readmitir é igualmente custoso (treinamento). Esta rigidez do mercado de trabalho não irá persistir por muito tempo e será o desemprego, se aumentar, o principal fator a conspirar contra a popularidade da presidente. Inferno para os tucanos Se a pesquisa trouxe alívio para a presidente Dilma, acendeu um sinal amarelo para os tucanos com Aécio caindo na intenção de votos em todos os cenários que apareceu. Caiu fora da margem de erro, numa demonstração de que o partido ainda não encontrou o tom certo da campanha. A pesquisa nem pegou as denúncias sobre irregularidades em contratos do Metrô de SP, que, dependendo de como se desenrolar, tem grande potencial para desgastar eleitoralmente os tucanos. Não preocupa Pessoas que têm interlocução com o staff de Aécio dizem que não preocupa tanto quanto estão dizendo alguns a perda de pontos do provável candidato tucano ao Palácio do Planalto na última pesquisa DataFolha. Dizem que a estratégia de Aécio agora é mais para dentro do partido do que para fora, embora não desprezem a conquista de simpatias neste momento. Antes ele precisa consolidar sua candidatura no PSDB afastando o fantasma de José Serra que ainda o atormenta. Depois é que virá a concentração na busca dos eleitores, que começa proximamente com a intensificação das viagens do senador mineiro pelo país. É o devagar e sempre, "sem açodamento", dizem, porque a corrida é longa e de muitos obstáculos. Para os aecistas, a pesquisa traz até boas notícias, asseguram : Serra não tem o recall que imaginava ter - é dos postulantes o que tem mais rejeição, a rejeição de Aécio é menor que a de Dilma e o prestígio de Dilma está muito ligado ao comportamento da economia que não deverá dar a ela fôlego que os conselheiros da presidente estão esperando. Pode ser. Mas também pode não ser. O dilema de Marina A ex-senadora Marina Silva foi novamente a "grande vencedora" da pesquisa do DataFolha no quesito eleições presidenciais. As intenções de votos nela subiram novamente e ela aparece como a candidata de oposição mais competitiva no momento. O drama de Marina é que ela não tem ainda um partido para chamar de seu, tem menos de dois meses para registrar definitivamente o Rede e se não conseguir terá de se submeter a alguma legenda já inscrita no TSE, o que sempre é um risco. É simples assim : os tucanos têm de se explicar Quando colocados diante de algum tipo de suspeita de má conduta, os partidos políticos brasileiros costumam fazer de tudo : fingir que não é com eles, inventar alguma teoria conspiratória, mandar procurar o bispo. Menos o mais simples : vir imediatamente à público e explicar o caso - e até assumir culpas, se houver. Isso vale para todos, sem exceção. Desta vez quem está tendo tal ataque é o PSDB, diante das denúncias de que um cartel pintou e bordou em contratos no Metrô de SP e na CPTM. Há fortes indicações de que as irregularidades denunciadas, e já em investigação pelo Cade, de fato ocorreram e também indícios de que servidores públicos - não se sabe ainda em que nível - foram envolvidos. O PSDB apenas pasmo, tergiversando simplesmente até agora. Os adversários estão explorando politicamente o fato. É natural. Assim fazem os tucanos também quando podem. Por que não apoiar uma CPI para investigar o caso ? Aliás, duas - uma em SP e outra em Brasília ? Prejuízos o PSDB já está tendo, por sua omissão. Poderá pagar mais caro ainda se não explicar, como poderá ver a partir da agora na campanha presidencial. Promiscuidade em xeque Uma CPI - séria, para valer, naturalmente e não com objetivos meramente políticos - a respeito do cartel do Metrô poderia ser muito útil no sentido de desvendar o que se sabe, ocorre em boa parte de negócios públicos - os acertos de preços entre os grupos interessados na concorrência, muitas vezes sem nenhum envolvimento de qualquer autoridade. Um jogo que não existe apenas no Brasil, como, aliás, comprovam as confissões da Siemens a respeito de sua atuação em várias partes do mundo. A imprensa e o seu papel Impressionante (no bom sentido, por isso digno de todos os aplausos) o trabalho da dita mídia tradicional na investigação, dentro de suas possibilidades, de desdobramentos das denúncias de formação de cartel e pagamento de propinas em negócios com trilhos nos governos de SP e do DF, com grande destaque para o primeiro, já no período em que o Palácio dos Bandeirantes já estava nas mãos dos tucanos. Não é nada demais, nem deveria merecer um comentário aqui - é apenas uma obrigação do jornalismo que se quer o respeito. Mas vale a nota porque desmoraliza as teorias conspiratórias de alguns de que a grande mídia só investiga quando a denúncia atinge um lado, é seletiva no seu trabalho e nas suas preferências. Os mesmo que dizem isto agora estão se fiando no esforço de jornais e jornalistas que em outras ocasiões eles execram para agora atacar os adversários. Faça-se bom proveito. Os ETs de Brasília A presidente Dilma declarou que tem "muito respeito" pelo ET de Varginha. Ainda bem que se trata apenas de uma brincadeira com uma figura de ficção. O problema é o respeito pelos ETs políticos, burocráticos que infestam o ambiente do Planalto Central. Estes não são fictícios : são reais - e muito vivos. Na realidade, para lembrar outra criação assombrosa do jornalismo popularesco brasileiro dos anos 1970, 1980, são verdadeiros "chupa-cabras". Cuidados eleitorais É consenso no governo, a começar pela presidente Dilma, de que é preciso voltar ao antigo modelo de hidrelétricas no Brasil, com construção de grandes barragens e não a fio d'água como foram as últimas concessões na Bacia Amazônica. A tese do governo, amparada em estudos técnicos, é que a volta das grandes represas permitirá o melhor aproveitamento dos recursos existentes : mais potência para as usinas e, obviamente, custos menores na produção de energia. O governo está de olho principalmente na grande capacidade do rio Tapajós. Porém, apesar de encontrar tantos benefícios na mudança do modelo, Dilma e seus ministros não deverão passar a defender, de peito aberto, essas alterações. Pela simples razão de que baterão de frente com os grupos ambientalistas (nos quais Marina Silva tem grande penetração) e com os grupos de defesa dos povos indígenas. Para os marqueteiros oficiais isso é desaconselhável em períodos eleitorais, pois feriria até a alma de muita gente boa no PT. É por isso que a defesa dessas mudanças está sendo prioritariamente "terceirizada" para entidades empresariais e especialistas independentes. Insegurança jurídica por todos os lados Não bastasse a tentativa boba e incompetente do Planalto em tentar "tabelar" o retorno dos investimentos privados nos diversos segmentos de infraestrutura, espalha-se pelo país a sensação de insegurança jurídica e de negócios. Em SP o escândalo em relação às licitações do Metrô adiciona ao cidadão comum mais certeza sobre como funcionam as licitações. Para os investidores, fica a sensação de que os processos licitatórios vão demorar ainda mais. O Palácio dos Bandeirantes já não era objeto de admiração dos investidores no que tange à sua eficiência. Agora caiu na vala comum dos administradores públicos brasileiros. No RJ, o "ex-arrogante" Sérgio Cabral mudou os termos da concessão/construção dos complexos esportivos das Olimpíadas/Copa do Mundo. Novamente fere a segurança jurídica e a lógica econômica. O setor público brasileiro afasta quem nunca aqui investiu e prejudica a quem quer investir. Alta da Bolsa, queda do dólar, etc. Há, do nosso ponto de vista, pouco conteúdo passível de análise nas recentes altas das ações, na queda do dólar ou, de forma mais geral, no otimismo do tal do mercado. Acreditamos inclusive que este "veranico" permaneça por mais alguns dias/semanas. Da mesma forma, acreditamos que o mercado financeiro nos países centrais "ande de lado" como se diz no jargão do mercado. Estamos em pleno período de transição. As principais variáveis domésticas já estão consideradas nos preços (inflação, descrença política, demanda fraca, etc.), assim como lá fora (fim da temporada de divulgação de resultados, dados econômicos, mudança da política monetária nos EUA, fraqueza econômica na Europa, PIB mais fraco na China, etc.). Será preciso uma nova onda de notícias que clareie as atuais tendências (negativa por aqui e positiva lá fora). Apenas num contexto de fatos novos é que novas posições estruturais devem ser assumidas. O Brasil, a Grécia e o FMI O ministério da Fazenda informou na quarta passada que o representante do Brasil, e de outros 10 países da América Latina no FMI, Paulo Nogueira Batista, tem "respaldo político" do ministro Guido Mantega para continuar exercendo suas responsabilidades na instituição de crédito internacional. Como se sabe, o nosso representante no FMI resolveu, por moto proprio, se abster na votação de liberação de US$ 1,7 bi para a combalida Grécia, sob a justificativa de que as reformas helênicas têm sido "insatisfatórias em quase todas as áreas" e que "as suposições de sustentabilidade de crescimento e dívida continuam a ser otimistas demais". Seria muitíssimo interessante conhecer as inteligentes percepções de Nogueira Batista Jr. sobre a política econômica de seu padrinho Guido Mantega. Será que as nossas reformas são aceleradas ? E o crescimento da nossa dívida, o que acha tão abalizado economista ? Mensalão : mudanças à vista ? Há contido entusiasmo dentre as bancas de advocacia que estão defendendo mensaleiros que estão apurados com a perspectiva de irem para detrás das grades. Segundo vozes destas bancas, Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso vão mudar os rumos das penas aplicadas sob a batuta de Joaquim Barbosa. Radar NA REAL 9/8/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3311 estável baixa - REAL 2,2712 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 49.874,90 estável/baixa baixa - S&P 500 1.691,42 estável/alta alta - NASDAQ 3.660,11 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 6 de agosto de 2013

Política e Economia NA REAL n° 256

O fim da crise - I Nenhum policy maker vai propagandear isso mundo afora, mas os indicadores de atividade (consumo e, em menor medida, investimento), o comportamento das empresas e dos investidores, a situação do mercado de crédito e o comércio internacional indicam que a crise iniciada em 2008 está se esvaindo nos países centrais. Isso não quer dizer que o mundo não tenha problemas e que estes sejam desprezíveis. Ao contrário : o "rescaldo" da crise internacional persistirá como essencial ao sistema econômico, especialmente no que se refere à situação fiscal e à administração da política monetária. Este é o caso dos EUA onde o Federal Reserve manda recados propositalmente contraditórios no que tange à manutenção ou não do imenso estímulo monetário gerido pela autoridade monetária daquele país. Com menos alarde, é o mesmo que faz o Banco Central Europeu e o Banco do Japão. O fim da crise - II Não à toa os mercados mais arriscados e sensíveis às variações de humor, sobretudo o de ações, está com invejável desempenho nos países centrais. Os resultados corporativos tem sido positivos e corroboram o otimismo dos investidores. Nos EUA, além da confirmação das melhores expectativas em termos dos resultados, os analistas estão ouvindo dos managers que o ambiente mais favorável está se traduzindo em vendas e investimentos. As listas de recomendações de ativos estão lotadas e os volumes negociados nos mercados estão altos e se espera que assim permaneçam. Os próximos embates em termos de política econômica nos países mais ricos serão entre eles : os temas relacionados ao protecionismo e as taxas de câmbio começam a preocupar os formuladores de políticas e os próprios políticos. Em suma : a conjuntura melhora e os aspectos estruturais voltarão a dominar o ambiente das discussões. O fim da crise - III Apesar de todo otimismo e do melhor desempenho em termos de atividade, a maior probabilidade é que até o final desta década o crescimento mundial gravite em torno de 2%, algo como metade dos melhores anos da década passada. O despedaçamento do sistema de crédito e do funcionamento dos mercados em 2008 ainda produzirá muitas dificuldades para a recuperação dos países mais desenvolvidos. Com efeito : não se deve esperar que os ativos tenham valorização equivalente a dos patamares mais elevados dos anos 2000. A recuperação deve ser lenta e gradual. E sem a segurança de que a volatilidade seja razoável. Os tempos são melhores, mais promissores e ainda cheios de obstáculos. O começo da crise - I O caso brasileiro é oposto ao andamento do cenário no rico hemisfério norte. O Brasil passou rapidamente da condição de "queridinho" pelos analistas e investidores para a condição de "preocupante". Reduzidos os fatores de crescimento (aumento do consumo interno em função de salários e o efeito "China") o que fica evidente é que a tração do crescimento se reduziu para um patamar entre 0%-2%. Não há milagres possíveis em política econômica. Assim, o país continua omisso no que se refere às reformas necessárias à economia. Além disso, fatores estruturais como a péssima educação, o subdesenvolvimento tecnológico, os transportes, portos, etc. se juntam a uma tributação elevada e a uma taxa de câmbio que inviabiliza a competitividade externa. O governo Lula e Dilma tem a mesma agenda que adia as reformas e antecipa os ganhos e avanços sociais que produzem resultados eleitorais mais imediatos. A presidente Dilma acelera o intervencionismo governamental na atividade econômica e administra uma estranha coalizão política que soma oligarcas e movimentos sociais desprovidos de maiores ideais. O começo da crise - II A melhoria do cenário externo retira certos riscos que pairam sobre o Brasil, vindos de fora. Todavia, os riscos domésticos são substantivos e carecem de soluções políticas articuladas que não virão por duas razões básicas : (i) a presidente tem visão míope e bastante distinta da enorme parte da sociedade brasileira e lhe falta força política para agir depois da recente e vertiginosa queda de popularidade e (ii) as forças políticas estão paralisadas à espera da evolução do cenário para somente depois se posicionar. Neste segundo item estão incluídos os partidos de oposição, tão pobre de ideias quanto o governo. "Fatos novos" na política são necessários para que se mude o prognóstico para o país. O que se espera é que nos próximos meses fique mais evidente a queda da atividade e, com efeito, aumente o desemprego. Estes elementos devem tornar o governo ainda mais débil e mais combustível será dado à corrida eleitoral do ano que vem. Apostar na melhoria do cenário não será apenas um exercício para os mais otimistas. Será dos videntes que estão vendo muito além daquilo "que aí está". Leilões : hora de decisões  - I Começou a contagem regressiva para os leilões de concessões nas áreas de ferrovias, rodovias, portos, aeroportos e exploração de petróleo, boa parte deles marcada para ir ao ar ainda este ano, em negócios iniciais de mais de R$ 100 bilhões. Há um clima de alta tensão em Brasília por causa da chegada da hora das vendas, de apreensão, insegurança e medo. Para o Brasil, os leilões, por sua importância para a economia brasileira, de forma a dar uma empurrada num PIB vacilante e com sinais de que o limite de crescimento do país está muito baixo, é essencial. Mas para o governo Dilma e as pretensões presidenciais ele é tão essencial quanto : 1. Será a forma de Dilma começar a mudar o clima de desconfiança dos agentes econômicos e dar também uma injeção de ânimo na população. 2. O Palácio do Planalto e o Ministério da Fazenda contam com o dinheiro que entrará nos cofres pelas concessões ainda este ano para fechar as contas públicas e garantir o superávit primário de 2,3% do PIB prometido por Guido Mantega e do qual boa parte dos analistas duvida. Os R$ 15 bilhões do campo de Libra, do pré-sal, por exemplo, já estão somados nas previsões orçamentárias. Leilões : hora de decisões - II Há, no entanto, muitas incertezas quanto ao sucesso da maioria das concessões previstas para este ano. A única que parece segura, até agora, é a do campo de Libra. Mesmo assim, os prováveis candidatos estão pressionando para que algumas regras sejam mudadas. Nas outras, a insegurança é total, embora fontes não-identificadas de Brasília estejam alimentando a mídia com informações de que o número de interessados é grande e o entusiasmo deles é maior ainda. No mundo real, porém, ao que se sabe, há pressões para que as condições do leilão sejam mudadas, o negócio não é considerado pelos investidores assim tão atraente quanto o governo imagina. É claro que há o jogo natural das empresas para tentar levar mais vantagem, mas há também, como se sabe, a idiossincrasia de parte do governo com o que ele classifica como "lucro excessivo", que quer levar os candidatos às concessões. Vai ser uma queda de braço até que os leilões de fato se realizem. Já se fala, por exemplo, em novo adiamento do trem bala, agora sem nova data para acontecer. A decisão sobre isto deve sair esta semana. Sinal amarelo O sinal amarelo em relação às concessões piscou depois que, na semana passada, fracassou, por falta absoluta de concorrentes, o leilão para construção e exploração da linha 6 do metrô de SP. E olha que o governo paulista é muito mais aberto às concessões que o governo Federal. Debandada O banco norte-americano Goldman Sachs anunciou nesta segunda-feira, 5/8, que não mais irá recrutar 50 executivos para a sua agência brasileira. A justificativa é que o Brasil não parece tão atraente neste momento de fraqueza de crescimento. Nos últimos tempos, o GS perdeu três de seus principais executivos, dentre os 40 que saíram da instituição. Os bancos de investimento são bem ágeis para ajustar seus quadros às perspectivas do mercado. Mais política, menos marketing ? Depois do barulho das ruas, talvez assustado com o que muitos governistas classificam como um ruído de comunicação entre o governo e a sociedade, a Brasília oficial passou a espalhar que o governo passaria a fazer mais política e menos marketing nas suas conversas com a sociedade. A interpretação era de que a presidente Dilma estava fazendo tudo certo, apenas não transmitia bem o que fazia. Parece que não será bem assim. Segundo informações da capital Federal, a presidente Dilma está preparando-se para uma série de entrevistas exclusivas em programas de audiência de televisão de grande alcance popular, principalmente os que atingem as donas de casa. Anuncia-se também que está sendo preparado um calendário de inaugurações - seja de obras, seja de pedras fundamentais - pelo país para a presidente comparecer. De preferência em locais onde os governadores e os prefeitos amigos possam ajudar. Não é o que parece Não é isto, porém, que parece querer uma parte do PT, a julgar por este trecho do documento que o presidente nacional do partido, Rui Falcão, lançou para ser discutido pelos petistas como plataforma de sua candidatura à reeleição, em novembro : "O Partido que Muda o Brasil", que lançou Rui Falcão à reeleição, afirma : "Nossa comunicação não pode e não deve ser comandada pelos referenciais do marketing, mas pela perspectiva política que não se atém, apenas, às vitórias eleitorais e à sustentação da imagem partidária. Nossa comunicação deve ser capaz de dialogar, de modo permanente, com a sociedade por meio das redes sociais, da TV, do rádio, da web e de materiais impressos, o que supõe políticas e coordenação permanentes". É tudo muito simples : o problema do governo, no momento, é credibilidade. Confiança não se retoma com retórica apenas, o discurso e os números prometidos e anunciados têm de ter um pezinho no mundo real. Sem Dilma, no mato sem cachorro0 Não se pode dizer que o PT voltou a amar Dilma - pois nunca houve, de fato, um afeto profundo entre eles. Lá no passado, o partido não tinha Dilma como uma de suas opções para substituir Lula. Aceitou-a, como acata tudo e muito mais que vem do ex-presidente. Afeiçoou-se a ela depois que ela caiu nas graças da opinião pública. Agora, que a mesma opinião pública começou a tirar terra debaixo dos pés da presidente e de seu governo - o PT quis ser "independente". Foi devidamente enquadrado por Lula e pela própria Dilma, por atos e palavras. E percebeu que seu destino em 2014 e a permanência no poder em 2015 está atrelado ao dela. Enquadrou-se sem aos menos estrebuchar. O Congresso está de volta Com muita disposição e apetite os políticos voltam para o Planalto Central. Nessa hora é que mora o perigo. Para alguns deputados e senadores as promessas de ação são a melhor reza. Valha Deus a Dilma e ao Brasil ! A pesquisa do PMDB Deve ficar pronta esta semana uma pesquisa, com uma série de questões, que o PMDB está fazendo entre seus deputados, senadores e direções regionais para levantar a opinião do partido sobre as relações com o governo Dilma e outros temas. Uma das perguntas é sobre a manutenção ou não da aliança com o PT nas eleições presidenciais do ano que vem. Como é uma pesquisa interna e sem auditoria, pouco se saberá dela de fato. Mas é certo que cerca de 95% dos peemedebistas dirão que são favoráveis à manutenção da chapa Dilma Rousseff/Michel Temer. Podem acreditar. O Brasil no FMI Não deixa de ser ilustrativo que o representante do Brasil no FMI, indicado pelo ministro Guido Mantega, esteja fazendo do cargo o que bem entender. Ao votar, em nome do país e de outros tantos contra o empréstimo do Fundo à Grécia, Paulo Nogueira Batista Jr. alegou que as condições concedidas ao belo país mediterrâneo eram muito melhores que aquelas que prevaleceram em 1987 para o Brasil. Nogueira Batista Jr. era o negociador brasileiro naqueles sombrios tempos. Além da evidente maluquice de nosso representante ao votar sem considerar os interesses do país e de seus representados, há que se reconhecer que Guido Mantega não escapa da culpa in eligendo. O titular da Fazenda deveria usar o seu poder mágico que utiliza para fechar as contas públicas para fazer sumir Nogueira Batista Jr. das cercanias do prédio do FMI em Washington. Radar NA REAL 2/8/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3262 estável baixa - REAL 2,3014 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 48.744,04 baixa baixa - S&P 500 1.689,56 estável/alta alta - NASDAQ 3.613,16 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 30 de julho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 255

Leitura política e econômica de uma entrevista - I A entrevista concedida pela presidente Dilma Rousseff à Folha de S.Paulo, publicada neste último domingo, é muito ilustrativa para o delineamento do provável rumo político e econômico do país nos próximos meses. De fato, a presidente confundiu convicções sobre princípios políticos com convicções sobre medidas políticas (e econômicas). Os primeiros dizem respeito à necessária visão republicana da política. Já as segundas dizem respeito à condução de certas políticas de governo. Ora, a confusão dos dois conceitos pela presidente resulta num quadro preocupante no qual se combinam diagnósticos errados sobre a condução do governo com soluções inadequadas. Vejamos algumas das conclusões extraídas da entrevista presidencial e os aspectos que devem prevalecer nos próximos meses nas decisões governamentais : 1. Inflação : não há grandes riscos para a alta dos preços. A meta de inflação é secundária na gestão da política monetária. Basta ver que FHC não a cumpriu quase sempre ; 2. Política fiscal : a execução fiscal não é problemática e não deve haver maiores contenções dos gastos públicos. Além disso, não vê a presidente risco fiscal devido à redução da atividade econômica ; 3. Câmbio : um problema incontornável, não há o que fazer, pois é fruto das intempéries externas ; 4. Guido Mantega : o homem certo no lugar certo suportado por uma lealdade canina do Planalto ; 5. Base aliada : será mantida, basicamente, às custas dos 39 ministérios e, nas demandas pós-manifestações juninas, precisa ser "submetida ao povo", via plebiscito ; 6. Ministros e ministérios : são auxiliares sem poder de decisão e cobrados na medida da capacidade e intensidade de trabalho da presidente ; 7. Empresários e setor privado : não são aliados, mas apenas a outra parte de um processo negocial ; 8. Lula : um copresidente com o qual as divergências são normais (e antigas, desde 2005 quando era ministra da Casa Civil). Assim sendo, não precisa voltar porque não saiu ; 9. Investimentos : precisam crescer e, para isto, na essência, dependem do impulso estatal. Os leilões e concessões que devem ocorrer no segundo semestre vão dar este impulso ; 10. Controle da mídia : a questão é controlar as empresas e não a opinião das empresas, mas ainda não se sabe como fazê-lo. Mas, será feito (um dia ?) Leitura política e econômica de uma entrevista - II A entrevista da presidente joga um balde d'água fria na expectativa de que existam substanciais alterações na política e na economia nos próximos meses. Isso dependerá muito mais da evolução dos fatos do que da percepção da presidente. Esta última parece obscurecida por uma mistura de arrogância pessoal combinada com teimosia e miopia política. Se houver mudança por força dos fatos, esta será feita contrariando o desejo e o humor da presidente e não como resultado do natural processo político de reavaliação pelo qual "mudam os fatos, mudo de opinião". Com efeito : a perda de legitimidade política do governo, fruto da queda de popularidade, tornará a política e a economia muito mais arriscadas em função da visão de Dilma. As notas a seguir mostram um pouco dos riscos à vista. Leram mesmo ? Se leram, não entenderam - I Tanto a presidente Dilma quanto o Congresso estão se vangloriando de ter lido com clareza e entendido perfeitamente os recados que os movimentos populares espalharam pelo país em julho. Não é o que parece, porém. O Congresso, depois de algumas medidas mais demagógicas do que reais, foi descansar em berço esplêndido, num recesso branco incompatível com a lei e suas obrigações. Os parlamentares não poderiam ter abandonado Brasília nos últimos 15 dias sem antes votarem a LDO. A volta tem tudo para repetir a rotina de sempre. Disputas com o Palácio do Planalto, pressões políticas, chantagens, vinganças (ver nota abaixo). Se a sociedade não ficar atenta, com manobras políticas para facilitar a vida eleitoral de todos no ano que vem. Leram mesmo ? Se leram, não entenderam - II A presidente Dilma, em pelo menos três ocasiões públicas na semana passada, também deu mostra que sua leitura dos acontecimentos foi um tanto "vesga" : (1) na recepção do Papa, de forma extemporânea (por ser uma propaganda explícita do governo numa sessão em que o personagem era outro) ; (2) no discurso na festa do PT em Salvador ; (3) na entrevista exclusiva à colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, domingo, sobre a qual comentamos nas notas anteriores. O extenso palavrório pode ser resumido : "está tudo bem com o Brasil, o que não estiver estamos prontos para consertar, atendemos o que as ruas pediram". Há controvérsias em relação a este otimismo. Ele está expresso na abrangente pesquisa realizada pelo Ibope por encomenda da Confederação Nacional da Indústria, divulgada na semana passada. Ela vai muito além da confirmação da queda vertiginosa da popularidade da presidente (com sobra também para boa parte dos governadores) e da avaliação de seu governo, o destaque a sondagem na maioria da mídia. É, na realidade, um retrato estatístico, com números contundentes, da insatisfação das ruas e seus porquês. Três constatações relevantes da Pesquisa CNI-Ibope 1. 91% dos entrevistados acham que os impostos são altos demais no Brasil. 2. 87% da população concordam total ou parcialmente com a afirmação de que "o governo já arrecada muito e não precisa aumentar mais os impostos para melhorar os serviços públicos". 3. As respostas dos governantes e do Congresso Nacional não foram vistas de maneira positiva pela população. Mais de 30% dos entrevistados reprovaram totalmente essas respostas. Vale a pena ler o excelente resumo dos pontos fulcrais da entrevista feito pelo jornalista Ricardo Noblat em seu blog (clique aqui). Com estes dados e as lições deixadas pelo papa Francisco por aqui, governo e oposições têm um roteiro seguro para agir e dar mais fé e confiança à sociedade. Ou agem nesta linha ou vão colher outros dissabores. Já está em pleno andamento a montagem de uma manifestação popular "como nunca antes vista neste país" para o feriado de 7 de setembro, o chamado Dia da Pátria. Uma semana de paz. E depois... - I Com o Congresso em recesso e o papa Francisco, com seus incômodos recados de volta a Roma, a presidente Dilma terá uma semana de relativo sossego, antes de mergulhar em alguns turbilhões previstos para perturbar sua paz em agosto e setembro. Em agosto, os embates serão com o Congresso, crônicas de crises anunciadas. Além das queixas mais recentes dos parlamentares, seus partidos aliados contra a condução da política de relações com o Congresso e da política econômica por Dilma, algo meio difuso, há um contencioso concreto para a presidente enfrentar no Legislativo - a questão de três vetos que ela apôs a propostas aprovadas na Câmara e no Senado, a saber : 1. Ao fim da multa adicional de 10% do FGTS dos trabalhadores demitidos por justa causa. 2. A obrigação do governo Federal ressarcir os Estados das perdas de receita referentes a benefícios fiscais concedidos pela União utilizando impostos partilhados (IPI e IR). 3. A prorrogação, até 2014, do Reintegra, programa de compensação a exportadores. Uma semana de paz. E depois... - II Derrubar vetos presidenciais era quase impossível até recentemente - poucos caíram nos últimos 20 anos. O Congresso chegou a acumular até recentemente mais três mil desses vetos sem votá-los. Recentemente, depois de trocas de farpas e acusações entre Executivo e Legislativo, por iniciativa do presidente do Senado, Renan Calheiros, criou-se uma nova sistemática para a votação dessa matéria : se o veto não for votado em 30 dias, ele passa a trancar a pauta do Congresso. Esqueceu-se (não totalmente o passado) e vai se tocar nova vida daqui para frente. Os vetos de julho de Dilma já entram nesta conta. E o ambiente entre a presidente, os parlamentares e seus partidos aliados - inclusive o PT - não está dos melhores. Além das velhas queixas, foi agravado nos últimos tempos pela perda de popularidade da presidente. Desde que Dilma - pelo menos neste momento - deixou de ser uma perspectiva absolutamente certa de poder a partir de 2015, seus parceiros ficaram mais críticos, mais exigentes e com maiores laivos de independência. Uma semana de paz. E depois... - III O quadro fica um pouco mais complicado quando se sabe que os vetos desagradaram a setores que sempre conseguem comover os parlamentares com suas queixas, a ver : 1. Reintegra e o fim da multa do FGTS irritaram o setor empresarial, de onde sai o grosso do dinheiro de campanha. 2. Ressarcimento de perdas com subsídios desgostaram prefeitos e governadores, de quem muito dependem deputados e senadores para se reelegerem. Como os congressistas estarão indo para Brasília depois de suas semanas de contatos mais diretos com as suas chamadas bases eleitorais, cuja insatisfação "com tudo que está aí" é mais que visível, sempre ficam mais críticos e mais assanhados ainda. Em tempo Parte dos vetos antigos, alguns ainda da gestão FHC foram anulados pelo Congresso. Mas para significativa deles, cerca de mil ainda está parada e pode ser colocada em votação dependendo de decisão da direção do Congresso e das pressões dos parlamentares. Alguns deles, como os vetos do Código Florestal e da nova lei dos royalties do petróleo, são "explosivos". De olho neles estão os aliados com sede de vingança, como a parte do PMDB que obedece à sinalização do líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha. Com sede de vingança ou de compensações. A presidente Dilma nunca precisou tanto do amparo do jeitinho do presidente Lula para acalmar - ou engabelar - os partidos da base aliada. Lula, pelo que se sabe, vai deixar de lado nesse segundo semestre suas viagens ao exterior para "vender o Brasil" e se concentrar em ajudar a presidente Dilma a "domar" os aliados, espicaçar a oposição e reconquistar o coração da opinião pública. Teses eleitorais - I Já estão visíveis algumas das teses com as quais os consultores de Dilma pretendem recuperar o prestígio da presidente e reconquistar os votos que estariam sendo perdidos agora por ela na corrida de 2014 : 1. Os problemas brasileiros não são brasileiros, são internacionais. Nós somos vítimas da má condução da política econômica por outros países, principalmente os ricos. 2. A inflação de agora não é nada, inflação perigosa era a do tempo de FHC. Não dá para comparar uma com a outra e a oposição não tem autoridade moral para falar sobre esse assunto. 3. A insatisfação popular, que explodiu nos movimentos de junho, é consequência da política de inclusão social e de incentivo ao consumo do governo Lula, continuadas pela administração Dilma. Parece a história dos "recursos não contabilizados" do mensalão. Se colar, colou. Teses eleitorais - II Até agora, a oposição só tem um tema de campanha : falar mal do governo. Por mais que Dilma esteja tropeçando, é muito pouco. Não há perigo de colar. Teses eleitorais - III Por essas e outras, o que não é "político" [de política tradicional] está tão em alta nas pesquisas. Quanto menos identificado com a "política" dos políticos, mais prestígio. Sol quadrado Cálculo de quem conhece o humor político em Brasília e o novo humor do STF pós-movimentos de julho : alguns dos réus do mensalão começarão a ver, como se diz popularmente, o sol nascer quadrado ainda em setembro. Melhor depois Já se fala em adiar as eleições diretas para a presidência nacional do PT, marcadas inicialmente para novembro. O clima não está para disputas. Antes Lula vai ter de fazer um cuidadoso trabalho de psicanálise política nos companheiros. Línguas soltas - I Ministros e figuras de proa do governo já não sussurram apenas suas insatisfações - gritam. Ninguém faz mais questão de não ser visto falando mal um do outro. A intriga virou esporte predileto em Brasília. É um "salve-se quem puder" que não acaba mais. Línguas soltas - II Tucanos de boa plumagem voltaram a se bicar. Tudo depois que Dilma começou a perder popularidade e a possibilidade de disputar com chances a presidência da República começou a ficar possível e não apenas um sonho. Línguas soltas - III Livres de intrigas, até agora, estão Marina Silva e Eduardo Campos. Marina é soberana em seu território. Campos, com a queda da popularidade de Dilma, passou a ser visto com outros olhos por seus adversários dentro do PSB, mormente os irmãos Gomes. A última entrevista do "mercurial" Ciro, por exemplo, foi de uma agressividade e grosseria com Dilma como há muito não se via. Línguas soltas - IV Por via de todas as dúvidas, embora Joaquim Barbosa continue negando qualquer intenção de disputar o Palácio do Planalto em 2014, já estão devidamente providenciadas informações, vazadas sem fontes visíveis (o famoso "off") para desconstruir a imagem do presidente do STF. Os vazamentos têm dupla utilidade : queimar Barbosa junto à opinião pública e tentar conter seus ímpetos na segunda e decisiva fase de julgamento do mensalão. Pode ser um bumerangue. Radar NA REAL 26/7/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3246 estável baixa - REAL 2,2614 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 49.422,05 baixa baixa - S&P 500 1.691,65 estável/alta alta - NASDAQ 3.613,16 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 23 de julho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 254

Só se Dilma demitir Dilma - I São cada vez maiores os pedidos indiretos e insinuações para que Dilma faça trocas em seu ministério. O próprio PT é um dos mais queixosos e, segundo informações correntes em Brasília, até Lula teria "aconselhado" Dilma a fazer as alterações. Os alvos seriam a equipe econômica, com foco no ministro da Fazenda, Guido Mantega, a turma da coordenação política - leia-se Ideli Salvatti e Gleisi Hoffman - e a área de comunicação (lembrar que Franklin Martins, que foi o grande nome de Lula neste segmento, está agora muito presente no Palácio do Planalto). Só se Dilma demitir Dilma - II Dilma, porém, na mais que otimista peroração para os empresários e sindicalistas reunidos no Conselhão - Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social - deu a indicação das razões que justificam sua insistência em ficar com esta equipe que não agrada nem a gregos nem a cearenses. Foi quando ela disse (a citação não é literal) que quem comanda a economia brasileira não mora na Esplanada dos Ministérios, tem residência no terceiro andar do Palácio do Planalto. A afirmação vale para toda a equipe governamental, do primeiro escalão ao contínuo do gabinete mais distante do mais obscuro ministério. É conhecido - e até pouco tempo louvado por muitos aliados - o estilo centralizador e autoritário da presidente. Com certa dose de humor se diz que nem um clips se compra em Brasília sem que ela saiba. Ora, sendo assim, só se Dilma demitir esta Dilma que governou até agora para que haja realmente alterações no modo de ser e de trabalhar de sua gestão. Depende de quem fala Na sua posse no Ministério da Educação, o hoje onipresente Aloizio Mercadante, louvou publicamente o estilo Dilma de "espancar projetos", ou seja, de descer aos menores detalhes de tudo, de não deixar passar nada. Para alguns, isto é virtude. Para outros, pelo excesso, paralisa o governo. Alguém está destoando - I Nesse mundo oficial do "sim senhora" quem está destoando é o BC. A ata da última reunião do Copom está na direção contrária ao otimismo presidencial, divulgada no mesmo dia em que a presidente garantia à turma do "Conselhão" que nem a inflação nem as contas públicas estão desajustadas. No seu linguajar um tanto peculiar - "bancocentralês" - a autoridade monetária diz com todas as letras que a inflação ainda está assanhada e que a política fiscal é expansionista, eufemismo para dizer que o governo está gastando mais do que devia. Posições que foram confirmadas, também com todos os "esses", "erres" e "ipsolenes" em entrevista esclarecedora do presidente da instituição, Alexandre Tombini, ao jornal "O Estado de S. Paulo" de domingo. Alguém está destoando - II Tombini repete o principal recado da ata : se não recuperar a confiança da população e das empresas na condução da economia, o risco de a economia brasileira continuar crescendo vegetativamente ainda por um bom tempo é elevado. O BC dá indicações de que ele está visivelmente se esforçando para recuperar a sua própria imagem no mercado financeiro, depois de um bom tempo visto como excessivamente submisso aos desejos do Palácio do Planalto e do Ministério da Fazenda. A "escolha de Sofia" do BC As contradições da política econômica, sobretudo as engendradas no Palácio do Planalto e no Ministério da Fazenda, este último que não tem a menor visão estratégica, tornaram o BC refém de uma escolha que não precisava ser feita. A alta dos juros apenas ocorre em função da política fiscal excessivamente expansionista quando a política monetária também o era. Fosse diferente, o BC poderia ter ficado quieto, pois que a fraqueza econômica não recomenda elevação dos juros. A inapetência de Guido Mantega e seus asseclas, todos comandados pelo Planalto, para fazer verdadeira política econômica, fez com que a escolha do BC, no que tange à política monetária, recaísse sobre o combate à inflação. Ainda o BC terá de cuidar de uma demanda crescente por dólares norte-americanos, por aqui e lá fora, a qual elevará ainda mais a inflação. Assim sendo, a aposta de que o PIB possa crescer ao redor de 1% passou de possibilidade remota para algo bastante factível. Recomendações da hora Permanecemos com a nossa recomendação de venda de ações (Índice Bovespa) e compra de moedas estrangeiras. O investidor não deve sossegar enquanto mantiver posições indesejáveis no mercado acionário. Melhor um prejuízo agora que um maior mais à frente. "Política de campeões" e o "X" da questão Daria uma tese de pós-doutorado a descrição e compreensão da política do BNDES, relativamente às suas escolhas de campeões da área industrial. Num mundo que se mexe com base nos chips e na alta tecnologia, a alta cúpula do BNDES se esforça para financiar frigoríficos de carne bovina e de aves, a "velha" indústria automobilística (e de auto-peças) e outros setores básicos desde os anos 70 do século passado. O país não tem escolas, professores, hospitais e médicos, mas pode se gabar dos frigoríficos cujos acionistas gostam de transitar pelos céus com seus jatos lotados de políticos. Não bastassem as tantas dúvidas em relação ao tema, há, ainda, o caso Eike Batista a ser clarificado. Como pode um empresário, de quem até os analistas de investimento novatos já tinham desconfiança em seus projetos, receber dinheiro público ? Chega a ser imoral, do ponto de vista do interesse público, que o BNDES seja vítima de ideias duvidosas de seu presidente Luciano Coutinho e demais diretores. Enquanto isso o Congresso repousa em berço esplêndido. Perguntinhas incômodas E a CPI da Petrobras, temida por poucos dias, onde foi parar ? Na gaveta de quem ? Ou será que os negócios internacionais da empresa não mais incomodam ? Confronto e conciliação - I Em pouco mais de um mês, coincidindo com as manifestações da rua que deixaram atarantados o Palácio do Planalto e o mundo político de um modo geral, Dilma conseguiu criar uma série de atritos políticos que em nada vão contribuir para tirá-la da situação de quase isolamento em que se encontra. Pode ser que ela até tenha razão em algumas das decisões que tomou e acabaram irritando este ou aquele segmento político, econômico e social. Porém, fiel a seu estilo de não ouvir mesmo quando parece estar ouvindo, acabou comprando brigas perigosas : 1. Com o Congresso Nacional quando, com pouca sutileza, quis jogar nas costas do parlamento a responsabilidade maior pela insatisfação nas ruas. 2. Com o PMDB, pelas mesmas razões, pois é dele o comando das duas casas legislativas Federais. Confronto e conciliação - II Nos dois casos, o troco já está aparecendo e a situação pode piorar quando o Congresso voltar do "recesso branco". 1. Com o seu próprio partido, o PT. A ausência da presidente na reunião da executiva nacional sábado foi engolida a seco, não foi digerida. Os dirigentes petistas tiveram de fazer extraordinários malabarismos para o caldo não entornar, mas a panela está cheia. 2. Com os médicos ao não consultá-los de fato para as mudanças substanciais de que está propondo na política nacional de saúde. É uma classe unida e muito afeita à política no dia a dia. Mais de 50 deputados Federais são médicos de origem. O preço político que ela vai pagar vai ser alto. 3. Com os governadores e suas bancadas, ao vetar, também sem consultas e afagos, o artigo da nova lei do Fundo de Participação dos Estados que determinava que o governo Federal ressarcisse aos Estados toda vez que fizesse uma desoneração tributária com base no IPI. Por tabela, os municípios também sairiam ganhando com isso. Confronto e conciliação - III Estas são apenas algumas amostras dos contenciosos políticos mais recentes que Dilma construiu para ela por livre e espontânea vontade. A realidade é que Dilma, ao contrário de seu habilidoso antecessor e protetor, o ex-presidente Lula, é mais do confronto que da conciliação. É mais da imposição que da consulta e da conversa. E, com exceções, está cercada de conselheiros da mesma estirpe e sem a correspondente competência. Dilma, seguindo, segundo fontes brasilienses, conselhos de Lula, tem feito esforços para mudar. Os exemplos desses esforços seriam a série de reuniões que ela tem feito. Mas nelas, ainda mais fala do que ouve. Com os governadores e prefeitos para lançar o pacto foi assim, no Conselhão também. Não é de estranhar, portanto, que cada vez mais tantos estejam com tantas saudades de Lula. Com amigos assim... PT e PMDB parecem estar numa acirrada disputa - na surdina, evidentemente - para ver quem tem mais queixas da presidente Dilma. O que eles - e todos os partidos aliados - precisam perceber é que o isolamento da presidente não faz bem a nenhum deles. E muito menos ao país. Pressionar para que haja mudanças de rumo no governo é legítimo - e dado o que está aí, correto. Esticar a corda demais é loucura. Brincadeira de mau gosto Não é para levar a sério a sugestão do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, de reduzir o número de ministérios de Dilma de 39 para 25. Menos ainda a PEC do líder do PMDB na Câmara, de estabelecer em 20 o número máximo de ministérios permitidos a um governo. São apenas lances do peemedebismo para deixar a presidente contra a parede. Recado internacional A leitura, com atenção, do segundo comentário de Lula para o site do "The New York Times" aponta para recados nada sutis para Dilma. Sem dizer, Lula dá ecos às insatisfações do PT e de aliados com o governo. Lições das últimas pesquisas Após três sondagens de opinião, por três institutos diferentes, com metodologias distintas, em períodos alternados (logo após os movimentos de junho) e cerca de 30 dias depois, já dá para consolidar algumas tendências na corrida eleitoral : 1. A perda de substância reeleitoral da presidente Dilma é mais profunda do que gostariam seus aliados e sua recuperação, a ponto de torná-la, como antes, uma candidata quase imbatível, embora não impossível, ficou mais complicada e demorada. 2. A melhor leitura das sondagens aponta para uma confirmação do que a "voz rouca das ruas" já apontava : uma forte rejeição de "tudo que está aí", seja do modo de governar, seja do parlamento, seja dos partidos, seja da política tradicional. Em tradução : a sucessão presidencial é agora uma obra em aberto. Lições para a oposição O crescimento de Marina Silva, que não é identificada pela população como uma política tradicional, enquanto Aécio Neves patina e Eduardo Campos mantém índices de intenção de votos pouco competitivos, é um recado claro para a oposição, assim como está sendo para Dilma e os seus : os oposicionistas também não têm o discurso - as propostas de soluções para os problemas nacionais - que a sociedade espera. Uma lição para todos Do líder comunista italiano Enrico Berlinguer, um dos "pais" do eurocomunismo, citado pelo jornalista Sandro Vaia em sua excelente biografia do líder comunista brasileiro "Armênio Guedes" : "Sereno Guerreiro da Liberdade" : "Os partidos de hoje são, sobretudo, máquinas de poder e clientela : pequena ou mistificada consciência da vida e dos problemas da sociedade, das pessoas; poucas ou vagas idéias, programas; sentimentos ou paixão civil, zero. Os partidos ocuparam o Estado e todas as suas instituições, a partir do governo. Ocuparam as instituições locais, os institutos de previdência, os bancos, as empresas públicas, os institutos culturais, os hospitais, as universidades". Qualquer semelhança com o Brasil de agora não é mera coincidência. Radar NA REAL 19/7/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3193 estável baixa - REAL 2,2354 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 47.400,23 baixa baixa - S&P 500 1.6892,09 estável/alta alta - NASDAQ 3.587,40 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 16 de julho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 253

