quarta-feira, 28 de julho de 2021

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. De grão em grão até o Migalhas

De grão em grão até o Migalhas

A boa comunicação, a boa informação, a boa leitura agregam seguidores exigentes, principalmente aqueles que atuam na área jurídica.

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A expressão do pensamento humano é uma das conquistas mais valiosas no âmbito da comunicação, desde os primórdios da humanidade quando o homem se destacou em se expressar por meio de desenhos nos rochedos e paredes das cavernas onde habitava. É a maneira pela qual a pessoa, seja pela escrita, pelas artes plásticas, pela música ou por qualquer outro meio artístico ou cultural, exterioriza seu pensamento, a sua opinião a respeito de determinado tema. A comunicação, vista sob este prisma, é uma forma prazerosa de levar até outras pessoas um dom especial, encantando-as e transportando-as para um local imaginável ou até mesmo real, e entrelaçá-las com a informação necessária.

Daí que a comunicação é a ferramenta imprescindível nos dias de hoje para a pessoa viver conectada não só com a comunidade que frequenta, mas com o universo. Tanto é que a distância entre os povos passa a ser inexistente. Basta ver que, com a decretação da pandemia, a comunicação entre as nações vem se desenvolvendo em tempo real, assim como pela forma como são repassadas as recomendações sanitárias da Organização Mundial da Saúde.

Com a perspicácia pertinente, Meneses Vieira assim definiu a comunicação: O fundamento de toda sociedade de homens é a comunicação. É por meio dela que o ser humano estabelece a convivência - o viver em comum, compartilhando no grupo social ideias, sentimentos, valores, interesses e crenças. São pessoas interagindo, realizando o contato social, expandindo suas vidas.1

Assim é que a atualidade vem recheada de informações científicas fazendo ver que a tecnologia é um aparato indispensável e inseparável do homem. A filosofia, quer a produzida pelos grandes pensadores e até mesmo pelas curtas mensagens de autoajuda transmitidas via WhatsApp, aproxima-se mais das pessoas para auxiliá-las na travessia dos caminhos duvidosos e obscuros.

Os meios de comunicação, neste contexto, ganham relevante importância porque conseguem pelos seus inúmeros canais atingir uma considerável parcela da comunidade relatando os fatos que envolvem o comportamento humano cotidiano. Não há mais espaço para o homem só. As pessoas se congregam pelo contato com a informação, que irá repercutir em todos os ambientes de suas vidas, além do que, pela sua relevância social, foi erigida à categoria de direito. E, quanto maior for o arsenal de informações, maior será a expansão do indivíduo que assumirá mais responsabilidade em sua comunidade, por ter adquirido experiência mais do que suficiente para tanto.

Lima Sobrinho sintetizou magistralmente: É esse instinto de comunicação, associado à curiosidade, que conduz o homem à busca da informação, no esforço com que procura devassar o mistério da vida, conhecendo as circunstâncias que o envolvem, para que assim se possam alcançar as somas das experiências individuais e a expansão dos meios de expressão.2

A boa comunicação, a boa informação, a boa leitura agregam seguidores exigentes, principalmente aqueles que atuam na área jurídica. E aqui vem o destaque especial para o Migalhas, que desde o seu nascedouro, já predestinado a oferecer ao mundo jurídico uma apurada coletânea de informações a respeito de temas que transitam diariamente pelo país, operou uma verdadeira revolução na arte da comunicação. E o mais importante: conseguiu não só passar a informação com o aval jurídico de qualidade, sob pena de o responsável levar tantas chibatadas quantas forem previstas em lei - observando o due process of law - como, também, abrir espaço para que os próprios leitores sejam coadjuvantes e possam participar ativamente com seus textos, entronizados em colunas temáticas. E o resultado é tão fabuloso que forma um caleidoscópio jurídico, de múltiplas facetas, oferecendo material de diversas áreas para os operadores do Direito e de outras também.

Quando há convergência de leitura entre as pessoas, selecionando um órgão que representa o anseio comum, todos se sentem confortados e ajustados em suas preferências. Parece até que, propositadamente, são escolhidos obedecendo a um rigoroso critério de seleção. Migalhas consegue, com a facilidade que lhe é peculiar, desde sua proposta inicial, reunir profissionais de elevada estirpe e disseminar suas informações e lições jurídicas, pesquisadas e assentadas em fontes inesgotáveis, como se fossem migalhas colhidas de um lauto jantar, que a cada dia se renova de forma mais prazerosa.

Com títulos sugestivos, em notas curtas e com palavras perfeitamente ajustadas, pinçadas com zelo pelo redator, consegue trazer para o leitor, onde quer que ele se encontre, as notícias jurídicas e políticas da hora, dos bastidores dos tribunais e da lei recém-editada. Sem falar ainda dos vários cursos oferecidos para a comunidade jurídica.

E não só. Avançou e estruturou uma plataforma edificada com esmero, constantemente aprimorada, verdadeiro canal de comunicação e convívio cultural dos leitores, com as mais avançadas ferramentas da tecnologia mundial, esbanjando competência e introduzindo novas transformações num simples clicar do teclado, mesmo para aqueles sem muita intimidade com o computador. Parece até que foi ao encontro dos conselhos de Harari: Humanos e máquinas poderão se fundir tão completamente que os humanos não serão capazes de sobreviver se estiverem desconectados da rede.3

Migalhas completa a edição de número 5.000 do Informativo imbuído dos mais nobres propósitos de oferecer uma leitura palatável e interessante para seus Migalheiros.

Migalhas vem a ser, portanto, o demonstrativo vivo da importância da mais perfeita comunicação. Conseguiu, como bem salientou Eco no aforismo: Nós vemos mais longe que os antigos.4 De grão em grão, até atingir a plenitude do Migalhas. Sentimo-nos jubilosos e gratificados.

Parabéns!

----------

1 Menezes Vieira, Ana Lúcia. Processo penal e mídia. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003, p. 26.
2 Lima Sobrinho, Barbosa. Direito de informação. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 17, n.67, p. 147-148, jul.-set. 1980
3 Harari, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. - Tradução Paulo Geiger - São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 797.
4 Eco, Umberto. Nos ombros dos gigantes. Tradução Eliana Aguiar- Rio de Janeiro: Record, 2018, p. 25.

 

Atualizado em: 15/12/2020 07:52

Eudes Quintino de Oliveira Júnior

VIP Eudes Quintino de Oliveira Júnior

Promotor de Justiça aposentado, mestre em Direito Público, pós-doutorado em Ciências da Saúde, sócio fundador do escritório Eudes Quintino Sociedade de Advogados.

LEIA MAIS

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca