domingo, 17 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Norma internacional deve reger ação de ressarcimento de seguradora por extravio de mercadoria
Convenção de Montreal

Norma internacional deve reger ação de ressarcimento de seguradora por extravio de mercadoria

Ministro Luís Roberto Barroso reformou acórdão que condenou companhia aérea a ressarcir seguradora.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, determinou que as instâncias de origem apreciem eventual condenação de companhia aérea em ação de ressarcimento levando em consideração que a norma internacional que rege a matéria deve prevalecer.

t

Uma seguradora ajuizou ação visando ressarcimento de indenização paga a um de seus segurados no valor de R$ 102.305,96 em razão de extravio de mercadorias transportadas pela companhia aérea.

O juízo de 1º grau julgou procedente a demanda. Inconformada, a companhia aérea apelou e, por decisão unânime, o recurso foi desprovido, bem como os embargos de declaração. Para o colegiado, foi comprovado o extravio da mercadoria, a existência do seguro e o pagamento da indenização.

Em recurso extraordinário no STF, a companhia aérea buscou fundamento no art. 102, III, a, da CF. A empresa alegou violação ao art. 178 da CF e aos arts. 18 e 22, item 3, da Convenção de Montreal.

Ao analisar o caso, o ministro Luís Roberto Barroso considerou que o acórdão recorrido divergiu do entendimento firmado pelo STF, que, ao julgar o Tema 210 da repercussão geral, assentou que, por força do art. 178 da CF, em caso de conflito, as normas das convenções que regem o transporte aéreo internacional prevalecem sobre a legislação interna.

Assim, deu provimento ao recurso para determinar às instâncias de origem que apreciem novamente o feito, "levando em consideração que a norma internacional que rege a matéria deve prevalecer para eventual condenação de empresa aérea internacional por danos morais e materiais".

A companhia aérea é defendida pelas advogadas Amanda Zanoni e Julia Lins, integrantes do escritório Albuquerque Melo Advogados.

Veja a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/8/2020 17:06