Em busca da legitimidade perdida - 1 Como se sabe a legitimidade política de um governo ou de um líder não se confunde com a legitimidade formal. Factualmente, o conflito entre as duas formas de aquisição de legitimidade diminui a previsibilidade, fator essencial à calma política e aos negócios prósperos. A existência de mandato fixo presidencial torna esta questão ainda mais complexa. No parlamentarismo, a perda de legitimidade política normalmente não convive com a mera permanência da formal. Não existindo no presidencialismo a saída da "queda do gabinete" a crise tende a prosperar por mais tempo e depende ainda mais da liderança política presidencial para recuperar sua legitimidade. O presidente precisa encontrar e promover perante o corpo social o "fato novo" para tornar a sua legitimidade política novamente associada à formal, seu mandato legal. Caso contrário, o líder e seu governo perdem a capacidade de engendrar novas (e positivas) expectativas, estas que na política só florescem depois de criados os fatos (e não o contrário, como ocorre no caso dos agentes econômicos que agem em função das expectativas). Em busca da legitimidade perdida - 2 O momento político brasileiro é especialmente "perigoso". Não que se vislumbre uma ruptura institucional, muito embora o "amadurecimento democrático e institucional" do país seja bem menor que aquele apregoado pelos "formadores de opinião". O que estamos a discutir é a elevada probabilidade de que o governo Dilma Rousseff se veja enquadrado na categoria de "morto-vivo", incapaz de produzir fatos e expectativas tão necessários à sociedade, em geral, e à economia em particular. Alguns dos sintomas são preocupantes e estão a se agigantar : (i) a falta de sintonia enorme entre o sentimento das elites políticas e o do cidadão que trabalha e paga impostos. Os episódios de uso ilegal ou imoral (ou ambos) de aeronaves pelos presidentes do Senado e da Câmara são o retrato exemplificativo da ausência de sintonia entre eleitos e eleitores, quiçá seja, até mesmo, pouco caso com a opinião pública; (ii) a credibilidade das instituições está obscurecida pelos seus representantes. Exemplo disso é o espaço excessivo que ocupa o presidente do STF e o espaço diminuto ocupado pela classe política no seu conjunto. Além da pálida figura que se tornou a presidente da República, os sindicatos, as associações de classe e por aí vai; (iii) a deterioração das expectativas econômicas : pela nona semana seguida "o tal do mercado" aponta para queda da atividade e inflação alta (ainda que não seja mais crescente), baixo nível de investimentos, apenas para citar alguns exemplos. Em busca da legitimidade perdida - 3 Em meio a este cenário, a presidente se acanha. Mostra-se, pelo menos por enquanto, cerceada de problemas sem trabalhar nas soluções. Ademais, seus conselheiros contribuem para jogá-la em mais ares turbulentos (algo detestado pela presidente quando no seu avião). Vejamos. Aloizio Mercadante, ministro de múltiplas funções, conhecido no Congresso pela imagem antipática e arrogante, lança ideias ("fatos novos") necessitadas de robusta articulação política e naufraga com elas sem conhecer alto mar e em poucas horas ou dias. Michel Temer, o vice-presidente poeta e político (como Sarney foi um dia), mais parece empenhado em desarticular o governo e pegar a bússola política para saber qual é o próximo lance que desfechará para se manter bem no retrato - será uma espécie de "síndrome de Dorian Gray" na política ?; Consta do habitual bate-papo congressual com a imprensa que Guido Mantega ambiciona ser mais longevo no cargo que alguns antecessores (Malan e Delfim). Não se sabe se é verdade. Todavia, sua política é que não pode ser longeva, por uma razão simples : simplesmente é incapaz de manter em ordem as coisas ordinárias (contas públicas, inflação, etc.) e nos eventos extraordinários é simplesmente incapaz politicamente, em parte pela própria postura "ministerial" da presidente que tudo quer saber e nada delega. Como se vê, o palco parece pouco ofertado de atores para uma boa cena. Em busca da legitimidade perdida - 4 A partir da análise das variáveis acima relacionadas, o que se vê é um cenário que nos leva a concluir que não é vasto o "espaço político" para se alterar as tendências estruturais da política e da economia. Nessa ordem diga-se, mesmo porque na economia não há nenhum problema que seja implacável para suscitar as piores expectativas - o que falta mesmo é competência para começar a trabalhar na direção correta, apesar de seus prováveis resultados serem colhidos apenas no próximo mandato presidencial. Mas... a política... bem... Esta nos joga num vazio que carcome a legitimidade, torna incerta a coalizão de apoio ao atual governo, resgata velhos atores (Lula e FHC) e não serve sequer à pálida oposição (sem projeto e sem credibilidade). Restará, ao que parece, a expectativa sobre os próximos fatos sociais, estes que simplesmente não sabemos quais serão. Vejamos as notas a seguir para verificarmos se não é esse mesmo o vento que sopra. De terrorismo e terroristas Da presidente Dilma Rousseff em discurso no complexo da Rocinha, RJ, no dia 14 de junho : "Críticas, todo mundo tem de ter a humildade de aceitar. Agora, terrorismo, não. Fazer estardalhaço e terrorismo informativo sobre a situação do Brasil, não". E agora, depois do IBC-Br de menos 1,4% (espécie de prévia do PIB) de maio, Dilma vai acusar o BC de terrorismo ? O "novo" sindicalismo em concordata - 1 É desses paradoxos que nem a política explica e que a razão desconhece : depois do fiasco (pela grandiosa adesão esperada pelos organizadores) do Dia Nacional de Luta, quinta-feira passada, percebe-se que o novo sindicalismo brasileiro, batizado de autêntico, nascido com Lula e os movimentos no ABC paulista em fins dos anos 1970, está a morrer, vítima do lulismo. É inegável que a CUT, Força Sindical, CGT e outras centrais sindicais menos votadas, mais "companhias belas" como UNE e MST, esperavam levar às ruas no dia 11 multidões bem maiores que as cerca de 100 mil pessoas que a elas compareceram pelo Brasil inteiro. Sem organização visível, sem estrutura, sem líderes tarimbados, sem carros de som e microfones, os "indignados" brasileiros de junho reuniram um milhão e meio de cidadãos também numa quinta-feira, semanas atrás. O "novo" sindicalismo em concordata - 2 Falharam os pentecostais do trabalhismo oficial e seus penduricalhos basicamente por três razões : 1. Afastaram-se de suas bases, imantados que foram por verbas oficiais do imposto sindical e de financiamento às organizações "não-governamentais 'governamentais'" que começaram a recolher milhões nos últimos anos, graças às generosidades brasilienses. Perderam garra. O MST é a melhor prova disso. 2. Estão com um discurso defasado, antiquado para uma sociedade que mudou muito, política e socialmente, no último caso em boa parte graças às políticas de renda do lulismo. 3. Tornaram-se extremamente semelhantes aos partidos políticos aos quais indiretamente estão ligadas. Neopeleguistas, se quiserem sobreviver só lhes resta se reinventarem, assim como Lula inventou o sindicalismo moderno brasileiro mais de 30 anos atrás. Leia mais em "Vocês não estão agradando" - José Márcio Mendonça - (Clique aqui) Ilusão à toa Na surdina, mas não de todo modo disfarçado, Dilma, Lula e o PT namoram com o Dia Nacional de Luta. Cada um a seu modo, imaginava utilizar o que se pensava ser uma demonstração de força e liderança do sindicalismo oficial organizado, para retomar o "controle" das ruas e colocar o Congresso Nacional na defensiva, livrando-se da parte que cabe a eles no latifúndio das cobranças que explodiram nas "revoltas de junho". Foi sonho de uma noite de inverno. Padrões mentais do passado Nada soa mais antiquado e irrealista do que interpretar a "revolta de junho" pelas velhas categorias da análise política, a chamada "esquerda versus direita". Lula chegou até a instar os movimentos sociais a não deixarem as ruas para a "direita". Se a interpretação for só um discurso para embalar "militantes", nada demais. O problema é se o julgamento for mesmo uma convicção : pode levar a reações e respostas equivocadas. Afinal, Lula, entre outras coisas, é o conselheiro-mor do Palácio do Planalto para qualquer assunto. Frouxos de riso Definitivamente, o fracasso subiu à cabeça das centrais sindicais depois das ruas quase às moscas na quinta-feira passada. Elas agora estão ameaçando com uma "greve geral", inicialmente no dia 30 de agosto, se a presidente Dilma Rousseff e o Congresso Nacional não atenderem as reivindicações delas até esta data. Como diria Eça de Queirós depois da demonstração de liderança e capacidade de aglutinação de trabalhadores das centrais (e de seus penduricalhos e patrocinadores), o Palácio do Palácio deve estar "frouxo de riso". Gangorra no Planalto Central Em tempos de desarranjo político como os que vivem agora o governo Dilma Rousseff, os partidos da base aliada e o Congresso Nacional, o primeiro esporte nacional é especular sobre uma possível reforma ministerial e sobre o balanceamento do poder na República, quem está prestigiado (de fato) e quem perde pontos. Estas são algumas cotações de momento no Planalto Central, a primeira coluna indicando quem caiu e a segunda indicando quem está subindo ou pode subir, segundo a percepção das raposas Federais do mundo político - ninguém como elas sabem que gabinetes frequentar : - 38 ministros - Aloizio Mercadante - Ideli Salvatti - qualquer político que não seja de oposição - Michel Temer - Michel Temer - Dilma Rousseff - Lula - Bernardo Figueiredo - Arno Agustín - PT - PMDB - João Santana - Franklin Martins - Guido Mantega - enorme espaço em aberto Isto não significa que os em baixa no momento serão substituídos em algum momento, como quer uma parte dos aliados com Lula em relação a Dilma. Nem mesmo que haja agora uma reforma ministerial, como alguns acreditam que poderá ocorrer até o fim do mês. Significa apenas que as panelas de fritura em Brasília estão ligadas em fogo alto e sem óleo. Dilma e seus amigos O presidente licenciado (e de fato) do PMDB, o vice-presidente Michel Temer está submetendo os deputados do partido em Brasília a um extenso questionário para medir a temperatura de turma em suas relações com o governo Dilma e os aliados, principalmente com o mais estridente deles, o PT. No rol das questões há uma intrigante para quem se diz aliado preferencial da presidente e aspira manter a coligação e o cargo de vice na recandidatura no ano que vem : "Você apoiaria a reedição da chapa Dilma-Temer para a eleição presidencial de 2014?". Num diapasão não muito diferente, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, do grupo do presidente Lula na legenda e em busca da reeleição para o comando partidário, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo" deixou escapar uma dúvida inusitada para o encarregado de organizar os palanques da presidente no ano que vem : "Ninguém sabe hoje quem apoiará Dilma em 2014". Em Brasília, os ouvidos mais atentos já registram o som de petistas de renome se referindo ao "governo Dilma" e não mais ao "nosso governo", como orgulhosamente denominavam a gestão da presidente até pouco tempo atrás. Vale a velha boutade : com amigos assim, Dilma não precisa de adversários na oposição. Leia mais em "As vozes roucas do lulismo" - José Márcio Mendonça - (Clique aqui) Os tropeços da oposição Nem só Dilma Rousseff em sua cruzada pelas urnas de 2014 está às voltas com os "muy amigos" que vicejam a seu lado. Os adversários também. 1. Eduardo Campos, apesar de todo o esforço, ainda não conseguiu sensibilizar os irmãos Gomes, os governadores da legenda e nem mesmo o vice-presidente do PSB para sua candidatura. No máximo, com a queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff alcançou uma trégua. 2. Aécio Neves viu ressuscitar o fantasma da candidatura José Serra, com aparelhos respiratórios ligados depois que uma pesquisa divulgada dias atrás apontou que o ex-governador paulista tem melhores índices de intenção de votos que o ex-governador e senador mineiro. 3. Marina Silva, se não está com nenhum inimigo dentro de casa desde que desistiu do Partido Verde ainda não conseguiu organizar alianças que lhe garantam um tempo maior na propaganda eleitoral obrigatória no rádio e na televisão. E olha que o problema mais grave da oposição não é nem mesmo essas divergências. O pior mesmo é a falta de ideias novas, práticas verdadeiramente factíveis, para enfrentar as dificuldades atuais do país. Se tem algo, além das críticas óbvias, estão escondendo tão bem que ninguém percebe. Assim, Dilma está ganhando tempo para tourear seus próprios demônios. EUA aumentam a tração, Brasil perde No Brasil, com as ruas mais quietas e com o BC agindo para conter a alta dos preços (também contida pela queda da atividade durante os protestos), os investidores ficaram mais calmos. Volatilidade em queda, preços dos ativos em alta. No cenário internacional dois são os destaques : (i) do lado positivo, os EUA persistem com indicadores cada vez mais positivos, mostrando que a atividade econômica sobe consistente e significativamente. Os resultados corporativos do segundo trimestre do ano estão aderentes aos indicadores macroeconômicos ascendentes, o que reforça a visão otimista para o mercado acionário daquele país; (ii) já a China transpira que a atividade econômica vai cair ainda mais e não está claro se este cenário estrutural levará a um crescimento inferior a 5%-6%. Como se sabe, o Brasil, com seu comércio de US$ 40 bilhões com a China, torce para que a queda da atividade econômica chinesa seja apenas pontual e nada intensa. Nesse momento em que o crescimento doméstico naufraga por conta da crise política e pela inércia governamental, o Brasil poderia, ao menos, contar com uma China mais comportada. Em momentos de otimismo fixe o olhar nas tendências Como temos seguidamente informado aos nossos leitores permanecemos negativos em relação à economia brasileira e ao desempenho dos principais segmentos do mercado financeiro. De um modo geral, acreditamos que o mercado acionário permanece caro e sem perspectivas positivas no curto prazo. O destino dos investidores é o mercado norte-americano. De outro lado, a taxa de juros básica deve subir mais um pouco, mas não será capaz de debelar a taxa de inflação elevada (ao redor de 6% para este ano), apesar da fragilidade da atividade econômica - acreditamos num PIB mais para 1% que para 2% neste ano. A vedete do mercado financeiro deve ser a moeda norte-americana, claramente em tendência de alta e carregando benefícios (exportações) e malefícios (inflação). Neste cenário, obviamente haverá momentos de otimismo : assim ocorrendo é hora de se desfazer de posições ruins e não alinhadas com as tendências estruturais. A pior coisa que pode ocorrer é permanecer "torcendo" para que a tendência daquele segmento de mercado reverta a favor da posição de investimento. Torcida é bom no campo de futebol e não no mercado financeiro. Radar NA REAL 12/7/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3068 estável baixa - REAL 2,2257 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 45.533,24 baixa baixa - S&P 500 1.680,19 estável/alta alta - NASDAQ 3.600,08 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 2 de julho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 252

Nem tudo são flores, nem tudo é tragédia - 1 São precipitadas a análises classificando como "devastadores" (ou avassaladores) os resultados das pesquisas do Instituto DataFolha apontando que os índices de popularidade da presidente Dilma Rousseff e suas intenções de voto desceram celeremente a ladeira, caindo respectivamente para 27 e 21 pontos em três semanas. Embora a presidente já tivesse perdido oito pontos percentuais numa pesquisa anterior, num espaço de três meses, ou seja, seu governo já estivesse sob observação da opinião pública, é inegável que o levantamento do DataFolha realizado na quinta-feira e na sexta-feira da semana passada foi obviamente influenciado pelo clima emocional criado pelas manifestações de rua dos últimos 25 dias. Tanto do ponto de vista da condução do governo e quanto das pretensões reeleitorais da presidente, os dados ainda mais quando lidos em toda a sua extensão (mostram, por exemplo, que a perda de prestígio é generalizada, não está centrada neste ou naquele segmento) - são preocupantes. Nem tudo são flores, nem tudo é tragédia - 2 No entanto, falta ainda muito tempo para a eleição e para o fim do mandato presidencial, espaço suficiente para que Dilma ponha sua administração no rumo e se recupere. A questão é saber se Dilma e seus assessores, depois do quase terror que os acometeu, estão fazendo a leitura correta dos acontecimentos, se estão encaminhando as soluções mais aconselháveis para o momento e, principalmente, se têm condições gerenciais e políticas de fazer as alterações de rumo que as ruas estão cobrando. Além disso, pode-se observar desde que o governo saiu do torpor inicial, a impressão é que o roteiro traçado não é o mais aconselhável. Primeiro, porque Dilma e os seus parecem acreditar ainda na força do marketing, do discurso e de cenas de liderança explícita como as reuniões que a presidente tem feito nos últimos dias para debater a situação e ouvir sugestões (ver nota abaixo). Ficou-se até agora mais nas intenções e no jogo de promessas que em providências práticas. Segundo porque o caminho prioritário escolhido não é o adequado para responder a tal 'voz rouca'. A presidente oferece uma reforma política, por entender, corretamente, que as passeatas exibiram a insatisfação da sociedade com o universo político e partidário nacional. Nem tudo são flores, nem tudo é tragédia - 3 Porém, a reforma política era uma questão subjacente na ruas. O movimento tem endereços mais certos. Simplificadamente, pode-se dizer que os manifestantes estão pedindo pão e a presidente está oferecendo a eles as sementes para plantar o trigo e nenhum instrumento mais. A reforma política é projeto de médio e longo prazo e de resultados para lá de distantes. As ruas pedem o aqui e agora - sinais imediatos de uma vida que vai melhorar. A pesquisa DataFolha indica com precisão onde está o nó : a avaliação positiva da condução da economia caiu de 49% para 27% ; a expectativa de que a inflação vai aumentar continua subindo : passou de 51% para 54% ; para 44% o desemprego vai crescer, ante 36% na pesquisa anterior ; e para 38%, o poder de compra do salário vai cair - antes eram 27%. Repetindo o que já escrevemos anteriormente : foi este o combustível - nada secreto - que levou os cidadãos/eleitores às ruas. Diante desse quadro, investir energia num tal plebiscito para sondar a população sobre os termos de uma reforma política de resultados etéreos pode ser um erro fatal de Dilma para suas futuras pretensões. Pode deixar o seu governo como um pato manco faltando um ano e meio para o fim de seu mandato. A conta já está chegando Algumas áreas oficiais já demonstram preocupação sobre os efeitos que os movimentos populares, somados a algumas reações pavlovianas e populistas de certos governantes (suspender a rodo, por exemplo, os reajustes de tarifas) possam ter sobre os planos de governo de atrair grande número (e de qualidade) de investidores para a ambiciosa rodada de leilões para concessões de serviços de infraestrutura e de exploração de petróleo marcada para o segundo semestre. Nos últimos dias cresceu muito a busca por parte de empresas e investidores de informações sobre a situação do país, o real alcance das passeatas, o clima político, a sustentação do governo e as formas como ele responderá às pressões das ruas. Outro problema já colocado na mesa para a presidente está na sua relação com o Congresso Nacional e os partidos aliados. Percebendo a "fraqueza" da presidente neste momento, eles se preparam para tirar proveito da situação. As cobranças e exigências serão maiores, ainda mais depois que Dilma botou na roda a reforma política, uma mudança que todos na política apregoam querer, mais ninguém deseja de fato. Finalmente, mais lenha foi colocada na fogueira do "Volta Lula", cada vez mais entoado dentro do PT e cada vez mais audível apesar do sincero esforço do ex-presidente para calar esta algaravia. O estilo Dilma O esforço da presidente para atrair a simpatia para as ações que pretende empreender para responder aos apelos das passeatas, nas reuniões que está realizando em Brasília, pode estar se perdendo no modo como Dilma se comporta e trata os interlocutores. Apesar das dificuldades, a presidente não abandona seu estilo, em poucas palavras, autoritário e arrogante, algo já celebrizado em Brasília. Os governadores e prefeitos das capitais, segundo descrição de muitos deles, entraram mudos e saíram quase calados do encontro convocado pela presidente para, oficialmente, trocar experiências. A reação dos jovens representantes do tal "Movimento Passe Livre" foi de dizer que a presidente está despreparada para tratar do assunto da mobilidade urbana. Com os presidentes das centrais sindicais, Dilma falou ininterruptamente durante 40 minutos, deixou um pequeno espaço para a opinião deles e encerrou a reunião de forma abrupta, sem dar a atenção que eles esperavam às suas reivindicações. PMDB magoado, lamúrias do PT O PMDB ainda está um pote cheio de mágoa porque não foi cheirado nem ouvido, especialmente o vice Michel Temer, sobre a ideia do tal plebiscito para a Assembleia Constituinte exclusiva, aberração jurídica já abandonada. O PT também curte suas lamúrias pelos cantos, pelas mesmas razões do PMDB - não influencia o governo como de fato gostaria. Com um agravante : dele serão cobrados os maiores sacrifícios, sem direito a choro nem vela. Desse modo, Dilma está cada vez mais apegada apenas a seus auxiliares de fé, que até aqui não têm se mostrado os conselheiros mais atilados. Haja vista o vexame do Constituinte exclusiva de um lado e os passos trôpegos da economia de outro. Um plebiscito delicadoEm tempo, foi abortada, segundo voz corrente por influência principalmente do vice-presidente Michel Temer, a insana ideia (curioso : até agora não apareceu o pai ou a mãe) da Constituinte exclusiva para votar a reforma política convocada por um plebiscito. Trocou o plebiscito da Constituinte por um plebiscito sobre os próprios termos da reforma, proposta menos afrontosa juridicamente e mais palatável politicamente. Mesmo assim não é algo fácil de operacionalizar, totalmente livre de riscos. Ainda que, segundo o DataFolha tenha o apoio de 68% dos entrevistados em sua última pesquisa. E esteja sendo aplaudido de público (nos corredores é outra coisa) por praticamente toda a base aliada. Uma coisa é a teoria e o discurso, outra o mundo real O senador Francisco Dornelles, do PP do RJ, fez um cálculo preliminar e chegou à conclusão que o eleitor no plebiscito teria pelo menos 29 hipóteses a analisar apenas de quatro dos itens de comporiam a reforma. O cálculo está subestimado. Uma reforma política que se pretenda minimamente séria teria de abordar pelo menos estas questões: (1) voto obrigatório; (2) cláusula de desempenho ou de barreira; (2) recall; (3) fidelidade partidária; (4) o instituto da reeleição para o executivo; (5) limitação de reeleição para o legislativo; (6) proibição de coligações em eleições proporcionais; (7) extinção dos suplentes de senadores; (7) financiamento de campanha; (8) sistema de eleições, se proporcional ou não; (9) a proporcionalidade nas representações estaduais. Esta é uma lista ainda incompleta. São temas extremamente complexos, a maioria deles com diversas opções de perguntas e respostas. Como fazer isto com segurança e sem manipulações ? Ainda mais no tempo exíguo que a presidente Dilma deseja : até 5 de outubro, para poder valer nas eleições do ano que vem. Pode gerar um novo monstrengo institucional com aparências de legalidade. Assim é mais fácil Há quem esteja vendo na atuação de oposição diante da crise uma grande demonstração de maturidade política e de responsabilidade institucional. Com exceções, faz críticas, algumas até contundentes, apresentou até uma espécie de agenda para enfrentar os problemas mais prementes, mas não está esticando a corda, explorando principalmente o infortúnio que bate à portas do Palácio do Planalto. De fato, tem sido de rara sensatez. Porém, está beneficiada pelo fato de não estar no olho do furacão, tirante no caso de alguns prefeitos e governadores de suas legendas, não tem responsabilidade direta e imediata a respeito de nada do que esta incomodando a população. Assim, fica mais fácil assumir a posição que os oposicionistas estão assumindo. Mas eles não estão assim tão isentos de serem atingidos pela onda. Afinal, fazem parte do mesmo mundo da política tradicional que as ruas estão condenando. Vão precisar mostrar que já mudaram e que podem fazer de fato de modo diferente. Não é à toa que os maiores beneficiados com a queda de Dilma nas pesquisas das intenções de votos sejam duas pessoas não totalmente identificadas com a política que "está aí" : a ex-ministra Marina Silva e o presidente do STF, Joaquim Barbosa. Amigos, amigos, economia à parte Não há uma crise nem um confronto, pelo menos ao que se sabe, mas é cada vez mais distinta a visão que o Ministério da Fazenda e o BC têm no momento da economia brasileira. Mesmo menos entusiasmado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, continua dando luz à sua visão rósea da situação econômica, garante que a inflação e as contas públicas estão sob controle e que o PIB vai subir pelo menos 3% em 2013. No outro extremo, o BC optou por aderir ao realismo (não fantástico) : baixou sua previsão para o PIB do ano para 2,7% e elevou a de inflação para 6%, bem distante do centro da meta oficial de 4,5%. E para completar pespegou o selo de expansionista na política fiscal. Para acompanhar com mais segurança o comportamento das contas públicas, passou a observar, como mostra num anexo do Relatório Trimestral de Inflação, o conceito de "superávit primário estrutural". É o velho de guerra superávit primário (receita menos despesas desprezados os gastos com os juros) expurgado de receitas e despesas extraordinárias, tais como entrada de recursos não previstos nos cofres públicos e a já manjada contabilidade criativa. É importante saber com qual das duas visões a presidente Dilma Rousseff está comungando. Afinal, é ela a verdadeira ministra da economia e é de sua cabeça que saem as decisões. Os números não mentem A presidente Dilma Rousseff e o ministro Guido Mantega insistem que a política fiscal (gastos públicos) está absolutamente sobre controle. Não é o que acredita o BC : nos seus últimos comunicados - o mais recente semana passada, o Relatório Trimestral de Inflação - a autoridade monetária classifica esta política como expansionista, isto é, gastadeira. E não é o que mostram os números do desempenho das contas públicas até maio : - em 2012, a receita foi de R% 360 bilhões, em 2013, R$ 387,3 bi - um aumento de 7,3%. Mas a despesa subiu mais : 12,8% (R$ 314 bi em 2012 contra R$ 354 bi em 2013). - as despesas com a previdência saltaram de R$ 122,1 para R$ 139,4 bilhões, um acréscimo de 14,3%. - os gastos com pessoal também subiram : R$ 74,1 bi para R$ 80,0 bi, mais 7,1%. - as despesas de custeio (as da máquina administrativa) quase explodiram : de R$ 58, 3 bi para R$ 72 bi, aumento de 23,5%. - os investimentos também subiram, porém muito menos : 2,3%, de R$ 26,2 bi para R$ 26,4 bi. Brigar com os números não é a melhor receita para retomar a confiança na política econômica. O que se espera de fato Não se pode mais imaginar um crescimento do PIB de 3%. Estamos, de fato, caminhando para algo entre 1% e 1,5% nesse ano. Um resultado que reflete toda a incompetência governamental para ligar com expectativas e ambições do setor privado, esse patinho feio que o governo construiu intramuros. Ademais, a queda dos preços das commodities e a saída de recursos externos apontam para um câmbio bem mais para R$ 3,00 que R$ 2,00. A queda do Ibovespa, já na casa de 25% este ano pode atingir mais de 50%. O Brasil perdeu a onda externa favorável por força da incompetência do governo, em larga medida, e pela vaidade dos moradores dos palácios de Brasília. Os mensaleiros no telhado Está se esfumaçando a esperança dos mensaleiros e seus patrocinadores jurídicos de conseguirem no STF a redução de suas penas e, para alguns, livrar-se até de um período atrás das grades. A expectativa positiva dos condenados na AP 470 - alguns pensavam poder até se livrar totalmente da pena - era plausível até um mês atrás, antes do início das passeatas por todo o país. Os sinais de mudança do ambiente são claros : 1. A rapidez, depois de um tempo em convalescença, do STF de encerrar o julgamento, por corrupção, do deputado Natan Donadon (PMDB/RO) e mandá-lo para a cela da penitenciária da Papuda. O Supremo demorou um tempão para julgar os embargos apresentados pelos advogados do deputado, condenado a 13 anos de reclusão em regime fechado. 2. A presteza, maior ainda, da Câmara dos Deputados em abrir o processo de cassação do mandato de Donadon - segundo o desejo do presidente Henrique Eduardo Alves tudo estará terminado antes do recesso parlamentar o meio do ano. 3. A popularidade, cada vez maior, do presidente do STF, Joaquim Barbosa. Barbosa só se tornou uma figura pública admirada e aplaudida depois de sua ação durante o julgamento do mensalão. 4. As declarações do mais novo ministro da corte, Luís Roberto Barroso, no dia sua posse, dizendo que não se pode ficar surdo aos apelos da população. Antes, na sabatina no Senado, Barroso havia dito que o julgamento do mensalão havia sido um ponto fora da curva, o que encheu de esperança os condenados e seus defensores. 5. Para completar, o PT e o ex-presidente Lula, pelo menos publicamente, cada vez se envolvem menos no assunto, provavelmente para evitar desgastes eleitorais. Teste de sinceridade O Congresso e o governo terão esta semana a oportunidade de comprovar na prática suas juras de fidelidade aos anseios e necessidades da população na prática, sem demagogia. Deve ser colocado na pauta de votação do Legislativo um projeto que acaba com a multa de 10% no Fundo da Garantia por Tempo de Serviço dos trabalhadores demitidos sem justa causa, além dos 40% de praxe, dinheiro que vai diretamente para o assalariado. Esse adicional foi criado há alguns anos para ajudar nas contas do FGTS e aumentar os recursos para o financiamento imobiliário. Deverá render este ano R$ 3 bilhões ao Tesouro Nacional. É um custo para as empresas, já quase degoladas nas suas responsabilidades fiscais e trabalhistas, e não beneficia, nem indiretamente, o trabalhador. O dinheiro não está sendo incorporado ao FGTS, mas usado para engordar o superávit primário de responsabilidade do governo Federal. Com a corda no pescoço nas suas contas, para não perder esta receita o governo vai tentar apresentar uma emenda ao projeto a ser votado mantendo a multa adicional de 10% destinada agora ao "Minha Casa Minha Vida". Radar NA REAL 28/6/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3057 estável baixa - REAL 2,2206 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 47.457,13 baixa baixa - S&P 500 1.606,28 estável/alta alta - NASDAQ 3.403,25 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 25 de junho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 251

Primeiro, a eleição, depois os fatos - 1 "O diabo nas ruas, no meio do redemunho" (João Guimarães Rosa, "Grande Serão Veredas") A presidente Dilma Rousseff e seus conselheiros, formais e informais, demoraram mais de uma semana para perceber que o ruído que saía das ruas era muito distinto de um barulho como o das caxirolas que um dia, imprudentemente, ela resolveu tocar em pleno Palácio do Planalto com o músico baiano Carlinhos Brown. Era um barulho político, no seu melhor sentido. Quando o Planalto percebeu o que estava a ocorrer, depois das manifestações da segunda-feira da semana passada, tocou no diapasão errado. Em lugar de mobilizar seu governo para tentar entender o fenômeno e apresentar algumas respostas razoáveis às ruas, tentou em "caco" incluído num discurso sobre o Código de Mineração. Em seguida, partiu para SP para reunir-se com seu comitê eleitoral : o ex-presidente Lula, o ministro (nas horas vagas) da Educação, Aloizio Mercadante, o presidente do PT, Rui Falcão, e o ministro (sem pasta) de Assuntos de Propaganda, o marqueteiro João Santana. Não é, de modo algum, embora Lula palpite sobre tudo no governo de sua pupila, o grupo mais adequado para discutir as questões postas pelas ruas. Primeiro, a eleição, depois os fatos - 2 Era óbvio que a preocupação, naquela altura, era com os estragos que as passeatas poderiam causar nos planos reeleitorais da turma. A turma reeleitoral ainda demorou mais dois dias - somente depois das agitações de mais de um milhão e meio de pessoas nas ruas na quinta-feira - para perceber a gravidade do problema. Para perceber que o que estava no ar, muito além das reivindicações pontuais, era uma completa condenação do modo de fazer política e de gerir a coisa pública no Brasil, sem distinções partidárias e de credos. Mais uma vez, porém, Dilma reagiu pelo lado errado. Foi certa, por óbvia, a decisão de fazer o chamado "pronunciamento à Nação". O dito foi apenas correto, protocolar. Mas, há ressalvas : (i) tenta passar, sem tanta sutileza, a maior responsabilidade pelo que não foi feito até agora e está sendo cobrado nas ruas para o Congresso Nacional, os governadores e os prefeitos ; (ii) como não acenou com propostas objetivas, o discurso pareceu um requentado do que está parado em algum lugar dos escaninhos públicos ou promessas de longa duração ou difícil aplicação. Soluções para agora ? Falar em reforma política no Brasil soa como tergiversação. Se nossa memória não nos falta, quem primeiro falou sobre o assunto foi Dom João VI. Por ora, basta ver o projeto que anda hoje no Congresso, melhor que não venha, pois está mais voltado para os interesses dos partidos e dos políticos do que da população. Será mais um entrechoque entre representantes e representados. Relembrar a proposta de destinar obrigatoriamente 10% dos royalties do pré-sal não traz soluções imediatas. Esses royalties vão demorar a entrar em grande quantidade nos cofres públicos. O dinheiro que pode entrar agora, como o pagamento pela concessão do campo de Libra, cujo leilão está previsto para outubro, vai ser reservado para ajudar a cumprir a meta de superávit primário deste ano. O mundo político, governo central à frente, parece não ter percebido que o movimento popular trazia em seu bojo um inescapável sentido de urgência. As respostas terão de ser rápidas. Há poucos meses, num discurso no Nordeste, a presidente Dilma disse que para se ganhar uma eleição era admissível "fazer o diabo". O diabo que está agora nas ruas, "no meio do redemunho" não é certamente o que ela pretendia despertar. "É sempre uma questão eleitoral", por José Márcio Mendonça - clique aqui "Perplexos, atônitos, bestializados", por José Márcio Mendonça - clique aqui E agora, o pacto No terceiro acorde (ou terceira reação) o tom ficou também abaixo do necessário. A proposta de um pacto de cinco pontos, feita depois de uma reunião com 27 governadores, 26 prefeitos de capital e um punhado de ministros e assessores foi aplaudida por quem já estava com as mãos prontas e coçando para bater palmas. As primeiras reações externas (deixe-se a oposição de lado) se não foram de ceticismo, foram de expectativa. Ficou-se ainda no terreno dos compromissos, das promessas. De nada que foi dito ficou-se sabendo o "como fazer". E de muita coisa nem bem o que se propôs de fato a fazer-se. A questão apresentada como o ponto central do pacto, o plebiscito para uma constituinte exclusiva para a reforma política, por exemplo : ficaram dúvidas sobre a viabilidade jurídica e sobre sua viabilidade política. E é desnecessária : o Congresso tem poder constituinte e o governo tem ampla maioria para aprovar o que bem entende por lá. Uma proposta dessas, mesmo que viável, jogaria a reforma somente para 2016 - ano que vem para eleger os constituintes, 2015 para aprová-la. E como as ruas mostraram, as questões postas na mesa são um pouco mais urgentes. O mesmo se pode dizer sobre o pacto fiscal, ou de ajuste fiscal. Ele já exista há anos, nas metas de superávit primário. Porém, de uns tempos para cá, deixou de ser cumprido de fato, maquiado por uma contabilidade altamente criativa. Até o BC tem sido cético em relação a ele em suas últimas manifestações oficiais, como na mais recente ata do Copom. Cumpri-lo é uma questão de convicção. Pacto nenhum obriga ninguém a fazê-lo. A pressa dos ministros escalados para explicar depois o que estava decidido, tentando livrar-se rapidamente dos repórteres no Palácio do Planalto, com respostas confusas e repetitivas, é o indicador mais claro de que o pacto de cinco pontos ainda está no terreno da comunicação apenas. Sem respaldo da economia Conforme já dissemos nas colunas das últimas semanas, o cenário econômico do Brasil piorou sensivelmente do ponto de vista das expectativas e observados alguns fundamentos. A economia está atolada num processo inercial de crescimento entre 2%-3% no máximo, fruto da ausência de competitividade sistêmica do país (custo de mão de obra, elevados impostos, incipiência tecnológica, educação ruim, criminalidade alta, etc.), da fraqueza estrutural do desenvolvimento industrial e da dissociação da pauta política e econômica. Além da palidez da equipe econômica, da Fazenda às empresas públicas, passando pelo Ministério do Planejamento e o BNDES. O cenário atual será caracterizado pela desvalorização do real (e seus consequentes efeitos inflacionários), por um crescimento do PIB próximo de 2%, por uma situação fiscal sem maiores riscos, mas com deterioração qualitativa das contas públicas e por uma política monetária relativamente dependente dos humores do Palácio do Planalto. Falta à política econômica credibilidade interna e externa. Risco Brasil Até agora não houve, da parte dos investidores, mudança substantiva na avaliação de risco soberano do Brasil em função das manifestações ocorridas na semana passada. Diante de tanta perplexidade em relação à evolução das manifestações públicas na semana passada é improvável que o risco país do Brasil sofra alterações no curto prazo, por parte das agências de avaliação de risco (rating agencies), mesmo porque o nível das reservas internacionais é satisfatório e a deterioração fiscal não implicou em um aumento substantivo do endividamento público. Todavia, a continuar o ambiente político conturbado, a preocupação dos investidores, sobretudo externos, haverá de influenciar decisivamente a visão das agências em relação ao Brasil. Note-se que, mesmo que as rating agencies estejam sob forte ceticismo desde a crise de 2008, a nota dada aos países tem forte influência sobre a avaliação do risco no mercado de títulos. Risco China Não é apenas o Brasil que está com o mercado acionário prejudicado. Quase todos os países emergentes estão com os seus mercados acionários com desempenho anual negativo. Esta conjuntura deve provavelmente se acentuar nos próximos meses em função da queda da atividade da economia chinesa. O BC daquele país está emitindo sinais claros de que está reduzindo os riscos na área de crédito do sistema financeiro, bem como está apertando a política monetária. De fato, tenta um "pouso suave", o que é sempre difícil de se realizar, pois as expectativas dos agentes acaba por "acelerar tendências" e não suavizá-las. O momento é particularmente de risco para a China e os emergentes não apenas por este motivo. Há, adicionalmente, a questão da transparência das contas públicas e dos bancos estatais chineses. Muitos analistas e investidores têm severas dúvidas sobre a credibilidade das autoridades chinesas no que tange a este tema. Mesmo que poucos se arrisquem a vir a público para discuti-lo. Medo das reações do regime comunista de Pequim. Risco EUA Foi a melhora substantiva dos indicadores macroeconômicos da maior economia do mundo que fez com que o presidente do FED anunciasse o fim dos (enormes) estímulos monetários usados para recuperar a economia norte-americana. A reação imediata dos diversos segmentos do mercado foi negativa. Ações caíram, títulos de renda fixa tiveram suas taxas majoradas e o dólar se fortaleceu. Efeitos de curto prazo à parte, são boas as chances da economia continuar se fortalecendo. Assim sendo, a queda das ações são oportunidade de compra. Para o Brasil o maior risco, conforme já analisamos em colunas das últimas semanas, é a valorização do dólar que põe combustível na inflação brasileira, mesmo que ajude no médio prazo as exportações. Quando vai parar ? É provável que os atuais movimentos arrefeçam a partir desta semana, exceção para algumas manifestações já marcadas. Não há fôlego para manter pessoas permanentemente mobilizadas. É a natural fadiga de materiais. Porém, há sinais de que a chama não se extinguirá tão facilmente por uma simples razão : o despertar, apesar de induzido pela campanha contra o aumento das tarifas de transporte urbano, teve várias motivações. Foi um grito (para lembrar um velho lema petista) contra "tudo que está aí". Portanto, pode voltar quando outras coisas desagradáveis entrarem no ar. E há um grande leque de "motivações" no gatilho : a conclusão do julgamento do mensalão, a PEC 37, uma proposta que tenta também submeter decisões do STF ao Congresso, manobras para diminuir os efeitos da lei da ficha limpa, a tentativa fisiológica de dificultar o nascimento de novos partidos... E, naturalmente, o mal estar com a economia. O que fazer ? De todas as respostas que o governo precisa dar ao clamor das ruas nenhuma é mais urgente que combater os desarranjos da economia. As questões políticas são um tanto quanto fluídas, embora mereçam atenção, a razão econômica é material. Se o ambiente econômico estivesse melhor, com a inflação mais comportada, se não houvesse um sentimento generalizado de medo de perda do poder de compra e consumo, talvez as manifestações das duas últimas semanas não tivessem ganhado as proporções que ganharam. A expectativa é saber como o governo vai atacar nesse front. Não foi sem razão que na esteira das passeatas, Brasília andasse povoada de boatos sobre possíveis alterações na equipe econômica, muito especificamente do ministro Guido Mantega. É improvável que Dilma, por tudo que se conhece dela, vá tomar uma atitude dessas. Mas a disseminação da boataria indica as dificuldades que o governo está tendo - e elas são anteriores aos movimentos populares - de dar respostas aos desarranjos que apareceram na política econômica. "Menas", Lula, "menas"... As confusões dos últimos dias, quando a presidente teve de correr a SP para se aconselhar mais uma vez com o ex-presidente Lula, mais uma vez comprova a "dependência" que Dilma tem. Não foi a primeira vez que Lula teve de dar a mão à pupila. Provavelmente, não será a última. Porém, Lula faz questão, direta ou indiretamente, de mostrar que esta "dependência" existe. Esta exibição de influência acaba por prejudicar a presidente, pois admitam os amigos dela ou não, enfraquecem a posição do Palácio do Planalto. E causam confusão. A conversa de Lula com o ex-presidente do BC, Henrique Meirelles, em plena efervescência das ruas, por exemplo, ajudou a alimentar os boatos da substituição de Guido Mantega no Ministério da Fazenda. Sem contar que o ex-presidente reuniu-se com os líderes das centrais sindicais para ouvir deles queixas contra o tratamento que recebem da presidente. Nada mais inoportuno. Sem contar que o Instituto Lula é também o desaguadouro das lamúrias petistas. Não é à toa que o coro de "volta Lula" está ficando mais encorpado. Para gosto do lembrado. Um mar de especulações Na onda de descontentamento da presidente Dilma com os percalços de seu governo na economia e em outros campos, como no Congresso, ampliados pela "voz rouca das ruas", Brasília está tomada por um vagalhão de especulações a respeito de uma reforma ministerial que ela fará em breve. A oportunidade seria o recesso do Congresso Nacional, a partir de 15 de julho (se os parlamentares aprovarem a lei de diretrizes orçamentárias para o Orçamento de 2014) e, naturalmente, o arrefecimento das manifestações populares. Afinal, reza um ditado da política nacional, governo não age pressionado. Uma bobagem, age sim. Haja vista, no caso Dilma, a série de demissões no início do governo levadas pelas denúncias de irregularidades envolvendo nada menos que sete ministros, todos devidamente mandados então para casa. Dilma aproveitaria a ocasião para tentar dar mais eficiência gerencial à sua administração, livrar-se de auxiliares pouco efetivos e melhorar sua interlocução com o Congresso e alguns setores da sociedade - agentes econômicos e movimentos sociais e sindicais. Dilma também anteciparia a saída de alguns ministros que em abril de 2014 devem sair para concorrer a governos estaduais. Imagina-se que 14 deles estariam na boca de espera. Inicialmente esta mudança está prevista para o fim do ano. Antecipada, Dilma já teria a equipe com que pretende terminar este mandato e lugar por mais quatro anos no Palácio do Planalto. A partir desse pano de fundo, há especulação para todos os gostos. O primeiro nome especulado é o do ministro Guido Mantega, da Fazenda, pela óbvia necessidade de o governo recuperar a confiança das chamadas classes produtoras e do dito mercado financeiro. Foi o que provocou os boatos da ida de Henrique Meirelles para o Ministério (ver nota acima). É improvável, por enquanto, ainda mais com Meirelles, mas ajustes na equipe econômica são bem viáveis. Há sinais de fumaça dando indicações de que Aloizio Mercadante, cada vez mais um assessor político e eleitoral da presidente e cada vez menos um ministro da Educação, poderia ser transferido para a Casa Civil, para melhorar a coordenação do governo e relações do Palácio com o Congresso e os partidos. Esta especulação já andou no ar no início do ano e é tudo que Mercadante quer. Gleisi Hoffmann voltaria ao Senado, onde assumiria uma das lideranças do governo, ou a do Senado ou a do Congresso, tidas como pouco eficientes. Ela ficaria com mais tempo também para preparar sua candidatura ao governo do PR. Dá-se também como possíveis beneficiários de um bilhete azul o secretário geral da presidência da República, Gilberto Carvalho e o chefe da ABIN, general José Milito. O primeiro por falhas na interlocução com os movimentos sociais e o segundo por falhas na detecção das insatisfações populares. O terreno é ainda de meras especulações, mas que há fumaça há e não de pneus queimados por manifestantes contra os aumentos de transportes ou contra os gastos com a Copa do Mundo. Não viu quem não quis A insatisfação contra o mundo político e burocrático que explodiu nas praças, ruas e avenidas nos últimos dias já estava latente há algum tempo e só não viu seus sinais quem não quis. Um deles foi dado nas eleições municipais de 2012, na qual tivemos um recorde de não votantes nos últimos anos no país : o total de votos brancos, nulos e abstenções (ou seja, de quem rejeitou todos os candidatos e partidos) chegou a quase 40% do eleitorado inscrito para votar. Outro dado : caiu para menos da metade, desde que esta possibilidade foi incluída em nossa legislação eleitoral, o número de jovens com idade entre 16 e 18 anos, que tiraram seu título de eleitor. Votar nesta idade é facultativo e o interesse deles diminuiu. Não é preciso perguntar a razão. Silêncio constrangedor Nunca se viu tanto tão falantes políticos calados como nesses dias, a começar pelo ex-presidente Lula que fala muito em gabinetes a portas fechadas. Os que se arriscaram, partiram para obviedades - ou bobagens. Mas nada mais constrangedor nesse quadro do que o silêncio da oposição, a mostrar que tanto quanto o governo em Brasília ela não esperava o que se passou e não sabe o que fazer. Esqueçam o que eu escrevi É comovente ver o esforço de um grupo de economistas de peso para reescrever o que disseram nos últimos tempos sobre a política econômica levada adiante nos últimos anos e para explicar porque ignoram sinais de que a inflação não era apenas um soluço, porque não viram a "contabilidade criativa" que minava a política fiscal e porque não perceberam que a política cambial estava matando a indústria, porque não sentiram que havia um exagero na política de crédito de fato e incentivo ao consumo e outras coisinhas mais... Radar NA REAL 21/6/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3108 estável baixa - REAL 2,2306 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 47.056,04 baixa baixa - S&P 500 1.592,43 estável/alta alta - NASDAQ 3.357,25 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 18 de junho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 250

Ler para entender - 1 Já deu para se ler e ouvir um pouco de tudo a respeito das manifestações de rua em SP, RJ e outras cidades brasileiras, tendo como motivação o aumento das tarifas de transportes públicos. Condenações ao "vandalismo" dos manifestantes e/ou à "violência" policial, tentativas de entender "sociologicamente" o explodir de movimentos sociais comandados, aparentemente, pela juventude, etc. e tal. Porém, vale também uma interpretação mais chã. E quem não souber ler o que está escrito nessas estrelas, pode afogar-se em urnas. Quem se deu à paciência (e a certa coragem) de passar, mesmo que um tanto distante e discretamente, pelas proximidades das manifestações em SP pode perceber claramente, especialmente na quente quinta-feira, que lá não estavam mais apenas os organizadores e propagadores, jovens estudantes. Havia povo, sim, no meio. Ler para entender - 2 É obtusidade córnea ou má fé cínica (lembrando Machado de Assis) acreditar que evento de tal magnitude (e crescente) seja sustentado apenas por um aumento de 20 centavos na passagem de ônibus. Para o "povão" esse dinheiro faz falta, mas não motivaria saída às ruas. Para os jovens de classe média, menos ainda. O fato real é que há um sentimento ainda difuso de insatisfação, temor do futuro que criou o caldo de cultura para as manifestações ainda em curso. E outras que começam a aparecer, como o que ataca os gastos com a Copa do Mundo. A vaia que a presidente Dilma Rousseff recebeu sábado em Brasília na festiva abertura da Copa das Confederações é galinha do mesmo balaio. É alerta para os governantes de todos os quadrantes nacionais. Esta sim é uma questão política real. Ver para entender - 1 A presidente Dilma Rousseff, com seus consultores para questões político-eleitorais, criaram o mantra de um "terrorismo informativo" para explicar esse clima de insatisfação que tomou conta de certa parte da sociedade brasileira e ficou explicitado na queda de avaliação de seu governo, segundo a mais recente pesquisa DataFolha. Traduzindo : a oposição e os meios de comunicação exageram no pessimismo ao pintar as dificuldades econômicas presentes e acabam influenciando a opinião pública. A realidade, segundo o observatório do Palácio do Planalto, é bem distante : tudo vai bem, no melhor dos mundos possíveis. Se elas existem, são facilmente contornáveis. Ver para entender - 2 A realidade, segundo o observatório da planície, é um pouco distinta. Para a maioria da população - que segundo a interpretação abalizada do ex-presidente Lula não lê jornais - é sentida por outra métrica : o que ela gasta no caixa de supermercados e nas barraquinhas das feiras. Este é o mundo real e ele não está nada cor de rosa. Nem sempre é inteiramente refletido nos índices de inflação - sempre uma representação dos preços médios em geral. Para quem gasta quase tudo que ganha para morar, comer e se deslocar para o trabalho, os preços estão muito mais salgados. Talvez fizesse bem à turma dos gabinetes um "choque de realidade" andando pelas ruas. Quem não souber ver, vai pagar caro - nas urnas. Mudar é difícil É cada vez maior o número de economistas, simpáticos ou não simpáticos ao governo, receitando mudanças nos rumos da atual política econômica de Dilma. São propostas de mudanças substanciais, como uma maior atenção aos gastos públicos, que correram muitos frouxos desde a campanha eleitoral de 2010. Mas, parece difícil que alterações radicais venham a acontecer, além de alguns ajustes superficiais e da ação isolada do BC, por três razões : 1. O governo não parece convencido de que está errado e que precisa mudar. 2. Alterar profundamente o que estão em curso é confessar que a política adotada até agora foi um fracasso. Não é do perfil de Dilma. 3. As mudanças podem exigir sacrifícios e um tempo de maturação longa, o que não combina com o timing eleitoral do Palácio do Planalto. De outro lado, porém, não ousar pode significar uma deterioração mais rápida do ambiente econômico e, em consequência, também do político. É uma equação realmente complicada de ponderar quando o grande horizonte que se tem é o eleitoral. Ver para crer - 1 A presidente Dilma Rousseff, diante do clima econômico existente, tem insistido que a inflação e as contas públicas estão sob controle. O ministro da Fazenda (e arauto do otimismo oficial) diz o mesmo e na semana passada garantiu que o governo entregará um superávit primário este ano de 2,3% do PIB. É o recado da busca da austeridade fiscal abandonada e da confiança perdida. Os agentes econômicos, porém, não estão comprando tais afirmações pelo valor de face. Até porque nas duas últimas semanas o governo tomou algumas decisões que vão na direção de mais gastos que de mais poupança. Relembrando : dinheiro do Tesouro para capitalização do BNDES e da Valec, recursos do Tesouro para a Caixa Econômica bancar subsídio do programa "Minha Casa Melhor", verbas para o BNDES antecipar ao Tesouro Nacional receitas futuras de Itaipu. Ver para crer - 2 O discurso não bate com a prática e o mercado está esperando ver de fato para crer. Confiança não se conquista - ou se reconquista - apenas no gogó. É preciso também ações. O governo precisaria agir com vontade em três frentes para recobrar a confiança da sociedade que está se esvaindo : 1. Acertar sua vida política com o Congresso e com os aliados. 2. Ser mais firme na política econômica, especialmente na questão dos gastos públicos. 3. Mostrar mais eficiência gerencial e executiva. Impressões que ficam Observadas as últimas semanas, a imagem da Administração, no Brasil e no exterior sofreu revezes substantivos e levam a concisas conclusões : 1. O governo está perdendo a capacidade de iniciativa e liderança na agenda nacional; 2. O governo está cada vez mais refém da sua própria base aliada, mesmo que a oposição não lhe cause maiores percalços; 3. A imagem da presidente como "gerente eficiente" não passa de uma caricatura. 4. O Brasil não é mais estrela no cenário do mercado financeiro. Este lugar é dos EUA. Está batendo a saudade Foi só o governo vacilar no Congresso Nacional e a economia brasileira apresentar alguns solavancos para as paredes partidárias, mormente do PT, começaram a entoar o canto de "volta Lula". O ex-presidente, no entanto, parece alheio a tal burburinho. Parece cada vez mais distante do Lula que pensava um dia voltar à presidência e acompanhou com indisfarçável alegria o movimento de alguns companheiros, quando ele ainda estava na presidência da República, para aprovar a emenda do terceiro mandato consecutivo. Há razões objetivas para isto, que não estão ligadas a seus já vencidos problemas de saúde : 1. Admitir a candidatura é admitir o fracasso de sua aposta em Dilma e isto seria cobrado nos palanques. 2. Lula está ainda em lua de mel com o eleitorado de vez que as marolas da economia no momento não atingiram seu prestígio. Por que ele sairia desta zona de conforto ? 3. A pesquisa DataFolha mostrando que ele poderia perder uma eleição para Geraldo Alckmin em SP indica que mesmo nos melhores horizontes há nuvens perigosas. Para Lula hoje é Dilma ou Dilma, até porque o PT não tem outra opção e os parceiros não são tidos como dignos de ocupar este lugar. Por isso ele está trabalhando como nunca nos bastidores para armar o melhor dos mundos para Dilma. Esperando, esperando... Há informações de que Eduardo Campos e Aécio Neves têm se falado com alguma frequência, assim como assessores dos dois têm se encontrado. Anuncia-se que o governador pernambucano e o governo mineiro terão um encontro aberto, público, na semana que vem. O recado que eles pretendem passar é claro : se o governo e seus aliados apertarem demais o pescoço dos adversários, a união entre eles será inevitável. Agora eles estão "em compasso de espera" : para ver como o governo vai agir com ele e também com Marina Silva e para ver o que vai dar na economia. Não vão esticar mais a corda e centrar suas críticas na condução da economia. Mas, segundo interlocutores dos dois, com cuidado para não parecer que estão torcendo pelo fracasso da política econômica. Pepinos à vista Não são poucas as pedras que o Congresso Nacional pode atirar nos próximos dias em direção ao Palácio do Planalto. Resumidamente : 1. A discussão da nova forma de votar os vetos presidenciais e a votação de alguns deles - o dos royalties do petróleo, os do novo Código Florestal e os da lei dos portos. 2. A votação da proposta que extingue a cobrança adicional de 10% de multa do Fundo da Garantia quando das demissões sem justa causa. O dinheiro era para o FGTS, mas está no Tesouro para ajudar no fechamento das Contas. Se cair a proposta serão R$ 3 bi a menos por ano para segurar o déficit público. 3. A proposta de tornar obrigatória - Orçamento impositivo - a liberação do dinheiro das emendas dos parlamentares. 4. A discussão sobre mudanças na tramitação das MPs. Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros garantem que todos esses assuntos entram na pauta ainda antes do recesso de julho. Nesse ambiente a principal operadora política do governo, a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti resolve dizer que o Congresso "às vezes" faz "chantagem" com o governo. É comprar briga na hora errada. É casuísmo sim - 1 Tudo indica que o STF na quarta-feira, por folgada maioria, derrubará a liminar do ministro Gilmar Mendes que está impedindo o Senado de votar o projeto que inibe a criação de novos partidos ao limitar o acesso deles ao tempo eleitoral no rádio e na televisão e aos recursos do fundo partidário. O último a ter a festa permitida foi o PSD de Gilberto Kassab, que teve esse direito assegurado pelo mesmo Supremo. Um observador mais ingênuo perguntaria : o STF está sendo muito rigoroso agora ou foi mais solto com o ex-prefeito de SP ? É casuísmo sim - 2 De todo modo, a maior parte dos especialistas entende que a liminar concedida por Gilmar Mendes a pedido do PSB não tinha mesmo cabimento do ponto de vista jurídico. De todo modo também, entende-se que a lei a ser votada pelo Senado - cuja aprovação é dada também como certa - é um puro ato de oportunismo político. Como assinalou a vice-procuradora-Geral eleitoral Sandra Cureau em recente artigo : "A pressa na votação do projeto de lei 4.470/2012 tem destinatários facilmente identificáveis : o Rede, de Marina Silva, o Solidariedade, de Paulo Pereira da Silva, e o Mobilização Democrática, de Roberto Freire". Toffoli e a economia Não se conhece completamente o "notório saber jurídico" do ministro Dias Toffoli. É ainda uma tarefa a ser desempenhada pelos observadores, conforme passam os anos e seus votos. Todavia, ao propor dois meses de férias para todos os trabalhadores, Sua Excelência parece ter pisado em polpudos tomates econômicos... A ideia de isonomia do ministro importaria em elevados custos para a economia nacional e a imagem de "país exótico" ganharia mais alguns pontos. Perdeu a chance o ministro de apenas falar no plenário e de toga sobre assuntos jurídicos. Rifando a granel - 1 Os dados da pesquisa DataFolha que colocaram algumas minhocas eleitorais nos aliados mais próximos de Dilma Rousseff estão levando seus conselheiros a repensar algumas estratégias eleitorais, pensadas ainda para o tempo em que a reeleição parecia caminhar para um passeio numa tarde ensolarada de domingo. Se as alianças com o maior número de partidos, principalmente pelo tempo eleitoral, já era considerada importante para garantir uma vitória no primeiro turno, agora ela se tornou essencial para exorcizar o risco de um embate perigoso com algum oposicionista. Assim, vai haver um endurecimento com aliados recalcitrantes e um esforço para atrair ovelhas desgarradas. Rifando a granel - 2 Na primeira linha, alguns nomes mais salientes, que ameaçam palanques regionais amplos, serão devidamente enquadrados. Já é dado como certo, por exemplo, que a candidatura de Lindbergh Farias ao governo do RJ será rifada. A troca de amabilidades entre Dilma, o governador Sérgio Cabral e o vice (e candidato do PMDB) Pezão sexta-feira foi o sinal. Há grupos também que voltaram a defender que se rife a vaga de vice-presidente na chapa de Dilma, hoje com Michel Temer, para atrair de volta o "insubordinado" governador de PE, Eduardo Campos. O argumento : Campos (vide nota acima) pode se unir a Aécio e tirar votos de Dilma em um de seus principais colégios, o Nordeste. E o PMDB, apesar dos esperneios e alguns laivos de rebelião no Congresso, não tem para onde correr. Precisa ter as benesses oficiais para ajudar a garantir a manutenção de seu principal patrimônio : alguns governos estaduais e bancadas partidárias numerosas na Câmara e no Senado. Bolsa e dólar Observados os desempenhos da taxa de câmbio e da bolsa de valores nas últimas semanas está consolidada a visão de que a primeira engatou uma marcha de alta no longo prazo (pelo menos 12 meses) e as ações estão na rota de queda, acentuadas pela fragilidade da atividade econômica e pela ausência de interesse dos investidores relativamente à classe de investimento dos "emergentes". O caminho dos investidores está marcado : os EUA e sua reação à crise iniciada em 2008 são o "porto seguro" do momento para os investidores. Além disso, os investidores locais e estrangeiros (estes mais recentemente) se convenceram de que o governo brasileiro não irá reagir aos riscos crescentes na velocidade requerida. Faltam-lhe atributos políticos e "gerenciais" para tal. É o que pudemos apurar em conversas com investidores nas últimas semanas. Mantega e o amor ao curto prazo A remoção do IOF sobre a entrada de recursos externos para aquisição de títulos de renda fixa deve aumentar a volatilidade da taxa de câmbio no curto prazo, pode haver até uma queda desta, mas não muda a tendência de depreciação do real no médio e longo prazo. Ademais, os efeitos da medida propugnada pelo governo sob a batuta de Guido Mantega são unicamente resultado do fato de que o retorno em renda fixa dos títulos brasileiros são muito mais altos que os dos países equivalentes em termos de risco. Dentre as economias que tem nota de risco com grau de investimento, o Brasil é campeão em taxa de juros. A Coreia do Sul, por exemplo, paga 12 vezes menos que o Brasil em juros externos. Portanto, o aumento do ingresso de recursos externos não é sinal de melhores fundamentos. É parte do jogo do mercado, sempre atrás de retornos maiores com grau de risco compatível. Coisa de curto prazo, é claro. Radar NA REAL 14/6/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3334 estável baixa - REAL 2,1588 baixa baixa Mercado Acionário - Ibovespa 49.332,34 baixa baixa - S&P 500 1.626,73 estável/alta alta - NASDAQ 3.423,55 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 11 de junho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 249

É a economia, a economia, a economia... - 1 Não é nada que não possa ser revertida (a perda de 8% na avaliação da presidente Dilma). Porém, vai exigir da presidente e de sua equipe uma extraordinária e real disposição - para além do simples discurso de boas intenções - para mudar os rumos de condução da política econômica até aqui determinado por ela. Todos os sinais da pesquisa mostram que a avaliação presidencial foi abalada por um fato básico : a inflação persistentemente acima do razoável, já afetando o poder de consumo da população. Outros fatores, tais como os desarranjos com a base aliada e o Congresso, a lambança do bolsa-família e a questão indígena afetaram os índices apenas marginalmente. Estes dão mais a sensação de um governo perplexo e desarranjado, o que pode afetar a aceitação de Dilma mais à frente, não neste instante. É a economia, a economia, a economia... - 2 O foco agora foi o bolso e o medo adicional do desemprego. A dúvida é saber o quanto o governo está disposto e tem condições políticas de "dar um cavalo de pau" mais forte na economia. O BC, aparentemente com a concordância de Dilma, já entrou mais firme com a arma de que dispõe para combater a alta de preços - a elevação dos juros, que promete prosseguir daqui para frente. Promete-se também dar um peteleco mais forte nos investimentos. A dúvida, no caso, é sobre a capacidade executiva do setor público, um dos gargalos até aqui da gestão Dilma, apesar de sua vendida imagem de "gerentona" durona e eficiente. Um ponto frágil ainda é o dos gastos públicos, mesmo com as juras do ministro da Fazenda Guido Mantega assegurando, a cada minuto, que a gestão fiscal está sob controle. Não é o que pensa o BC, que na ata da última reunião do Copom, ainda que na sua linguagem meio tortuosa, não mostrou entusiasmo com esse lado da política econômica. É a economia, a economia, a economia... - 3 Também não é o que anotam os investidores externos, como mostrou a decisão da Standard & Poors de colocar viés negativo na nota de risco do Brasil. E não é principalmente o que apontam os fatos. O superávit primário, tido por dez entre dez economistas não oficiais como essencial para ajudar o BC a segurar a inflação, é cada vez mais uma incógnita. O que se conseguiu até abril está bem abaixo do prometido. No mesmo dia em que surgiam as suspeitas do BC e dos agentes externos quanto à disposição real do governo de aderir realmente a um plano de austeridade fiscal, o Palácio do Planalto editou uma M - a 618 - altamente suspeita. Entre outras coisas, ela permite ao Tesouro Nacional emitir R$ 30 bi em títulos da dívida pública para capitalizar o BNDES e a Valec. Não é propriamente um sinal alentador para a economia. Leia mais : (1 - clique aqui) - (2 - clique aqui) Agências de risco e seus sinais Como já ficou provado ao longo de duas décadas de riscos e crises sistêmicos, as agências de risco têm papel limitado e, sobretudo, chegam quase sempre atrasadas nas suas avaliações, além de cometerem erros grosseiros. Sua utilidade prática é duvidosa, mas sua influência para "guiar" certos segmentos de investidores é relevante. No caso da sinalização negativa sobre a economia brasileira a agência S&P parece estar no timing certo, pois a deterioração é visível e coloca riscos substantivos no médio prazo. Contudo, o mesmo não se pode dizer da "retirada" do alerta sobre a economia dos EUA. Lá, a evolução tem sido muito favorável, conforme pudemos comentar em várias notas nos últimos meses. Porém, haveremos de convir que a confusão política entre democratas e republicanos na questão do orçamento dos EUA, bem como os sinais dúbios que o Fed vem emitindo em relação à política de expansão monetária são sinais de alerta gigantescos para que se afaste, numa análise de crédito soberano, o risco sistêmico do país. A S&P agiu movida por percepções e não indicadores. Rudimentar, meu caro Watson Quando Palocci ainda era ministro da Fazenda do governo Lula, por sugestão do ex-ministro e ex-deputado Delfim Neto, ele apresentou ao presidente Lula a sugestão de um programa econômico para zerar o déficit público nominal em alguns anos, dois ou três. Ou seja, o governo passaria a gastar de fato apenas o que arrecada, incluindo pagamento dos juros da dívida. A proposta foi fulminada pela então já poderosa ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, com uma simples expressão : classificou-a de rudimentar. Delfim Neto, que não é suspeito de nenhuma má vontade com governo e até atua como conselheiro presidencial, voltou a defender enfaticamente esta posição em entrevista este fim de semana ao jornal "O Estado de S. Paulo". Como reagirá Dilma agora ? Com um "rudimentar" ou um "elementar", meu caro Watson. Inflação aleija, câmbio mata O título desta nota relembra a frase do saudoso ministro Mário Henrique Simonsen. Como se sabe (e pregamos há alguns anos nesta coluna), sem a reversão da valorização do real é quase impossível a reintrodução da economia brasileira num cenário verdadeiramente competitivo nos próximos anos. Setores necessários à indústria, sobretudo aqueles que agregam conteúdo tecnológico, necessitam de uma relação mais favorável do ponto de vista cambial entre a produção local e a importação. O governo sabe disso e já incorporou esta variável na política econômica. Contudo, terá de correr riscos. Para um governo (este e o anterior) que correu pouco risco na política econômica a solução do risco cambial não será tarefa fácil do ponto de vista político - do econômico é muito difícil. Pode até ser adiada a solução para o próximo mandato. Pode, inclusive, "custar um mandato inteiro" como foi o caso do segundo mandato de FHC. Novilíngua Até entre auxiliares e conselheiros da presidente da República já começa a circular a expressão "moderação salarial", que, bem traduzida, quer dizer simplesmente o seguinte : é preciso diminuir a massa salarial para ajudar no combate à inflação e garantir maior índice de produtividade para as empresas brasileiras. Resta saber se é um processo que se dará naturalmente pelo desenrolar das atuais dificuldades econômicas ou se terá de ser apressado no curto prazo. Neste caso, quem colocará o guiso no pescoço do gato em plena efervescência eleitoral ? É a eleição, a eleição, a eleição... Todas dificuldades que a presidente Dilma vem enfrentando com os aliados, com reflexos no Congresso Nacional, têm uma única causa : as eleições do ano que vem. E não propriamente a sucessão presidencial. Mas as eleições estaduais e para o legislativo, que são as que garantem de fato força dos partidos para disputarem a divisão do poder em Brasília. Partido fraco, sem bons governos estaduais, sem bancadas de bom tamanho, fica apenas com migalhas do poder. Além de se desmilinguir com o tempo. É este o jogo que está sendo jogado e que põe Dilma na berlinda política. A eleição presidencial neste caso vira um detalhe. Até porque não há uma absoluta correspondência entre o voto presidencial e os outros votos. Armadilhas no Congresso Não bastassem as dores de cabeça da economia, suficientes para tirar o sono presidencial por longas noites, Dilma terá pela frente nas próximas semanas uma pesada agenda na Câmara e no Senado. O cardápio dos deputados e senadores até o recesso de julho é indigesto para o Palácio do Planalto : 1. Novas regras para tramitação e votação de MPs, que limitam em parte o poder do governo de editar tal instrumento. 2. Novas regras para votação dos vetos presidenciais, também complicando a vida da presidente. Há casos delicados na pauta como os royalties do petróleo e a lei dos portos. 3. O fim do voto secreto em diversas votações no Congresso, inclusive para cassação de parlamentares. Isto dói no coração governista por causa dos "mensaleiros". 4. A obrigação de o governo liberar as emendas dos parlamentares no Orçamento. São todas providências que fortalecem o Congresso. E algumas muito caras aos parlamentares como a liberação automática de suas emendas. Para barrá-las Dilma terá de jogar pesado. Capitanias Hereditárias Renan Calheiros prepara a candidatura de Renan Calheiros Filho ao governo de AL. Jader Barbalho faz o mesmo com Helder Barbalho no PA. Ambos pelo PMDB e com o desejo de apoio do PT e de Dilma. Não para já, mas Edison Lobão no MA, dono de um subclã do clã Sarney, prepara a candidatura do senador Lobão Filho ao governo estadual. A política brasileira está cada vez mais um direito hereditário. Carne e couro Como vai ficar o BNDES depois da compra de negócios de carne e couro da Marfrig pela JBS Friboi ? Afinal, o banco estatal é sócio - e que sócio ! - das duas empresas. BNDES intacto O BNDES e seu presidente estão em quase todos os lugares e participam de quase todos os negócios relevantes da República. O seu desempenho, contudo, não é objeto de maiores considerações, seja no âmbito da fiscalização política e social, seja no âmbito do próprio governo. Sem "papel desenvolvimentista" revelou-se no financiamento de negócios na área de petróleo, frigoríficos, indústria automobilística, etc. Pouco se vê em setores "modernos" da necessitada economia industrial. Quais seriam os vetores a influir nas decisões daquela casa desenvolvimentista ? Que tipo de análise revela as estratégias de seu presidente ? Por que há tantos consultores rodeando as decisões tomadas por ali ? Outra questão O nosso leitor já percebeu como andam acesos os "negócios internacionais" do país quando estão envolvidas empresas estatais, especialmente a Petrobras ? Nota-se este vigor especialmente quando estamos a tratar de Argentina, Venezuela, países africanos e outros latino-americanos. Quais seriam os interesses ao redor de toda essa movimentação que envolve a alta cúpula petista, incluindo o ex-presidente Lula, e próceres governistas ? Teriam essas movimentações relação com a tal da "CPI da Petrobras" ? Esta coluna pouco sabe a respeito. E os seus leitores ?  Obama, um terceiro membro da família Bush ? As "descobertas e vazamentos" sobre as atividades espiãs do governo norte-americano revelam, além dos próprios fatos, um presidente bem conservador, arraigado a uma visão vencida do império que preside. Barack Obama é daqueles que pareciam ser uma novidade e não passa de uma peça no antiquário da política norte-americana. Fosse John McCain ou outro republicano de estirpe nobre, a política seria a mesma. Obama não é inovador. É apenas marqueteiro mesmo. Menos natural em seu papel que George W. Bush, o amigo de Lula. Radar NA REAL 07/06/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3227 estável baixa - REAL 2,1450 baixa estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 51.618,63 estável/baixa baixa - S&P 500 1.643,38 estável/alta alta - NASDAQ 3.469,22 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano 
terça-feira, 4 de junho de 2013

Política e Economia NA REAL n° 248

Mudança no rumo econômico Pode anotar aí : a divulgação do fraco PIB na semana passada, a elevação mais acentuada da taxa de juros básica e a alta do câmbio são evidentes sinais de mudança dos rumos da economia brasileira. Não é que estejamos valorizando strictu sensu os dados. O que estamos a dizer é que estes indicadores são uma espécie de corolário do fracasso da política econômica oficial. A desconfiança aumentou de vez. Há alguns praticando o argumento de que não pode haver falta de confiança quando a Petrobras emite um volume enorme de títulos de renda fixa, a BB Seguridade emite ações em larga escala e houve sucesso nos leilões de áreas de exploração de petróleo. Os dois primeiros fatos estão relacionados com o momento do mercado lá fora e ao pricing das operações. O mercado financeiro atende a relação de risco versusretorno no curto prazo e com uma rationale própria. Nada diretamente relacionado com o PIB e com o futuro no médio prazo da economia brasileira. Quanto aos leilões, o sucesso é óbvio, mas estamos a tratar de uma commodity, segmento no qual o Brasil é um dos campeões mundiais. A frase serve mais ao proselitismo político que à análise dos fatos econômicos. A hora dos "fatores estruturais" O momento econômico do país mostra mazelas e variáveis muito mais inquietantes : (i) um processo de desindustrialização acentuado, sem a incorporação de segmentos modernos e necessários à sustentação do crescimento, (ii) perda da dinâmica interna do crescimento pela impossibilidade de incorporar mais consumo oriundo de gastos públicos, (iii) falta de competitividade sistêmica pela ausência de reformas (tributária, infraestrutura, educação, tecnologia, violência urbana, ineficiência judiciária, etc.) e (iv) a antecipação da corrida eleitoral e o aumento dos riscos correspondentes. Há quem veja nestes pontos uma "linha estrutural" perturbando o desempenho conjuntural. Isto é uma questão de visão ou de metodologia. O fato é que os agentes ambicionam ver estas variáveis tomando o rumo certo e, assim, mudando as expectativas. O que de fato se vê é uma completa inoperância do país (não somente do governo) no sentido de iniciar a solvência destas variáveis. Prevalece a letargia do Palácio do Planalto e seus 39 ministérios, a política "feijão com arroz" do ministro Mantega e o Congresso voltado aos seus interesses mais corporativos (na falta de outra palavra). O poder não admite vácuo. Por ora, é o que se vê. Câmbio vai desvalorizar ? Os problemas estruturais podem ser muitos, mas são todos passíveis de solução, mesmo que não sejam fáceis. Todavia, consolida-se a ideia de que a atual valorização do real inviabiliza qualquer passo mais certeiro na direção do crescimento sustentado. Como se sabe, é preciso que a taxa real de câmbio venha a se desvalorizar para que a competitividade do país aumente. Isso necessita de três movimentos que não dependem integralmente do governo : (i) a própria alta da cotação nominal do câmbio, (ii) da inflação residual provocada pela alta da taxa de câmbio, (iii) da inflação externa e os efeitos dos termos de troca (quantidade de mercadorias exportadas/importadas e seus respectivos preços). A "solução da valorização cambial" é delicada e provoca num primeiro momento mais desorganização no sistema econômico do que benefícios. FHC manipulou erroneamente o câmbio e o custo foi um segundo mandato medíocre em termos de crescimento. De toda a forma, apostar na alta das moedas estrangeiras frente ao real nos próximos meses faz muito sentido. Assim como, nos seus efeitos negativos do ponto de vista da inflação, salários e atividade econômica. Nessa ordem. Em busca da credibilidade ameaçada - I Por mais que o governo tenha reagido "olimpicamente" aos maus indícios vindos do fronte econômico na semana passada, com o PIB diet de 0,6% no primeiro trimestre e a elevação dos juros básico pelo BC de 0,5 ponto percentual - com uma esticada do dólar de mais de 7% em menos de uma semana - a realidade é que o nível de estresse no Palácio do Planalto e adjacências chegou a seu nível mais elevado desde que Dilma assumiu a presidência da República. As cabeças mais coroadas da República e seu espectro político não conseguem entender porque, apesar de todas as medidas adotadas nos últimos meses - foram nada menos que 18 pacotes - de incentivo ao consumo e desoneração fiscal, a economia não deslancha. O mistério está indo além da vã filosofia oficial. O que se viu - a começar por um ministro da Fazenda Guido Mantega desacorçoado, anunciando que o governo não terá novas medidas - foi um governo perplexo, quase atordoado. Em busca da credibilidade ameaçada - II O revés que boa parte dos analistas - alguns próximos do oficialismo, com entradas palacianas - havia previsto, mas Dilma e os seus preferiam não ver. A reação agora, salvo recaída de última hora, parece mais realista. Definitivamente desistiu-se de perseguir um PIB de mais de 3% este ano, aceitando-se a tese do BC de que o problema imediato a combater é a inquieta inflação. Não fosse por nada, pelo tudo de estragado que a indisciplina dos preços já causou em décadas passadas no Brasil, pelo recado muito bem dado pelo próprio PIB de janeiro, fevereiro e março : a estagnação (aumento de apenas 0,1%) no consumo das famílias é reflexo direto da rebeldia inflacionária. Aliás, como o BC já havia tentado provar em outras ocasiões e havia sido rechaçado com ceticismo por seus pares governamentais. Em busca da credibilidade ameaçada - III É cruel admitir, porém, para Alexandre Tombini e seus subordinados de BC, o raquítico PIB inaugural de 2013 veio mais do que em boa hora : permitiu à autoridade monetária recobrar um pouco a credibilidade que estava se esvaindo por causa de tergiversações anteriores e, o mais importante, pudesse iniciar o combate à renitente inflação antes que o processo inflacionário começasse a fugir totalmente do controle. O mundo político oficial, aparências à parte, engoliu sem deglutir direito a "ousadia" do BC de acelerar o ritmo de elevação da taxa Selic, mas provavelmente lá na frente vai agradecer muito à Tombini e sua turma. Pior seria deixar os riscos correrem frouxos agora e chegar ao período mais agudo da campanha eleitoral, em 2014, com a inflação mais nervosa e comendo a renda e o emprego dos trabalhadores. De forma alguma não foi esta motivação da autoridade monetária, mas a maior contribuição até agora para a campanha reeleitoral de Dilma foi dada pelo BC contrariando o senso comum político. Quem diria ! A voz do PT ? José Dirceu ainda expressa em boa medida o que se poderia chamar de o "pensamento do PT". Em seu blog, o líder petista expressou a sua leitura sobre a atual política monetária : "Para nossos adversários é preciso mudar o modelo e não apenas subir os juros para reduzir a inflação. Até porque o dragão da maldade já dá sinais de recuo. Basta ler os editoriais dos jornais da direita conservadora. Não nos iludamos, o que está em jogo é nosso projeto político de desenvolvimento nacional e não apenas uma questão de política monetária e/ou da autoridade e autonomia do Banco Central (BC)". Cabe reflexão o enunciado de Dirceu.  Um ensaio ? O programa compulsório do PSDB no feriado de quinta-feira no rádio e na televisão, estrelado por Aécio Neves, teve alguns sinais de que o partido pode estar mudando seu discurso eleitoral para questões mais objetivas e mais de alcance do eleitorado. O foco na inflação é proposital : há pesquisas de que os preços já começam a mexer com parte da confiança da população na política econômica. É este o eleitor a ser disputado. O próprio PT já detectou este flanco. Segundo interpretação do presidente do partido, Rui Falcão, uma voz que ouve muito os assobios de Lula antes de se expressar, as conquistas sociais já não são suficientes para reeleger Dilma. O que explica o porquê, mesmo se como estivesse indo para o cadafalso, do mundo político oficial aceitar a demonstração de autonomia do BC aumentando para 8% a taxa básica de juros e indicando que novas doses do amargo remédio podem ainda ser aplicadas este ano. É bater a inflação ou bater a inflação. Por que a ressalva ? Resposta do presidente de Lula em entrevista ao jornal colombiano "El Tiempo" a uma pergunta que questionava o fraco desempenho atual da economia brasileira : "Sem arrogância, eu acho que as perspectivas de crescimento são tão promissoras que, ainda que o governo cometa erros, tudo sairá bem". (grifo da coluna). Cometer erros quem ? Quais erros ? A "nova competência" do governo - I O choque do PIB raquítico parecer ter dado um solavanco no governo : desde quarta (e a imprensa foi pródiga de informações oficiais sobre isto nos últimos dias) só se fala agora em Brasília "ancorar" o crescimento da economia nos investimentos. O crescimento deste item no PIB no primeiro trimestre já trouxe um novo ânimo, porém o carro-chefe deverá ser o pacote de concessões na área de infraestrutura : portos, aeroportos, rodovias, ferrovias e, obviamente, o pré-sal. Já se fala até em uma "overdose" de leilões no segundo semestre, a partir de setembro : mais de 30 terminais portuários, os aeroportos de BH e RJ, sete de trechos de rodovias, pelo menos duas ferrovias, entre estas o encantado trem bala, o promissor campo petrolífero de Libra... Dinheiro e concorrentes. A "nova competência" do governo - II A questão é saber se o governo terá fôlego para tanto e se vai fazer alterações em seus projetos iniciais capazes de atrair mesmo investidores. Embora tenha anunciado, por exemplo, mudanças nos leilões de rodovias, muitos interessados ainda estão reticentes. O ativismo inicial do governo, na base da Lei de Gerson, querendo levar vantagem em tudo, causou muitas desconfianças e vai ser preciso ainda um bom esforço para esta situação ser revertida. O trem bala rola há mais de dois anos e somente na semana passada a Empresa de Planejamento Logístico, responsável por tocar o projeto, passou a admitir aumentar a Taxa Interna de Retorno, uma das reivindicações dos possíveis concorrentes. Além do mais, há uma questão mais prosaica : o governo vai começar a mostrar mais "agilidade no fazer" e "competência na execução". O pacote de infraestrutura foi lançado em agosto passado - e até agora está nos prolegômenos. Antes isto era motivo apenas de discursos da oposição e comentários velados de alguns empresários. Agora, a dita "inapetência gerencial" do governo Dilma está na boca até de alguns de seus mais fiéis aliados. A base aliada inquieta - I Político profissional - ou de carreira - é, a começar pelo mais tolo deles, um bicho racional de faro afiadíssimo, capaz de sentir antes de qualquer radar a direção do vento. A maioria no Brasil tem seu GPS completamente direcionado para os endereços palacianos. Ora, a presidente Dilma desfruta, no momento, de uma das mais altas popularidades jamais desfrutada por um governante no Brasil, com índices acima de 80% rivalizando com os do próprio ex-presidente Lula, indubitável campeão de audiência no país neste quesito. Apesar dos vacilos da economia o grau de satisfação dos eleitores, medido pelo trinômio emprego-renda-poder de consumo da maioria dos cidadãos-eleitores, sequer foi arranhado. E, de acordo com bons especialistas nos ramos da ciência econômica e da ciência política, dificilmente o será até a chegada de 2014. A base aliada inquieta- II A sobrevivência da maioria quase absoluta da classe política está umbilicalmente ligada a quem tem tais cabedais, com o amparo dos imbatíveis Diário Oficial e uma caneta cheia de tinta. É, no entanto, é cada vez maior a insatisfação dos aliados tradicionais com a presidente Dilma e seu governo. Sem distinção de partidos, embora alguns estejam mais tristes com ela do que outros. Até no PT os amuos já são públicos - e de gente com boa assinatura em cartório. A falta de carinho, de verbas, de cargos, explica em parte as queixas. Porém, isso tudo é relevado quando a companhia é garantia de sobrevivência. É estranho o que está no ar. Será que sua sagacidade no mundo político profissional com praça assentada em Brasília está vendo jabuti em árvore ? Pobre oposição No "Globo News Painel" de sábado passado, o competente jornalista William Waack conduziu um debate sobre os rumos da política brasileira - as vacilações do governo no Congresso, a rebeldia da base aliada, a imagem da gerente Dilma, a avaliação do governo da presidente e, naturalmente, a sucessão presidencial. Presentes, três dos mais respeitados analistas da cena nacional : o professor Bolivar Lamounier, Murilo Aragão, da Arko Advice, uma consultoria com sede em Brasília, e o cientista político e professor do Insper, Carlos Melo. Foi quase uma hora de boa e ilustrativa conversa. Pois bem. Em todo esse tempo, em nenhuma ocasião o nome do tucano Aécio Neves, provável candidato ao lugar de Dilma, foi citado. O de Marina Silva passou batido. E o de Eduardo Campos, também já dado como candidato oposicionista, foi falado en passant. Dilma "nadando de braçada" A opinião do grupo é a mesma da maioria dos analistas e da política : o mar eleitoral está todo para Dilma. As piranhas que podem ameaçar o nado seguro dela em direção ao segundo mandato são, principalmente, os desarranjos da economia. E adicionalmente seus próprios aliados e os desarranjos de seu próprio governo. A oposição, se não mudar seu discursos ou sua prática, será mera espectadora. Ou se beneficiará de coisas para as quais ela não contribui. Será caudatária de circunstancias políticas e econômicas. Radar NA REAL 31/05/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3074 estável baixa - REAL 2,1277 baixa estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 53.506,08 estável/baixa baixa - S&P 500 1.630,74 estável/alta alta - NASDAQ 3.455,91 estável/alta alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 28 de maio de 2013

Política e Economia NA REAL n° 247

Menor crescimento, juros mais altos Amanhã teremos ocasião de verificarmos que duas variáveis serão o corolário do atual momento brasileiro. O BC deverá aumentar a taxa básica de juros para 7,75%. Por detrás desta decisão há que se reconhecer que uma incômoda taxa de inflação corrói as perspectivas econômicas, não propriamente em função da taxa em si (algo entre 6,5% e 7,0%), mas porque a maioria dos preços caminha para uma gradual (e perigosa) indexação. Também nesta quarta-feira saberemos o resultado do PIB do primeiro trimestre. Seja qual for o resultado, pode-se antecipar com certa segurança que o PIB brasileiro está muito aquém daquele que deveria ser. Isso, em larga medida, devido a incompetência governamental e legislativa para estimular o investimento. A pesquisa Focus mostra que os agentes estimam o crescimento em 2,93% para este ano. Como se sabe, prognósticos econômicos são como horóscopo - cada um lê naquilo que lhe interessa. Todavia, para aqueles que acreditam que os governos tem de "administrar expectativas", um resultado ruim do PIB jogará mais pessimismo na economia e mais desconfiança no governo. A responsabilidade de Dilma O que era motivo para comentários reservados entre empresários e conversas entre políticos mais enfronhados em Brasília, agora virou assunto público, comentários de analistas políticos, reportagens em jornais, artigos no exterior : o modo de administrar da presidente Dilma. Começou a incomodar - e a ser responsabilizado em parte pela inapetência gerencial do governo - o estilo centralizador, excessivamente detalhista, birrento e não raras vezes ríspido e aterrorizador da presidente. O que parecia prudência, cautela, portanto como bons princípios de gestão, é visto agora como empecilhos. Do ponto de vista dos fatos, não há porque não se cobrar da presidente os resultados sofríveis da economia e da política. Do ponto de vista político, teremos de verificar se a letargia econômica se refletirá em declínio em popularidade. Afinal, é inegável que Dilma tem junto ao povo uma solidariedade substantiva. Confiança : Petrobras, BB Seguridade, etc. Questiona o governo e/ou pessoas próximas a este se é possível falar em desconfiança no país no exato instante em que (i) a Petrobras faz uma mega operação de colocação de títulos no exterior (R$ 22 bilhões) e o (ii) BB Seguridade lança ações (R$ 12 bilhões). É claro que ambas as captações de empresas estatais é um bom sinal de solvência das empresas e do país. Todavia, cabe lembrar que operações com títulos de renda fixa e de renda variável são analisados em função da sua taxa de juros e preço de emissão, respectivamente. Ora, a taxa de juros média obtida na operação (3,79% ao ano) para um prazo de 10 anos é elevada frente ao rendimento dos títulos soberanos de países emergentes e de primeiro mundo. Daí o vigoroso interesse de investidores ávidos por rendimentos acima da inflação norte-americana. No caso das ações da BB seguridade, a demanda foi boa, mas não foi excepcional. Operações de mercado devem ser vistas apenas como uma referência das expectativas sobre uma empresa e sobre o país. Sabe-se que o "tal do mercado" exagera (não estamos dizendo que é o caso da Petrobras e do BB), para cima e para baixo, como nos ensinam inúmeros exemplos, dentre os quais, o desempenho das ações do Facebook, os títulos subprime, a bolha de tecnologia, as ações russas em 1998, a crise brasileira de 1999, as ações de tecnologia em 1999 e assim vai... Desunidos venceremos Mais uma vez a presidente Dilma Rousseff teve de acionar Michel Temer e os seguidores do vice-presidente da República no PMDB para barrar mais um "ataque especulativo" dos peemedebistas aliados no Congresso Nacional. Duas semanas atrás, o "Super Temer", homem das negociações políticas oficiais, com a ajuda do presidente do Senado, Renan Calheiros, ajudou a aprovar a Medida Provisória dos Portos, que o líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha, pretendia "avacalhar". Agora, a ameaça vem do pedido de convocação, já protocolado na Câmara, de uma CPI para investigar negócios da Petrobras no exterior. O patrocínio agora foi do deputado Leonardo Quintão, peemedebista de MG e contou com a assinatura de 52 dos 80 deputados do partido liderado por Temer. Não será difícil conter a CPI. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, tem instrumentos legais para deixá-la engavetada por um bom tempo, até que se perca o interesse. Mas ao governo interessa mesmo é liquidar o requerimento, o que será tentado esta semana. Enquanto ela continuar lá, como um fantasma insepulto, o Palácio do Planalto estará sujeito (para usar uma expressão crua) a chantagens de seus aliados, entes de pouca confiança. É disto que Dilma quer se livrar Impressionou a facilidade com que as assinaturas para a formação da CPI da Petrobras foram colhidas no PMDB e na base aliada (120 das 199 que apoiaram o pedido) como já havia impressionado a facilidade como a pífia oposição conseguiu 41 horas de obstrução na votação da MP dos Portos. São fatos que estão enchendo de minhoquinhas as cabeças coroadas do oficialismo e do PT : como o comando do PMDB, que recebe todas as honras da República, não consegue controlar seus parlamentares e depois é preciso sair correndo para apagar incêndios, com os custos que se vê ? A cada uma dessas "rebeliões" corresponde uma "dívida de gratidão" da presidente Dilma com algum peemedebista coroado. Pode não ser, mas desconfia-se dessa desunião em muitos cantos de Brasília. O lema do PMDB parece cada vez mais ser : "Desunidos venceremos". Ou : "O PMDB desunido jamais será vencido". Ilusão à toa É ingenuidade atribuir as dificuldades que o governo enfrenta no Congresso a este ou aquele parlamentar ou grupinho. "O inimigo número um" do Palácio do Planalto, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, não existe sozinho. O novo adversário, o também peemedebista, Leonardo Quintão, menos ainda. Não há notícias de que ele tenha colocado a adaga no pescoço de 120 governistas, dos quais 52 (de 80) deputados do PMDB do vice-presidente da República, para assinarem a CPI da Petrobras. Bloco do eu sozinho, só no Carnaval. O governo e a presidente Dilma devem procurar os bodes expiatórios em suas próprias hostes. Mais coincidência ainda A CPI da Petrobras não deve sair, mas o simples movimento para investigar as atividades da estatal já provocou dois movimentos defensivos do governo : (1) Sem muitas explicações, a empresa anunciou que não aceitou propostas para vender parte de seus negócios na Argentina. É parte do plano de "desinvestimento" da Petrobras, tido como essencial para reforçar o caixa da estatal para os grandes negócios do pré-sal. Este plano é o objeto de investigação da CPI. (2) O governo decidiu antecipar em um mês - de novembro para outubro - a primeira licitação para a exploração de uma província do pré-sal. E colocou no jogo o campo de Libra, um mega campo. Tem tudo para ser um grande sucesso, e obscurecer as críticas à Petrobras. Vai mudar a regra ? Alguns analistas, dado o tamanho dos investimentos necessários, acham que o governo poderá mudar uma ou duas regras estabelecidas para as novas licitações na área petrolífera, agora sob o regime de partilha. A Petrobras não teria recursos para entrar no negócio com os 30% estabelecidos pela lei e a exigência de elevado conteúdo nacional poderia dificultar alguns negócios. É esperar para ver : ou o governo torna essas regras mais flexíveis ou vai precisar ajudar a capitalizar a Petrobras. Temer na berlinda ? Pode ser apenas mais uma mera coincidência - embora, mera coincidência em política seja coisa de amadores - mas, é curioso que no momento, mesmo em que a "desunião" esteja provocando tantos suores noturnos ao governo, três das mais bem informadas colunas de Brasília tenham dados notas dando conta da possibilidade de o vice da chapa reeleitoral de Dilma ser trocado. Por alguém do próprio PMDB ou - a conversa de novo - para acomodar o governador Eduardo Campos. O real é que é grande o desagrado palaciano com o PMDB. O recado de Dilma foi dado quando, depois de confirmar, ela deixou de comparecer a um jantar com peemedebistas ilustres no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice Michel Temer. Quanto mais depende do PMDB, mais Dilma deixa o PMDB na berlinda. Mas o PT não ajuda Dilma poderia ficar menos amarrada ao PMDB se tivesse mais ajuda de seu partido no Congresso. O PT não cria os problemas de outros aliados, embora também não esteja satisfeito com o tratamento que recebe do Palácio do Planalto, muito diferente dos tempos gloriosos com Lula no poder. É disciplinado. Porém, é apático, não reage, deixa o protagonismo dos grandes momentos no Congresso para o PMDB e outros aliados e a oposição. No caso da MP dos Portos, por exemplo, assistiu a tudo quase calado. Parece ainda tomado da "síndrome do mensalão". Troféu Bravateiro-mor - capítulo II Provavelmente esta semana ainda o senador Renan Calheiros, presidente do Senado, terá a oportunidade de mostrar que é homem político capaz de cumprir a palavra empenhada : devem chegar ao Senado pelo menos duas MPs aprovadas pela Câmara com prazo de vencimento inferior aos sete dias que ele disse que passaria a exigir para votá-las na casa dos senadores. Palavra dada palavra empenhada ? Ou senador Calheiros, expoente do peemedebismo autenticamente governista, vai aderir ao "princípio da irrevogabilidade" de Aloizio Mercadante ? Gato escaldado O governador Eduardo Campos, depois de uns dias de retiro para respiro, começou a estrilar publicamente contra o cerco que o governo está fazendo em torno de sua candidatura. A ordem é matar por asfixia. O perigo é que gato encurralado tem reações inusitadas e agressivas. Mais uma ilusão à toa - I Pelos últimos movimentos tucanos, percebe-se que os mentores da candidatura Aécio Neves esperam colher frutos nas desavenças entre os aliados de Dilma, especialmente no PMDB, às turras com o PT em vários Estados e preocupado com possíveis perdas de espaço nos Estados e no Legislativo Federal. As reações do governador do RJ, Sérgio Cabral, à candidatura do petista Lindbergh Farias ao governo fluminense, contra o vice peemedebista Pezão, deram alento a esta esperança. Tem tudo, porém, para ser uma ilusão, um sonho. Mais uma ilusão à toa - II O PMDB, cuja vocação ao governismo é irrefreável e incurável não vai largar o barco federal de graça. Fará o sacrifício que for necessário para ficar bem postado nele, tirando dele todos os benefícios possíveis. Só pulará fora se a reeleição de Dilma estiver ameaçada, o que parece pouco provável se a economia não degringolar. E se degringolar, Aécio - ou Campos, ou Marina - não precisarão fazer nenhum movimento para ter o PMDB em seu regaço. A eleição competitiva para os tucanos passa menos por esses apoios partidários e mais por o partido ter propostas claras, simples e factíveis para melhorar a vida dos brasileiros. China, EUA e o resto... O presidente da China Xi Jiping afirmou na última sexta-feira que "a China não sacrificará o meio ambiente para assegurar o crescimento de curto prazo". Depois do país injetar gases pela atmosfera global, de não respeitar mínimas condições de trabalho, de agir contra a liberdade pessoal de seus cidadãos, desrespeitar as patentes de produtos, de adotar práticas comerciais duvidosas, eis que o presidente chinês vê-se moralmente constrangido entre o meio ambiente e o desenvolvimento econômico. Bem, muito mais provável acreditar que há um superestoque de produtos chineses que não podem ser absorvidos pelo mundo que na boa vontade do líder chinês para com o meio ambiente. Todavia, uma coisa parece consolidada : a China vai crescer bem menos, quiçá em torno de 5% ao ano e não mais 10% nos próximos anos. De outro lado, este declínio da China no curto prazo favorecerá os EUA, os quais estão em plena recuperação econômica, reduzindo riscos e aumentando a produtividade. Bom para os lucros e para os investidores que cada vez mais se animam em retornar para a Terra das Oportunidades. As bolsas sinalizarão este movimento. Enquanto isso, a Bovespa vai continuar patinando à espera de crescimento... Radar NA REAL 24/5/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,2933 estável baixa - REAL 2,0545 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 56.406,23 estável/queda estável - S&P 500 1.650,51 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.549,41 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 21 de maio de 2013

Política e Economia NA REAL n° 246

O estado da Política A Política, essa mesma com "P" maiúscula, existe como prática que facilita a solução e encaminhamento de conflitos de interesses dos cidadãos de uma comunidade determinada, seja um país, seja um condomínio. Nesta acepção específica da Política, o Brasil está vivenciando um momento particularmente "perigoso". Os interesses econômicos e sociais estão sendo solucionados por meio de uma classe política movida por interesses eleitorais, quando não por interesses pessoais, e os agentes deles ou desconfiam, ou se aproveitam, quando não fazem as duas coisas. A votação da chamada "MP dos Portos" na semana passada foi mais uma expressão do caos político que vivemos : interesses privados legítimos se misturaram a formas nefastas de interferência política, interesses públicos foram difusamente defendidos ou na base do "toma-lá-dá-cá", o governo viu-se chantageado, bem como chantageou, e assim foi. Isso tudo num contexto de votação de medida essencial ao desenvolvimento brasileiro. Este é o estado da Política. O estado da Política - II Afora a demonstração da semana passada no Congresso, vê-se que a corrida eleitoral iniciada pela presidente Dilma e seu tutor, o ex-presidente Lula, deve inviabilizar quaisquer reformas mais substanciais até o ano que vem. Os partidos que apóiam o governo sabem dos anseios palacianos e destes extraem as mais variadas formas de aproveitamento político. Não há coloração ideológica e nem nome de partido que não participe deste caro convescote do Poder Legislativo. A oposição, de outro lado, mostra-se débil, pouco programática e com articulação sofrível. Basta ver a patética (e simbólica) ação política do senador Álvaro Dias (PSDB/PR) flagrado pela Folha de S.Paulo ao apresentar uma emenda à votação da MP dos Portos igual à de um colega do PT, o deputado Luis Sérgio. Neste contexto, preocupa o acúmulo de pautas na agenda nacional : da violência urbana ao controle da inflação, da educação à desindustrialização do país, tudo está pendente de soluções estruturais. Isso enquanto a classe política está ilhada em seus próprios interesses e jogos políticos. Perigo à vista. Para quem quer ver, é claro ! O estado da economia Procuramos não fazermos previsões categóricas, porquanto estas não são passíveis de serem feitas quando o assunto é economia e política, ou vice-versa. Afinal, a política depende da economia e vice-versa, mesmo que não faltem oráculos soltos no mundo. De todo o modo é possível perceber tendências, até mesmo quando estas não estão visíveis, a partir do exercício do espírito crítico da análise política e econômica. Pois bem : os números recentes da produção industrial e do consumo indicam que o PIB brasileiro este ano está mais para o número pífio do ano passado que para algo entre 3% e 3,5%. De outro lado, é praticamente certo que a fragilidade das relações políticas no Congresso não permitirá nenhum avanço institucional capaz de sanar os problemas estruturais que barram o desenvolvimento. A MP dos Portos foi a grande reforma do ano (vide as duas primeiras notas desta coluna). O estado da economia - II Preocupação que deve ser redobrada é a possibilidade de o país vivenciar uma onda de desinvestimento externo, num contexto em que os EUA se recuperam com certa rapidez - basta ver o desempenho das bolsas daquele país - e a Europa dá alguns pequenos sinais de avanços. Além dos avanços na Índia e China (de novo). As melhores expectativas em relação ao Brasil estão no passado por conta dos poucos avanços alcançados pelo atual governo e pelos riscos que decorrem da equação que combina valorização cambial, inflação em alta, desindustrialização e queda dos preços das commodities. Poucas variáveis estruturais do país estão sendo mexidas politicamente para melhor. Quase nenhuma, se observadas as principais (reformas tributária e previdenciária, incentivo à tecnologia, educação e aumento da eficiência da infraestrutura). Felizmente ou infelizmente, as políticas adotadas pelo país têm de atender as expectativas dos agentes econômicos para a taxa de investimento subir. O que se vê é um governo voltado de costas para o capital, sustentado pelo eleitorado mais pobre e encalhado pelos seus presumidos aliados. A economia segue este ritmo. PSDB e Aécio : agora, o "como fazer" Aparentemente - em política as aparências costumam enganar, ainda mais se tratando de tucanos de plumagens reais - o PSDB, sob a clara liderança do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, uniu-se em torno de um projeto comum e da candidatura presidencial de Aécio Neves. Até a seção paulista do partido, a mais reticente em relação às pretensões do ex-governador e senador mineiro, parece ter aceitado as regras do jogo, em que pesem as demonstrações de caturrice política do ex-governador José Serra. Em princípio, o PSDB está centrando sua campanha na recuperação do legado da gestão Fernando Henrique Cardoso - estabilização monetária (derrota da hiperinflação), reforma do Estado (especialmente as privatizações) e início das políticas de renda (depois aprofundadas e radicalizadas, no bom sentido, pelo governo Lula). Herança que os tucanos abandonaram nas três campanhas presidenciais em que foram derrotados e que defenderam muito envergonhados. PSDB e Aécio : agora, o "como fazer" - II Pode ser um bom começo para aquecer as forças partidárias para o embate eleitoral e solidificar a unidade agora exibida, alcançada a duras penas (coloridas, como só cabe a tucanos de extirpe). Não basta, porém, até porque, até agora, a estabilidade monetária já é uma conquista do país, a memória nacional quase perdeu o seu mentor, e as conquistas sociais estão definitivamente incorporadas ao patrimônio petista. Que, aliás, sabe incorporar muito bem os seus feitos - e também os não-feitos. Além de esconder os malfeitos. Aécio, para se mostrar competitivo, terá de passar da celebração do passado e das críticas à atual condução da política econômica para uma etapa mais avançada do que fazer e como fazer para melhorar a situação atual. PSDB e Aécio : agora, o "como fazer" - III Os percalços que a economia nacional está registrando nos últimos meses, como temos comentado em nossas colunas mais recentes, ainda não chegaram com força até as classes que têm o maior cabedal de votos e que decidem de fato no Brasil qualquer eleição : os extratos D, E e a chamada "nova classe média" ou "classe média de Lula". É para esses que os tucanos precisam arranjar um "discurso" e propostas concretas - e principalmente factíveis - para manter a estabilidade da moeda e melhorar a qualidade de vida da população. Os eleitores do que se convencionou também de chamar de o "andar de cima" do extrato social, tirante em algumas camadas, já são votos anti-petistas por natureza. O próprio PT já sabia disso e nas últimas eleições tem feito esforços para mudar isto. A candidatura vitoriosa de Fernando Haddad à prefeitura de SP teve tal viés. Agora, Lula busca novos "Haddads" para concorrer a alguns governos estaduais, especialmente ao de SP. Os tucanos terão de descer de seus poleiros engalanados e pular ao rés do chão se quiserem ser competitivos em 2014. Ficar simplesmente esperando a economia desandar pode significar mais quatro anos de relento na esfera Federal. Um agravo para Dilma e para as expectativas econômicas Como comentamos na nota anterior, o "andar de cima" nunca foi de depositar a maior parte de seus votos nos candidatos petistas ou por ele apoiado. Inclusive o empresariado - ele até financia as campanhas, no velho modelo de botar ovos em várias cestas, porém no silêncio das urnas costuma ser mais conservador. Aliás, aqui como acolá, mundo afora. Porém, impressiona como estão se deteriorando rapidamente as expectativas do mundo empresarial no governo Dilma, puxada pelos percalços que a economia vem apresentando e a forma como a política econômica vem sendo conduzida. Essa perda vem sendo registrada, paulatinamente, pelos índices de confiança mais recentes levantados tanto por instituições como a FGV como por entidades empresariais tipo CNI e Fecomércio. Um agravo para Dilma e para as expectativas econômicas - II O mais recente sinal dessa deterioração foi retratado por uma pesquisa realizada na semana passada pelo jornal "Valor Econômico". Levantamento feito com presidentes de 97 das 200 maiores empresas do país, durante o Fórum da Associação Brasileira de Recursos Humanos, revelou que 66% deles (56% na sondagem anterior) se revelaram dispostos a votar em Aécio Neves contra apenas 12% para ela, 11% para Eduardo Campos e o restante para Marina Silva e outros. A boa notícia para a presidente é que 68% dos entrevistados dizem que ela será eleita, o que significa que os empresários não acreditam que a deterioração do ambiente econômico que está elevando a insatisfação deles vá chegar à maioria dos eleitores. Um agravo para Dilma e para as expectativas econômicas - III De todo modo, a insatisfação dos empresários com o cenário macroeconômico é um dado complicador para a gestão econômica, no momento em que o governo busca reconquistar a confiança deles para ampliar os investimentos na economia nacional. E a política eleitoral está de tal maneira embaralhada com a economia que torna todo o quadro ainda mais confuso. Mais sobre a MP dos Portos no blog "A política como ela é" (Clique aqui). O jogo político-partidário ficou mais delicado As forças de informações governamentais dão como uma vitória do governo a aprovação, catimbadíssima como se diz na gíria esportiva, da MP dos portos, sem modificações "destrutivas" ao projeto original e ao parecer do senador Eduardo Braga (PMDB/AM). As distorções mais graves impostas pelos rebeldes aliados nas madrugadas de votação na Câmara, garantem as ministras Ideli Salvatti e Gleisi Hoffman, serão extirpadas por vetos presidenciais. É meio fato esta interpretação oficial. Ao final da maratona, o que se viu é que está totalmente desprestigiada a chamada "coordenação política do governo" e as relações do Palácio do Planalto com seus aliados. O jogo político-partidário ficou mais delicado - II Não funcionam nem as resistências de Dilma em não ceder mais do que ela entende do que seria razoável - ceder ela cede, basta ver o rosário de nomeações de aliados - nem ceder além disso, com verbas para as emendas parlamentares e outras promessas sendo liberadas de última hora. O governo fica sempre a mercê do Congresso nos grandes momentos. Diz-se que o grande rebelde desta vez, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, foi derrotado pelas forças governistas. Ora, se o foi, por que a necessidade de vetos ? E se os vetos podem gerar novas insatisfações e novos embates. A realidade é que a presidente Dilma saiu deste embate, infelizmente para ela e para boa parte dos brasileiros, um pouco mais dependente do PMDB no Congresso. Na última hora o socorro veio para ela de Henrique Alves e, especialmente, de Renan Calheiros. Parecia até que o PMDB jogou afinado para valorizar seu passe : enquanto Eduardo Cunha e sua turma batiam, o comando peemedebista assoprava. Com dois agravantes : o PT não gostou dessa afinação peemedebista. E uma parte do petismo não gostou nada do projeto aprovado. Dilma vai ter de mudar muito seu modo "político" de agir, tanto com o Congresso como internamente. Já começam a pipocar de todos os lados - e não apenas dos discursos da tímida oposição - críticas e observações negativas ao estilo presidencial de ser e de governar. FT : frustração e o estilo "mandão" de Dilma Vejamos os dois extratos do editorial do FT de ontem : "(...) corre o risco, mais uma vez, de frustrar imensas expectativas". "A aparente sensação de bem-estar do Brasil é uma fachada. O crescimento da economia no ano passado foi de menos de 1%, pouco melhor que a zona do euro. Este ano, o Brasil está crescendo menos que o Japão. A inflação está corroendo a confiança do consumidor e há uma sensação de mal-estar. A causa é o abrandamento do investimento, tendência que começou em meados de 2011 e continua. Mais investimento é exatamente o que o Brasil precisa para manter os empregos e tornar-se a potência global a que aspira ser". (...) "O estilo 'mandão' dela não é adequado para a persuasão colaborativa exigida pelo tipo particular de política de coalizão do Brasil. A tomada de decisão tem sido centralizada, o que evita a corrupção, mas retarda o processo. Dilma também tem evitado consistentemente as reformas orientadas para o mercado em favor do protecionismo de alguns setores preferidos e seus lobbies, como as mimadas montadoras"(...) Para quem tem dúvidas sobre a deterioração da imagem do país, meio editorial basta. O vencedor é... Renan Calheiros tornou-se candidato imbatível este ano ao "Troféu Bravateiro-Mor do Brasil", disputa no Brasil que na seara da política sempre teve uma boa centena de pós-doutores aptos a abocanhar o laurel. O senador alagoano e presidente do Senado já ganhou a corrida depois que alardeou que na votação da MP dos portos foi a última vez que a Casa fará algo de afogadilho como fez quinta-feira e que de agora em diante o Senado não votará MPs que lhe cheguem com menos de sete dias antes de caducar. Calheiros fará o que seu senhor - ou melhor, sua senhora - mandar. Escrevam para conferir. Traduttori, traditori Só pode ter sido uma traição - ou um grave equívoco do tradutor - a afirmação atribuída ao ex-presidente Lula no evento comemorativo dos dez anos do PT na presidência da República, em Porto Alegre, na presença de Dilma. Não pode ser para valer : "O político ideal que vocês desejam, aquele cara sabido, aquele cara probo, irretocável do ponto de vista do comportamento ético e moral, aquele político que a imprensa vende que existe, mas que não existe, quem sabe esteja dentro de vocês". Como diz o aforismo italiano, traduttori, traditori. Lençóis maranhenses Desculpem a ignorância, a falta de informação desses escribas, mas ficamos, por dizer assim, estupefatos, ao descobrirmos que no Maranhão existe um município batizado de Governador Edison Lobão. No futuro devemos esperar também um com o codinome "Ministro Edison Lobão" e uma série de outras municipalidades com o sobrenome "Sarney", uma família que é uma espécie de donatários da província, e à qual Lobão é agregado. Mais notícias dos lençóis maranhenses Informações de um blog local - "Blog Marrapa" - reproduzidas pelo blog do jornalista Ricardo Noblat, de Brasília, na semana passada : "A governadora Roseana Sarney passou pelo maior vexame durante a passagem do governo itinerante por Governador Edison Lobão. Confrontada sobre a qualidade de ensino por um aluno da escola pública, Roseana se viu encurralada. - Se as escolas não têm qualidade, você tem que cobrar isso dos professores - respondeu a governadora, se esquivando da responsabilidade. Esperto, o estudante retrucou : - Eu estou falando é de infraestrutura da sala de aula, escola com estrutura adequada. Sem reação, ela tenta desviar do assunto : - Ei, ei, ei, olha aqui. Eu quero saber qual foi sua nota do Enem. Nisso o estudante desmascara Roseana mais uma vez e acusa a situação do ensino público oferecido pela rede estadual : - Eu ainda não fiz o Enem, tô sem aula, e tô correndo risco de não fazer o Enem porque não tem professor na sala de aula". Como diria Millôr Fernandes, pano rápido. E sem comentários, por desnecessários. O Índice de Desenvolvimento Humano o Maranhão já diz tudo. Radar NA REAL 17/5/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,2983 estável baixa - REAL 2,0380 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 55.164,27 estável/queda estável - S&P 500 1.667,47 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.498,97 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 14 de maio de 2013

