Quinta-feira, 24 de julho de 2014 Cadastre-se

ISSN 1983-392X

Bafômetro não é a única prova para demonstrar embriaguez de motorista

Carlos Eduardo de Oliveira Vasconcelos, subprocurador-geral da República, enviou ao STJ parecer pelo provimento de recurso especial repetitivo no qual defende que a prova da embriaguez ao volante deve ser feita, preferencialmente, por meio de perícia, respeitado o direito contra a autoincriminação, podendo a perícia ser suprida por exame clínico ou prova testemunhal, nas hipóteses em que os sintomas da embriaguez se apresentem indisfarçáveis, dando conta de que os seis decigramas de concentração de álcool foram excedidos.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Prova da embriaguez

Bafômetro não é a única prova para demonstrar embriaguez de motorista

Carlos Eduardo de Oliveira Vasconcelos, subprocurador-geral da República, enviou ao STJ parecer pelo provimento de recurso especial repetitivo no qual defende que a prova da embriaguez ao volante deve ser feita, preferencialmente, por meio de perícia, respeitado o direito contra a autoincriminação, podendo a perícia ser suprida por exame clínico ou prova testemunhal, nas hipóteses em que os sintomas da embriaguez se apresentem indisfarçáveis, dando conta de que os seis decigramas de concentração de álcool foram excedidos.

O recurso foi selecionado como repetitivo pela representatividade da questão. O caso começou em abril de 2008, quando um motorista de Brasília envolveu-se em acidente de trânsito e, diante da indisponibilidade de equipamento para a realização do "teste do bafômetro", foi encaminhado ao IML, para exame clínico, que atestou sua embriaguez. Contra denúncia recebida em seu desfavor, ele ajuizou HC no TJ/DF pedindo o trancamento da ação penal por ausência de justa causa, considerando a incidência de lei posterior.

O TJ/DF concedeu a ordem e determinou o trancamento da ação penal, considerando que, não tendo sido submetido a exames de sangue ou bafômetro, não ficou comprovado que o motorista dirigia sob efeito de álcool, na concentração exigida pela norma do art. 306 do CTB, com a redação determinada pela lei 11.705/08 (clique aqui), tida como "mais benéfica" que a norma anterior. Contra essa decisão, o MP/DF interpôs o recurso especial, sustentando que a supervalorização de uma prova técnica em detrimento dos demais meios de prova contraria o art. 157 do CPP (clique aqui).

Parecer

O subprocurador-geral da República manifestou-se pelo provimento do recurso concordando que, existindo nos autos prova técnica de que o agente conduzia seu veículo sob a influência de álcool – realizada por meio idôneo, qual seja, exame clínico por médico legista do IML, confirmado por prova testemunhal – atribuir maior valor a uma prova (justamente aquela a que o agente pode se recursar), em prejuízo dos demais meios de verificação do crime, atenta contra o sistema processual, que proclama a não-hierarquia entre as provas.

No parecer, ele analisa a controvérsia de que, diante da nova redação do art. 306 do CTB (clique aqui), pela lei 11.705/08, o tipo penal só se aperfeiçoa caso o motorista concorde em fazer o exame por bafômetro ou de alcoolemia (coleta de sangue). De acordo com ele, incerteza jurídica se instalou no país por causa do princípio da não-autoincriminação, segundo o qual ninguém é obrigado a produzir prova contra si. Com isso, o subprocurador entende que o caráter repetitivo se aplica ao recurso para que o STJ pacifique interpretação sobre a questão.

Mudança da norma

Carlos Eduardo explica que a antiga redação do art. 306 do CTB exigia, para a configuração do delito, que o motorista estivesse sob a influência de álcool, sem indicar quantidade específica de concentração da substância no corpo, e que a lei 11.705/08 estabeleceu a concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a seis decigramas. Para ele, assim, não é preciso estar embriagado para incidir na norma penal, basta apresentar a proporção de seis decigramas de álcool no sangue, o que, em certas pessoas, pode não chegar a afetar os reflexos necessários para dirigir.

Ele considera absurda a interpretação de que só pode ser aceita uma prova para o delito, já que entrega nas mãos do bêbado a única possibilidade de verificar sua embriaguez. "Aquele que não está bêbado verá o bafômetro ou o exame de alcoolemia como meio de defesa, e não de autoincriminação", diz. Para ele, o suspeito não está obrigado a produzir prova contra si e não merece censura por não fornecê-la, mas, se o Estado tem o ônus de provar o crime, não se lhe pode negar os meios de fazê-lo.

Assim, ele manifesta-se pela formação do entendimento, na esteira de precedentes do STF e do STJ, de que "a prova da embriaguez ao volante deve ser feita, preferencialmente, por meio de perícia, respeitado o direito contra a autoincriminação, podendo a perícia ser suprida por exame clínico ou prova testemunhal, nas hipóteses em que os sintomas da embriaguez se apresentem indisfarçáveis, dando conta de que os seis decigramas de concentração de álcool foram excedidos".

O parecer será analisado pela 5ª turma do STJ.

______________
_______

Leia mais - Notícias

  • 12/4/11 - TJ/SP entende que o teste com bafômetro basta para comprovar materialidade de crime - clique aqui.

  • 14/3/11 - STJ - Bafômetro substitui exame de sangue para comprovação de crime de embriaguez ao volante - clique aqui.

  • 10/12/10 - 5ª turma do STJ reafirma ser possível constatar embriaguez ao volante sem bafômetro - clique aqui.

  • 26/7/10 - Juíza paulista absolve acusado de embriaguez apontada em teste de bafômetro - clique aqui.

  • 1/6/10 - STF arquiva HC de advogado que contesta teste do bafômetro - clique aqui.

  • 19/5/10 - Advogado pede ao STF salvo conduto contra bafômetro - clique aqui.

  • 2/12/09 - TJ/RJ - Alta concentração de álcool no sangue não é suficiente para comprovar crime - clique aqui.

  • 28/7/09 - STJ nega salvo-conduto para livrar motorista de fazer teste do bafômetro - clique aqui.

  • 14/5/09 - TJ/RJ - Motorista bêbado terá que pagar indenização por provocar acidente – clique aqui.

  • 18/2/09 - Migalhas de Carnaval : Lei Seca – clique aqui.
  • 1/9/08 - STJ - Dirigir embriagado pode cancelar seguro – clique aqui.
  • 12/7/08 - Advogado que impetrou HC no STF contra lei seca tem pedido negado – clique aqui.
  • 11/7/08 - Lei seca - Advogado obtém no TJ/SP o direito de evitar bafômetro – clique aqui.

Leia mais - Artigos

  • 31/1/11 - Lei Seca: erro do legislador garante impunidade - Luiz Flávio Gomes - clique aqui.
  • 15/10/08 - "Segurança no Trânsito x Segurança Jurídica" - Daniela Villani Bonaccorsi - clique aqui.
  • 8/8/08 - "Alterações do Código de Trânsito: algumas ponderações" - Gabriela de Moraes Montagnana e Natália Penteado Sanfins - clique aqui.
  • 7/8/08 - "Tem carro, paga seguro, então não beba!" - Alexandre Bittencourt Amui de Oliveira - clique aqui.
  • 5/8/08 - "A lei seca e o bafômetro" - Antonio Pessoa Cardoso - clique aqui.
  • 30/7/08 - "Lei quase seca" - Stanley Martins Frasão - clique aqui.
  • 18/7/08 - "Bom-bons criminosos, imposição de bafômetro e prisões: o Estado de Polícia" - Danilo Pereira -clique aqui.
  • 15/7/08 - "A Lei Seca e o valor da vida" - Leon Frejda Szklarowsky - clique aqui.
  • 15/7/08 - "Lei Federal nº 11.705/08 (lei seca): punir, arrecadar, não educar e lucrar" - Karyna Rocha Mendes da Silveira - clique aqui.
  • 11/7/08 - "Lei Seca à brasileira" - Juliana Mancini Henriques - clique aqui.
  • 11/7/09 - "Lei Seca e abuso de autoridade" - José Beraldo - clique aqui.
  • 11/7/08 - "A Lei Seca" - Eudes Quintino de Oliveira Júnior - clique aqui.
  • 11/7/08 - "Lei Seca ou tolerância zero" - Plínio Zabeu - clique aqui.
  • 11/7/08 - "Embriaguez ao volante: notas à Lei nº. 11.705/08" - Damásio de Jesus - clique aqui.
  • 7/7/08 - "Lei sobre álcool e trânsito" - Carlo Huberth Luchione - clique aqui.
  • 26/7/06 - "Considerações sobre a "lei seca"" - Fernando Trizolini e Filipe Lovato - clique aqui.

__________________

últimas quentes