Política e Economia NA REAL n° 245

Uma questão de confiança ? A semana passada chegou ao fim com um clima ainda menos otimista entre os chamados agentes econômicos depois de mais alguns índices desfavoráveis relativos ao desempenho da economia brasileira. Entre outros, mais um "vexame" da indústria em que pesem os seguidos incentivos que o governo vem distribuindo. Agora não são apenas aqueles tidos como pessimistas profissionais ou os "jogadores do mercado" que já não acreditam que a economia nacional vá crescer mesmo modestamente como as autoridades constituídas acreditam - ou torcem para tal. Uma questão de confiança - I As contas oficiais vão dos 3,5% do ministro da Fazenda Guido Mantega, o mesmo índice adotado na primeira revisão orçamentária do ano, até 3,1% do mais comedido BC de Alexandre Tombini. No mundo fora do oficialismo, porém, as previsões já estão se fixando em 2,5% ou até menos. É o número predominante nas empresas, entre os "mercadistas" a aposta é menor. Há alguns, ainda com algum exagero, que já falam em menos de 2%. A única certeza - e algum consolo - é que, a não ser que sobrevenha um desastre, o PIB deste ano, ainda um PIBinho, será melhor que o PIBzinnho de 0,9% de 2012. Uma questão de confiança - II O que impressiona nesses sinais de descrédito do setor produtivo da economia nacional é que estes ocorrem mesmo diante do ativismo retórico do governo Federal, da presidente Dilma, do ministro Mantega e de outros menos votados, que dia sim, outro também, juram de mãos erguidas que o PIB vai se recuperar ali na esquina. Já foi em janeiro, já foi em fevereiro, já foi em março, pode ter sido em abril, vai ser certamente em maio... Além disso, impressiona também a atividade econômica não ter dado sinal de sua graça apesar de todos os pacotes com que tem sido agraciada. Todo esse ambiente indica, na realidade, que o sistema produtivo nacional - e mesmo os agentes privados, o cidadão comum consumidor - está perdendo a confiança na capacidade do governo de mudar para muito melhor os rumos da economia. E já não dá nota 10 para o que o governo diz e promete. Há algo de novo no ar Um dos maiores desafios teóricos e práticos da atual conjuntura é a conjunção de fatores "híbridos" que se somam para formar um cenário obscuro. Vejamos : temos emprego elevado, fraqueza de demanda, estabilidade do custo de crédito, inflação em alta, câmbio muito valorizado, injeção de recursos fiscais na economia e indústria cambaleante. Além disso, os investimentos externos estão vindo, mas pouco contribuem para o PIB crescer. O interessante é que o governo, detentor do maior número de informações sobre todos estes temas, não é capaz de organizá-los e torná-los matéria-prima para uma política econômica digna deste nome. Em meio a tudo isso há mudanças na Fazenda e no Desenvolvimento. Semana cheia A agenda desta semana está repleta de eventos no exterior. China, EUA, Japão e Zona do Euro divulgam dados relevantes sobre suas atividades econômicas e níveis de inflação, desemprego e indústria. O Brasil ocupa pouco espaço na agenda dos investidores, mas há um dado relevante para a economia nacional. Na próxima quarta-feira, o IBGE divulga o desempenho do varejo em março. A expectativa é de queda de cerca de 0,50%. O BC vai divulgar esta semana também sua prévia do PIB de março, o IBC BR. Uma coisa é certa : o mercado financeiro e de capital lá fora está eufórico. Parecem empolgados com qualquer indicador minimamente favorável. Os mecanismos que criaram a "bolha" de 2008 estão intactos e operando em larga escala... A revolta do "subs" Pode ser apenas uma coincidência, ou questões de relações pessoais, profissionais e funcionais, mas o fato real é que dois principais funcionários da área econômica do governo estão insatisfeitos e podem pular fora do barco. Segundo informações brasilienses, o secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Alexandre Teixeira, e o secretário Executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, pediram demissão. Coincidentemente, ambos são de extrema confiança da presidente Dilma e ambos também têm dificuldades de convivência com seus chefes diretos, o ministro Fernando Pimentel e o ministro Guido Mantega. Mas como o céu em Brasília, por causa do ambiente econômico, não está para voos de brigadeiro, não é improvável que os dois - ou um deles - e quem sabe outros mais percam a cabeça para justificar o que já está acontecendo. Quando as coisas vão mal, a tese do bode expiatório sempre entra em ação. Afinal, no mundo da burocracia tem de haver sempre um responsável por erros ou equívocos. E ele não pode ser o chefão ou chefona. Faltou dizer a razão - I O poderoso - não é formalmente ministro, mas manda formalmente muito mais que a maioria deles - Bernardo Figueiredo, presidente da Empresa de Planejamento Logístico, anunciou em evento organizado pela FIESP que o pacote de concessões de rodovias está finalmente pronto e os leilões deverão começar a ocorrer a partir de setembro. O pacotão logístico - inclui, além de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos - foi lançado pela presidente Dilma Rousseff, em um evento com toda a pompa e circunstância marqueteira oficial em agosto passado. Portanto, os leilões vão abrir-se quase um ano depois, após a primeira tentativa de conceder lotes da BR-040 e da BR-116 ter fracassado em janeiro por falta de interessados. É tempo demais para um país que já tem quase 20 anos de experiência em concessões de rodovias. O próprio governo petista já fez as suas. Faltou dizer a razão - II Figueiredo não explicou os motivos de tanta demora nem foi perguntado sobre isso. Não precisava, porém. A razão é simples e clara : a forma envergonhada com que o governo Dilma avança nas privatizações (prefere o apelido de "concessões"), a tentativa de manter tudo sobre controle oficial e a visão de que os concorrentes privados só querem ter lucros abusivos e precisam ser vigiados. Um dos exemplos desse ativismo estatal é a tentativa de tabelar o lucro do negócio. O governo foi avisado várias vezes de que isto afugentaria concorrentes. Deu de ombros. Só na semana passada, depois de anunciar várias vezes que o faria e recuado, admitiu que a Taxa Interna de Retorno das rodovias passasse de 5,5% para 7,5%. Também para tornar o negócio mais atraente, está facilitando investimentos com dinheiro público, principalmente com o generoso coração do BNDES. Talvez tenha de ceder mais porque está colhendo a desconfiança que plantou a seus reais propósitos de fazer de fato parceria com o setor privado. A abertura dos portos Conceitualmente o governo tem toda a razão de querer pressionar o Congresso para não sucumbir aos lobbies que estão a operar na votação da MP dos portos. Tentam os atuais operadores evitar a concorrência e, assim, operar com os atuais altos custos (e lucros). Neste sentido, a ministra Gleise Hoffman tem toda razão ao afirmar que as negociações não podem descaracterizar os objetivos da MP. O conceito está correto. Todavia, do ponto de vista de gestão governamental há questões inquietantes : (i) por que o governo demorou tanto tempo para implementar estas mudanças ? (ii) por que o governo mantém uma base tão elástica se quando requer apoio tem de negociar quase tudo que quer implementar ? Há ainda uma questão estranhíssima : a ministra Ideli Salvatti, recém-adepta da "privatização" dos portos, pregava no parlamento, quando lá estava, contra aquilo que o governo quer fazer. Haja contorcionismo... Momento decisivo O PSDB escolhe esta semana seu novo diretório nacional. O candidato único - por enquanto - é o senador Aécio Neves, também favorito para ser o candidato do partido ao lugar da presidente Dilma Rousseff. O mineiro tem o apoio de alguns dos principais líderes do partido, entre eles sua figura maior, o ex-presidente FHC. É o preferido também da maior parte dos diretórios estaduais e dos parlamentares da legenda. Tem, porém, pedras no caminho. O principal, que não esconde de ninguém suas birras, é o ex-governador e ex-ministro José Serra. Com ele, o dito "serrismo", cuja verdadeira dimensão no tucanato ninguém conhece em profundidade. Outra incógnita é o governador Geraldo Alckmin, cujos sinais são contraditórios - ora num sentido, ora no outro, como quem às vezes pensa no lugar de candidato presidencial, numa composição (pouco provável) com Serra candidato a governador. A força de Aécio no partido hoje é inegável, mas se ele não conseguir desde a eleição para o diretório uma união para valer das forças tucanas, começa sua trajetória presidencial muito fragilizado. Além de um "discursinho" equivalente ao "PIBinho". A crença de Lula e Dilma - I Mais da fragilidade dos possíveis concorrentes do que em tudo está hoje concentrada a principal estratégia reeleitoral de Dilma. As análises oficiais, para consumo interno, indicam crescimentos mais generosos da economia. PIBãos apenas num possível segundo mandato. Uma situação dessas, de economia rateando, influi no espírito das camadas mais informadas da população e é um fator eleitoral negativo para Dilma. Ela vinha colhendo alguns frutos nesta seara, mas é um território no qual o PT nunca foi benquisto. Portanto, incomoda menos. A crença de Lula e Dilma - II A atenção toda está voltada para evitar que os tropeços da economia atinjam o eleitorado preferencial de Lula-Dilma, o que ocorreria se eles atingissem o emprego e o poder de compra dos assalariados. A economia deve ser embicada nesta direção. Foi o que ensinou o secretário do Tesouro, Arno Agustín, em entrevista há dez dias ao "Valor Econômico". A chance de se segurar esta situação, sem solavancos, até outubro do ano que vem, é grande. Depois, bem... depois a eleição terá passado. Por via das dúvidas, porém, é de bom tamanho esvaziar a oposição. A divisão do PSDB, incentivada por alguns elogios antes negados a José Serra, e a divulgação de pesquisas informais dando o ex-governador com um bom cabedal de votos (o que é fato nas circunstâncias atuais) é um deles. A crença de Lula e Dilma - III É esta também a motivação dos movimentos para garrotear as candidaturas de Marina Silva e Eduardo Campos, não só com as mudanças ensaiadas na legislação eleitoral como com a conquista, a troco de benesses, de possíveis aliados dos dois. O cerco sobre a ex-ministra do Meio Ambiente e o governador de PE deve se fechar cada vez mais até, se possível, deixá-los respirando politicamente por aparelhos. Aécio também não será poupado, na hora certa. A estratégia é ter o mineiro como adversário único da Dilma, totalmente enfraquecido e com a imagem desgastada. A crença de Lula e Dilma - IV É por essas e muitas outras que o ex-presidente Lula está cada vez mais ativo e todos os pudores que procuravam manter certa distância entre ele e a presidente Dilma Rousseff foram inteiramente abandonados. Eles estarão cada vez mais próximos, discutindo cada passo político e administrativo a ser dado, na aliança governista e no governo, sem se importarem com as fofocas de que o Brasil vive um copresidencialismo. A crença de Lula e Dilma - V Em poucas palavras, o governo tem o arrojo eleitoral que não tem na gestão governamental... É a festa Quem está gostando de tudo isso são os partidos da base aliada, exceção talvez do PT, a quem está reservado o papel de ceder para não desagradar os parceiros. Os outros aliados nunca estiveram tão valorizados. E estão sabendo cobrar a sua parte. Radar NA REAL 13/5/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3073 estável baixa - REAL 2,0080 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.447,77 estável/queda estável - S&P 500 1.633,77 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.438,79 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 7 de maio de 2013

Política e Economia NA REAL n° 244

A "leoa" vai rugir ? Denominada pelo secretário geral da presidência da República como uma "leoa" no combate a inflação, a presidente Dilma está prestes, segundo indicações de Brasília, a rugir bravo nos próximos dias - ou horas. Rugir para dentro do governo, com cobranças a seus auxiliares, e para fora, com alguma nova medida econômica e, naturalmente, com críticas aos "pessimistas" e aos de má vontade. O alvo não vai ser apenas a inflação. A "leoa" vai rugir ? - II A semana do feriado do Dia do Trabalho não foi das mais felizes para a presidente, pelo contrário. Dois pontos, principalmente, "balançaram o coreto" do otimismo brasiliense : 1. Novamente o crescimento da indústria em março, de apenas 0,5%, quando a expectativa geral era de um crescimento em torno de 1,3%. Isto levou a uma revisão imediata, por parte de muitos analistas, de suas previsões para o crescimento do PIB este ano. A equipe do economista-chefe do Bradesco, Octávio de Barros, por exemplo, uma das mais ponderadas e com bom grau de acerto, já reviu suas projeções de 3,5% para 2,7%. 2. A deterioração do déficit comercial está se acelerando - foram mais de US$ 6 bi no primeiro quadrimestre, com as importações crescendo bem mais que as exportações. Também nesse item não se acredita mais em saldo positivo, mesmo assim contando-se com extraordinária recuperação nos 8 meses daqui até dezembro. A "leoa" vai rugir ? - III Para mal dos pecados da presidente, com o 1º de maio a inflação subiu definitivamente nos palanques eleitorais. Agora com riscos de produzir caraminholas na cabeça dos eleitores, pois os preços estão pegando direto no bolso do consumidor. Desde que o Plano Real botou um freio na inflação cronicamente elevada que assolava o país desde o fim dos anos de 1970, nunca mais a dança dos preços tinha ocupado lugar de destaque no debate político-eleitoral. No discurso do Dia do Trabalho, pela quarta vez em menos de dois meses, Dilma viu-se forçada a enfatizar seu "desamor" pela inflação, principalmente depois que a oposição passou a acusá-la de "leniência" com a rebelião dos preços e o tema entrou também no foco das centrais sindicais. A "leoa" vai rugir ? - IV Mesmo a CUT, mais governista que suas rivais no movimento sindical, fez referências ao tema na sua festa do Trabalho em São Bernardo. Amanhã, o IBGE anuncia o IPCA, a medida oficial da inflação, de abril. A previsão é que o índice virá mais alto que o de março. A inflação medida em 12 meses, no entanto, deverá ficar abaixo dos 6,5%. Mas não será um grande alívio - as incertezas são muitas e, ao contrário do que se previa, os preços dos alimentos estão resistentes. A "leoa" vai rugir ? - V Dilma, segundo as informações que seu auxiliares vazaram nos dias que antecederam o discurso de 1º de maio, pretendia aproveitar o evento para anunciar outra bondade para os trabalhadores. Seria uma espécie de "kit mobília" : o programa Minha Casa, Minha Vida passaria a financiar também a compra de geladeiras, fogões, máquinas de lavar. Por razões não explicadas, o pacote não saiu e Dilma perdeu o discurso para a oposição. Aguarda-se o troco esta semana. O sono não deve estar sendo muito tranquilo nas cercanias do Palácio do Planalto e dos ministérios econômicos. A voz das ruas A persistência da inflação em níveis que incomodam o BC e o desempenho da economia brasileira como um todo, abaixo do oficialmente e extraoficialmente esperado, não surpreendeu quem, além das consultas às estatísticas, pesquisas, indicadores antecedentes e outros oráculos, frequenta a voz rouca das ruas. Passagens por feiras livres, supermercados, shoppings e lojas de rua, uma visita de vez em quando, por exemplo, ao Ceasa em SP, teria completado as análises de gabinete com boas indicações de que a carestia não quer ceder e as pessoas já estão comprando menos. Só uma indicação de quem está todo dia no campo : o preço dos alimentos não está pressionado apenas por razões sazonais. Há falta de mão de obra no campo e os salários subiram. Por isso, está se plantando menos e cobrando mais. Quem está nesse negócio há muito tempo duvida que os preços da comida básica retornem ao nível de um ano ou seis meses atrás. O que é ? Há algo de muito errado quando um país com a extensão territorial, a qualidade das terras e o clima como o Brasil precisa importar tomate da China. Oposição ocupa espaços vazios com discurso vazio Nos últimos dias, a oposição, especialmente o PSDB, avançou perante o governo, teve mais presença na mídia e mostrou que pode se articular com vista a 2014. Todavia, ainda está devendo uma razão clara, evidente e o porquê o distinto eleitor deve votar em Aécio, Marina ou no neo-oposicionista Campos. O governo petista nunca esteve tão fraco desde o mensalão e o desempenho da oposição parece débil frente a esta fraqueza. Não há propostas e nem arranjos sociais, apenas os encontros partidários, longe do povo e de suas lideranças. Não se sabe o que pensam a turma da oposição. Do governo pelo menos se sabe o que ele faz. O Brasil perdeu a oportunidade Convenhamos : há oportunidades seculares que, quando se perdem, são lamentadas por um bom tempo. Veja-se, a título de ilustração, o Brasil e a Coreia do Sul no início dos anos 1970. Eram ambos "países emergentes" com PIB semelhantes, nível educacional parecido, dimensão de comércio exterior mais ou menos igual. O Brasil era o gigante do "milagre econômico" do regime militar e a Coreia do Sul, um país pequeno também sujeito a uma ditadura. Pois bem : olhado o resultado depois de 40 anos, vê-se a oportunidade perdida. A Coreia do Sul toca os indicadores dos países centrais e o Brasil ainda discute o fim do analfabetismo. Da mesma forma é o que se vê hoje : um país paralisado politicamente por um pacto de poder que se calça na ambição de permanecer mandando. Enquanto isso, a indústria está capenga, a criminalidade impera, a educação mostra suas cáries e assim vai. O Brasil saiu forte da crise de 2008. Agora está se enfraquecendo quando o mundo começa a melhorar. Seria risível, não fosse trágico. EUA : uma boa aposta Observados os indicadores da economia norte-americana no último mês, estamos reforçando a nossa visão de que aquele país é uma ótima oportunidade de investimento, a despeito do extraordinário avanço das cotações das ações nos últimos 12 meses. Os desafios ainda são enormes, mas as políticas de expansão monetária e de estímulos governamentais estão dando resultado. Além do fato de que não há nada como se financiar as taxas de juros negativas pagas aos estrangeiros que para lá destinam a suas poupanças. Saia justíssima A programação orçamentária (em bom português : correção do Orçamento aprovado pelo Congresso) divulgado na sexta-feira revela que há ainda um rombo de R$ 25 bi para o governo fechar suas contas mais ou menos equilibradas, com alguma sobra para pagar parte dos juros da dívida, o chamado superávit primário. Normalmente, esse ajuste é feito na mesma ocasião do anúncio da programação orçamentária, com o "contingenciamento" das despesas excedentes - no caso, este ano, os R$ 25 bi. Porém, excepcionalmente, o Ministério do Planejamento deixou para anunciar o contingenciamento em outro dia, provavelmente no dia 22/5. A razão é muito simples : o dinheiro a ser cortado tem praticamente o mesmo tamanho do das emendas dos parlamentares. E cortar R$ 25 bi das expectativas de deputados e senadores num momento em que a presidente Dilma tem projetos importantíssimos a serem votados no Congresso é risco de desagradáveis surpresas. Dúvida A dúvida é saber se os experimentados parlamentares vão engolir a manobra. Já há uma insatisfação grande na base aliada, a falta desse "alpiste" deve aumentar a grita. Há partidos doidinhos para dar um susto no Palácio do Planalto. Muitos podem aproveitar a MP dos Portos para dar o seu recado. Há uma parcela do PMDB que não se aguenta de tanta coceira para uma traiçãozinha. PMDB : é um porto seguro ? A cúpula do PMDB velha de guerra armou-se tão bem - aproveitando-se também das divergências petistas - que hoje a presidente Dilma Rousseff depende cada vez mais de sua boa vontade para não ser surpreendida desagradavelmente no Congresso Nacional. A MP dos Portos é um exemplo. O PMDB tem Eduardo Cunha como expoente, em conluio com alguns governadores, especialmente o de PE, Eduardo Campos. Ele está se armando para aprovar um texto nada palatável para os propósitos de modernização do setor pretendido pela presidente. PMDB : a esperança de Dilma A esperança de Dilma é a interferência direta - e da apregoada liderança - de Renan Calheiros, José Sarney e Michel Temer - a quem ela apelou na semana passada para ajudar a conter os peemedebistas mais rebeldes. Mas quem conterá os outros aliados também insatisfeitos com o projeto ? O fato é que a coordenação política de Dilma no Congresso está falha, é capenga, e o experiente PMDB está sabendo bem se aproveitar disso. O PT já está, nesse aspecto, em segundo plano. Judiciário ativo, Legislativo omisso O Congresso Nacional se queixa, como recentemente, às vezes com razão, de um certo "ativismo político" do STF, da "judicialização da política", ou seja do Judiciário "invadindo" as prerrogativas do Legislativo. Antes de gritar, no entanto, a Câmara e o Senado deveriam atentar para os motivos que estão alimentando esse processo. Basicamente, são três : 1. A baixa qualidade das leis produzidas no Legislativo, muitas induzidas pelas MPs impostas pelo Executivo. Depois então que se passou a usar as MPs como "barriga de aluguel" para todo o tipo de proposta, a coisa degringolou. Há certas leis, de tão confusas, que só uma Comissão Internacional de Juristas para entendê-las e interpretá-las. 2. A omissão do Congresso, que deixa muitas coisas por fazer e outras faz pela metade. Veja-se que até hoje há várias normas da Constituição sem regulamentação. Caso, por exemplo, do direito de greve do funcionalismo público. Outro é o da fidelidade partidária, imposta pelo Judiciário porque o Congresso não se definiu. 3. A interferência dos próprios parlamentares. A maior parte das decisões do Supremo que incomodaram o Congresso por "invadirem" suas prerrogativas foi provocada pelos próprios parlamentares ou partidos. Casos da fidelidade partidária e, agora, da suspensão da votação da lei que dificulta a criação de novos partidos. O problema, diga-se, não está restrito apenas à seara da política. Há também queixas contra a "judicialização da economia" e contra a "judicialização da saúde". Do jeito que a carruagem anda no Congresso, a tendência é só piorar. Radar NA REAL 7/5/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA alta estável/alta - Pós-Fixados NA alta estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3073 estável baixa - REAL 2,0096 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 55.429,88 estável/queda estável - S&P 500 1.617,50 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.392,97 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 30 de abril de 2013

Política e Economia NA REAL n° 243

Crise institucional ? - I A construção do Estado Brasileiro do qual a Constituição é uma corolário, bem como a legalidade (ou seu "espírito") historicamente são usados no proselitismo político como os meios racionais para atingir o chamado bem comum. Convenhamos, o que se fez de melhor na história brasileira foi a completa confusão entre a ideia de república e os interesses privados. Aí, temos fronteiras bem flexíveis. A classe política tem sido a exata representação desta "cordialidade" brasileira. A recente crise entre os poderes deve ser vista neste contexto. O que se vê não é uma cizânia política com raízes sociais. O Brasil parece, de fato, deitado em seu já famoso berço esplêndido à espera, quem sabe, do futuro. Nossa maior fonte de pacificação social não advém da ordem jurídica ou da excelência do funcionamento dos Poderes Estatais. Vejamos. Crise institucional ? - II A sociedade brasileira está pacificada por uma mistura de Estado-provedor (mas, não desenvolvedor) com o Estado-burocrático, este último aparelhado pelas estruturas de poder que tomaram de assalto (sem trocadilhos) a chamada res publica. Isso não vem de agora, mas agora mostra seus dentes sem a vergonha dantes. Judiciário, Legislativo e Executivo são parte do mesmo jogo. Cada um com seu quinhão cumpre seu papel de descaso com a sociedade. Neste contexto, e apenas a partir dele, é que se pode entender o que está em jogo entre o Congresso e o Judiciário. Crise institucional ? - III O PT (e seus aliados) acha que o Judiciário avançou muito em sua seara. Estamos falando de interesse público ? Não. Estamos falando do jogo eleitoral e policial (mensalão) que ronda o Poder nos últimos meses. A intervenção do Judiciário limitou os espaços de acordos com vistas a 2014, além de certa dose de vingança que o petismo quer impor pela condenação de José Dirceu e sua tropa. De outro lado, depois das revelações recentes sobre "como se faz um juiz do STF" alguém pode achar que o Judiciário vai esticar demasiadamente a corda do Legislativo ? Ora, se há uma coisa certa no noticiário é que não há crise institucional nenhuma. O que há é que os quinhões do Poder Estatal se realinham para atender a seus interesses imediatos. Pode sair alguma fumaça, mas não há fogo. Afinal, não há nada de interesse público nofront. Dilma, Lula e a arte de desistir Sinais de fumaça nos céus brasilienses dão indicações de que a presidente Dilma e, por extensão, o ex-presidente Lula teriam desistido de trazer de volta ao redil presidencial o rebelde governador de PE, Eduardo Campos. O neto de Arraes tornou-se um caso perdido, irrecuperável para as boas práticas petistas depois do programa eleitoral do PSB no rádio e na televisão quinta-feira passada. O presidente nacional dos socialistas teria se excedido nas críticas ao governo e suas políticas. Foram decibéis acima do aceitável para um aliado - ainda mais um aliado com cargos no governo - e que sempre teve grande apoio de Brasília para governar seu Estado. Dilma, Lula e a arte de desistir - 2 O tiroteio foi mais pesado que o desferido pelo tucano oposicionista Aécio Neves. Assim, Dilma e Lula (ou seria o contrário) preparam-se para desidratar a presença de Campos na burocracia Federal. E, de quebra, desidratar sua força no PSB. Até o fatídico programa de quinta-feira, a ideia era não "punir" o governador pernambucano para não transformá-lo em vítima e também porque ainda havia esperanças de seu retorno aos braços aliados. Agora, aguarda-se apenas a oportunidade política para o tiro de misericórdia. Dilma, Lula e a arte de desistir - 3 Esta semana, com o feriado de amanhã que esvazia a capital da República e desarma os espíritos políticos, parecia o ideal para o acerto com o governador pernambucano. Porém, as escaramuças entre Legislativo e Judiciário aconselham certa prudência em lances político-eleitorais que podem acirrar os ânimos oposicionistas e gerar mais solidariedade entre os candidatos a adversários de Dilma. Um dos motivos do estranhamento entre o Congresso e o STF foi exatamente a liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes suspendendo a tramitação de uma proposta pensada para dificultar o nascimento de novos partidos. De interesse do governo, a medida prejudicaria especialmente a ex-ministra Marina Silva e o neto de Arraes e, por tabela, também o senador Aécio Neves. Dilma, Lula e a arte de desistir - 4 De todo modo, passada a tormenta, um pouco talvez à sorrelfa, Campos - e o PSB que segue sua orientação - serão apeados de postos que ocupam na Chesf, na Sudeco e na Sudene. Ao mesmo tempo, o ministro Fernando Bezerra, indicação dele para o ministério da Integração Nacional assinaria a ficha do PT, partido pelo qual se tornaria o candidato petista à sucessão do próprio Campos. Já os dissidentes, dentro do PSB, irmãos Cid e Ciro Gomes, manteriam com Leônidas Cristino, a Secretaria (com status de ministério) dos Portos, sem dar bola para Campos. E se o governador de PE resolver complicar a vida dos dissidentes do PSB, o PSD de Gilberto Kassab já foi posto de sobreaviso para abrigá-los. Semana passada Kassab esteve em Fortaleza oferecendo sua legenda a Cid e Ciro. O governo quer fazer as manobras com alguma cautela e sutileza para mostrar que não é Eduardo Campos que está saindo do governo, mas o governo que está desistindo dele. Desistiram o Mercadante Com um ar que não escondia um misto de conformismo com constrangimento, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou ter desistido de disputar o governo de SP nas eleições de 2014. Alegou o ministro que faz essa renúncia para ficar na pasta porque a educação é "a grande prioridade estrutural do país e seu maior desafio". O desafio da educação é fato, porém o motivo alegado por Mercadante para não trocar o ministério pela disputa pelo lugar de Geraldo Alckmin se choca com os fatos reais. Não foi Mercadante que desistiu, foram Lula e Dilma que desistiram dele. Assim como Marta Suplicy, outra que já "foi desistida" pela dupla de suas pretensões paulistanas e paulistas, o ministro da Educação não preenche o requisito do "novo na política" que desde o sucesso das candidaturas da própria Dilma e de Fernando Haddad, Lula adotou para escolher os candidatos do PT aos governos municipais e estaduais que mais interessam ao partido. Interesses superiores É óbvio que haverá exceções, porém a regra geral será esta. A outra é a ordem unida que estabelece que o partido deve ceder aos aliados nos Estados sempre que eles exigirem para garantir o apoio ao interesse maior - a reeleição de Dilma. Veja-se o caso do senador Lindbergh Farias no RJ : o "novo" terá de ceder ao meio esclerosado PMDB. Pode até, com rebeldia, firmar sua candidatura. Contudo, não terá as bênçãos oficiais. Como ele e Mercadante, tem muita gente ainda para "ser desistida" até 2014 na seara petista. Oposição sem voz Marina Silva, Aécio Neves e Eduardo Campos andam ativos, "discurseiros" num tom bem crítico ao governo Dilma e às estripulias institucionais do PT. Porém, observam alguns analistas, as críticas se concentram no óbvio e não apontam caminhos. Não apontam alternativas ao que criticam. Diz um desses observadores, com malícia : "Parecem o PT dos tempos de oposição. Só criticava.. Os cinco anos de Aécio Não há segredos nas intenções reais da defesa que o senador mineiro passou a fazer do fim da reeleição para a presidente com um mandato de cinco anos para valer já a eleição de 2014. É abrir mais uma porta para um entendimento com Eduardo Campos, num possível segundo turno contra Dilma ou, em caso de emergência, caso as pressões do governo para barrar concorrentes da presidente, leve os adversários a um acordo já no primeiro turno. O modelo é simples : o mais cotado vai disputar a presidência em 2014 e o outro disputa em 2019. Como o governo, o PMDB e o PT estão fazendo tudo para aproximar Campos, Aécio e Marina, o que parece impossível uma hora pode se tornar viável. Em tempo : (i) Em outros tempos, antes de aportar no Palácio do Planalto, o PT era contra a reeleição ; (ii) A reeleição presidencial no Brasil é cria do tucano FHC. Desafios para a liderança de Temer Em vozes amigas, o vice-presidente Michel Temer tem sido apontado como o grande - e discreto - articulador político da presidente Dilma. Por conta desses informantes, alguma dificuldade que aparece para o governo no Congresso e/ou na base aliada e lá está Temer cumprindo uma missão de paz. E sempre, segundo ainda essas informações, com extraordinário sucesso. Nos próximos dias ele terá novas oportunidades de exercitar-se nessas missões quase impossíveis e três ameaças no Congresso aos interesses oficiais, todas, por curiosidade, com o dedo do PMDB, partido do qual o vice-presidente é presidente licenciado e inconteste líder : 1. A MP dos portos, aprovada em Comissão do Senado com emendas que contrariam o que o governo quer. O relator foi o peemedebista Eduardo Braga, líder do governo no Senado, e um dos maiores "agitadores" pelas mudanças de desagrado do Planalto é o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha. 2. Animada por alguns peemedebistas, segue a colheita de assinaturas para a instalação de uma CPI para investigar a situação da Petrobras. A ordem oficial é barrar a iniciativa, mas seus patrocinadores até agora não ouviram os recados. 3. Há também as digitais peemedebistas, a começar pela disposição do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, de colocar a proposta em votação, o projeto que obrigará o governo a liberar automaticamente todas as emendas dos parlamentares. Elas não poderão mais ser suspensas ou anuladas pelo chamado "contingenciamento orçamentário". O ministério da Fazenda não dorme só de pensar nessa possibilidade. Na linha de frente aqui também o sempre onipresente Eduardo Cunha. Excelentes ocasiões para o vice Temer mostrar seu controle sobre o partido que preside e para o PMDB demonstrar sua tão decantada fidelidade à presidente Dilma. Superávit! Que superávit ? Preços ! Que preços ? A entrevista do secretário do Tesouro Nacional, Arno Agustin, um dos principais interlocutores econômicos de Dilma no governo, ao jornal "Valor Econômico" de segunda-feira, e o resultado tido como fraco das contas federais em março e no trimestr, acabaram com qualquer dúvida. Aliás, Agustin deixa isto bem claro : o governo abandonou de vez seus compromissos em manter um superávit primário robusto, com base em uma certa austeridade fiscal, e condiciona isto ao movimento do PIB. Se o PIB fraquejar, vai gastar mais. Para Agustin, será assim em 2103 e 2014. E, se Dilma for reeleita, nada improvável, em 2015 e 2016 também. A meta não é a inflação, que, segundo o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, já subiu para o nível de 5% a 5,5% por longo tempo. A questão é saber como se sentirá o BC, que de uns tempos para cá começou a dar cada vez maiores sinais de "desconforto" com a inflação. E como se sentirão os próprios preços. Curioso é que hoje, também no "Valor", outro consultor econômico de Dilma, este externo, o ex-ministro Delfim Neto, diz que a "situação fiscal e o equilíbrio externo apresentam alguns sinais nebulosos cuja evolução exige cuidado". Radar NA REAL 29/04/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3099 estável baixa - REAL 2,0048 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.151,15 estável/queda estável - S&P 500 1.594,20 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.310,96 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 23 de abril de 2013

Política e Economia NA REAL n° 242

O novo "pacote de abril" ou...recordar é viver - I Era o ano de 1977, mês de abril, "o mais cruel dos meses" como escreveu o poeta T.S. Eliot. Agastado com as dificuldades de aprovar no Congresso Nacional - pelo menos no papel inteiramente governista - seu projeto de reforma do Judiciário, o general-presidente Ernesto Geisel fechou o Legislativo e baixou uma série de medidas que foram além das mudanças na Justiça - atingiram também o sistema político-partidário. Foi o que se chamou de "A Constituinte do Alvorada" - a Constituinte de um general. O decreto ficou conhecido como o "pacote de abril" e gerou o bloco carnavalesco mais animado de Brasília até hoje : o Pacotão. A desculpa era o Judiciário, mas Geisel visou mesmo manter a força e o domínio do governo, por meio do partido oficial - a Arena (o da oposição era o MDB, hoje transformado nessa coisa amorfa que está aí, o PMDB) - no Congresso e garantir a eleição de mais um general-presidente em 1978. O novo "pacote de abril" ou...recordar é viver - II Em 1974 o MDB havia tido um extraordinário desempenho nas urnas e aumentara substancialmente suas bancadas na Câmara e no Senado. Se a carruagem continuasse andando como estava, principalmente porque a economia, depois da primeira crise do petróleo não vinha mais nos seus melhores dias, a tendência seria a oposição chegar perto e até ultrapassar a Arena. Geisel mudou tudo. Seriam eleitos dois senadores em 1978. Ele criou então um senador biônico, eleito indiretamente pelas Assembleias Legislativas. Aumentou também o número de deputados dos Estados menores, mais submissos à vontade de Brasília. Manteve também a eleição indireta para governadores de Estado. E alterou o quorum para aprovação de emendas constitucionais, que passou de dois terços para maioria absoluta. O novo "pacote de abril" ou...recordar é viver - III Tudo isso para assegurar "tranquilidade" a seu sucessor na área legislativa - que viria a ser o general João Figueiredo. Nem tudo funcionou. Figueiredo perdeu o controle geral, engoliu na Arena um candidato que não era do seu paladar - Paulo Maluf - e viu por fim o Congresso rebelado escolher para a presidência o oposicionista Tancredo Neves, do já renomeado PMDB, para seu lugar. O novo "pacote de abril" ou...recordar é viver - IV Os movimentos do PMDB e do PT, com o claro incentivo do Palácio do Planalto e da presidente Dilma, para impedir que os novos partidos que surgirem no Brasil a partir de agora não tenham direito a tempo na televisão e ao dinheiro do fundo partidário proporcionais ao número de deputados que conquistarem, carregam todas as semelhanças e coincidências com o "Pacote de Abril" dos generais. Só o modus operandi é distinto : não sai do Palácio, vai pelo rolo compressor oficial no Congresso. Em tese, o objetivo alegado é até correto - é preciso botar um fim na farra de criação dos partidos no Brasil. Em parte essa bagunça partidária é incentivada pelos "bens de raiz" do horário eleitoral e do fundo partidário. Dá para o partido sobreviver sem muitos votos e ainda fazer barganhas na propaganda eleitoral. Porém, não é este o "nobre" propósito que move PT, PMDB e o Planalto. Meses atrás eles não se incomodaram com as mesmas pretensões do então prefeito de SP de criar um novo partido. O PSD, esta nova agremiação, nasceu robusta, com o amparo nada discreto deles. Ganhou até na Justiça seus "bens de raiz". Mas era interessante : Kassab vinha para fraturar a oposição. Bebeu boa parte de seus correligionários com mandato nesta seara, especialmente no DEM. O novo "pacote de abril" ou...recordar é viver - V Agora, a ameaça é outra. Os novos partidos que estão para nascer - o Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, o Solidariedade, de Paulinho da Força, e o Movimento Democrático (MD), fusão do PPS e do PMN - estão do outro lado. O Rede garante a candidatura de Marina. O Solidariedade pode ir para Eduardo Campos ou cobrar caro um apoio à reeleição. E o MD irá com Campos ou Aécio Neves. E todos devem buscar adeptos em insatisfeitos aliados. De Geisel a Dilma, da Arena ao PT e PMDB, cada um tem o pacote de abril que merece. O jornalista Ruy Fabiano, de Brasília, também abordou este tema em seu artigo semanal no "Blog do Noblat". Vale lê-lo. (clique aqui) Recordar não é viver Mais um pouco de história. Em 1980, quando o governo do general Figueiredo impôs uma reforma partidária, abrindo espaço para o fim do bipartidarismo, um grupo de políticos filiados ao então MDB, liderados por Tancredo Neves, da face mais moderada do partido, juntou-se a descontentes do partido militar, a Arena, e fundou o PP, Partido Popular. O PP chegou a ser visto como linha auxiliar do governo, para esvaziar o crescimento da oposição liderada por Ulysses Guimarães, político odiado pelos militares de um modo geral. A ilusão do PP de que o jogo era para valer durou pouco. Meses depois o general Figueiredo baixou um pacote de reformas eleitorais proibindo as coligações partidárias e estabelecendo o voto vinculado (o eleitor deveria votar apenas em candidatos de um mesmo partido) para evitar novos avanços da oposição. Sem saída, Tancredo e seu grupo fizeram uma convenção e aprovaram a incorporação ao PMDB. Com ele, ganharam o Colégio Eleitoral que elegeu exatamente Tancredo Neves como sucessor de Figueiredo. Como na lição do "Pacote de Abril", mágicas eleitorais costumam ser tiro pela culatra. A quem interessa ? O inquérito administrativo a respeito das estripulias de Rosemary quando era a poderosa dona do gabinete presidencial em SP, nos tempos de Lula, correu em sigilo e em sigilo estava. De repente, não mais que de repente, vazou para a revista "Veja". Como não é possível que nenhum jornalista tenha surrupiado o documento das gavetas do Palácio do Planalto e nem que alguém da oposição o tenho feito, a conclusão é lógica : o vazamento é oficioso. Ou seja, é fogo amigo. A quem interessava fazer e quem é o alvo ? Não é preciso ser nenhum Sherlock para descobrir as respostas. Governo vai afrouxar a política fiscal Está anunciado que o governo não mais se comprometerá em cobrir a parte que cabe aos Estados e municípios no cumprimento da meta de superávit primário. Na prática, com as mágicas dos últimos anos, fica totalmente abandonada a meta de economia de 3,1% do PIB de economia de gastos para cobrir a conta de juros. Há muitos analistas que acham que realmente o Brasil não precisa agora de um superávit tão grande. Mas a opinião unânime é que alguma disciplina fiscal é necessária. Caso contrário, uma hora o BC vai ter de ser mais duro nos juros. Para entender a razão, veja-se o que escreveu o ex-ministro Delfim Neto, conselheiro da presidente Dilma, no "Valor Econômico" : "Uma leitura mais atenta do último Relatório de Inflação (março 2013) mostra que o Banco Central tem uma visão mais complexa do nosso processo inflacionário, e sabe que o seu controle efetivo e definitivo está fora do seu alcance, sem o apoio de sólida política fiscal e aprovação pelo Congresso de medidas que aperfeiçoem as instituições e dêem suporte : 1) à superação dos mecanismos protetores de grupos privados com poder de mercado maior do que o razoável ; e 2) promovam a redução dos benefícios exagerados de que se apropriaram os servidores públicos que controlam Brasília". A decisão do COPOM Conforme previsão geral da nação, o BC aumentou a taxa básica de juros para 7,5%, um aumento de 0,25%. Optou a autoridade monetária por um "caminho suave" frente a uma inflação que ameaça se espalhar pela economia. O governo e o BC, unidos, tentam conciliar dois objetivos difíceis de operarem no mesmo sentido : alta dos juros para controlar a inflação e aumento da atividade econômica. Não à toa os agentes econômicos se posicionam do lado mais provável : baixo crescimento e meta de inflação sob risco. Prevalecerá a mediocridade governamental na política econômica assentada na falta de oposição política e social ao baixo crescimento. Quantos votos eles têm mesmo ? - capítulo dois O jornalista Josias de Sousa, em seu blog no UOL, deu a notícia da inscrição de um dos donos do grupo JBS Friboi, freguesão do BNDES, José Batista Junior, no PMDB de GO quando já se tinha como certa sua entrada no PSB de Eduardo Campos, com o seguinte título : "Goiás : Temer e Lula tiram palanque de Eduardo". Mais objetivamente o título deveria ser : "Temer e Lula tiram um 'cofre' de Eduardo". Outro "cofre" muito assediado pelos dois, este em Minas, é o do filho do ex-vice-presidente José Alencar e presidente da Coteminas, Josué Gomes da Silva. Eike e a sua "salvação" A proposta empresarial de Eike Batista, ninguém pode negar, foi a de uma espécie de "capitalismo puro", de alto risco, uma aposta severa nas expectativas futuras. Agora vê-se que, depois de uma queda de quase 90% do valor de mercado do grupo do empresário carioca, deslocam-se empresários do setor de petróleo para se aproveitar do evento. Nada mais justo. Resta saber o papel da Petrobras neste processo. Que interesses a estatal brasileira está protegendo ? Será que serão os interesses brasileiros e de seus acionistas ? Ou estuda-se por debaixo do pano um socorro ao ex-milionário-mor do país ? Maduro e a Petrobras Em vista da fragilidade política evidente de Nicolás Maduro à frente da Venezuela, não são poucos os interessados em saber a exposição dos investimentos da Petrobras na Venezuela, bem como os outros investimentos privados. O destino do país nos próximos anos ficou incerto e o retorno dos investimentos mais incerto ainda. Ademais, esta preocupação corre solta nos corredores diplomáticos. Chacrinha mandou lembranças Alguns setores e algumas empresas, refazendo suas contas, já consideram que não é vantagem trocar a contribuição de 20% sobre a folha de salário para o INSS por um percentual de 1% a 2% do faturamento, dependendo da atividade da companhia. A troca é obrigatória, mas muitas já estão se preparando para pedir alguma mudança na nova regra, pois vão pagar mais que pagam agora. Tudo depende do faturamento, do número de empregados, que varia muito dentro da mesma atividade. Portanto, o que veio para ser uma desoneração, no decantado discurso do ministro Guido Mantega, pode virar uma "oneração". Não teria sido mais fácil, mais simples, cortar direto na alíquota ? Por exemplo, de 20% para 18% ? Aliás, é o que sugere o ex-ministro do Trabalho, Edward Amadeo, em recente artigo. Mas se fosse assim, não seria um ação da burocracia brasiliense. Afinal, se dá para complicar, porque simplificar. Política remendada Não é de se surpreender que se constate que medidas de desoneração não funcionam como Brasília imagina. Mas, este não é o principal problema das iniciativas governamentais. Este reside na falta de uma visão verdadeiramente macroeconômica da economia brasileira. Sabe-se que a sociedade brasileira está atolada em impostos, ineficiências estatais, falta de educação, tecnologia incipiente, corrupção e outras mazelas. No seu conjunto tornaram o país pouco dinâmico, sem torque para crescer o investimento. De vez em quando, quando o crédito se torna farto e os juros baixos, cresce o consumo. É a mesma síndrome do "voo de galinha" tão apregoado pelo petismo na era de FHC. Com o agravante que como naquele governo, Dilma e seus asseclas erram na excessiva valorização cambial. Todos parecem esperar docemente o que virá. Mesmo que não haja razão para se imaginar que seja coisa boa. Investigando a Copa e as Olimpíadas Triste o parlamento que não está sintonizado com o povo. No Brasil, isso é especialmente notório. A Copa do Mundo e as Olimpíadas são eventos adornados de dinheiro público e suficientemente relevantes para impactar a imagem do país, para o bem ou para o mal. O grau de supervisão política neste caso beira a irresponsabilidade. Há problemas de todos os lados, infraestrutura, segurança pública, estádios, etc. Tudo fica na órbita do Governo, da FIFA e dos interessados mais próximos. Quem está preocupado com o chamado interesse público ? Romário, sozinho na área ? Radar NA REAL 22/4/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3063 estável baixa - REAL 2,0199 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.151,15 estável/queda estável - S&P 500 1.562,50 estável/queda estável/alta - NASDAQ 3.233,55 estável/queda estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 16 de abril de 2013

Política e Economia NA REAL n° 241

Muito além do tomate O festival de números econômicos que alimenta as análises de especialistas e ajuda nas decisões das autoridades produziu, como sempre, números para diversos gostos nas duas últimas semanas. E para sabores e interpretações. Há o da inflação do IPCA de março, menor que o de fevereiro e menos disseminado, e o IBC-Br, espécie de prévia do PIB, de fevereiro, negativo, mas menor do que se esperava na praça. A conjunção dos dois, segundo uma parte dos analistas, deve levar o BC a manter a "cautela" que seu presidente, Alexandre Tombini, vem apregoando, e não tocar na taxa de juros na reunião do Copom hoje e amanhã. Para outros analistas, porém, a indicação é para que as autoridades monetárias comecem já uma nova etapa de aperto monetário. Será ? Muito além do tomate II No governo, o que acendeu mesmo o sinal vermelho - por coincidência a mesma cor do fruto na ordem do dia - foi o preço do tomate. Ele caiu na boca do povo como símbolo da nova inflação. Mas o otimista Guido Mantega acha que não é uma inflação ainda de preocupar, são aumentos sazonais, passageiros de preço. Se olharmos, contudo, que o mapa astral do governo Federal desde já prevê a conjunção da economia com as eleições de 2014, e aposta no trio - juros baixos, emprego elevado e renda do assalariado em dia para o consumo - o governo deveria estar olhando para outro número, oficial, divulgado na semana passada. Vejamos. Muito além do tomate III Trata-se do comportamento do varejo. Segundo o IBGE, as vendas neste segmento caíram 0,4% de janeiro para fevereiro, em volume. Mas subiram mais de 7% em faturamento. Este é o resultado perverso da inflação que, segundo uma área de Brasília, não preocupa : as pessoas estão gastando mais e levando menos mercadorias para casa. Ou seja : estão tendo sua renda corroída, seu poder de compra está menor. Pode ser um furo no discurso eleitoral que o ministro sem pasta João Santana está preparando para Dilma. E já está nos palanques de Aécio Neves e Eduardo Campos. Preocupa sim A presidente da Petrobras, Graça Foster, depois de ter dito pelo menos duas vezes nos dois últimos meses que a Petrobras precisa ainda de mais aumento nos combustíveis (uma opinião mais ou menos generalizada e que o balanço da empresa corrobora), apareceu segunda-feira nos jornais dizendo que não haverá mais aumento de gasolina e óleo diesel este ano. Isto, sem que as condições que a levaram a defender novos reajustes tenham mudado interna ou externamente. A verdade é que a Petrobras vai continuar com o sacrifício de contribuir para a política anti-inflacionária do governo - indicação de que a alta dos preços preocupa mais do que admite a vã filosofia de Brasília. Recordar é viver No início dos anos 1980, quando a inflação andava bem assanhada, nem tão assanhada quanto depois, nos governos Sarney, Collor e um pedaço da gestão Itamar, o czar da economia de então, o ministro do Planejamento Delfim Neto, compareceu ao Congresso Nacional para um depoimento sobre as condições econômicas e a escalada inflacionária. Para inquiri-lo, o na época deputado em primeiro mandato Eduardo Suplicy preparou uma encenação : levou para a tribuna do plenário da Câmara um desses caminhõezinhos de brinquedo, cheio da tomates como uma alegoria para o aumento dos preços da cesta básica que comia o salário dos trabalhadores. Desastrado, Suplicy não conseguiu segurar sua alegoria direito no púlpito, o brinquedinho virou e espalhou tomates pelo plenário, provocando uma gargalhada geral. Irônico, Delfim Neto aproveitou o tropeço do deputado para "pisotear" (simbolicamente) sobre os tomates e todas as críticas que os despreparados parlamentares tinham à política econômica por ele conduzida. Por ironia, como um dos principais conselheiros da presidente Dilma, Delfim vê o tomate tornar-se o símbolo da inflação brasileira do governo petista. Copom : Possibilidades teóricas e práticas Inflação em ascensão e disseminada de forma generalizada no sistema econômico recomenda um aumento mais forte na taxa de juros imediatamente e um posterior balizamento do ritmo do aperto monetário depois de a autoridade monetária "mostrar os dentes" para os agentes. Esta recomendação é a ideal, especialmente depois de se verificar que o BC "ficou para trás" no que tange às expectativas. Esta situação teórica pode ser enquadrada quase à perfeição com o que está a ocorrer na economia brasileira nestes últimos meses, marcadamente neste último. A alternativa é a autoridade iniciar uma escalada de aumentos, a qual será graduada conforme o andar da inflação. Nesta política a vantagem é que o custo inicial pode ser menor e, ao invés de uma "freada", o BC tenta conter os preços pouco a pouco, em pequenas pisadas no freio. O risco, contudo, é considerável : a política de juros pode ir correndo na "rabeira" das expectativas e a credibilidade da autoridade política vai sendo ainda mais corroída. Copom : Possibilidades teóricas e práticas II Ao que tudo indica, o governo, como um todo, e o BC, em particular, devem optar pela gradação do aperto monetário. Afinal, dizem os formuladores da política, a atividade econômica está capenga e são os preços dos alimentos e dos combustíveis que alavancam a inflação corrente. Talvez subestimem as autoridades o fato de que haverão mais à frente, dos aluguéis aos transportes, passando pelos eventuais efeitos dos reajustes salariais em tempos de pleno emprego. Como se sabe a economia segue a política e não vice-versa. A escolha política de Dilma está feita : o aumento deve ser gradual e o período deste aumento é que será a variável a ser controlada. Até quando ? Eis uma aposta que não vale a pena ser feita. Inflação se controla com aumento de desemprego e será a tolerância a ele o fator a definir o tempo aceitável do ponto de vista eleitoral. Não devemos esquecer o câmbio Sempre se debate o lugar certo das taxas cambiais. Um longo e, até agora, inconcluso debate acadêmico. Se a dúvida não tem solução até hoje, sabe-se ao menos que países periféricos ao sistema econômico mundial sempre se desenvolveram à sombra de moedas desvalorizadas no longo prazo. Assim foi com a América Latina nos anos 1960 e 1970, e o Japão pós-guerra até o final da década de 1960. O mesmo vale, mais recentemente, para a China. A história mostra que a industrialização e a mudança de padrões tecnológicos não ocorrem num contexto de moeda valorizada. A "mão invisível do mercado" na realidade não funcionou para não dizer que os países que se sujeitam às liberdades cambiais usualmente sucumbem em termos de desenvolvimento. O Brasil terá de fazer uma escolha : ou tenta desvalorizar o câmbio ou viverá espasmos de crescimento industrial. A inflação no curto prazo indica que nada será feito logo. Assim, a desindustrialização prosseguirá. China e a situação dos mercados O governo central chinês está fazendo valer a sua previsão e o país está reduzindo a atividade econômica e ajustando as variáveis fiscais, de crédito e de inflação. Se haverá sucesso na empreitada do governo comunista de Pequim o tempo dirá. Uma coisa é certa : depois da forte alta das ações nos principais mercados dos países centrais do capitalismo, especialmente os EUA, o ritmo de alta está cedendo e é possível que um período de "realização de lucros" venha a prevalecer nas próximas semanas. Pode ser um ajuste relevante, no exato momento em que o Brasil acumula um bom número de variáveis e notícias negativas. Há tempo de se plantar e este tempo vindouro parece o tempo de colheita. Especialmente para o mercado acionário. A tomatada de José Dirceu O ex-ministro, ex-deputado e ex-líder estudantil José Dirceu sempre foi um político sagaz e audaz, duas qualidades que ninguém nega a ele. Porém, talvez em função de sua condenação pelo STF no processo do mensalão e a possibilidade cada vez mais próxima de passar um período atrás das grades, parecem tê-lo feito perder essa sagacidade. A audácia continua, porém a perspicácia, o faro, parecem prejudicados. Só isto, o desespero de ver chegada a hora de vestir a roupa de presidiário explica algumas de suas declarações semana passada ao jornal "Folha de S.Paulo", especialmente a revelação de que foi procurado pelo ministro Fux para pedir apoio à candidatura dele a uma vaga no Supremo com a promessa de que votaria pela absolvição do petista no processo do mensalão. A tomatada de José Dirceu - II Com algumas poucas frases Dirceu : 1. Complicou a imagem de todos os ministros do Supremo escolhidos por Lula, depois da instalação das investigações do mensalão, deixando dúvidas se eles, assim como ele diz de Fux, não foram escolhidos pelo critério da absolvição. 2. Complicou a imagem da presidente Dilma (e também do ex-presidente Lula) pela mesma suspeita. 3. Complicou a escolha do próximo ministro do Supremo, substituto de Ayres Brito, prestes a ser divulgado. Por todas essas e mais algumas outras, está se dizendo em Brasília que não foram das mais aplaudidas no Palácio do Planalto as declarações do Dirceu. Popularmente diz-se que o ex-ministro pisou no tomatal inteiro. Quem tem medo ? É inegável que alguns excessos são cometidos aqui e acolá, mas a realidade é que o trabalho do MP, a partir dos poderes conquistados a partir da CF/88, é um dos grandes avanços institucionais do Brasil em décadas. Ajuda a tornar o Brasil mais limpo e a administração pública mais republicana. O balanço de lucros e perdas é extremamente favorável à sociedade, objeto primeiro e último da gestão da coisa pública. Há, no entanto, um crescente movimento nos meios políticos, burocráticos e mesmo de categorias profissionais - alguns mais abertos, outros mais envergonhados - para conter o trabalho dos procuradores. É o caso de se perguntar, sem ofender : Quem tem medo do MP ? Dá para explicar ? Causa surpresa o empenho do PMDB, com envolvimento direto do vice-presidente da República, Michel Temer, para a aprovação da nova lei dos portos apresentada ao Congresso pela presidente Dilma em forma de MP. Os peemedebistas estão mais empenhados até que o próprio partido da presidente : parte do PT tem alguma dificuldade no caso, por causa da posição contrária dos trabalhadores no cais. Uma das razões para o gosto peemedebista, segundo uma fonte de Brasília, pode ser o fato de há muitos anos o partido dividir com alguns aliados o comando do porto de Santos, em SP. Reserva de mercado Depois de ajudarem o ex-prefeito de SP, Gilberto Kassab, a fundar seu PSD e a conseguir ficar com o fundo partidário e o tempo no horário eleitoral obrigatório no rádio e na televisão proporcionalmente ao número de deputados que angariou em outros partidos, o governo, todas as legendas, com empenho maior do PT, do PMDB e do PSD, armam-se para impedir que os novos partidos que surgirem daqui para a frente possam ter a mesma vantagem. Semana passada, por pouco uma proposta para fechar esta "mamata" aos novos não passou em primeira votação no Congresso. Foi, aliás, uma sessão vexatória a que pretendia aprovar o regime de urgência para o projeto, com grandes trocas de "elogios" e "amabilidades" segundo registrou em seu blog o jornalista Josias de Sousa, e que acabou não dando em nada. Reserva de mercado II A turma promete voltar ao ataque esta semana, porque eles têm pressa em barrar outros concorrentes que estão se preparando para dividir o mercado do tempo na televisão e o do fundo partidário : (1) o Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, (2) o Solidariedade, de Paulinho da Força Sindical, e (3) o partido resultado da fusão do PPS com o PMN. Essas novas legendas, pelas normas vigentes, como aconteceu com o PSD, permitem que parlamentares troquem de partido sem perda de mandato. O que está assanhando muito marmanjo no Congresso e nos partidos e, segundo alguns, abrindo mais uma temporada de "negócios" e chantagens. Há partidos com o PSDB, o próprio PSD, o PMDB e até o DEM com medo de perder deputados e senadores para os novos três parceiros. A alegação para se tentar esta "reserva de mercado" é evitar a proliferação de partidos no Brasil. Atualmente são 30, realmente algo incomum. Mas por que não pensaram nisso antes ? E por que não criar regras para a diminuição do número já absurdo de hoje ? Radar NA REAL 12/04/13   TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3067 estável baixa - REAL 1,9837 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 55.053,30 estável queda estável - S&P 500 1.584,85 estável/queda estável/alta - NASDAQ 3.344,94 estável/queda estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 9 de abril de 2013

Política e Economia NA REAL n° 240

Inapetência e ativismo, as "saúvas" do Brasil Em "Macunaíma", o retrato de um brasileiro sem nenhum caráter, Mário de Andrade avisava que "ou o Brasil acaba com a saúva, ou a saúva acaba com o Brasil". A saúva, nome de várias espécies de formiga, era uma praga, hoje controlada, que costumava dizimar plantações. O escritor paulista, porém, utilizou a formiga como uma alegoria para condenar a politicalha existente na ocasião na vida nacional. Aliás, como antes e como sempre. Inapetência e ativismo, as "saúvas" do Brasil - II A vida burocrática brasileira, também tem as suas saúvas - aliás, muitas - dentre as quais a inapetência gerencial e o ativismo político-ideológico. Essas duas pragas, que grassam na esfera pública, principalmente nos gramados e no concreto de Oscar Niemeyer, viraram, com a politicalha, uma séria ameaça ao desenvolvimento do país. Nada exemplifica melhor o poder destrutivo dessas pragas que o programa de concessões de obras e serviços de infraestrutura do governo Federal. Já lá se vão mais de oito meses que a presidente Dilma lançou, com toda a pompa e circunstância que é capaz de produzir "o ministro sem pasta para assuntos de propaganda" [o marqueteiro João Santana], um pacote de concessões nas áreas de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos. Avaliado no total em mais de três centenas de bilhões de reais, era, segundo a propaganda oficial, o fim dos apagões logísticos que ameaçam sedar a economia, alguns bem visíveis neste momento exato em que mais uma safra nacional recorde começa a sair do campo. Inapetência e ativismo, "as saúvas" do Brasil - III Assim como os caminhões agora parados na beira das estradas nas portas dos portos, nada andou de lá para cá. Um caso gritante é da concessão de trechos da BR-040 (ligação Brasília-Rio de Janeiro, passando por Minas Gerais) e da BR-101, uma das estradas de integração nacional. O leilão foi suspenso às vésperas de sua realização e não tem data para acontecer. Também não há data certa para outros leilões na área de ferrovia e nas outras. As razões para tanta demora podem ser resumidas em duas : 1. A proverbial e conhecida dificuldade do setor público brasileiro para executar suas obrigações. As próprias concessões agora previstas nasceram depois que o Brasil finalmente admitiu que, além de não ter dinheiro suficiente para bancar os projetos, tem insuficiente capacidade de execução para levá-los adiante. Mesmo assim, não consegue soltar as amarras, tal a quantidade de órgãos indiretamente envolvidos no processo - há os ministérios respectivos, a Empresa de Planejamento Logístico com mais poder que alguns ministros, o BNDES com seus palpites e o ministério da Fazenda. Sem contar que nada sai do lugar sem o "aprovado" da presidente Dilma, cada vez com a cabeça dividida entre gestão e eleição. 2. O ativismo político e econômico do governo - e certa vergonha de "privatizar" - que o levam a tentar manter as concessões sob seu controle direto ou indireto e, por isso, a criar regras que acabaram afugentando possíveis investidores nacionais e estrangeiros. Inapetência e ativismo, "as saúvas" do Brasil IV O leilão das BRs 040 e 101 foi adiado porque não apareceram interessados de peso. Desde que anunciou o pacote, em agosto, já foram anunciadas várias mudanças nos editais, para contornar as resistências dos investidores. Um dia a notícia vem do presidente da EPL, Bernardo Figueiredo, no outro do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, no seguinte do ministro da Fazenda, Guido Mantega - e, de vez em quando, até de algum outro ministro. Não há um modelo fechado e, nesta altura, dificilmente qualquer obra nessas áreas será iniciada em 2013. Mais um ano perdido de investimentos. Para atacar as saúvas biológicas, a receita é formicida. Que tipo de formicida pode-se aplicar para matar as saúvas da burocracia ? Banco Central em transe Desde que seu presidente do BC, Alexandre Tombini, foi escalado para corrigir o barulho provocado pelas declarações meio destrambelhadas da presidente Dilma na África do Sul a respeito de inflação, crescimento do PIB, juros e mais outros assuntos, o BC parece tomado de um transe - reafirmar sua condição de autoridade monetária independente de condicionantes políticas. Tombini, em mais de uma ocasião, fez juras de amor à política de combate à inflação sem concessões - se necessário com elevação dos juros, tido como um dos tabus eleitorais de Dilma. O Boletim Trimestral de Inflação, além de contrariar as previsões "manteguianas", também faz menções críticas à algumas políticas fazendárias. Uma delas passou despercebida, incluída num anexo, desvendada pelo jornal "Valor Econômico" : o BC passou a considerar um novo cálculo para o superávit/déficit primário das contas federais, expurgando em boa parte as mágicas fiscais dos últimos anos que garantiram no papel um superávit na contabilidade oficial que não aconteceu no mundo.A primeira leitura desses movimentos é que "os incômodos" do BC com a inflação são maiores do que transparece a vã filosofia brasiliense. A outra é a de que Tombini e sua turma precisam dar uma satisfação, ainda que pro forma aos agentes econômicos de que não apenas está vivo como também ativo. A especulação é de que a resposta viria com um aumento de 0,25 ponto percentual na Selic na semana que vem. Inflação : o curto prazo Não é apenas de tomates que a elevada inflação vive. O que se vê é um sistemático e generalizado processo de aumento de preços. Já comentamos nesta coluna (na semana passada) que o problema não é apenas o fato da inflação ser 6% ou 6,5%, mas o conjunto das informações (alta generalizada de preços, câmbio valorizado, baixo crescimento, etc.). De fato, ponderados a política e a economia, a equação macro e microeconômica não fecha. Afora estes aspectos estruturais, o IPCA a ser divulgado amanhã vai "furar" a banda superior da meta de inflação. Um mau sinal que apenas mostrará que a água está subindo e o BC persiste de mãos atadas, seja pela presidente, seja pela conjuntura - o PIB que capenga não justificaria uma taxa de juros mais elevada. O mais estranho é a passividade da classe política, em geral, e da oposição em particular. A crise é emergente, mas também é imanente - a politicagem não pode ser distinguida da fragilidade da política econômica. Tudo deve continuar na mesma toada enquanto o desemprego não mostre seus dentes. O que pode demorar até o eleitor depositar o seu voto e descobrir que foi traído pelas aparências. Recordando Lula 2002 "Mas é preciso insistir : só a volta do crescimento pode levar o país a contar com um equilíbrio fiscal consistente e duradouro. A estabilidade, o controle das contas públicas e da inflação são hoje um patrimônio de todos os brasileiros". (Carta aos Brasileiros, 22 de junho de 2002) Enquanto isso, nos EUA... Todos os mais importantes sinais vitais da economia dos EUA são positivos, exceto o desemprego que deve permanecer elevado (acima de 7%), talvez por mais alguns anos. De outro lado, o crédito cresce, o país se reindustrializa (em novas bases), a produtividade cresce, e o consumo e produção, pouco a pouco, começam a dar sinais de vigor. Logicamente, o endividamento público (e privado) é elevado, mas o dólar, tantas vezes "enterrado" como sendo uma moeda decadente, permanece forte e o mundo financia docemente a América. Enquanto isso, Barack Obama estimula sua tropa palaciana a debater alternativas para a política econômica. Estuda-se desde o aprofundamento do quantitative easing (política monetária frouxíssima) até o estabelecimento de novas metas para o Federal Reserve (meta de PIB nominal ao invés de meta de inflação e crescimento). O mais importante é que o mundo assiste a evolução dos fatos nos EUA com maior otimismo, enquanto no campo interno os consumidores voltam às lojas e os investidores à bolsa de valores. Algo além de aviões de carreira Em menos de quatro dias, a presidente Dilma bateu continência duas vezes para o ex-presidente Lula. Na quinta-feira, ela veio a SP, para uma conversa de cerca de 7 horas - tempo suficiente para se fazer um bom resumo da Bíblia - com seu mentor, compartilhada em parte com o presidente do PT, Rui Falcão, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ex-ministro e o "consultor privado" Antonio Palocci. Uma reunião do apostolado petista, como se vê. No sábado, voltou à capital paulista para um jantar, na churrascaria Rodeio, ex-reduto tucano, em comemoração ao aniversário da ex-primeira dama, Marisa Letícia, na presença de uma parte da elite petista paulista. Os compromissos eram privados, mas Dilma cortou os ares entre Brasília e SP nos jatos oficiais. As reverências à Lula indicam que no ar da política também há algo a preocupar mais do que o normal dos "aviões de carreira". Podem apostar numa cesta que inclui inflação, crescimento econômico e as eleições presidenciais. O fantasma Eduardo Campos e o crescimento das críticas dele e de Aécio Neves ao governo estão fazendo caraminholas na cabeça do mundo oficial. Anotem : vem aí mais aperto contra os adversários e mais bondades na economia. Aos amigos tudo... ...aos inimigos o rigor da lei. Este é um lema político-administrativo atribuído a Getúlio Vargas no Brasil, mas que por essas plagas tupiniquins não haja governante que não tenha abraçado. E seu peso agora começará a cair sobre a cabeça do governador de PE, Eduardo Campos. Plumagens em alvoroço Muitas penas tucanas começaram a voar depois que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em duro recado durante um encontro promovido pelo PSDB paulista, manifestou a sua inconformidade com as divisões de seu partido. Plumas devem ter voado principalmente no território paulista do tucanato, embora o aviso de FHC tivesse destino generalizado. Assim, não parece ter sido à toa a entrevista do presidente nacional do PSDB Sérgio Guerra, pernambucano ligado também ao governador Eduardo Campos, ao jornal "O Estado de Minas" de segunda-feira, elogiando Aécio Neves e até traçando um roteiro básico para sua campanha. Desconfiada, a turma mineira achava que Guerra poderia estar com um pé em dois barcos. Será ? Se depender das entrevistas em jornais - duas exclusivas apenas na sexta-feira - de matérias positivas e notinhas em diversos veículos e das poses de papagaio de pirata com frequência ao lado da presidente Dilma não há menor dúvida de que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante (também conhecido por alguns, não se sabe a razão, como o "José Serra do PT") já é o candidato petista ao governo de SP. Não se sabe ainda se isto foi combinado certinho com Marta Suplicy, Alexandre Padilha, José Eduardo Cardozo, Luiz Marinho e, principalmente, com o ex-presidente Lula. De todo forma, se confirmado, é o melhor presente que Geraldo Alckmin gostaria de receber para 2014. Quantos votos eles têm mesmo ? José Batista Junior, dono da Friboi, da produtora de celulose Eldorado e do Banco Original (dirigido por Henrique Meirelles), bem como um dos fregueses mais importantes do BNDES, estava cobiçado pelo PSB de Eduardo Campos para candidato do partido ao governo de GO e dar um palanque recheado ao governador de PE no Estado. Por razões que os interesses empresariais explicam, acabou fisgado pelo PMDB do vice-presidente e poeta Michel Temer e, desta forma, vai engordar o palanque de Dilma, ou como candidato à sucessão de Marconi Perillo defendendo as cores do peemedebismo ou numa vice com o PT. Em MG, Josué Gomes da Silva, filho do ex-vice presidente José Alencar e principal acionista da Coteminas, uma das maiores indústrias têxteis do Brasil, é disputado pelo PT e pelo PMDB para a sucessão ao governo mineiro, ou como candidato titular ao Palácio da Liberdade ou como vice numa chapa encabeçada pelo ministro petista Fernando Pimentel. O que tem em comum o Junior e o Josué além de serem neófitos em política e bem sucedidos empresários ? O risco de serem seduzidos para rechear arcas dos oposicionistas. Em casos assim, o que menos importa são os votos que eles podem carregar para as urnas de seus partidos-hospedeiros. Thatcher, ideologia e realidade Pode-se falar tudo da primeira-ministra do Reino Unido Margaret Thatcher, menos o fato de que a Iron Lady não era uma política definida ideologicamente. Verdade que vivíamos a denominada Guerra Fria, mas a definição da cepa política de um homem público ainda tem seu valor, muito embora seja coisa rara no globo. No Brasil, ultrapassa-se o limite entre esquerda e direita, liberal e conservador, socialista e capitalista, numa velocidade para além do jornalista Clark Kent quando sair das cabines de telefone. A identidade dos empresários brasileiros com os ideais do PT e sua aliança mostram que o ex-partido operário está ocupando não apenas espaços políticos, mas também contribuindo para que espaços econômicos sejam ocupados com galhardia pelos capitalistas, no passado, "nefastos" para o petismo. Seria difícil explicar para a Dama de Ferro a conjuntura política brasileira. Dirceu e a Rede Globo Comentário no blog do ex-ministro José Dirceu : "Em editorial, o jornal carioca apoia uma outra "regulação" e, a pretexto de defender a cultura nacional, visa a impedir a concorrência com grandes sites e teles estrangeiras. O Globo ainda insiste em demonizar a proposta de uma verdadeira regulação, alegando desrespeito à princípios constitucionais. Mas é a própria Constituição que trata da necessidade da regulação." Não são poucas as pressões que o ministro das Telecomunicações Paulo Bernardo (e marido de Gleise Hoffmann) vem sofrendo de dentro do PT para regular a mídia no Brasil. Resta saber o que pensa a presidente sobre o tema. Ela que é próxima do casal. Jabuti não sobe em árvore Marco Feliciano, o deputado-pastor, é mesmo uma excrescência, uma aberração, na presidência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Porém, ele não chegou lá sozinho. Seu partido, o PSC, nem número de deputados tem para ocupar a presidência de uma comissão permanente, segundo a praxe da casa. O lugar, tradicionalmente, é do PT, que por razões da política dos políticos, abriu mão dele. Ninguém no Congresso, em sã consciência, pode negar que sabia das posições de Feliciano. Ele nunca negou isto e tem todo o direito de ter as posições que tem. Ele foi indicado por seu partido e votado pelos membros da Comissão, de diversas legendas. Não subiu sozinho nesta árvore. E ninguém se deu conta da aberração antes das críticas vindas de fora ? As reações do Congresso e dos partidos agora são pura hipocrisia, daquelas que consagraram grandes escritores... Radar NA REAL 05/04/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3003 estável baixa - REAL 1,9888 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.873,12 estável queda estável - S&P 500 1.553,45 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.202,74 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 2 de abril de 2013

Política e Economia NA REAL n° 239

É a eleição, estúpido - I Se havia alguma dúvida de que a inflação preocupa mais do que o governo dá a entender, ela foi dissipada com a decisão oficial de não acabar mais com a isenção do IPI para os automóveis neste ano. Pelo cronograma estabelecido no fim de 2012, o IPI dos automóveis e caminhões voltaria ao normal em três etapas : janeiro, abril e meados de 2013. Só a de janeiro foi implantada. No meio do feriado da Semana Santa, com direito a entrevista exclusiva no "JN", o ministro da Fazenda, juntamente com a divulgação de uma nota oficial, anunciou que os novos reajustes estavam suspensos. O inusitado do anúncio, em hora e dia poucos propícios para o marketing presidencial - tanto que a primeira edição dos jornais de domingo nem traziam a informação - mostra que foi uma decisão de última hora. É a eleição, estúpido - II O mote foi outro : a inflação está fazendo mais que simples "cócegas" como Mantega e sua equipe apregoam. Além do mais, dois eventos registrados na semana forçaram o governo a dar uma satisfação : primeiro foi a entrevista da presidente Dilma, quando ela deu mais do que a entender que seu governo não sacrificará o crescimento econômico pela inflação. A reação dos agentes econômicos - não apenas do chamado mercado - não foi nada boa, e Dilma organizou um "tour de force" governamental para tentar desdizer o que havia dito, com todo o alfabeto e seu estilo incisivo e cara de quem não admite contestações. O dito ficou dito porque até o labrador herdado de José Dirceu, com o qual costuma caminhar aos domingos, sabe que é exatamente isto que Dilma pensa. O que o governo persegue em primeiro lugar é um "PIBão", nem que seja de meros 3% em 2013. É a eleição, estúpido - III A segunda razão foi o Relatório Trimestral de Inflação do BC divulgado nas vésperas da Paixão, convalidando praticamente a expectativa de aumento dos preços dos analistas de mercado ouvidos para o Boletim Focus, situando-o em 5,7% em 2013 e indicando que durante o governo Dilma o centro da meta formal de 4,5% não será alcançado. O governo precisava dar um rápido sinal de que vai continuar segurando a inflação, na marra, mais na base de tapas (improvisos e medidas pontuais) do que de beijos (medidas estruturais) para evitar ruídos. Outras medidas nesse teor virão, sempre atacando mais os índices que a inflação. Não será nenhuma surpresa se nos próximos dias for prorrogada também a redução do IPI dos eletrodomésticos da linha branca - fogões, geladeiras, máquinas de lavar... No entanto, a desconfiança não deve ser rompida, pois como já está evidente e ficou claro na excelente entrevista exclusiva do ex-presidente Lula ao jornal "Valor Econômico" quarta-feira passada, vale qualquer sacrifício para reeleger Dilma. Diria o ministro sem pasta, marqueteiro da presidente e do PT : "É a eleição, estúpido...". Inflação em novo nível Na ata da última reunião do Copom, o BC informou que estava atento ao novo movimento dos preços uma vez que os aumentos de produtos do IPCA estão cada vez mais disseminados. A dúvida do BC, então, era se um movimento sazonal ou se a inflação havia mudado de "patamar". No Boletim Trimestral da Inflação, o primeiro deste ano, o BC praticamente sanciona esta mudança de patamar, ao admitir que a inflação este ano ficará em 5,7%, mais para o teto do que para o centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. Sem contar que não promete preços comportados também para 2014. Não é à toa, portanto, que imediatamente a essas revelações e em seguida à polêmica e explosiva entrevista de Dilma, surgissem os movimentos para alterações na meta inflacionária, elevando os índices hoje de 4,5% com tolerância de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo. Puxou o bloco o professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos principais interlocutores de Dilma para assuntos econômicos. Os jornais desta semana certamente trarão outros artigos na mesma linha ou, no mínimo, explicando, com grandes elucubrações teóricas, que a inflação está longe de se rebelar e que um nível de preços mais elevados nesta altura não faz mal a ninguém, pois garante o dinamismo do PIB. O mesmo que Dilma disse que não disse na África do Sul. Quem esperar lerá essas preciosidades. A inflação não é apenas alta. É uma cilada. Voltemos a uma definição básica : inflação não é o fenômeno de aumento de preços. Trata-se do aumento constante de preços. Ou seja, uma alta de preços que se propaga no período seguinte e assim por diante. Daí o caráter inercial da inflação. Neste sentido estrito e técnico, não resta dúvida de que a inflação no Brasil é "perigosa", mesmo que relativamente baixa - reconheça-se que 6%per se não é algo intolerável. Sendo a inflação atual de caráter inercial, há de se quebrar tal inércia. Pode-se discutir muita coisa em economia, mas há largo consenso de que a melhor política num cenário como esse é aumentar a taxa de juros. Contudo, há que se considerar outra realidade : a atividade econômica no Brasil é débil e o mercado de trabalho está apertado, em pleno emprego. Isso tudo junto faz com que a política monetária do BC não seja tão fácil de ser executada. O que fazer ? Ora, a escolha é de natureza política, de escolha de prioridades. É aí que o governo como um todo se enrola. Para crescer as políticas de estímulo ao investimento deveriam estar sendo eficientes. O que se vê é que as estratégias governamentais não passam no teste fundamental do tema : confiança e competência técnica. No tema do combate à inflação a estratégia do governo oscila entre as bravatas da presidente e do ministro da Fazenda e a adoção de medidas paliativas que distorcem ainda mais o cenário, i.e. desoneração setorial. No meio disso tudo está o frágil BC, vítima da cilada do governo e na qual docemente cai. Câmbio, como no passado Já não são apenas meses, mas anos que se usa a taxa de câmbio para combater a inflação. Alija-se uma variável estrutural para servir as benesses conjunturais. Como no governo de FHC, o governo brinca com a taxa de câmbio com a autoridade de quem não sabe das coisas. Se soubesse veria que a desindustrialização do país é gritante : as empresas produzem com baixo conteúdo tecnológico e competem com uma taxa de câmbio desfavorável. Argentina : até quando esperar Inflação alta e em alta, câmbio desalinhado, medidas protecionistas por todos os lados, política fiscal inconsistente e assim vai. É a Argentina deste dias (e de sempre). O problema é que o Brasil é sócio do Mercosul e a parceira do sul está mais para algoz do que vítima nas relações bilaterais com o Brasil. A paciência de Dilma parece bem calibrada em relação a sua colega sempre enlutada. O que ocorre, contudo, é que o contencioso com a Argentina está enorme. O Itamaraty já mandou o recado para o Planalto, e este permanece mouco e mudo. Superávit primário, o próximo passo Não será surpresa também, depois da divulgação de que as contas públicas tiveram em fevereiro um déficit de mais de R$ 3 bi, se emergir nos próximos dias um alarido oficioso defendendo a revisão também da meta de superávit primário deste ano, estabelecida para todo o setor público - governo Federal, governos estaduais e governos municipais - em R$ 155,9 bi, cerca de 3,1%. O argumento será o de que não é possível exigir tamanho sacrifício das contas públicas para pagar juros, quando a medida de adimplência do setor estatal, a relação dívida/PIB está numa situação razoável, e o país implora por investimentos em infraestrutura para evitar um apagão geral no país. A amostra dos caminhões parados à beira dos portos dá calafrios em Brasília. Aliás, já gera prejuízos, com o cancelamento de uma grande compra de soja brasileira por uma empresa chinesa há dez dias, por atraso na entrega da mercadoria. A justificativa é plausível. Só é totalmente defensável, contudo, se o governo demonstrar capacidade de gastar mesmo em investimentos os recursos que ficarem a sua disposição. Nos últimos três anos, frise-se, ele não executou boa parte do dinheiro alocado no Orçamento para investimentos. Este ano está indo pelo mesmo caminho. Já os gastos correntes, com folha de salários, manutenção da máquina, viagens, publicidade, este são infalíveis - são plenamente executados. E crescem sempre. Um curso de dicção para Dilma A presidente Dilma está necessitando passar, urgentemente, por um curso de oratória com seu mentor político, o ex-presidente Lula. Ela já pegou, com o auxílio do ministro plenipotenciário da propaganda, João Santana, alguns cacoetes para encantar as plateias mais populares. Está, por assim dizer, com o verbo mais solto. Falta, porém, aprender a não dizer o que não quer dizer - como nas opiniões sobre política econômica na África do Sul que tanto barulho e confusão causaram aqui dentro. Lula não teria dito nada que tivesse de desdizer, mesmo que algumas declarações suas possam parecer estranhas ou fora de propósito. A entrevista para o "Valor", citada acima, é um modelo. Lula distribui recados, com aparente simpatia e tom de conselhos, para todos os lados - o PT, os aliados, Eduardo Campos e até para a presidente Dilma. E mais : reafirma que ele e a eleição presidencial têm tudo a ver. Que dela não se afastará jamais. Para bons discípulos, fica o recado : nada será como ele não quiser na seara oficial. Lula, nada além das eleições Há quem considere o métier do ex-presidente Lula o de estadista, um daqueles que se "preocupa com as próximas gerações e não com as próximas eleições", na palavra de Churchill. O ex-sindicalista, contudo, continua atuando como se o país fosse um clube social no qual para ser candidato a sua presidência tem de sentar com os diversos grupelhos para auferir apoio raso e, é claro, tempo de TV e rádio. A natureza de Lula provavelmente não mudou desde os tempos das greves do final dos anos de 1970 e início dos de 1980. O seu aggiornamento ideológico é muito propalado, mas devia ser apenas uma casquinha frente ao verdadeiro talento do ex-presidente para a sedução de "pequenos napoleões" perdidos nas fileiras de partidos políticos, do Partido Comunista do Brasil (vejam que piada !) até o PP do sempre ativo Paulo Maluf (este procurado pela Interpol). Se nos clubes sociais temos "o grupo da boccia" e a "turma da sauna", na política brasileira temos outras turmas : a da Petrobras, dos Transportes, da Pesca, das Minas e Energia, etc. - são 39 ministérios. A grana, diga-se, é do povo, mas o acordo é de Lula e dos partidos. A hora da chantagem Dilma já está pagando o amargo preço de ter precipitado com tanta antecipação a campanha eleitoral de 2014. A fatura maior, como era mais do que previsível, não vem da oposição oficial do PSDB, do DEM e do PPS, nem da oposição oficiosa do governador Eduardo Campos, do PSB, mas de seus próprios aliados. A temporada de "chantagem" está oficialmente instalada em Brasília, e as faturas partidárias estão ficando cada vez mais salgadas. O PDT de Carlos Lupi retomou o ministério do Trabalho, porém mantém uma "amizade colorida" com Eduardo Campos e já avisou que noivado oficial, com aliança e tudo mais, somente ano que vem. O PR não deixa por menos. O PTB também está com a fatura pronta : um ministério é o limite mínimo. Até o PSC e os evangélicos entraram na reza : se o PT e o governo não protegerem o direito humano do pastor deputado Marco Feliciano de continuar presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, eles vão orar em outra freguesia presidencial. E o PMDB... Bem, o PMDB é o PMDB. Cuidado, perigo à vista Com o aval entusiasmado de Lula, para quem, agora, o financiamento privado de campanha deveria ser considerado crime "inafiançável" (um aval ao Supremo no caso do mensalão ?), vai à votação na Câmara, na primeira quinzena do mês, um projeto de reforma política fatiado, com alguns pontos considerados urgentes pelos partidos. Com outros avais no Congresso, até da oposição, traz o de sempre : financiamento público de campanha e voto em lista. É este o perigo : desta vez parece que pode ir. Chipre e Coréia do Norte Convenhamos : o bochechudo ditador da Coréia do Norte é um perigo e tanto. Aquele fedelho de menos de 30 anos herdou um país de seu pai também ditador e fica brincando de chamar a atenção do mundo com armas atômicas. Até a China, país sempre aderente aquele país comunista, está tomando certas preocupações em relação ao adolescente que teima em fazer política externa como quem joga vídeo jogo. Chipre, detentor de um PIB equivalente ao da próspera e bela cidade de Campinas, não é causa de medo verdadeiro a ninguém. O pessoal do mercado fica chamando atenção para "o precedente aberto por Chipre" no confisco (ou na mordida ?) das contas bancárias. Uma piada e tanto. Afinal, naquele continente europeu a lista de confiscos é tão longa que não vale comentários. A questão mesmo é a turma da Rússia que ancorou seus recursos na bela ilha mediterrânea. Sabe-se disso, mas poucos realmente deixam de pautar o assunto como ele é. Quisera Deus, o bochechudo fedelho coreano fosse apenas o presidente de Chipre. Não poderia brincar com coisa séria... Brasil, da Copa e das Olimpíadas O RJ persiste dando provas de que o jeitinho brasileiro será, muito brevemente, convertido em jeitão. Afinal, o Rio joga o seu campeonato estadual de futebol sem estádio digno das tradições dos times fluminenses. Não fosse "apenas um detalhe" preocupa a situação da criminalidade, da mobilidade urbana, da rodoviária, do metropolitano, das vias esburacadas, da sujeira, etc. E o resto do Brasil assiste passivamente a tudo. O seu quintal não é diferente. Radar NA REAL 25/3/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,2856 estável baixa - REAL 2,0128 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.873,12 estável queda estável - S&P 500 1.551,99 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.235,30 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 26 de março de 2013

Política e Economia NA REAL n° 238

Dilma : popularidade, eleição e economia Com as três pesquisas divulgadas semana passada - uma sobre o governo dela e outras duas sobre as eleições de 2014 - a presidente Dilma, ainda em estado de graça papal, entrou também num nirvana eleitoral. A interpretação generalizada entre os especialistas é a de que, mantidas as atuais condições de temperatura e pressão econômica, a presidente pode preparar o modelito para a posse em mais um mandato de quatro anos a partir de 2015. Seria até um passeio na raia eleitoral, sem os adversários terem ao menos o direito a um segundo turno. Uma façanha que o PT ainda não alcançou : antes de chegar ao governo, Lula perdeu duas vezes para Fernando Henrique Cardoso logo de cara ; depois, Lula disputou o segundo turno contra José Serra (2002) e Geraldo Alckmin (2006) e Dilma Rousseff bateu-se duas vezes em 2010 contra Serra. Dilma : popularidade, eleição e economia - II A expectativa dos principais concorrentes hoje colocados na liça - Eduardo Campos, Aécio Neves e Marina Silva - é que a divisão de votos acabe levando a um segundo turno. Marina em 2010 evitou a vitória de Dilma na primeira rodada. Depois, resta a torcida de cada um deles para que seja ele o segundo colocado na primeira rodada. Do ponto de vista político, a estratégia de Dilma e do PT daqui para frente será apenas fechar o curral aliado para conter rebeliões de parceiros insatisfeitos - daí as concessões ministeriais e outras que virão em estatais e sem segundo escalão. Nessa linha, os partidos valem quanto pesa o tempo de cada um no horário eleitoral obrigatório no rádio e na televisão. Em outra ponta, cabe manter também o mais amplo possível os palanques regionais. O que pode exigir do PT sacrifícios em muitos Estados, cedendo a primazia das chapas aos governos estaduais e ao Senado. Fazer esta harmonia, lembrando aos petistas o princípio do "centralismo democrático", é a principal missão hoje do ex-presidente Lula. É a economia, estúpido Para Dilma, a missão principal ficou a de conduzir a economia sem muitas marolas, visando, fundamentalmente : 1. Não deixar o nível de emprego cair. 2. Não deixar cair a renda média real do trabalhador. E qualquer coisa será feita nesse sentido, com embasamento técnico ou artificialmente. Assim, por exemplo, o BC, apesar dos arroubos de seu presidente Alexandre Tombini de anunciar dia sim, outro também, que a autoridade monetária está pronta para combater a inflação, só terá "autorização" para aumentar a taxa básica de juros, a Selic, se os preços ameaçarem fugir demais do controle. O BC pode até aumentar a Selic em uma das suas duas próximas reuniões (no início de abril e no fim de maio), mas se o fizer será, segundo bons e insuspeitos analistas, em apenas 0,25. Um "efeito demonstração". Para não deixar que a inflação fure demais o centro da meta de 6,5%. (Nesta semana deve ser divulgado o Boletim Trimestral de Inflação quando o BC dará sua versão do andamento da economia no mundo e no Brasil). A política econômica continuará sendo conduzida com pacotes pontuais, ora para incentivar o consumo, ora para induzir os investimentos, ora para tentar segurar os preços. Já foram 15 pacotes neste sentido lançados pela presidente nesses seus 27 meses de governo. A confecção dos embrulhos ganhou mais velocidade recentemente. Pelo menos mais um virá esta semana. E a moeda ? Uma variável importante nesse jogo é o dólar. Semana passada ele voltou a estourar a barreira dos R$ 2,00, informalmente admitida no Ministério de Fazenda como seu "ponto de equilíbrio". Muito acima deste patamar bateria na inflação, muito abaixo prejudicaria mais do que ela está sendo prejudicada a indústria brasileira. O BC vai correr ou vai deixar o bicho pegar ? Espírito animal, espírito operacional De um empresário até simpático ao governo, porém com algum espírito crítico, o que fala a alguns de seus colegas, principalmente em entrevistas abertas ao público : "A presidente e cia têm apelado para o 'espírito animal' dos empresários no sentido de animar os investimentos no país. Nada mais correto. Porém, seria muito útil ela despertar também o 'espírito operacional do governo'. A fila de caminhões à beira dos cais é a maior prova de que o animal governista está adormecido em berço esplêndido". Dá para entender o silêncio público dos empresários quando se trata de falar do governo : Dilma não é de levar desaforo para casa. Saindo de forma constante O governo que não conte com a parceria da turma dos "investimentos em portfólio", aqueles que investem no mercado de capitais brasileiro. A grana está saindo das ações e outras securities. A direção é o norte, mais exatamente os EUA. Notável é a ação dos fundos hedge, aqueles que são mais ágeis para acompanhar e, sobretudo, fazer a tendência do mercado. O capital é covarde como se sabe. Ele é esperto também. Fenômeno mais amplo O Brasil é um dos líderes da queda de preços das ações dos mercados emergentes. Todavia, não é o único que cai. A queda é generalizada. Não à toa, neste ano, os mercados emergentes apresentaram o pior retorno desde 2008 e estão em patamares bem inferiores se comparados aos principais mercados acionários mundiais. Os emergentes estão perdendo dinheiro e charme. A hora é da América. Imobilidade na Copa Os projetos de mobilidade urbana para a Copa do Mundo caíram na real (sem trocadilhos). As obras estão indo, sem grande eficiência em termos de calendário de execução. Todavia, estão tropeçando em algo inicialmente nada esperado : não há como encomendar ônibus a tempo para acrescer as frotas urbanas de novas unidades para os torcedores e turistas. A indústria não tem como entregar as encomendas. Indústria a ver navios Já se sabe sobre a fragilidade imensa da indústria brasileira sem competitividade sistêmica e tecnológica. No âmbito da conjuntura a situação é igualmente perigosa. A crise dos portos pode prejudicar a produção industrial em termos de logística e atrapalhar o já débil crescimento dos últimos anos. O governo tem esta possibilidade no seu radar. Todavia, não sabe ao certo o que fazer. Chipre : tabus e realidade Perde-se um enorme tempo com análises do que ocorre em Chipre, país minúsculo e sem importância para a economia europeia. Chipre é a atual Islândia, país loteado por capitais, digamos, duvidosos, que operavam a partir dali por razões tributárias e da frouxa fiscalização. Ora, o país está quebrando as regras de bom comportamento no mercado porque ali há excelentes oliveiras (de boa qualidade) e não muito mais. Agora está devolvendo um pouco da conta para a tropa russa de capitais e alguns mais. Tal qual fez a Islândia. Nada mais.... A "crise cipriota" gera mais certezas do que incertezas : sobre o que se deve fazer e o que não se deve. "Mercados não tem memória" : Londres 1953 No dia 27 de fevereiro de 1953 foi assinado em Londres um acordo de salvação financeira que incluía (i) o perdão de 50% da dívida externa ; (ii) reescalonamento dos pagamentos para o longo prazo e (iii) ajuste dos pagamentos à capacidade do credor. O país apoiado chamava-se Alemanha Ocidental, que além do acordo acima teve abertas as fronteiras europeias, o que produziu um farto resultado comercial no curto prazo. Isso tudo apoiado pela Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal que não se importaram com o histórico do país (duas guerras mundiais, campos de concentração, destruição de suas economias, etc.). Naquela época, a Alemanha teve a glória de ter à frente da nação um estadista : Konrad Adenauer. Hoje, tem Angela Merkel, etc. e tal... As três faces de Eduardo Campos Depois naturalmente da presidente Dilma Rousseff, que não mais vai se apear do palanque eleitoral (ontem ela esteve em dois deles - Serra Talhada, no sertão de PE, e no Rio, em Petrópolis) o presidenciável mais ativo publicamente tem sido o governador pernambucano Eduardo Campos. O tucano Aécio Neves, além de vestir o figurino menos discreto de seu avô Tancredo Neves e dos políticos mineiros, está às voltas com o turbilhão tucano, nas figuras de José Serra e do PSDB paulista. Enquanto não aparar estas arestas, não poderá cair nas ruas. Marina também está totalmente envolvida na criação de seu partido, o Rede Sustentável, o qual precisa estar homologado na Justiça Eleitoral até fim de novembro para que possa sustentar a candidatura dele ao Palácio do Planalto. Caso contrário, ou não concorrerá ou precisará arranjar uma das legendas já existentes para poder disputar. Razões para a tranquilidade de Campos Campos passeia mais ou menos tranquilo sua candidatura por três razões : 1. Seu partido, apesar das resistências dos renitentes irmãos cearenses Ciro e Cid Gomes, está vendo na candidatura do pernambucano para aumentar sua representatividade nacional e seu poder de barganha Federal e nos Estados. Com o "carro-chefe Campos", o PSB acredita que em 2014 poderá eleger mais governadores do que tem hoje e aumentar suas bancadas na Câmara, no Senado e nas Assembleias Legislativas. Mesmo não ganhando o Palácio do Planalto, Campos e o PSB poderiam sair credenciados para 2018 com um excelente cacife. 2. Para os tucanos, a presença de Eduardo Campos na disputa seria a garantia já de um segundo turno, ainda mais se Marina Silva também confirmar sua presença. O PSDB acredita que ele tirará mais votos de Dilma do que de Aécio, principalmente no Nordeste. Além disso, mesmo governista no momento, o governador de PE será um candidato de oposição ao Palácio do Planalto, mais um do qual Dilma, o PT e os aliados precisarão se defender. 3. Para o PT, pelo menos nesta primeira fase, a presença de Campos no grid de largada presidencial é tida como útil porque, segundo os petistas, ele disputa uma faixa do eleitorado com Aécio Neves - e tiraria votos do tucano e até possíveis aliados do mineiro, com o PPS e os rebeldes do PMDB. Racha inclusive em Minas, onde o prefeito de BH, Marcio Lacerda, é do PSB, mas foi eleito com a ajuda de Aécio. E pode rachar até em SP, onde os socialistas se dão muito com o governador Geraldo Alckmin. Em principio, pelo menos, não é interesse de Lula e Dilma que Eduardo Campos saia da raia. Lá na frente se verá. A rifa de Lula A melhor prova disso é que Lula já está rifando a candidatura do senador Lindbergh Farias ao governo do Rio, pelo PT. Ele prometeu ao PMDB fluminense e ao governador Sérgio Cabral que não pisará no Estado durante a eleição. Sinceridade É um jogo de feiticeiros. O risco é o feitiço se virar contra algum deles. Do senador e ministro da Pesca, Marcelo Crivella, analisando a política social do governo e os resultados da inclusão social trazida por ela : "A nossa presidenta e o presidente Lula fizeram a gente crescer porque apoiaram os pobres. E o que nos sustenta são dízimos e ofertas de pessoas simples e humildes". Sinceridade - II Seria até uma dádiva para a presidente Dilma Rousseff se as dificuldades que ela está tendo para nomear um novo ministro para a Secretaria de Assuntos Estratégicos tivesse alguma causa nobre. Não tem. Ela já foi recusada pelo PMDB e pelo PSD de Gilberto Kassab. Pelas razões que só a política brasileira explica, como bem demonstra a explicação do deputado do PMDB da Bahia : "É um pasta que não tem orçamento, não tem cargos, não tem órgãos importantes vinculados, não despacha com a presidente, não executa obras, só faz seminários. O partido que assumir nada terá para mostrar, (...) Pensar o futuro é importante ? Mas queremos é executar o presente. Essa coisa de ficar pensando só queima neurônios e não deixa marcas". É realmente um fato inédito no Brasil partidos políticos recusarem ministérios. Se até eles reconhecem a inutilidade da pasta, o que a presidente está esperando para trancar suas portas ? Insinceridade ? Do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista à revista "Época" : "De tudo que ouço do Serra, ele diz que não tem essa pretensão [de candidatar-se mais uma vez à presidência da República]. Nem mesmo de ser presidente do partido. Tenho de acreditar no que ele me diz. O candidato do PSDB será apoiado pelo PSDB de São Paulo. Não tem muita alternativa. É especulação [a hipótese de deixar o PSDB]. Ele nunca me disse isso". Radar NA REAL 22/3/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,2856 estável baixa - REAL 2,0128 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 54.873,12 estável queda estável - S&P 500 1.551,99 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.235,30 estável/alta estável/alta                       (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável
terça-feira, 19 de março de 2013

Política & Economia NA REAL n° 237

A lembrança do México No início dos anos 90, quando se iniciou o ciclo de enorme valorização das ações ao redor do globo, o país mais "charmoso" para a comunidade financeira internacional era o México. País pobre, comandado por uma "elite bem formada", era lembrado por ser país vizinho da maior economia mundial e por estar construindo um acordo de livre comércio poderoso, o que veio a ser chamado de ALCA - Acordo de Livre Comércio das Américas (1994). O país da revolução de 1910, liderada por Emiliano Zapata, tornava-se aos olhos do "mercado" o país com o futuro mais promissor dentre os pobres que se tornavam emergentes. Além disso, contava-se com as imensas reservas petrolíferas que possibilitaram que o país se tornasse o sexto maior produtor mundial. Depois veio uma crise de dívida que foi superada com o apoio norte-americano (1995). De lá para cá, a despeito dos imensos ajustes macroeconômicos, o país apresentou um crescimento de pouco menos de 4% , mesmo que com riscos baixos - tem uma relação dívida/PIB ao redor de 30% e inflação controlada, por exemplo. A lembrança do México - II Todavia, atualmente o México está longe de ser o destaque dentre os emergentes. Ao contrário, as profecias tropeçaram no crescimento da China, país autoritário politicamente, o qual desprezou (e ainda despreza) muitas das "regras" prezadas pelo mercado (controla o câmbio e os juros, bem como regula um pouco o transparente mercado financeiro, para citar apenas dois aspectos). Além disso, faz a maior inclusão social de todos os tempos no globo, enquanto o México persiste em uma das rendas mais desiguais do planeta e um subdesenvolvimento social gritante. O México é rico em matérias-primas, mas frágil em adicionar tecnologia à sua produção doméstica e às exportações. Com efeito, as previsões dos analistas de então sinalizaram um futuro mexicano inconsistente com os seus reais fundamentos, sobretudo em relação à classe política daquele país. De outro lado, quando "descobriram" a China, o país já conquistava o mundo com sua agressividade. O México foi apenas um ícone, distante do mundo real. A China é uma realidade concreta, um risco considerável e um líder do mundo emergente. A bola de cristal estava errada. E o Brasil ? Seria o Brasil a profecia de hoje, equivalente a do México dos anos 1990 ? Muito se fala no mercado, a sua já famosa "bola de cristal", sobre as perspectivas brasileiras nos próximos anos. O que se vê, contudo, é um país limitado nas reformas estruturais, mergulhado na baixa política, com um discurso social e econômico anacrônico, mesmo que com os tais "fundamentos" de curto prazo sem maiores riscos. Vê-se um país com educação sofrível, sem competitividade industrial, com impostos elevadíssimos, juros estratosféricos e uma democracia corrompida por um sistema partidário parasitário ao poder central e com base social irrefletida nas instâncias superiores. Não se deseja um sistema chinês por estes cantos, é certo. Mas, qual seria o "estado da arte" de nossa própria criação política, social e econômica ? Se for o estado atual, estamos caminhando para a permanência de uma desigualdade imensa perante o mundo, na linha do que é o México : um país bem comportado e que não supera a sua própria impossibilidade histórica, criada dentro do país, de ser muito diferente do que é. Sai governabilidade entra "eleitorabilidade" Não é segredo para ninguém, pois tem sido apregoado com orgulho por todos os envolvidos em palanques de 2014, visíveis e invisíveis, que a reforma ministerial, ora em curso, visa única e exclusivamente acomodar aliados descontentes - e ameaçadores - no curral governista. A lógica é : cargos e influência em troca de votos populares que poucos têm e de tempo na televisão - que todos têm, nem que sejam alguns preciosos segundos para que os "marqueteiros" possam brincar de fazer propaganda política do mesmo modo que vendem sabonetes e iogurtes em tempos não eleitorais. O Brasil político já cultiva um vocábulo esdrúxulo - "governabilidade", em nome do qual, ou seja, de garantir ao governo uma certa paz no Congresso Nacional, praticam-se coisas que até Deus duvida. Sai governabilidade entra "eleitorabilidade" - II Agora, entrou em campo outra novidade no léxico político nacional - a "eleitorabilidade", em nome da qual, como se pôde ver pelas primeiras amostras da reforma ministerial que Dilma iniciou sexta-feira, praticam-se coisas que até o diabo dúvida. É em nome dessa eleitorabilidade que Dilma trouxe de volta ao centro do poder a turma do Carlos Lupi, do PDT, na figura do inexpressivo deputado Manoel Martins, sobre cujas credenciais para o Ministério do Trabalho ainda são desconhecidas. Foi por isso também que a presidente afagou o sempre insaciável PMDB, entregando a Moreira Franco, cuja intimidade com a aviação civil não passa de um passageiro comum ; e ao mineiro Antonio Andrade no Ministério da Agricultura, no caso um fazendeiro, mas que ganhou o posto não por seus méritos, mas para evitar que as ovelhas peemedebistas mineiras, famintas, se desgarrassem para a possível candidatura de Aécio Neves. Da mesma forma, o PR, escorraçado do Ministério dos Transportes, quando Dilma ainda vestia o uniforme de faxineira, por suspeita de estripulias no DNIT, na Valec e adjacências, será gloriosamente reabilitado quando a presidente voltar de Roma, onde hoje assiste a entronização de Francisco no trono de Roma. Sai governabilidade entra "eleitorabilidade" - III O risco é a busca excessiva de eleitorabilidade prejudicar, definitivamente, a verdadeira governabilidade que se exige de um governo : ação e competência. Para que se faça a "superação histórica" que o país necessita. Governabilidade, no Congresso, é uma espécie de gazua para os partidos se apossarem de nacos da administração pública. Dura realidade. Não dava para esperar A turma estava com tanta pressa que se abriu um espaço na agenda da presidente no sábado, dia no qual raramente ela dá expediente quando está no Brasil, para a posse dos três novos ministros. Deve ter sido para todos poderem assinar como ministros sua presença na missa de domingo. Tudo tem limites Dilma, respondendo a críticas da oposição e antevendo outras mais, dado o caráter visivelmente fisiológico das mudanças que fez e ainda vai fazer na sua equipe, fez enfática defesa da "coalizão" governista. De fato, alianças para governar em países de sistema multipartidário são naturais. Mas há coalizões e coalizões, alianças e alianças, critérios e critérios. Os aqui adotados, na atualidade, não são dos mais santos. Sério ? Da presidente Dilma Rousseff na posse, sábado, dos novos três integrantes da sua troupe ministerial : "Nós já iniciamos o processo, estou na metade do governo, e precisamos conduzir a bom termo esse processo, que se pauta em transformar os ministérios do nosso país em ministérios profissionais e meritocráticos". Pelo menos os três empossados e seus familiares parece que acreditaram. Não é apenas o número O empresário Jorge Gerdau, amigo de Dilma e conselheiro (não remunerado) com cargo formal no governo, abriu fogo contra o tamanho do Ministério da presidente. Para ele, ter 39 ministros é "uma burrice". Não deixa de ser, não dá nem para a presidente despachar numa periodicidade razoável com todos eles. Há ministros que praticamente só se encontraram com a presidente em solenidades públicas - passam meses sem falar com ela pessoalmente. Não têm muito o que fazer e dizer e a presidente nada deve ter para dizer a eles. O que mostra a falta de importância de boa parte dos ministérios e das secretarias com status ministerial. Só serve para alguma coisa : acomodar aliados. Porém, o problema maior não é o número - é a qualidade. Aquilo que a presidente, num arroubo, chamou de "meritocracia" sábado. Há uma jornalista brasiliense que define bem o deserto de homens e ideias da equipe de Dilma : "O ministério de Dilma é de segundo escalão". Aprendiz de feiticeira Em matéria de política dos políticos, Dilma parece não ter mais nada a aprender com Lula. Ela já havia passado recentemente no teste dos palanques, ao citar diabos e cervejinhas em seus discursos, no melhor estilo do mestre. Agora, supera-se na arte da escalar ministros errados para lugares errados. Em tempo : antigamente, quando alguma criança fazia uma estripulia, dizia-se que ele tinha feito arte, era um arteiro. Não é o caso da presidente. Em estado alfa Justiça se faça : o vice-presidente e poeta Michel Temer saiu-se muito bem no início da reforma ministerial. Conseguiu uma promoção para Moreira Franco, o gato angorá da burguesia carioca como dizia Leonel Brizola, da inútil secretaria de Assuntos Estratégicos para a abonada Secretaria da Aviação Civil (orçamento de R$ 2,7 bi) e com a responsabilidade de tocar as privatizações (ou concessões, como aconselham os preconceitos petistas) dos aeroportos de BH e do RJ. Emplacou também o mineiro Antonio Andrade no Ministério da Agricultura, área que era de sua influência direta e foi perdida quando o paulista Wagner Rossi, por suspeitas de irregularidades, foi substituído por Mendes Ribeiro, um peemedebista gaúcho de confiança de Dilma e fora da órbita do vice. Em estado alfa - II A vitória de Temer só não foi completa por duas razões : (1) Não conseguiu ainda um ministério "de furar poço", expressão cunhada pelo inefável Severino Cavalcanti para definir a poderosa diretoria de Exploração da Petrobras, mas que serve bem ao desejo do PMDB de ter um ministério mais "eleitoral", tipo Transportes, Cidades, Integração Nacional, saúde. (2) Não se arranjou um ministério para o pupilo predileto dele em SP, o deputado Gabriel Chalita, candidato derrotado à prefeitura de SP com inestimáveis serviços prestados ao candidato (o agora prefeito) petista Fernando Haddad. Chalita esteve com os pés no Ministério da Ciência e Tecnologia, porém foi esquecido depois das denúncias de um ex-assessor seu sobre supostas irregularidades quando ele foi secretário estadual de Educação. Uma queda muito comemorada pela comunidade científica brasileira. Desenvolto como o diabo Em conversa com um grupo de 60 empresários em SP, com grande desenvoltura, como o registrado pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, o mais que candidato à presidência da República, Eduardo Campos, deu o mote de sua campanha. "Nós podemos fazer melhor". Nessas tertúlias com os empresários, cada vez mais constantes na agenda do governador de PE, ele tem elevado o tom de suas críticas à condução da política econômica de Dilma, mesmo com os elogios que faz a ela. Elogios que estende também aos ex-presidentes Lula e Fernando Henrique. Com Campos à vontade, os tucanos também estão subindo aos poucos os decibéis de seus ataques ao governo. Um tango argentino Pelo que vem sendo revelado depois de sua escolha, o agora papa Francisco, o argentino Jorge Mario Bergoglio, tem todas as qualidades para ter sido ungido Bispo de Roma. Além delas, segundo muitos vaticanistas (um tanto na berlinda, é verdade, depois que erraram feio em suas especulações) pesou também a capacidade de conciliação de Francisco, num momento em que a cúpula da Igreja Romana estava perigosamente dividida. Observando a saída do conclave, uma analista política nacional pergunta : quem será o "argentino" dos tucanos ? Na medida em que Dilma empurra seu trio elétrico eleitoral por onde pisa e Eduardo Campos já não disfarça seus desejos, os tucanos ainda estão se bicando - e muito. A continuar desse jeito, restará ao tucanato, como naquele conselho de um médico ao poeta Manuel Bandeira quando constatou que a lesão que ele possuía era muito grave e Bandeira queria saber o que poderia fazer : "Tocar um tango argentino". Esperteza A manchete do "Diário do Comércio" de SP diz tudo do PSD do ex-prefeito Gilberto Kassab, depois que ele admitiu, candidamente, que seu partido não quer ministérios, porém seus filiados podem aceitar algum convite de Dilma : "Kassab sai do governo, mas fica no governo". Só para iniciados O BC tem sido confuso e contraditório em suas comunicações, o que está deixando um tanto quanto desarvorados não apenas a turma do mercado financeiro como também empresários de vários quilates. Junte-se a isto as trombadas com os fatos das autoridades econômicas e está formado o ambiente para as desconfianças sobre os rumos que o governo quer dar mesmo à política econômica. No limite, isto está levando a uma pisada no freio dos investimentos. No fim do mês sai o Boletim Trimestral de Inflação, aguardadíssimo para ver se a comunicação do BC fica mais clara. Semana passada a jornalista Thais Herédia, ex-assessora de imprensa do BC, publicou em seu blog no portal G1 um divertido e útil manual de ajuda aos interessados em decifrar a autoridade monetária : "Como entender o BC em poucas lições". Vale a pena ler - clique aqui. Agora Chipre sacode o mundo Descobriu-se, depois de algum sacrifício físico e mental, que Chipre, 167º em tamanho no mundo e PIB de US$ 25 bi (Campinas tem quase US$ 30 bi) está no euro. Depois se descobriu o que todos sabiam : o belo país mediterrâneo está quebrado. Não bastasse esta percepção aguda do mercado, notou-se que o país não tem saída para solucionar a crise : ou dá um calote nos credores e ajusta o nível de endividamento às possibilidades do país, ou, alternativamente (e simultaneamente), dá um calote interno para se sustentar numa perigosa corda bamba. Os cipriotas optaram, com a anuência dos alemães, a pegar 10% das contas bancárias dos distintos cidadãos para pagar os empréstimos prometidos da União Europeia. Foi o que bastou para os investidores dizerem que "foi criado um perigoso precedente" para a Europa. Como se os investidores nada soubessem sobre calotes e colapsos financeiros. A surpresa talvez seja o fato de os alemães, sempre alertas, estarem por trás de tudo isso. Merkel, como se sabe, é bem heterodoxa, quando lhe interessa. A nossa recomendação é simples : desprezem o assunto e continuem investindo em ações norte-americanas, o atual porto seguro do mercado. Radar NA REAL 15/3/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,2966 estável baixa - REAL 1,9874 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 56.804,76 estável queda estável - S&P 500 1.560,16 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.248,23 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 12 de março de 2013

Política & Economia NA REAL n° 236

Como o diabo gosta (ou a nova Dilma) O "ministro sem pasta" do gabinete da presidente Dilma Rousseff, João Santana, está mais ativo do que nunca. O dedo do marqueteiro João Santana pôde ser visto na semana passada em várias ações da chefe. A principal foi o anúncio da eliminação dos impostos federais da cesta básica, agora acrescida de materiais de higiene pessoal. Foram eliminados o PIS/COFINS e o IPI, no que cabia. É meritória a mudança, isto não se discute. Estava ainda em estudos e a perspectiva oficial era de que fosse lançada no dia 1º de maio, nas comemorações do Dia do Trabalho. O discurso de sexta-feira, dia 8, era apenas para saudar o Dia Internacional da Mulher. Como o diabo gosta (ou a nova Dilma) - II No meio do caminho (ou do dia ?) surgiu uma pedra : pela manhã o IBGE anunciou outro incômodo índice de inflação, o IPCA de fevereiro, de 0,6%, superior a todas as previsões, de fora e de dentro do governo. A inflação anualizada foi jogada para 6,31%, com as previsões já apontando para o estouro do cume da meta (6,5%) em março. Os assessores de Dilma continuaram falando em "paciência" e "prudência", que era preciso esperar os efeitos das medidas adotadas nos últimos meses e que, no segundo semestre, a situação se inverterá. Dilma, porém, está em tempos eleitorais e, assim, entrou em campo a necessidade de combater a má notícia com um ato positivo. Veio, então, a redução dos impostos e o discurso da noite, visivelmente adaptado na última hora. É um movimento que se verá cada vez mais daqui para frente. A questão política condicionando as ações econômicas. A força das palavras Sinal ainda desses tempos é o novo linguajar e o novo estilo de Dilma, visível nos dois palanques que ela ocupou na semana passada : no CE, na quarta-feira, e o televisivo, na sexta-feira. A presidente desfrutou, por assim dizer, momentos de Lula, do melhor Lula em comícios. Como, quando, por exemplo, disse que na hora da eleição se pode fazer "o diabo", que "as casas que o governo está entregando são também boas para tomar uma cervejinha", e quando avisou que "quem está no poder é uma mulher e, por isso, agressores em geral devem tomar cuidado". Sai a gerente tecnocrata entra a política de palanque. Quem ganha e perde com essas mudanças ? Sinonímia "O diabo existe e não existe ?", pergunta Guimarães Rosa no monumental "Grande Sertão : Veredas". Na obra do escritor mineiro os conselheiros de Dilma para os palanques poderão encontrar uma abundante sinonímia da palavra diabo, para enriquecer novos discursos presidenciais. Alguns deles, pela pesquisadora Nilce Sant'Anna Martins em "O léxico de Guimarães Rosa" : "Anhangão, Aquele, Barzabu, Berzebu, Belzebu, Bute, Capiroto, Ele, o Arrenegado, o Austero, o Azarape, o Bode-preto, o Cabrobó, o Canho, o Cão, o Careca, o Carocho, o Coisa-Má, o Coisa-Ruim, o Coxo, o Cramulhão, o Cujo, o Danador, o Das Trevas, Dê, o Debo, o Demo, o Demônio, o Dia, o Diogo, Dos Fins, o Drão, o Dubá, o Dubá-Dubá, o Ele, o Grão Tinhoso, o Homem, o Indivíduo, o Mafarro, o Mal-encarado, o Maligno, o Morcegão, o Nem-sei-que-diga, o O, o Ocultador, o Outro, o Pé-de-Pato, Pé Preto, o Que-Diga, O-que-não-existe, O-que-não-há, o Rapaz, o Satanão, o Sem-gracejos, o Severo-mor, o Solto, o Sujo, o Temba, o Tendeiro, o Tentador, o Tisnado, o Tristonho, o Tunes, O-que-nunca-se-ri, Xu". Em "Noites do Sertão" GR anotou : "Este mundo é diabrável para consumir gente". A política também. A economia, na real Os tropeços do crescimento brasileiro são de natureza estrutural. O Brasil não pode ser o país do consumo de vez que é pobre no salário e no crédito, fruto do subdesenvolvimento industrial neste século da tecnologia. Não é o país do investimento, porquanto cresce pouco e com "voos de galinha" e tem no Estado um freio ao empreendedor e um empreendedor que não sabe gerir. Esta é a economia real. Todavia, há a "economia aparente" que é aquela que é marcada pelos "efeitos estatísticos" : o PIB deste ano pode crescer algo em torno de 3,5%, mas este número é tão sofrível quanto a estagnação de 2012. Além disso, a administração da presidente acumula crescentes inconsistências no que se refere à área fiscal, cambial e monetária - esta última sob risco de uma inflação elevada. O país da "economia aparente" é aquele que é enfraquecido perante as amplas possibilidades que tem. Faz-se anão quando poderia ser um gigante. BC, previsível Conforme comentamos nesta coluna na semana passada, o BC cumpriu o script de fechar, mantendo o juro básico inalterado, o "período da falação". Daqui para frente deverá agir e subir a taxa de juros. A dúvida é a envergadura desta elevação. A nossa aposta é que o juro nominal sobe para algo entre 8,5% e 9% até o final do ano. O que significa que o juro real vai cair, porque a inflação é um fenômeno endógeno (formado pelos agentes) e está dizendo para quem quiser ver que ela está em alta. A boa ideia No momento, a melhor ideia que existe é investir na bolsa dos EUA. O país vive uma crise, mas parece mais apto a superá-la no médio prazo que o Brasil, que não vive uma crise, mas não está apto a crescer consistentemente. Não é desprezível o movimento de saída de investidores daqui na direção do norte. Alta tensão Pelo menos na conta da maioria dos partidos, esta semana a presidente Dilma começa finalmente a definir as mudanças no seu ministério para reforçar os elos de sua aliança eleitoral. O primeiro a fazer as contas será Michel Temer. O partido deverá juntar mais um ministério no seu rosário, para MG, mas não deverá ser o dos Transportes. Como tem políticos e partidos demais, Dilma deve sacrificar alguns "técnicos" para atender a todas as ambições. Secretaria de Aviação Civil é um dos que entrarão na cota dos partidos. Especula-se que vá para Wellington Moreira Franco, peemedebista encostado na inexpressiva Secretaria de Assuntos Estratégicos. O Ministério da Ciência e Tecnologia também esteve para entrar no rol. Porém, a reação da comunidade científica à falência política do deputado Gabriel Chalita (PMDB/SP) salvaram este nicho. O PSD de Gilberto Kassab ganha o novo ministério da Pequena e Média Empresa, provavelmente para o vice-governador de SP, Guilherme Afif. Deve ganhar também alguma diretoria de estatal. Aliás, as estatais também serão usadas para saciar os aliados. A CEF, por exemplo, pode ganhar duas novas diretorias. Na Petrobras, Graça Foster faz de tudo para proteger sua fortaleza da sanha partidária. Haja cargo ! Partidos, longe do palanque No palanque presidencial, como se sabe, não falta a multidão de apoiadores, senadores, deputados, governadores, etc. e tal. Todos prontos para puxar o aplauso da multidão incauta. No Congresso o jogo é, cada vez mais, medíocre. Os partidos ditos "aliados" afiam as facas e operam a pauta congressual em prol de seus interesses. O governo, em alerta, sempre está negociando. A "reforma ministerial" não passa de um ajuste momentâneo de contas mediante pagamento futuro. O passado está pago. São 39 ministérios, afinal de contas. Como antes, como sempre O pastor Marco Feliciano (PSC/SP), contra as minorias, na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Gabriel Chalita, investigado pelo MP, presidente da Comissão de Educação da Câmara. Paulo Maluf e os mensaleiros José Genoino e João Paulo Cunha membros titulares da CCJ. O Congresso continua olhando a sociedade apenas de esguelha. Estratégia Por enquanto, o governo e o PT vão concentrar seus maiores esforços em boicotar a candidatura de Eduardo Campos, minando suas forças e pressionando aliados a não embarcarem na canoa do pernambucano e em impedir, o quanto for possível, o nascimento do Rede Sustentabilidade de Marina Silva. Se o partido dela não nascer até o fim de setembro, não poderá disputar as eleições do ano que vem e a ex-ministra do Meio Ambiente terá dificuldades de encontrar uma legenda com algum peso para disputar a presidência. Ela e o Partido Verde já não se bicam. A determinação é evitar, de todo modo, as duas candidaturas, pois ambos tendem a tirar mais votos de Dilma do que de um candidato oposicionista. Com os dois no páreo, como já demonstrou a candidatura de Marina e seus quase 20% dos votos em 2010, um segundo turno é inevitável. Estratégia - II Outra providência é tentar incentivar, indiretamente, a dissensões no PSDB, com José Serra. As notícias de que Serra pode vir a ser candidato por outro partido, o PPS, por exemplo, se os tucanos optarem por Aécio Neves, nem sempre partem do grupo serrista ou do partido liderado por Roberto Freire. É cantado também por governistas, discretamente. O Palácio do Planalto, com o "ministro sem pasta" João Santana, prepara uma primeira rodada de pesquisas eleitorais para sentir o ambiente depois que a candidatura de Dilma subiu nos palanques. Em um dos cenários com o nome dos possíveis candidatos, Serra será incluído. A esperança palaciana é que, pelo recall de outras vezes que concorreu, o tucano paulista apareça bem colocado e isto gere confusão no tucanato. Mais confusão do que já está hoje. No fundo, Dilma, o PT e Lula preferem disputar com Serra. O ataque a Aécio vai ser calibrado no ritmo alcançado por sua candidatura. Se começar a crescer e o mineiro aumentar o tom de suas críticas, vai ser também mais combatido. E vai começar por MG, com Dilma dando mais atenção a seu Estado para desfazer a "intriga" de que ela é uma mineira que não liga para Minas. Só na cadeia Em tempos mais duros da política brasileira, costumava-se dizer, com cruel ironia, mas com uma dose de verdade, que a esquerda no Brasil só se unia na cadeia. Os partidos de oposição ao governo Federal no país não são propriamente de esquerda e não há ninguém neles ameaçados de perseguição política, portanto, será muito difícil que eles marchem unidos na sucessão presidencial de 2014. A verdadeira batalha do petróleo O assunto da divisão dos royalties do petróleo ainda vai render muito, e dar muita dor de cabeça a presidente Dilma. Sua estratégia final de não interferir na votação dos vetos no Congresso na semana passada já deixou fraturas. A batalha judicial pode ser longa. Dependendo dos arroubos de cada um, pode assustar os investidores que se preparavam para disputar os leilões de novas áreas de exploração de petróleo, previstos para maio e novembro. Especialmente o de novembro, focado no pré-sal. Nada do que acontecer nessa seara, no entanto, tem o poder explosivo de um outro "abacaxi" (criado por ele mesmo) que o governo precisará descascar para que os leilões previstos se realizem com algum sucesso : equilibrar a situação financeira da Petrobras. A verdadeira batalha do petróleo - II A nova lei de concessões, pelo sistema de partilha, estabelece que a estatal petrolífera brasileira deve participar com pelo menos 30% nos consórcios que ganharem a licitação e deve ser a operadora única do campo. Com que dinheiro, depois dos sacrifícios que lhe foram impostos nos últimos anos para ajudar na política antiinflacionária ? Tão difícil que já especula até que o Palácio do Planalto está apenas esperando um momento político mais adequado para tirar um pouco desse peso das costas das estatais, rebaixando as exigências. Improviso O aumento de 5% no óleo diesel, liberado na semana passada, menos de um mês do último reajuste, mostra, no mínimo como a equipe econômica anda improvisando em suas políticas, conduzidas ao sabor de circunstâncias e conveniências inflacionárias e eleitorais. De remendo em remendo o artesão pode perder a mão. Radar NA REAL 8/3/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3033 estável baixa - REAL 1,9569 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 58.544,79 estável estável - S&P 500 1.556,22 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.252,87 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 5 de março de 2013

Política & Economia NA REAL n° 235

O crescimento além do PIB O resultado do PIB que apresentou um crescimento de apenas 0,9% em 2012 não reflete apenas a realidade objetiva no curto prazo. É direto, espelho de um país que se distancia de suas possibilidades, estas muito mais grandiosas. O problema não é o "estático" desempenho de um ano para o outro, mas a ausência de "dinâmica". O consumo também capenga porque, a despeito do elevado nível de emprego, a população se engalfinhou em dívidas caríssimas no tempo da euforia lulista. A indústria está visivelmente pouco competitiva - 21% dos produtos industriais são importados numa arena cambial onde a indústria local não pode prevalecer. Neste contexto, falta ao governo visão estratégica e à iniciativa privada a vontade política de agir em prol de seus interesses. Todos parecem letargicamente esperar que algo aconteça. Não acontecerá. Enquanto isso, o PIB pode subir 3,0% ou 4,0%, mas a realidade subjacente está sólida e não é nada boa. Copom vai manter juros Num cenário que combina atividade econômica débil e emprego positivo, o BC vai tecer a sua estratégia em relação à inflação extremamente elevada para um país que zela pela sua moeda. O primeiro ato do teatro da autoridade monetária já foi cumprido : Tombini e seus diretores vieram a público para dizer que estão presentes e que a situação será controlada. Foi um calculado (e combinado) jogo de palavras que esclareceu o mercado e alinhou expectativas dos agentes e do próprio governo (que andava meio ausente neste tema). Agora começa a chegar o momento em que o BC terá de passar da prosa para a ação. Todavia, com o PIB lá embaixo e os indicadores de atividade ainda incipientes (no que tange ao crescimento) é provável que tudo fique como está para ver como é que fica. Depois desta próxima reunião do Copom é possível uma alta de juros porque palavras, como se sabe, não movem montanhas (ops !), não reduzem inflação. Perguntas sem respostas Digamos que o PIB deste ano não seja nem 3,0% e muito menos 4,0%. Seja apenas algo entre 1,0% e 2,0%. O que fará a presidente Dilma : removerá a equipe econômica que segue cegamente suas recomendações ? Quem viria a substituí-la ? Mantega e a guerra cambial O ministro Guido Mantega tem sido um exemplar alferes na retórica na qual prega contra a "guerra cambial" que os países centrais (liderados pelos EUA) estariam fazendo contra os emergentes. O Brasil neste tema tem sido o mais loquaz dentre os emergentes - repetiu a dose na última reunião do G-20 em Moscou. A China já pregou há dois anos com mais ênfase em favor da tese da "guerra cambial". Hoje, tem sido mais discreta e prefere cuidar dos vastos interesses cambiais, enquanto o Brasil se consolida como um país exportador de commodities. Em meio a toda esta retórica, Mantega acumula uma contradição substantiva frente ao largo esforço que faz alhures : está fortalecendo o real para manter a inflação baixa. Difícil sustentar argumentos contra os países ricos desta forma. O preço das bravatas O governo tem feito um esforço interno e externo - principalmente externo com as caravanas para atrair investidores nos Estados Unidos sob a batuta do ministro Guido Mantega e à Europa pela palavra da ministra Gleisi Hoffmann - na tentativa de convencer possíveis parceiros de que o Brasil é um porto seguro para quem quer fazer negócios. Não tem sido tão bem sucedido em sua logorréia tanto quanto esperava. Os empresários que ouviram Dilma quarta-feira no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, se publicamente saíram sorridentes, no fundo mantiveram suas reversas. O preço das bravatas - II Lá fora, Mantega e Gleisi também tiveram recepção simpática, mas as perguntas com que eles e outros expositores brasileiros foram bombardeados indicam que o clima de desconfiança e temor permanece vivo. A razão é muito simples : (1) contradições no discurso oficial, (2) certo irrealismo nas análises dos fatos reais da economia nacional e (3) algumas bravatas de governistas e aliados no âmbito interno. O que forma um caldo bem chacrianiano (de Abelardo "Chacrinha" Barbosa : aquele que não explica (ou convence), confunde). No primeiro caso, ainda não foram bem deglutidas, por exemplo, as divergências de ênfase entre o BC e o Ministério da Fazenda em relação à política de juros e à política cambial. Ou, ainda, a respeito da manutenção ou não do tripé macroeconômico que sustentou a economia brasileira desde a última fase do governo FHC até o fim do mandato de Lula antes da eclosão da crise em 2008. O preço das bravatas - III Questões como a confusão provocada pelas mudanças no setor elétrico também pesam nessas análises. O ministro Guido Mantega, na sexta-feira depois da divulgação do PIB de 0,9% em 2012, voltou a dizer que a economia do Brasil sofreu este novo baque por conta da crise externa (sem considerar que vários emergentes foram poupados, em grande medida, dela) e que o país este ano vai crescer 4%, o que nem o BC, por sua última projeção, parece acreditar possível. Tais procedimentos levam os analistas a desconfiar que a equipe econômica nacional não está com um diagnóstico correto da situação e, portanto, não sabe como agir. Ou que quer engambelar o distinto público. É por essas e outras que o prestigioso Financial Times classificou Mantega como um "vaticinador". O preço das bravatas - IV As bravatas são aquelas coisas que os governantes e seus partidos dizem apenas para agradar seu público interno, sem intenções (ou condições) de cumpri-las de fato. Por aqui, não são levadas tão a sério, mas para o estrangeiro, não tão acostumado a certas nuances da brasilidade política, é para valer. Há ainda uma quarta vertente desse estilo : o que se poderia chamar de "Lei de Gerson do setor público" : uma tentativa de levar vantagem em tudo. Isto é visível na atual safra de concessões de serviço público em preparação. Praticamente todos os programas inicialmente preparados para os setores de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos já foram alterados, para melhorar as ofertas feitas aos possíveis concorrentes. O governo Dilma parece estar necessitando urgentemente, além de um choque gerencial, de um choque de realidade. Hora da verdade para o BNDES Anuncia-se que o governo, nos próximos dias, por exigência do TCU, vai divulgar documento o qual torna público os subsídios implícitos nos repasses do Tesouro Nacional para o BNDES. Foram R$ 250 bi desde 2008, captados ao custo da Taxa Selic e emprestados pela TJLP, de taxas menores. Essa diferença não está registrada ainda nas contas públicas. Pode ser o início da hora da verdade financeira também para o BNDES. Os problemas da política de liberalidade e de escolha de "campeões nacionais" do banco já começaram a aparecer. O lucro da instituição caiu 9,55% no ano passado ante 2011. Teria sido ainda pior - de mais de 30% - se o Conselho Monetário Nacional (CMN) não tivesse autorizado a instituição a contabilizar diferentemente de outros bancos, o valor das ações de alguns de seus investimentos em empresas mais complicadas. Já se analisa a possibilidade de o Tesouro injetar mais R$ 8 bi no banco. Como no Soneto da fidelidade ? Quem acompanhou as juras de amor trocadas na semana passada entre a presidente Dilma Rousseff (coadjuvada pelo ex-presidente Lula e o PT) e o PMDB e, ao mesmo tempo, conhece o temperamento da presidente, o pragmatismo de Lula, o apetite do PT e as rusgas às vezes nada discretas entre os dois partidos, logo se lembra dos últimos versos de um dos poemas mais citados de Vinicius de Morais : Eu possa me dizer do amor (que tive) :Que não seja imortal, posto que é chamaMas que seja infinito enquanto dure. Como no Soneto da fidelidade ? - II Uma parcela do PMDB já saiu das festas de núpcias com uma caraminhola na cabeça : apesar de todos os elogios de Dilma e Lula ao PMDB e as referências a Temer, nenhum dos dois ousou confirmar o presidente do PMDB como parceiro (vice, entenda-se) na chapa reeleitoral da presidente. Alegou-se que a não referência direta foi para evitar complicações com a legislação. Ora, desde quando a Justiça Eleitoral é respeitada nesse universo ? Ou não foi Lula quem falou da candidatura de Dilma na festa do PT semana retrasada em SP ? A solidez dessas núpcias será testada logo. Hoje, por iniciativa dos peemedebistas presidentes da Câmara, Henrique Alves, e do Senado, Renan Calheiros, será votado pelo Congresso Nacional o veto presidencial à lei com a nova divisão dos royalties do petróleo. O Palácio do Planalto não queria esta votação agora, pois sabe o poder explosivo que a derrubada do veto pode ter. E se houver votação, o veto cai. Pode rachar a unidade do PMDB e a unidade do partido em torno da presidente. Como no Soneto da fidelidade ? - III É esperado para esta semana também o início da reforma (ou ajuste, como prefere o governo) ministerial imaginada pela presidente. O PMDB quer recompensas por serviços já prestados e por outros serviços que deverá prestar no Congresso. Parece certo já que a seção do partido em MG vai ganhar o Ministério dos Transportes. O PMDB, porém, quer mais, quer mais "cartórios eleitorais", ou seja, postos que ajudem o partido a conquistar votos. Os peemedebistas costumam dizer que os ministérios que eles têm hoje "não elegem nem ao menos um vereador". Verdade histórica Ao contrário do que andam dizendo alguns e escrevendo outros, não foi o ex-presidente Lula o autor do lançamento da recandidatura da presidente Dilma Rousseff. Lula apenas avalizou o que já era fato. Foi a própria Dilma que se lançou, de forma muito pouco subliminar em seu último pronunciamento oficial em rede de rádio e televisão. Lula foi a reboque, com gosto ou sem gosto. Tudo para evitar que Lula crescesse no vácuo da ausência de declarações da presidente. Uma nova Dilma ? Os afagos públicos da presidente Dilma ao PMDB e suas conversas com outros aliados estariam indicando que a presidente Dilma, mesmo sob o risco de desenvolver algumas urticárias, está mais afável aos contatos políticos, sua mais evidente dificuldade na chefia do governo. Talvez não seja sem tempo. O mundo da política não tem a presidente na mesma conta dos eleitores, que dão a ela quase 80% de popularidade no momento. Duas pesquisas recentes realizadas em Brasília indicam que com os deputados e senadores o prestígio da presidente é menor e está em queda. A consultoria Arko Advice constatou que a aceitação de Dilma caiu de 54,7%, em 2011, para 45,8% em 2012. Com 220 entrevistas, a FSB Tracking registrou que a nota dada pelos parlamentares à relação entre o governo Federal e o Congresso caiu de 5,9, em maio de 2011, para 4,4 em dezembro de 2012. Curioso é que a base parlamentar de Dilma conta com 80% dos parlamentares. Como a eleição já está no ar e deputados e senadores só pensam na reeleição, Dilma terá de ser um pouco mais generosa com seus aliados se não quiser colher dissabores. Troféu político Se no Brasil houvesse um troféu para o maior "cara de pau" da política dificilmente em 2013 ele escaparia das mãos do senador Renan Calheiros. Qualquer outro pretendente terá de fazer muito esforço para bater o senador alagoano. E olha que neste país não faltam bons candidatos a este privilegiado título. Desembarque É cada vez mais visível : Lula e o PT estão a cada dia um pouco mais distantes dos companheiros mensaleiros. Solidariedade sim, morrer pela causa, jamais. Agora, os projetos A oposição, com o PSDB, e, ainda na surdina, com Eduardo Campos, assanhou-se com o precipitado lançamento da recandidatura de Dilma Rousseff e está com o flanco adversário aberto para críticas e provocações. Mas, precisa ir além das críticas, como as que Aécio Neves tem feito nos últimos dias, tem de mostrar o que vai fazer para corrigir os erros que aponta. Discurso por discurso, ninguém bate Lula. Radar NA REAL 1/3/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3027 estável baixa - REAL 1,9703 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 56.499,17 estável estável - S&P 500 1.525,20 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.182,03 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Política & Economia NA REAL n° 234

O Banco Central, os juros e o exemplo Como não funcionou totalmente a verborragia oficial para convencer os agentes econômicos, especialmente o mercado, que o BC não tem nenhuma limitação em relação à política monetária e aos juros, começa-se a especular mais fortemente, inclusive nos corredores brasilienses, sobre a possibilidade de a autoridade monetária aprovar na reunião do Copom da próxima semana, ou na do final de abril, um ajuste na Taxa Selic. Seria apenas um aumento pequeno, de apenas 0,25 ponto percentual, apenas para mostrar que o BC continua independente, não sofre "ingerência" nem do Ministério da Fazenda nem do Palácio do Planalto. E mais : que as conveniências eleitorais não batem na porta do imponente edifício meio ocre de grande destaque na paisagem de Brasília, ao lado da Praça dos Três Poderes. O Banco Central, os juros e o exemplo - II O BC só voltaria a mexer nos juros básicos da economia para valer mesmo se as expectativas do governo em relação ao comportamento da inflação não se confirmarem. Pelas contas planaltinas, a inflação anualizada ficará alta até meados do ano, sempre acima de 6% podendo até estourar o centro da meta (6,5%) e depois cairia gradualmente até chegar a 5,5%, a mais recente aposta do ministro da Fazenda, Guido Mantega. O governo não desistiu de usar todos os instrumentos possíveis para fazer este ano um PIB bem melhor que o do ano passado, que deve ter ficado em torno de 1%. Inclusive os instrumentos monetários. Por isso, o ajuste de 0,25 ponto se vier é apenas para dar o recado de que o BC está vivo. Todavia, esse rumo pode mudar muito se os preços continuarem rebeldes no segundo semestre. Por uma simples razão : é melhor fazer o mal agora (aumentando os juros) quando a eleição está relativamente longe do que ter que mexer com um dos principais slogans da campanha de Dilma quando a luta eleitoral estiver pegando fogo. Política econômica e campanha antecipada Esta coluna ouviu de um dos futuros ouvintes das apresentações do Road Show que Mantega, Gleisi Hoffmann, Luciano Coutinho e outros farão no exterior a seguinte análise : "Nenhum empresário, especialmente na área de infraestrutura, faz apostas grandes, quando faz, em ano eleitoral. O governo, ao antecipar a corrida eleitoral, criou um problema para si mesmo. De um lado, pede dinheiro para quem hesita em dar. De outro, amplia as dúvidas políticas sobre os investimentos. Assim, fica bem difícil...". Obviamente que este não é um ponto de vista isolado. De fato, os maiores comentários dos investidores externos sobre o Brasil é sobre o governo e não os negócios. Questionam a interferência do governo nos setores, as disputas políticas e as reformas que não são feitas. "Na China temos dúvidas grandes sobre estes temas, mas o país cresce acima dos 8%. Por aqui, as dúvidas são grandes, mas o país não cresce", assinala o interlocutor. Câmbio real Os economistas costumam se jogar em cálculos de todas as cepas para saber se o câmbio está valorizado ou desvalorizado. Em países onde há liberdade cambial plena, estes cálculos são incertos. Em países como o Brasil e a China estes cálculos são ainda mais incertos. Todavia, se o governo e o BC quiserem uma informação objetiva, basta fazer uma simples pesquisa sobre os custos para a implementação de um projeto no Brasil e compará-los com outras partes do mundo. A resposta deixaria qualquer burocrata do governo preocupado. Investimentos : caminho de volta Sabe-se que o mundo está complicado. Há enormes incertezas, sobretudo nos países centrais. Isso, contudo, não tem impedido que capitais mais ariscos estejam tomando o rumo dos EUA. Por lá, percebe-se que lentamente o país está saindo da escuridão e os preços dos ativos são mais convidativos. Além do fato de existirem Estados com incentivos fiscais verdadeiramente estimulantes. O segredo de polichinelo continua Já foi dito aqui, mas vale repetir : nenhum governante gosta de antecipar sua sucessão, mesmo se ele for candidato à reeleição e estiver bem na fita de largada. É o caso da presidente Dilma Rousseff. A antecipação só traz desvantagens : divide a atenção do gestor ; assanha os adversários que naturalmente aumentam o tom de suas críticas e cobranças e também entram em campanha ; e assanha ainda mais os parceiros, que ganham mais uma arma de barganha para garantir a aliança partidária reeleitoral. É exatamente isto que Dilma está experimentando agora, depois que botou espontaneamente seu bloco na rua e, na semana passada, ganhou o aval de ninguém menos do maior eleitor do país, o ex-presidente Lula. O melhor exemplo são os parceiros que já estão com seus candidatos lançados à ministérios, postos de segundo escalão e boas diretorias de estatais e até de agências reguladoras. A presidente pretendia fazer uma reforma restrita, como já foi comentado aqui. Não vai dar mais. E por mais que ela se esforce, a presidente deixará os "mortos e feridos" pelo caminho. Um custo que poderá ser cobrado nas votações no Congresso e no palanque de 2014. Pergunta e resposta incômoda Por que Dilma correu todos esses riscos, antecipando ela própria o debate eleitoral ? Há várias teorias circulando. Não erra, porém, quem acreditar que um dos alvos tem hoje residência em São Bernardo do Campo. Lupas sobre a gestão de Haddad Não são poucos os petistas de coturno alto que estão preocupados com a gestão de Haddad no prédio do Viaduto do Chá. Estes acham que o tutelado de Lula está condicionado a ficar longe dos holofotes do dia a dia como era o caso do Ministério da Educação. Há severas dúvidas se o prefeito paulistano aguenta uma enchente num dia e um incêndio no dia seguinte. Ele vai nomear também ? Todos os indícios são de que a presidente Dilma "terceirizou" para o ex-presidente Lula as tarefas de manter a base aliada no Congresso unida e obediente e a de formar o grande palanque com o qual ela pretende disputar a reeleição do ano que vem. O objetivo é macro : é aceitável que fiquem de fora apenas o PSDB, o PPS, o DEM e o partido de Marina Silva (se vier a ser criado). Até mesmo o PSB de Eduardo Campos está sendo cercado para, na hora certa, ser cassado e jogado no redil oficial. Tais objetivos exigem amplas (e às vezes inconfessáveis) negociações. Todos estão dispostos a seguir com a presidente desde que sejam regiamente compensados. Com antecipação, nada de contas a pagar em 2015. É aqui e agora. A moeda de troca mais comum chama-se emprego, em ministérios e postos chaves na burocracia Federal. As perguntas são : (1) Lula recebeu carta branca para negociar como bem entender com os aliados ? (2) Pode fazer qualquer oferta ? (3) Ela vai nomear também ou só indicar ? É bom lembrar que parte das indicações de Lula para Dilma no início do governo dela acabou "faxinada". Eles não estão gostando Uma parcela dos petistas, com todo o respeito que tem por Lula e Dilma e entendem que o objetivo maior do partido deve ser o poder maior da República, não está gostando muito dos movimentos para criar um palanque para Dilma inflado como nunca houve antes na história deste país. O temor se justifica : os aliados, como compensação pela adesão, deverão cobrar, além de empregos, apoios petistas para seus candidatos a governador, apoio preferencial a alguns candidatos ao Senado e alianças nas eleições para a Câmara dos Deputados sempre que for conveniente para eles. É a escola PMDB em ação : não disputa a presidência, mas garante algum poder nos Estados e bancadas de peso na Câmara e no Senado, seus dois grandes trunfos de barganha com a presidência. O PMDB, que é o modelo dos outros em menor escala, sonha em ter candidatos competitivos aos governos estaduais em pelo menos 20 dos 27 Estados. Muitos com o apoio do PT. Como no RJ, por exemplo, onde o petismo já está nas ruas com a candidatura do senador Lindeberg Faria. Acomodação difícil Acomodar tudo isto é uma tarefa complicada até para um político da estirpe de Lula. Uma de suas manobras parece já fracassada : a de fazer Eduardo Campos vice de Dilma e do poeta Michel Temer candidato a governador de SP com o apoio do PT. Nem PT nem PMDB gostaram da conversa e ela está sendo dada como encerrada. Nem tudo são flores Aparentemente, o PMDB está apaziguado e em harmonia depois das eleições de Renan Calheiros para a presidência do Senado e de Henrique Eduardo Alves para a da Câmara. Não é bem assim, porém. Está em convulsão nos bastidores partidários novamente, especialmente na bancada da Câmara e em alguns Estados, a insatisfação da "plebe" com o tratamento que recebe do governo Federal, com as relações sempre na base de intriga com o PT, e com os caciques partidários. Este sempre foi um tema recorrente no PMDB nos últimos tempos, mas que Michel Temer e seu grupo conseguiram contornar com habilidade e sem muitos danos, a não ser alguns sustos que os peemedebistas costumam pregar na presidente Dilma. Agora, porém, está diferente. Como já se entrou na reta final das eleições do ano que vem, os peemedebistas querem ser tratados, tanto pelo governo, quanto pelo PT e os manda-chuvas do partido com "mais respeito", como alguns deles andam dizendo abertamente pelos corredores do Congresso. Ameaças de deserção Há ameaças sérias de deserção, como a dos mineiros bandeando-se para a candidatura de Aécio Neves se não ganharem um ministério ou algo nas estatais que valha por isso. De um modo geral, o PMDB quer mais ministérios "eleitoralmente" melhores que os quase decorativos (sem importância ou porque eles não mandam de fato) que têm hoje. Esta insatisfação pode explodir na convenção do partido dia 2, sábado, quando Michel Temer, tido por muitos como mais dilmista e governista que peemedebista, pretende disputar a reeleição para mais um mandato à frente da legenda. Aposta na deserção Aécio Neves aposta sério na deserção. Não à toa ficou escondido quando a dupla Henrique Alves e Renan Calheiros estava sendo eleita para liderar o poder Legislativo. O risco de Aécio é evidente : pode estar tão sintonizado na "pequena política" que pode esquecer-se de que o eleitor está nas ruas. Aparentemente o mineiro percebeu este risco, mas o seu jogo tem limites : não para de pensar nos parceiros de palanque em 2014. Resta saber se haverá público para escutar o que tem a dizer na eleição presidencial. Além disso, o único aliado interno ao PSDB que tem no curto prazo e que tem voz própria chama-se Fernando Henrique Cardoso, com seus méritos e deméritos. Teoria da conspiração 1. Com a campanha na rua, os fantasmas começam a rondar até cabeças bem assentadas. Alguns dilmistas, por exemplo, estão vendo nesta movimentação toda do governador Eduardo Campos para fixar sua candidatura como sendo, na verdade, um movimento em favor da candidatura de Lula. O governador já teria dito a mais de uma pessoa que a única coisa que o faria desistir de concorrer à presidência em 2014 seria o ex-presidente querer concorrer. 2. Outra teoria conspiratória diz que, em contrapartida, os dilmistas poderiam lançar o balão de ensaio de uma candidatura Lula do governo de SP, única forma segura de quebrar a hegemonia tucana de 20 anos em SP. Criaria certamente um fato quase consumado e um constrangimento para Lula. São teorias um tanto quando absurdas. Porém, em política, bruxas há. Quinta coluna Lula começa sua peregrinação pelo país quarta-feira por Fortaleza, no CE, considerado uma fortaleza inexpugnável dos irmãos Gomes. O governador Cid e o irmão sem mandato Ciro prometem prestigiar o evento do PT que Lula vai abrilhantar. Não está acontecendo de graça a escolha de Fortaleza para inaugurar a nova caravana da cidadania de Lula. No fim de semana, Ciro Gomes, político sem travas na língua, já soltou críticas do presidente do PSB, Eduardo Campos. Brasília conta com os irmãos Gomes para minar o prestígio de Campos por dentro da legenda. Conspiração ou quinta coluna Nas últimas semanas o governo já anunciou diversas revisões nos seus planos de concessão (ou privatização) de rodovias, ferrovias e portos. E outras poderão vir. Havia tantos erros assim ? Foram casos de descuido ou ações propositais de quem é contra essas concessões. Sabe-se que há muita resistência na burocracia e nos partidos às "malditas privatizações". Radar NA REAL 22/2/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3069 estável baixa - REAL 1,9820 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 56.617,56 estável estável - S&P 500 1.487,85 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.116,25 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________
terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Política & Economia NA REAL n° 233

Os juros, o câmbio, a inflação e a política Depois de trombadas e abalroamentos em profusão, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do BC, Alexandre Tombini (lembrete útil : também tem status de ministro) parecem, finalmente, que afinaram a "logorréia" econômica oficial. Pelo que ficou entendido das declarações de Tombini a respeito do "desconforto" do BC com a inflação e das afirmações de Mantega, na Rússia, de que o câmbio não será usado como instrumento de política anti-inflacionária e que esta função é dos juros, a qualquer momento que julgar necessário a autoridade monetária poderá voltar a elevar a taxa Selic, hoje em 7,25% ao ano. O tal de mercado leu rapidamente o recado e na própria sexta-feira, dia da declaração de Mantega, já começou a elevar as taxas de juros no mercado futuro. Os juros, o câmbio, a inflação e a política II Um pouco de cautela nessas análises é aconselhável. Os dois parecem mais interessados em ajustar as expectativas e ganhar alguma elevação dos juros no mercado futuro sem a necessidade de o BC agir diretamente na Selic. A razão é simples : um dos mantras político-eleitorais da presidente Dilma Rousseff é exatamente poder inflar o peito de orgulho e dizer que nunca neste país os juros estiveram tão baixos. E insinuar que podem - e devem - cair ainda mais. Como as eleições de 2014 já estão desgraçadamente no ar... O plano real As indicações mais confiáveis são as de que o governo pretende concentrar seu ataque ao risco de um descolamento da inflação em novas desonerações da folha de pagamento e na eliminação dos impostos que incidem sobre os alimentos da cesta básica. Isto, mais a redução das tarifas de energia elétrica e o menor efeito do aumento do salário mínimo, mais os bons sinais de que a pressão dos preços dos alimentos está arrefecendo, seriam fatores suficientes para não deixar a inflação estourar o limite superior da meta de 6,5%. Esta é a meta real de inflação no Brasil para 2013/2014 : não passar de 6,5%. Governo faz um "ataque especulativo" Ajustes econômicos nunca são neutros, como se sabe. Há sempre um efeito sobre certa variável macroeconômica quando se altera (ou se tenta alterar) outra variável. Note-se que as expectativas têm valor superior aos fatos (futuros), na medida em que são as primeiras que alteram os preços dos ativos e comandam as ações dos agentes. No momento, a política econômica está sofrendo "um ataque especulativo originado dentro do próprio governo". Afinal, são os próprios gestores da política econômica que tornam as coisas confusas, contraditórias e obscuras. Vejamos o caso do juros e do câmbio : não precisa ser economista para saber que a formação da taxa de câmbio é endógena, ou seja, formada pelo mercado. Assim como a inflação. A variável exógena que influi em relação a ambos chama-se taxa de juros básica. Somente esta última, em termos nominais, é administrada pelo governo. Nem mesmo a chamada "curva de juros" está sob a gestão do governo. Logo, se os agentes não entendem os sinais que vem do governo, formam-se expectativas confusas, erráticas. Assim nasce a volatilidade, fruto deste risco. Mantega, Tombini e sua turma estão freneticamente lançando comentários carentes de unidade lógica que favoreça uma menor volatilidade no mercado. Não lhes falta apenas talento para a comunicação. Falta-lhes conteúdo mesmo. A inflação fora de controle ? Já se sabe que este governo não tem competências intestinais capazes de produzir a confiança para que os agentes se arrojem na tarefa de investir e aumentar, assim, o investimento. Esta seria uma tarefa avançada para uma equipe econômica tão fraca de ideias e de concepções estratégicas. Agora, o governo está brincando com a inflação. Esta alcança patamares preocupantes num cenário de fraqueza de demanda. Imagine-se se o crescimento do PIB fosse mesmo de, digamos, 4%. A inflação não seria os atuais 6,0%-6,5%. Provavelmente, saltaria alguns pontos percentuais e com rapidez. A taxa de difusão dos preços já está acima de 60%. Isto significa que os agentes consolidaram a ideia de que a inflação ganhou dinâmica própria e que 6% é piso e não o teto para a carestia. Muitos analistas têm sido cautelosos para fazer prognósticos sobre a inflação. Isto é natural num país pouco acostumado ao confronto de ideias. Todavia, o país está sujeito a uma perigosa incompetência em relação à inflação. A correção disto pode custar mais que a atual estagnação. Pode ser necessária uma recessão. Expectativas de crescimento exageradas O ex-presidente Lula trouxe à política a "nova pauta" da inclusão social. Nada mais justo num país sabidamente desigual. A distribuição de renda ocorreu num ambiente internacional extremamente favorável até 2008 e, depois da enorme crise instalada no mundo, deixou de ser o "fenômeno" tão apregoado pelo ex-trabalhador. O que se seguiu com o governo Dilma foi a evidência de que o crescimento econômico brasileiro não tem dinâmica - os investimentos despencaram (de fato, nunca cresceram consistentemente) e o consumo encontrou o muro do alto custo dos empréstimos e da limitação da renda para pagar dívidas. Isso tudo com o mercado laboral permanecendo (surpreendentemente) positivo, apesar do vergonhoso PIB de 1% no ano passado - os EUA com toda a crise que enfrentam cresceu 2%. Ora, com a inflação em alta, os ataques especulativos de dentro do próprio governo e a taxa de câmbio valorizada, a aposta do "mercado" de que o crescimento vai ser maior que 3% parece bem otimista. Frase da semana Do jornalista Rolf Kuntz em artigo no "Estadão" : "O papa Bento XVI anunciou a intenção de se isolar depois de abandonar o Vaticano. Dificilmente estará mais distante do mundo num convento do que estaria em Brasília". Trair e coçar, é só começar ! Diriam os pecuaristas que a situação política, em matéria de sucessão presidencial, está daquelas em que o bezerro não reconhece a mãe. Na plataforma de lançamento estão Dilma Rousseff, Marina Silva, Eduardo Campos e Aécio Neves. Dilma já está no jogo e fez algo inusitado na política brasileira : precipitou a própria sucessão, com todos os riscos políticos que isto acarreta. A largada antecipada pode levar, por exemplo, a presidente a tropeçar na economia (ver notas acima). Marina Silva, com o recém-lançado "Rede Sustentabilidade", também é nome certo no grid de largada. Eduardo Campos está no páreo, não esconde que é candidato apesar de algumas ambiguidades, está mais para ir que para não ir, mas ainda analisa riscos e oportunidades. Será força influente, porém. Aécio Neves é aspirante sim, só não concorrerá se não conseguir a unidade de seu partido e uma aliança que pelo menos mantenha com ele o DEM e o PPS. Porém, ao contrário de Eduardo Campos, da mesma geração e com quem tem diversas afinidades, ele testa suas possibilidades para dentro e não para fora. Trair e coçar, é só começar ! II Mas fora dos partidos de origem de cada um dos quatro, este cenário não está consolidado - e ninguém aposta em ninguém, estão todos esperando para ver o sopro do vento. O único dos partidos mais significativos que não terá candidato à presidência e que está com um compromisso mais firme, por interesses imediatos, é o PMDB. O partido quer garantir a vice-presidência, que está ameaçada por movimentos de Lula e Eduardo Campos. Também quer mais espaço no governo. Dilma quer o partido não só para suas necessidades diárias no Congresso como também como uma espécie de contraponto a alguma discordância com o próprio PT. Mesmo assim esse compromisso não está passado ainda "em cartório do céu e assinado por Deus" (Vinícius e Baden, no "Samba da Benção"). O restante está de amizade colorida. Dilma conversou com alguns já, mas de nenhum recebeu a garantia de votar com ela em 2014. Estão com ela no Congresso, a sucessão presidencial é outra conversa, para outro momento. O mesmo vale para Aécio, Campos, Marina. Vai depender das ofertas e das chances mínimas de cada um. O que começa a contar é a tal "expectativa de poder". As bruxarias de Lula Lula já deu demonstrações de que em matéria de política é capaz de fazer, como diria aquela bela canção de Dorival Caymmi ("João Valentão"), "coisas que até Deus duvida". Escapou incólume de todos os problemas de seu governo - mensalão, queda de ministros (Antonio Palocci e José Dirceu) - e posteriores - queda de ministros indicados a Dilma, os "bebês de Rosemary" - e elegeu duas apostas, inicialmente consideradas temerárias para a presidência da República e a prefeitura de SP. Mostrou que é mesmo o próprio "cara". Com tal cacife e sem contestações visíveis na área do governo, está agora pretendendo armar um quebra-cabeças realmente sobrenatural : a) entregar a vice presidência da chapa de Dilma à reeleição para Eduardo Campos do PSB, retirando da cabeça do governador de PE o plano de se candidatar ao Palácio do Planalto ano que vem. b) compensar o PMDB e Michel Temer pela perda da vice-presidência com a candidatura à sucessão de Geraldo Alckmin em SP com as bênçãos do PT. Mesmo para um "milagreiro" como Lula, é santo demais para acomodar. O PMDB aceitaria trocar o que acha certo pelo mais que duvidoso, ainda mais que está totalmente alinhado com Dilma ? O PT aceitaria fazer concessões ? O PMDB e o PSB, conhecendo o parceiro como conhecem, confiarão numa resignação petista ? Se conseguir tal façanha, Lula poderá reivindicar o direito a uma "canonização política". Jogo de cartas marcadas ? Há um enigma em algumas movimentações iniciais do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff da sucessão de 2014. Apesar das diferenças de estilo e de ênfase, em dupla, eles atuam na política e na economia como as mais afinadas duplas caipiras. De público, não há divergências e quando surge algum ruído é logo explicado. Agora, porém, parecem em campos opostos nas tratativas para montar o palanque de Dilma para 2014. Lula trabalha para colocar Eduardo Campos no lugar de Michel Temer na recandidatura presidencial. Dilma tem afirmado que a parceria com o PMDB vai permanecer intacta. Das duas uma : ou eles começaram a divergir ou, o que é mais provável, estão jogando em dobradinha para manter o PMDB e evitar que Campos saia imediatamente do redil oficial e só oficializarão a chapa governista no ano que vem. Enquanto isso, ficam os dois distraídos e na expectativa. Para compensar, a ABL Quem sabe das coisas sabe que o PT nunca abrirá mão de disputar o governo de SP com um candidato próprio, pois nunca ter governado os paulistas é um das frustrações petistas. Assim, ele só abrirá mão dessa vaga para um aliado, no caso alguém do PMDB e, ao gosto de Lula : Michel Temer. Isso se o ex-presidente estiver absolutamente certo de uma derrota. Mas, quem sabe, tal estratégia não seja nada para o peemedebismo. Temer, poeta romântico que é, poderá ser compensado com o apoio de Lula à candidatura dele a uma vaga na Academia Brasileira de Letras. Um vespeiro para Dilma No vai e vem das informações desencontradas sobre a reforma ministerial que a presidente Dilma já está negociando com os aliados, assegura-se agora que a mudança será mais ampla que a inicialmente pretendida por ela. Não virá mais apenas para acomodar compromissos com PMDB e o PSD, assumidos nas eleições municipais. Vai atrair de volta para o curral oficial os partidos que andavam desgarrados das mudanças de 2011 por suspeitas de mal feitos, caso dos "faxinados" PR e PDT. Os dois têm "nomes fantasia" no ministério atual, que não são de agrado dos seus caciques. Dilma terá também de fazer algumas compensações regionais para não abrir fissuras perigosas na sua base. É o caso de MG, especificamente com o PMDB. O PMDB mineiro considera-se credor de um ministério por ter, atendendo a um apelo do onipresente Michel Temer, apoiado a candidatura derrotada de Patrus Ananias/PT à prefeitura de Belo Horizonte. Se não receber a compensação, os peemedebistas mineiros ameaçam abraçar desde já a candidatura presidencial do tucano mineiro Aécio Neves. Um vespeiro para Dilma II Até o próprio petismo mineiro acha que Dilma precisa dar mais espaço a Minas no Ministério, hoje representada apenas pelo solitário Fernando Pimentel no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A imagem de Dilma para uma parte relevante dos mineiros é "a de uma mineira que não gosta de Minas", frase esta já explorada por Aécio Neves na campanha municipal. Dilma não pode se arriscar a um atrito com o segundo colégio eleitoral do país, bairrista como ele só, e no qual tanto Lula (duas vezes) e ela (em 2012) conseguiram expressivas margens de votos sobre os adversários. Desta vez um dos prováveis concorrentes será um mineiro, o que ajuda a recrudescer o sentimento nativista das Alterosas. Ao admitir fazer uma reforma ministerial para atender PMDB e PSD de forma restrita, Dilma mexeu num vespeiro de reivindicações que já extrapolam também para o segundo escalão. Haja cargos ! A festa (e a solidariedade) do PT O PT faz uma grande festa amanhã em SP, tendo como astros de primeira grandeza naturalmente a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula para comemorar os 33 anos de criação do partido e os dez anos de petismo na presidência da República. Em meio à apoteose que deve ser o evento será curioso descobrir como o partido, com outros convidados ilustres no palco, tratará os mensaleiros condenados pelo STF, figuras cruciais na fundação e consolidação da legenda. Haverá um ato de solidariedade explícita aos companheiros em dificuldades com a Justiça ou o assunto será esquecido ou apenas tratado de forma envergonhada ? Tem gato na tuba ? Depois de conquistar a presidência do Senado, com o investigado Renan Calheiros, o PMDB está querendo nada menos do que o comando do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa. Na Câmara, onde pontifica Henrique Alves, quem almeja posição idêntica é o PT, ainda às voltas com seus deputados condenados no mensalão. A pequeneza de Dilma Durante a campanha eleitoral que elegeu a novata em eleições, Dilma Rousseff, o Papa Bento XVI declarou que os eleitores não deveriam votar em candidatos que apóiam o aborto. Ora, nada mais natural que um pontífice se pronuncie em relação aquilo que diz respeito à doutrina de sua religião. A mesma crítica tocou a eleição norte-americana do ano passado. Não foi uma censura direta aos candidatos, um erro primário que o atual Papa não cometeu. A sociedade aberta permite este confronto. Note-se como é discutida a questão da pedofilia de certos religiosos nos EUA e na Irlanda, apenas para citar um incômodo assunto para as lideranças católicas. Pois bem : todos os líderes das principais nações do mundo mandaram mensagens à chancelaria vaticana quando do anúncio da renúncia de Bento XVI. A exceção foi Dilma que se recolheu às próprias mágoas. Radar NA REAL 15/02/13 TENDÊNCIA SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo Juros ¹ - Pré-fixados NA estável estável/alta - Pós-Fixados NA estável estável/alta Câmbio ² - EURO 1,3351 estável baixa - REAL 1,9636 estável estável/baixa Mercado Acionário - Ibovespa 57.613,90 estável estável - S&P 500 1.514,14 estável/alta estável/alta - NASDAQ 3.192,03 estável/alta estável/alta (1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais). (2) Em relação ao dólar norte-americano NA - Não aplicável ___________